BRASIL , Sudeste , Homem , de 26 a 35 anos , Portuguese , English , Música , Esportes , Amor
Outro -
Magia Gifs - O melhor site de GIFs!

Meu Humor



PERFIL
Nome:Nilceu Francisco

Aniversário:11 de julho

Cidade:Campinas-SP

Gosto:Boas amizades, Viver, Conquistar, Amar

Hobby:Compor

Filmes:Aprecio a todos os gêneros

Músicas:Dance, Românticas... Preferidas :Folhas de outono; As rosas não falam, Palavras lindas...

GREVE DOS PROFESSORES EM SP

SOM
Tema do filme " Ao mestre com carinho"


ALUNOS, EX-ALUNOS DE DIVERSAS ESCOLAS ONDE TRABALHO OU TRABALHEI.

MEUS OUTROS BLOGS

PAPAIS


FOLCLORE


OLIMPÍADAS BRASIL LÁ


CÂMERA OCULTA


O UÓ DO BOROGODÓ


MAMÃES


PAIXÃO POR CRISTO


BIG & BLOG


TÔ COM A MACACA


ENVIE CARINHOS


LOVE STORIESS


BLOG NILCEU


GARGALHADAS


RECANTO SANTISTA


BLOG POLÍTICA


PROSAMOROSA


BLOG ADULTO


FOTOLOG DA FAMA


FOTOBLOG SENSUAL


NATAL DOS SONHOS-Pesquisa


BLOG NEWCEU- Pesquisa


BLOG PAN-PAN - Pesquisa


BLOG FOLCLORE - Pesquisa


CAUSOS & FOLIAS - Pesquisa


BYE, BYE, tristeza - Pesquisa


ESPORTES & SPORTS - Pesquisa


HOME

LINKS

Aulas
ANPED
APEOESP
APRENDIZ UOL
Banco Brasil
BANCO ITAÚ
BANESPA
BLOGGER
BOL
BRADESCO
CAIXA FEDERAL
CENP - EDUNET
Como estudar
CONCURSOS
CPP
CURIOSIDADES
D.E. Leste
D.E. Oeste
Downloads Livros
ENEM
FATOS
Folclore
G1 Notícias
Gifs Best
GLOBO
Imprensa Oficial
Lição Casa
Ling Estrangeira
Literat e Gramát
Livros-Downloads
Ministério Fazenda
MEC
Nossa Caixa
PEGADINHAS
Portal MEC
Prefeitura Cps
PUCCAMP
Revista Profs
Secretaria Educação
TERRA
UNICAMP
UOL
USP
YAHOO
Manual Profs
Sonhos
Extra/Globo
EducarCrescer
EAD


Votação

Dê uma nota para meu blog OBRAS DE ARTE ALEIJADINHO, ANITA MALFATI, PORTINARI, MICHELANGÊLO, TARSILA DO AMARAL


INDIQUE

Indique esse Blog PESQUISE ARQUIVOS

25/08/2013 a 31/08/2013

11/08/2013 a 17/08/2013

21/07/2013 a 27/07/2013

23/06/2013 a 29/06/2013

21/04/2013 a 27/04/2013

14/04/2013 a 20/04/2013

07/04/2013 a 13/04/2013

11/11/2012 a 17/11/2012

04/11/2012 a 10/11/2012

14/10/2012 a 20/10/2012

01/07/2012 a 07/07/2012

29/04/2012 a 05/05/2012

22/04/2012 a 28/04/2012

26/02/2012 a 03/03/2012

29/01/2012 a 04/02/2012

08/01/2012 a 14/01/2012

01/01/2012 a 07/01/2012

18/12/2011 a 24/12/2011

27/11/2011 a 03/12/2011

20/11/2011 a 26/11/2011

13/11/2011 a 19/11/2011

23/10/2011 a 29/10/2011

09/10/2011 a 15/10/2011

18/09/2011 a 24/09/2011

11/09/2011 a 17/09/2011

04/09/2011 a 10/09/2011

14/08/2011 a 20/08/2011

07/08/2011 a 13/08/2011

10/07/2011 a 16/07/2011

26/06/2011 a 02/07/2011

05/06/2011 a 11/06/2011

29/05/2011 a 04/06/2011

08/05/2011 a 14/05/2011

24/04/2011 a 30/04/2011

10/04/2011 a 16/04/2011

13/03/2011 a 19/03/2011

27/02/2011 a 05/03/2011

20/02/2011 a 26/02/2011

06/02/2011 a 12/02/2011

16/01/2011 a 22/01/2011

26/12/2010 a 01/01/2011

19/12/2010 a 25/12/2010

05/12/2010 a 11/12/2010

07/11/2010 a 13/11/2010

17/10/2010 a 23/10/2010

10/10/2010 a 16/10/2010

03/10/2010 a 09/10/2010

12/09/2010 a 18/09/2010

05/09/2010 a 11/09/2010

29/08/2010 a 04/09/2010

22/08/2010 a 28/08/2010

15/08/2010 a 21/08/2010

08/08/2010 a 14/08/2010

04/07/2010 a 10/07/2010

20/06/2010 a 26/06/2010

13/06/2010 a 19/06/2010

23/05/2010 a 29/05/2010

16/05/2010 a 22/05/2010

02/05/2010 a 08/05/2010

25/04/2010 a 01/05/2010

11/04/2010 a 17/04/2010

04/04/2010 a 10/04/2010

28/03/2010 a 03/04/2010

21/03/2010 a 27/03/2010

14/03/2010 a 20/03/2010

07/03/2010 a 13/03/2010

28/02/2010 a 06/03/2010

21/02/2010 a 27/02/2010

07/02/2010 a 13/02/2010

31/01/2010 a 06/02/2010

24/01/2010 a 30/01/2010

17/01/2010 a 23/01/2010

10/01/2010 a 16/01/2010

27/12/2009 a 02/01/2010

20/12/2009 a 26/12/2009

13/12/2009 a 19/12/2009

29/11/2009 a 05/12/2009

22/11/2009 a 28/11/2009

15/11/2009 a 21/11/2009

08/11/2009 a 14/11/2009

01/11/2009 a 07/11/2009

25/10/2009 a 31/10/2009

18/10/2009 a 24/10/2009

11/10/2009 a 17/10/2009

04/10/2009 a 10/10/2009

27/09/2009 a 03/10/2009

20/09/2009 a 26/09/2009

13/09/2009 a 19/09/2009

06/09/2009 a 12/09/2009

23/08/2009 a 29/08/2009

09/08/2009 a 15/08/2009

02/08/2009 a 08/08/2009

26/07/2009 a 01/08/2009

19/07/2009 a 25/07/2009

12/07/2009 a 18/07/2009

05/07/2009 a 11/07/2009

28/06/2009 a 04/07/2009

21/06/2009 a 27/06/2009

14/06/2009 a 20/06/2009

07/06/2009 a 13/06/2009

31/05/2009 a 06/06/2009

24/05/2009 a 30/05/2009

17/05/2009 a 23/05/2009

10/05/2009 a 16/05/2009

03/05/2009 a 09/05/2009

26/04/2009 a 02/05/2009

19/04/2009 a 25/04/2009

12/04/2009 a 18/04/2009

05/04/2009 a 11/04/2009

29/03/2009 a 04/04/2009

22/03/2009 a 28/03/2009

15/03/2009 a 21/03/2009

08/03/2009 a 14/03/2009

01/03/2009 a 07/03/2009

22/02/2009 a 28/02/2009

08/02/2009 a 14/02/2009

01/02/2009 a 07/02/2009

25/01/2009 a 31/01/2009

18/01/2009 a 24/01/2009

11/01/2009 a 17/01/2009

04/01/2009 a 10/01/2009

28/12/2008 a 03/01/2009

21/12/2008 a 27/12/2008

14/12/2008 a 20/12/2008

07/12/2008 a 13/12/2008

30/11/2008 a 06/12/2008

23/11/2008 a 29/11/2008

16/11/2008 a 22/11/2008

09/11/2008 a 15/11/2008

02/11/2008 a 08/11/2008

26/10/2008 a 01/11/2008

19/10/2008 a 25/10/2008

12/10/2008 a 18/10/2008

05/10/2008 a 11/10/2008

28/09/2008 a 04/10/2008

14/09/2008 a 20/09/2008

07/09/2008 a 13/09/2008

31/08/2008 a 06/09/2008

24/08/2008 a 30/08/2008

17/08/2008 a 23/08/2008

10/08/2008 a 16/08/2008

03/08/2008 a 09/08/2008

27/07/2008 a 02/08/2008

20/07/2008 a 26/07/2008

13/07/2008 a 19/07/2008

06/07/2008 a 12/07/2008

29/06/2008 a 05/07/2008

22/06/2008 a 28/06/2008

15/06/2008 a 21/06/2008

08/06/2008 a 14/06/2008

01/06/2008 a 07/06/2008

25/05/2008 a 31/05/2008

18/05/2008 a 24/05/2008

11/05/2008 a 17/05/2008

04/05/2008 a 10/05/2008

27/04/2008 a 03/05/2008

20/04/2008 a 26/04/2008

13/04/2008 a 19/04/2008

06/04/2008 a 12/04/2008

30/03/2008 a 05/04/2008

23/03/2008 a 29/03/2008

16/03/2008 a 22/03/2008

09/03/2008 a 15/03/2008

02/03/2008 a 08/03/2008

24/02/2008 a 01/03/2008

17/02/2008 a 23/02/2008

10/02/2008 a 16/02/2008

03/02/2008 a 09/02/2008

27/01/2008 a 02/02/2008

20/01/2008 a 26/01/2008

13/01/2008 a 19/01/2008

06/01/2008 a 12/01/2008

30/12/2007 a 05/01/2008

23/12/2007 a 29/12/2007

16/12/2007 a 22/12/2007

09/12/2007 a 15/12/2007

02/12/2007 a 08/12/2007

25/11/2007 a 01/12/2007

18/11/2007 a 24/11/2007

11/11/2007 a 17/11/2007

04/11/2007 a 10/11/2007

28/10/2007 a 03/11/2007

21/10/2007 a 27/10/2007

14/10/2007 a 20/10/2007

07/10/2007 a 13/10/2007

30/09/2007 a 06/10/2007

23/09/2007 a 29/09/2007

16/09/2007 a 22/09/2007

09/09/2007 a 15/09/2007

02/09/2007 a 08/09/2007

26/08/2007 a 01/09/2007

19/08/2007 a 25/08/2007

12/08/2007 a 18/08/2007

05/08/2007 a 11/08/2007

29/07/2007 a 04/08/2007

22/07/2007 a 28/07/2007

15/07/2007 a 21/07/2007

08/07/2007 a 14/07/2007

01/07/2007 a 07/07/2007

24/06/2007 a 30/06/2007

17/06/2007 a 23/06/2007

10/06/2007 a 16/06/2007

03/06/2007 a 09/06/2007

27/05/2007 a 02/06/2007

20/05/2007 a 26/05/2007

13/05/2007 a 19/05/2007

06/05/2007 a 12/05/2007

29/04/2007 a 05/05/2007

22/04/2007 a 28/04/2007

15/04/2007 a 21/04/2007

08/04/2007 a 14/04/2007

01/04/2007 a 07/04/2007

25/03/2007 a 31/03/2007

18/03/2007 a 24/03/2007

11/03/2007 a 17/03/2007

04/03/2007 a 10/03/2007

25/02/2007 a 03/03/2007

18/02/2007 a 24/02/2007

11/02/2007 a 17/02/2007

04/02/2007 a 10/02/2007

28/01/2007 a 03/02/2007

21/01/2007 a 27/01/2007

07/01/2007 a 13/01/2007

31/12/2006 a 06/01/2007

24/12/2006 a 30/12/2006

17/12/2006 a 23/12/2006

10/12/2006 a 16/12/2006

03/12/2006 a 09/12/2006

26/11/2006 a 02/12/2006

19/11/2006 a 25/11/2006

12/11/2006 a 18/11/2006

05/11/2006 a 11/11/2006

29/10/2006 a 04/11/2006

22/10/2006 a 28/10/2006

15/10/2006 a 21/10/2006

08/10/2006 a 14/10/2006

01/10/2006 a 07/10/2006

24/09/2006 a 30/09/2006

10/09/2006 a 16/09/2006

03/09/2006 a 09/09/2006

27/08/2006 a 02/09/2006

20/08/2006 a 26/08/2006

13/08/2006 a 19/08/2006

06/08/2006 a 12/08/2006

30/07/2006 a 05/08/2006

16/07/2006 a 22/07/2006

09/07/2006 a 15/07/2006

02/07/2006 a 08/07/2006

25/06/2006 a 01/07/2006

18/06/2006 a 24/06/2006

04/06/2006 a 10/06/2006

28/05/2006 a 03/06/2006

21/05/2006 a 27/05/2006

14/05/2006 a 20/05/2006

30/04/2006 a 06/05/2006

23/04/2006 a 29/04/2006

16/04/2006 a 22/04/2006

02/04/2006 a 08/04/2006

19/03/2006 a 25/03/2006

12/03/2006 a 18/03/2006

05/03/2006 a 11/03/2006

19/02/2006 a 25/02/2006

12/02/2006 a 18/02/2006

05/02/2006 a 11/02/2006

29/01/2006 a 04/02/2006

22/01/2006 a 28/01/2006

15/01/2006 a 21/01/2006

08/01/2006 a 14/01/2006

01/01/2006 a 07/01/2006

25/12/2005 a 31/12/2005

18/12/2005 a 24/12/2005

11/12/2005 a 17/12/2005

04/12/2005 a 10/12/2005

27/11/2005 a 03/12/2005

20/11/2005 a 26/11/2005

13/11/2005 a 19/11/2005

06/11/2005 a 12/11/2005

30/10/2005 a 05/11/2005

23/10/2005 a 29/10/2005

16/10/2005 a 22/10/2005

09/10/2005 a 15/10/2005

02/10/2005 a 08/10/2005

25/09/2005 a 01/10/2005

18/09/2005 a 24/09/2005

11/09/2005 a 17/09/2005

04/09/2005 a 10/09/2005

28/08/2005 a 03/09/2005

21/08/2005 a 27/08/2005

14/08/2005 a 20/08/2005

07/08/2005 a 13/08/2005


Créditos





Lula sanciona lei que impede alunos de ocuparem duas vagas em universidades púbicas

 

 

Estudantes da graduação não poderão mais ocupar duas vagas, simultaneamente, em cursos de graduação de instituições públicas de ensino superior do país. Uma lei, publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira (12), foi sancionada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva e restringe a dupla matrícula.

 

Algumas das universidades públicas já proíbem a matrícula em mais de um curso de graduação. É o caso, por exemplo, da USP (Universidade de São Paulo).

 

Segundo a lei, caso seja constatada a matrícula em mais de uma instituição pública, a faculdade ou universidade deverá comunicar ao aluno, que terá cinco dias úteis para optar por uma das vagas. Se o aluno não comparecer no prazo assinalado ou não optar por uma das vagas, a instituição deverá providenciar o cancelamento da matrícula.

Se a duplicidade de vagas ocorrer em universidades diferentes, será cancelada a matrícula mais antiga. Se a duplicidade for na mesma instituição, será cancelada a matrícula mais recente. Além disso, os créditos adquiridos no curso onde a matrícula foi cancelada serão considerados nulos.

A lei entra em vigor em 30 dias e não afeta os estudantes com cursos já em andamento.

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




CHAMEM OS UNIVERSITÁRIOS

 

 


Raras vezes vi um tiro no pé tão bem disparado. Por qualquer ângulo imaginável que se analisasse, afigurava-se como ruinosa a decisão da Uniban de expulsar, através de anúncio nos jornais, Geisy Arruda, a garota que há três semanas quase apanhara de seus colegas universitários por andar com um vestido considerado curto demais.

Quando a direção da universidade se deu conta da magnitude de seu desatino, voltou atrás e desexpulsou a jovem, no que foi interpretado mais como confissão de leviandade do que como demonstração de coragem por ter admitido, ainda que indiretamente, seu erro. Em suma, o episódio pode ser qualificado como um desastre total, ou "dafaecatio maxima", como escrevi na edição impressa (só para assinantes da Folha de domingo. Acho que nem um estudante do primeiro ano do curso de marketing da própria Uniban teria cometido tantos e tamanhos equívocos.

Com sua atitude, a universidade conseguiu a proeza de colocar do mesmo lado a UNE e a blogsfera de direita, o Ministério Público e a OAB, o primeiro escalão do governo Lula e associações feministas. Até a imprensa estrangeira deu destaque à história, que apareceu em órgãos tão distintos como "The New York Times", "China Daily" e "Manila Bulletin". Alguns dos novos epítetos sugeridos para a instituição incluem Unibando e Unitaleban. Atenho-me aos publicáveis.

O que me surpreendeu nessa história toda é que a grita contra a absurda expulsão era totalmente previsível. A própria Uniban já experimentara um aperitivo do clima reinante com a repercussão que o caso obtivera antes da ideia de jerico de convidar a menina a deixar a escola. Como o sucesso empresarial da instituição indica que seus diretores não são exatamente idiotas, fico me perguntando como puderam entrar nessa fria.

O mais perto de uma hipótese racional a que cheguei, é que a medida visaria ao público interno. O episódio deve ter pegado mal entre uma determinada casta de alunos e seus financiadores (pais). A expulsão seria a tentativa de pôr um ponto final sem ter de admitir, ainda que implicitamente, que a universidade tem um bando de arruaceiros como alunos (a tal da "mancha no diploma" a que um estudante se referira) e sem ter de cavar muito fundo para encontrar os 700 responsáveis-pagantes pelo assédio contra Geisy. No fundo, seria a materialização nua e crua do "o cliente sempre tem razão".

O problema é que esse princípio, irretocável quando o negócio em questão é uma padaria ou um serviço de televendas, não funciona tão bem na educação. No plano objetivo, essa é uma atividade em que não basta contentar o freguês. É preciso também incutir-lhe algum conteúdo, geralmente técnico, na cachola, o qual será medido através das avaliações do Ministério da Educação (MEC).

E nem sempre o objetivo de agradar o aluno e o de ensinar-lhe algo andam juntos. Se o estudante é um preguiçoso, por exemplo, instruí-lo vai necessariamente causar-lhe dissabor. Se a escola opta por satisfazer aos apetites inatos de seus fregueses, tende a ter piores resultados nas provas do MEC. Se, por outro lado, decide investir na qualidade técnica de seus formandos, acaba alijando uma parte importante de seu mercado potencial, que ou não tem condições de assimilar muito conteúdo ou não está disposta ao esforço de fazê-lo. Encontrar o ponto de equilíbrio entre essas duas atitudes é tudo menos trivial. Ajuda quando você tem um público que saiba suportar bem algum nível de frustração, isto é, que não seja partidário muito entusiasmado do "o cliente sempre tem razão".

Para complicar um pouco mais o quadro, existe ainda o plano subjetivo. Nossos cérebros poderiam perfeitamente ter sido projetados por Bill Gates: vieram com uma porção de "bugs", entre os quais um que estipula que determinadas coisas não podem ser vendidas. Se você regalar sua esposa com um caríssimo jantar no melhor restaurante da cidade na expectativa de conseguir uma noite de enlevos lúbricos, será descrito como um romântico incorrigível. Mas, se preferir simplificar as coisas e oferecer-lhe uma soma em moeda corrente para o mesmíssimo fim, só o que conseguirá é o divórcio e a reprovação de todos os seus familiares e amigos.

A educação fica no meio do caminho entre o sexo e a bolsa de commodities: nem bem um tabu, nem uma mercadoria "ordinária". Não tratamos donos de escolas particulares como cafetões, mas vemos suas atividades sempre com uma ponta de desconfiança, em especial quando eles dão provas mais explícitas de que visam ao lucro. Daí que não engolimos muito tranquilamente estratégias de marketing educacional que incluam o oferecimento de brindes e badulaques. Mesmo táticas que aceitamos como plenamente legítimas em outros campos tornam-se suspeitas quando aplicadas na esfera pedagógica. Um cartola do futebol tem praticamente a obrigação de contratar o melhor time possível. O mesmo vale para o CEO de uma empresa quando recruta seus executivos, funcionários e busca formar sua carteira de clientes. Mas, se um empresário da educação oferece incentivos para atrair bons alunos para sua escola, a fim de melhorar sua avaliação nos testes do MEC, não conseguimos deixar de ver aí pelo menos uma pontinha de corrupção.

Em suma, gostamos de pensar que a educação é uma área especial, na qual as regras de mercado se aplicam, mas não inteiramente. O lucro é tolerado, desde que ele não se configure como obstáculo à "tarefa do educador" -ainda que tenhamos dificuldades para defini-la de modo mais consistente do que combinando-a com as palavras de ordem de sempre: ética, cidadania, moralidade.

Tais considerações ajudam a entender a dimensão que tomou a "operação UniOban". A reação da universidade de expulsar Geisy desponta como uma tripla traição: a instituição não apenas tomou a atitude fascista e chauvinista de investir contra a vítima para proteger os mais fortes, como o fez no contexto especial da educação, uma área que preferimos imaginar como governada por princípios elevados e não por interesses imediatistas ou financeiros. Como se não bastasse, quando a direção se deu conta de que poderia ver seus lucros reduzidos, não hesitou em desmantelar o que apresentara 24 horas antes como defesa dos "princípios éticos", da "dignidade acadêmica" e da "moralidade".

Para tornar a história jornalisticamente ainda mais "perfeita", ela tem temperos sexuais e pode ser descrita como um embate da garota pobre e injustiçada contra empresários gananciosos e "pitt-boys" filhinhos de papai.

Como tudo isso é pelo menos um pouco verdade, o equívoco da Uniban assume proporções sociológicas.

Folha de SP

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




Protesto na Uniban tem vaias, bate-boca e Sabrina Sato "decotada"

 


Mesmo depois de revogar a decisão de expulsar a aluna Geisy Arruda, hostilizada por usar um vestido curto no último dia 22, a Uniban continua alvo de protestos. No início da noite desta segunda-feira (9), manifestantes fizeram batucada em frente à universidade, levaram carro de som e acusaram a instituição de autoritarismo.

Os estudantes, porém, repetiram a postura do vídeo que gerou tanta polêmica: vaiaram e xingaram o protesto e perseguiram a apresentadora Sabrina Sato com seus celulares.

 

"A universidade errou em não ter controlado a situação no dia e continua errando quando decidiu expulsar a garota. Foi uma besteira e tiveram de voltar atrás", afirma Gerson Moraes, aluno de sistemas de informática, destoando dos colegas que preferiam em coros e gritos reforçar o que foi feito com Geisy por ela usar microvestido nos corredores da faculdade particular de São Bernardo do Campo.

Apesar do coro do grupo feminista Marcha Mundial das Mulheres e das faixas em prol da aluna, levantadas por integrantes da UNE (União Nacional dos Estudantes), de sindicatos, de ONGs e de partidos políticos, havia quem discorde da situação.

"Todo mundo tem culpa nessa história, inclusive a Geisy. Ela ficou desfilando e se exibindo e estava gostando do alvoroço até que tudo saiu do controle", conta Beatriz Carrera, aluna de nutrição da Uniban.

Maria Fernanda Marcelino, militante do grupo feminista, aproveitou o carro de som e denunciou a "mercantilização" do corpo das mulheres. Ao mesmo tempo, a universidade foi acusada de machista e autoritária. O clima foi tenso entre manifestantes e alunos da instituição.

 
Em meio à gritaria, a apresentadora da RedeTV! Sabrina Sato toma atenção dos estudantes e não recebe xingamentos ao desfilar de roupas decotadas em meio à multidão

 

Em meio ao ato, os ânimos esquentaram e o estudante de logística Regis Gonçalves agrediu o ativista anarquista Aritanã Dantas. "Esse cara comparou minha mãe a essa menina. Vou acertar a cara dele", grita Regis, exaltado.

Os alunos da Uniban não concordavam com a passeata. Muitos estudantes vaiaram a manifestação e gritaram para os militantes irem embora e calarem a boca. Parte do coro contra o protesto também partiu de funcionários da universidade.

Ao som de "a Uniban não quer esse tipo de mulher", grito puxado pelos alunos, a manifestante Maria Onija, do Grupo Pão e Rosas, discursou: "Os agressores estão aí dentro [da universidade]. As mulheres têm que formar uma comissão e puní-los".

Michele Alberdht, uma das alunas contrárias ao movimento, explicou o motivo pelo qual vaiou a manifestação. "Esse pessoal que veio protestar não sabe como era essa menina", diz, referindo-se a Geisy Arruda.

Angélica Fernandes, militante do Diretório Nacional do PT, relembrou o passado de São Bernardo do Campo para se queixar do presente. "Há 30 anos São Bernardo do Campo entrava pro noticiário nacional com a greve contra a ditadura. Agora nosso município volta mostrando que está nas trevas", declarou ao microfone, ainda sob as vaias dos alunos.

 

Quando o presidente da UNE (União Nacional dos Estudantes), Augusto Chagas, subiu ao carro de som para finalmente anunciar a decisão da Uniban de voltar atrás sobre a expulsão de Geisy, foi recebido com mais protestos. "Ele está pegando a Geisy", gritou um estudante. "É natural a polarização. Tem gente que não compreende o debate e acha normal a violência contra a mulher", afirmou o presidente da UNE ao UOL Notícias.


Para os alunos, o clima do retorno de Geisy não deve ser bom. "Ela vai voltar, mas não vai aguentar, o pessoal vai continuar hostilizando", disse o estudante de engenharia mecatrônica Pedro Fantuzzi. "Ele não é vítima. É culpada e reincidente. Toda ação tem uma reação", opinou Carlos Eduardo Silva, colega de classe de Fantuzzi.


Em meio à gritaria, a apresentadora da RedeTV! Sabrina Sato tomou a atenção dos estudantes ao desfilar de roupas decotadas em meio à multidão. Rodeada por dezenas deles, Sabrina foi filmada e chamada de "gostosa" pelos estudantes, que pediam para ela tirar a roupa.


Os alunos da Uniban repetiram nesta segunda diante das câmeras de TV o que fizeram a duas semanas atrás para os visores dos celulares: perseguiram uma mulher em um vestido rosa (no caso, Sabrina Sato) e hostilizaram quem pedia tolerância.

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




UNIBAN DESISTE DE EXPULSAR GEISY

 

 

Após repercussão negativa, Uniban recua e decide não expulsar aluna

 

 


Em nota divulgada na tarde desta segunda-feira (9), a assessoria de imprensa da Uniban (Universidade Bandeirante) informa que, após analisar o caso, o reitor da universidade revogou a decisão do Conselho Universitário, que resolveu no último dia 6 expulsar a aluna do curso de turismo Geisy Arruda, acusada de vestir trajes inapropriados e a se insinuar para colegas no dia 22 de outubro, no campus de São Bernardo do Campo, quando foi hostilizada por outros alunos, que filmaram o episódio e o publicaram na internet.
"Eu fui a vítima", diz Geisy Arruda

A nota divulgada não traz mais detalhes do recuo, feito logo após a repercussão negativa da notícia de que a estudante não poderia mais continuar seus estudos na entidade de ensino superior.

Segundo notificação anterior da Uniban, publicada em jornais de São Paulo no domingo (8), a decisão de expulsar Geisy foi tomada após uma sindicância interna, que atribuiu a culpa pelo tumulto às atitudes da estudante, que teria desfilado pelos corredores, tirado fotos e passeado pelas salas de aula com um vestido provocante.

O Ministério da Educação (MEC), que divulgou hoje um documento onde exigia que a universidade se manifestasse sobre a expulsão em dez dias, disse que ainda não recebeu oficialmente nenhuma informação sobre o recuo da Uniban.

Leia a íntegra do anúncio da universidade:

O reitor da Universidade Bandeirante - UNIBAN BRASIL, de acordo com o artigo 17, inciso IX e XI, de seu Regimento Interno, revoga a decisão do Conselho Universitário (CONSU) proferida no último dia 6 sobre o episódio do dia 22 de outubro, em seu campus em São Bernardo do Campo. Com isso, o reitor dará melhor encaminhamento à decisão.
 


Estudante expulsa da Uniban diz ter sido hostilizada na rua e teme nova agressão
Protesto na Uniban reúne vaias, bate-boca e Sabrina Sato "decotada"
Aluna hostilizada na Uniban diz que professores participaram de tumulto
SP: aluna expulsa por usar minissaia vai à Justiça

Estudantes protestam


Durante uma manifestação de apoio a Geisy organizado por entidades na porta da universidade nesta noite, os estudantes protestaram ao receber a notícia de que a expulsão fora revogada.

"Ela vai voltar, mas não vai aguentar, o pessoal vai continuar hostilizando", disse o aluno do curso de engenharia mecatrônica Pedro Fantuzzi. Seu colega Carlos Eduardo Silva completou: "Houve exagero das duas partes, mas ela está saindo como vítima. Ela não é vítima, é reincidente".

Advogado ainda não foi notificado
Ainda nesta segunda-feira, antes da notícia da desistência da Uniban em expulsar Geisy, o advogado da estudante, Nehemias Melo, convocou uma coletiva em que avisou que deveria ir à Justiça para que a cliente tivesse o direito de terminar o semestre letivo na Uniban.

Na ocasião, o advogado afirmou que deveria ir ao Fórum de São Bernado do Campo para entrar com uma medida cautelar para que Geisy possa retornar à faculdade. Ele também alegou que deveria pedir a retirada os vídeos postados na internet com as imagens do dia em que ela foi agredida.

Segundo o advogado, um inquérito foi aberto na delegacia da Mulher em São Bernardo do Campo para apurar o caso. Ainda nesta segunda-feira, Nehemias foi à Assembleia Legislativa pedir aos deputados que façam um requerimento para intimar o reitor da Uniban a dar explicações sobre o caso. "Nós não imaginávamos que eles fossem capazes de adotar uma medida como essa [expulsar a jovem]. Isso nos deixou perplexos", afirmou.

Geisy também participou da coletiva. Passou boa parte do tempo de cabeça baixa e chegou a se emocionar em alguns momentos. Ela respondeu a todas as perguntas feitas pelos jornalistas e disse que a única coisa que ela quer é terminar o ano letivo.

Procurado para comentar a nova decisão da Uniban, Nehemias afirmou nesta tarde que ainda não foi notificado sobre a questão e que, portanto, segue com os encaminhamentos previstos anteriormente.

Inquéritos


Antes da Uniban recuar em sua decisão, o Ministério Público Federal em São Paulo divulgou que instaurou um inquérito civil público para apurar as circunstâncias da sindicância que resultou na expulsão de Geisy.

Também a Polícia Civil abriu na tarde desta segunda-feira um inquérito para investigar as ofensas sofridas pela estudante do curso de turismo.

O caso teve grande repercussão, inclusive internacional, recebendo destaque nos jornais "The New York Times" e "The Guardian".

 

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




UNIBAN :Expulsão foi "xeque-mate" para marca da Uniban, diz especialista

 

A expulsão da estudante de turismo Geisy Arruda, 20 anos, após ela ter sido acusada de usar roupas inapropriadas nas salas de aula causou um certo efeito de "caça às bruxas" e gerou um "xeque-mate" na marca da Universidade Bandeirantes (Uniban). É o que pensam especialistas em cuidar da marca de empresas consultados pelo Terra.

A estudante teve que sair escoltada pela polícia após ser xingada dentro da universidade por causa do vestido que usava no dia 22 de outubro. As imagens da confusão foram gravadas por universitários e postadas no site YouTube no mesmo dia. Neste domingo, em comunicado pago publicado em jornais de São Paulo, a Uniban informou ter decidido expulsar Geisy "em razão do flagrante desrespeito aos princípios éticos da dignidade acadêmica e à moralidade".

"A manifestação formal da empresa foi equivocada. O tom preconceituoso da nota fez todo mundo criticar a universidade. Teve OAB, a UNE... Eles viraram a Geni", disse José Roberto Martins, sócio-fundador da Global Brands, que cuida das marcas do Banco do Brasil e do Banco Santander. "Foi um xeque-mate", completa.

"A Uniban tratou um problema de 3 graus na escala Richter, que não mata ninguém, de tal forma que o elevou para 7 (magnitude de terremoto considerada de grande proporção) sem muito esforço", afirma. "Tornaram a situação quase unânime de critica, até mesmo fora do País", cita Martins, lembrando da repercussão do caso em jornais como o americano The New York Times e as publicações do Reino Unido Telegraph e Guardian. Esse equívoco, ainda segundo ele, é reflexo de uma de "arrogância institucional". "Às vezes a empresa pensa que tem controle do mercado e acham que isso acaba blindando a marca. Com a internet, isso não existe mais", explica.

Já para Jaime Troiano, consultor e sócio-proprietário do Grupo Troiano de Branding, a expulsão foi a gota d'água. "As propagandas da Uniban falam em responsabilidade social, em ser acessível, em inclusão. (Com a expulsão) ela negou isso. Cometeu dois pecados que não pode cometer: perdeu a identidade e negou aquilo que ela falava", disse.

No entanto, Troiano acredita que um deslize da garota pode dar a razão a universidade mesmo após ela ter "errado no tom". "Só espero que essa moça não vá para um programa de TV ou para a capa de uma revista. Isso daria liberdade para a universidade falar: "Está vendo com tinhamos razão?", afirma.

Os especialistas não veem formas de medir o quanto a marca da Uniban pode perder com a expulsão da jovem, mas nenhum dos dois prevê facilidades. "É impossível de se estimar, mas é como se estivesse jogado pela janela tudo investido em marketing nos últimos anos" afirma Troiano. "Vai gastar mais do que já gastou na época do Martinho da Vila", concorda Martins.

Quanto à solução que deveria ser adotada pela empresa, os dois concordam que a melhor saída era baixar o tom. "Faria um meaculpa: nós erramos, admitimos que essa foi uma atitude equivocada e aceitamos readmitir a Geisy. Está em tempo de vir a publico e pedir desculpas à sociedade", afirma Troiano. "A saída é a humildade. Reconhecer que passou do limite e voltar atrás", diz Martins.

A reportagem entrou em contato com a assessoria de imprensa da universidade e pediu levantamentos e dados que pudessem indicar o valor perdido pela universidade direta e indiretamente com a repercussão do caso, mas até o momento de publicação da matéria nada havia sido nos enviado.

TERRA

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




A GAROTA DA UNIBAN :

UNE critica 'lógica machista' da Uniban por expulsão de aluna

 

A Diretoria de Mulheres da União Nacional dos Estudantes (UNE) afirmou que a Universidade Bandeirante (Uniban) agiu dentro de uma "lógica machista" ao decidir expulsar a estudante de Turismo Geisy Villa Nova Arruda. A UNE também prepara um protesto para esta segunda-feira. Em nota oficial de repúdio à expulsão da estudante, a entidade afirma que Geisy foi vítima de um ato de violência sexista e que a universidade está responsabilizando a aluna por um crime cometido contra ela.

Geisy foi pivô de uma confusão de grande repercussão ocorrida no campus da universidade em São Bernardo do Campo, na região metropolitana de São Paulo, no dia 22 de outubro, quando teve de sair escoltada pela Polícia Militar do prédio da sua faculdade devido às agressões verbais que estava recebendo dos colegas pelo vestido que usava. Imagens das agressões foram gravadas por universitários e postadas no site YouTube no mesmo dia. Desde o ocorrido, a estudante não voltou mais à universidade.

Neste domingo, em um comunicado publicado em jornais do Estado de São Paulo, a Uniban informou ter decidido expulsar Geisy "em razão do flagrante desrespeito aos princípios éticos da dignidade acadêmica e à moralidade". "Foi constatada atitude provocativa da aluna, que buscou chamar a atenção para si por conta de gestos e modos de se expressar", diz a nota da Uniban. A instituição considerou ainda que a atitude dos outros alunos foi uma "reação coletiva de defesa do ambiente escolar". O caso gerou repercussão internacional, com uma reportagem publicada na edição online do jornal britânico The Daily Telegraph.

Apesar de também suspender, temporariamente, das atividades acadêmicas os demais alunos envolvidos e devidamente identificados no incidente, a universidade ressaltou o apoio a seus "60 mil alunos injustamente aviltados" pela cobertura midiática sobre o caso.

A líder da Diretoria de Mulheres da UNE, Fabíola Paulino, informou que a organização está preparando uma ação na Uniban nesta segunda-feira em repúdio à decisão da universidade. "O caso foi tratado de forma equivocada, a menina sofreu uma violência, ela foi agredida verbalmente, mas está sendo considerada culpada pela maneira como a imprensa e a universidade estão tratando o caso", afirmou Fabíola.

"A maneira como estão tratando o caso é um reflexo da sociedade opressora e machista em que vivemos. A universidade está reproduzindo este sistema", disse. "A comissão de sindicância da universidade não levou em conta estas questões, continuou agindo dentro desta lógica machista".

O presidente da UNE, Augusto Chagas, por sua vez, considerou "descabida" a decisão da Uniban e afirmou que a atitude criminaliza a vítima. "É como nos casos em que se responsabiliza a vítima de um assalto por estar segurando a carteira, ou se diz que uma mulher é culpada quando sofre um assédio ou abuso por causa da sua roupa. Isso nos parece lamentável", afirmou.

A UNE, segundo ele, vai chamar a atenção de outras instituições para que recebam a aluna, se for o caso, inclusive oferecendo bolsas de estudo a ela. "Não podemos permitir que ela interrompa sua trajetória escolar por causa disso", completou Chagas.

Ele demonstrou ainda preocupação com a possibilidade de o caso gerar reações negativas quanto à organização coletiva de estudantes. Segundo o presidente da UNE, a falta de espaço de mobilização dos alunos para assuntos importantes da vida acadêmica é um dos fatores que propiciam esse tipo de interação não saudável.

Em nota oficial de repúdio à decisão da Uniban, divulgada na tarde deste domingo, a UNE condena veementemente o episódio, afirmando que "o Brasil assistiu cenas de selvageria" em mais uma demonstração "de um dos crimes mais combatidos na sociedade, a violência sexista", em referência às cenas gravadas por estudantes das agressões verbais sofridas pela aluna, e depois continua, dizendo que "essa história absurda teve um desfecho ainda mais esdrúxulo". "A Universidade, espaço de diálogo onde deveriam ser construídas relações sociais livres de opressões e preconceitos, termina por reproduzir lamentavelmente as contradições da sociedade, dando sinais de que vive na era das cavernas", afirma a entidade estudantil.

Com informações da Agência Brasil.

Confira abaixo a nota da UNE na íntegra:

Diretoria de Mulheres da UNE divulga nova nota sobre o caso de machismo da UNIBAN:
Episódio de violência sexista acaba em mais uma demonstração de machismo

No dia 22 de outubro, o Brasil assistiu cenas de selvageria. Uma estudante de turismo da Universidade Bandeirante (São Paulo) foi vítima de um dos crimes mais combatidos na sociedade, a violência sexista, que é aquela cometida contra as mulheres pelo fato de serem tratadas como objetos, sob uma relação de poder desigual na qual estão subordinadas aos homens. Nesse episódio, a estudante foi perseguida e agredida pelos colegas, hipoteticamente pelo tamanho de vestido que usava, e só pôde deixar o campus escoltada pela polícia. Alguns dos alunos que a insultaram gritavam que queriam estuprá-la. Desde quando há justificativa para o estupro ou toleramos esse tipo de violência?

Pasmem, essa história absurda teve um desfecho ainda mais esdrúxulo. A Universidade, espaço de diálogo onde deveriam ser construídas relações sociais livres de opressões e preconceitos, termina por reproduzir lamentavelmente as contradições da sociedade, dando sinais de que vive na era das cavernas.

Além de não punir os estudantes envolvidos na violência sexista, responsabiliza a aluna pelo crime cometido contra ela e a expulsa da universidade de forma arbitrária, como se dissessem que, para manter a ordem, as mulheres devem continuar no lugar que estão, secundárias à história e marginalizadas do espaço do conhecimento.

É naturalizado, fruto de uma construção cultural, e não biológica, que os homens não podem controlar seus instintos sexuais e as mulheres devem se resguardar em roupas que não ponham seus corpos à mostra. Os homens podem até andar sem camisa, mas as mulheres devem seguir regras de conduta e comportamento ideais, a partir de um padrão estético que a condiciona a viver sob as rédeas da sociedade, que por sua vez é controlada pelos homens.

Esse desfecho, somado às diversas abordagens destorcidas do fato na mídia, demonstram a situação de opressão que todas nós, mulheres, vivemos em nosso cotidiano. Situação em que mulheres e tudo o que está relacionado a elas são desvalorizados e depreciados. A mulher é vista como uma mercadoria - ora utilizada para vender algum produto, ora tolhida de autonomia e direitos, ora violentada, estigmatizada e depreciada. É essa concepção que acaba por produzir e reproduzir o machismo, violência e sexismo, próprios do patriarcado. Tal concepção permitiu o desrespeito a estudante.

Nós, mulheres estudantes brasileiras, em contraposição a essa situação, estamos constantemente em luta até que todas as mulheres sejam livres do machismo, da violência, do desrespeito e da opressão que nos cerca.

Repudiamos o ato de violência dos alunos contra a estudante de turismo, repudiamos a reação da mídia que insiste em mistificar o fato e não colocar a violência de cunho sexista no centro do debate e denunciamos a atitude da universidade de punir a estudante ao invés daqueles que provocaram tal situação.

Exigimos que a matrícula­ da estudante seja mantida, que a Universidade se retrate publicamente e que todos os agressores sejam julgados e condenados não somente pela instituição, a Uniban, mas também pela Justiça brasileira.

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




SARESP: PROVAS ADIADAS PARA 17, 18 E 19-11

 

 

As provas do Sistema de Avaliação do Rendimento Escolar do Estado de São Paulo (Saresp), previstas para os dias 10, 11 e 12 de novembro, foram adiadas nesta segunda-feira (09/11).  A medida foi tomada depois que o Centro de Políticas Públicas e Avaliação da Educação (CAEd), empresa que venceu a licitação para realização do Saresp, avisou à Secretaria de Estado da Educação que não conseguiria cumprir os prazos definidos pelo contrato, inviabilizando a data programada inicialmente. O comunicado foi feito na noite de sábado (07/11), mobilizando o secretário de Estado da Educação, Paulo Renato Souza, e coordenadores da Secretaria envolvidos no processo, que se reuniram no final de semana para buscar uma solução. As provas foram remarcadas para a próxima semana, nos dias 17, 18 e 19 de novembro, obedecendo a mesma ordem de aplicação: português, matemática, história e geografia, respectivamente.

No domingo (08/11), o próprio secretário visitou a gráfica onde as provas estão sendo impressas e empacotadas e destacou uma equipe da Secretaria para coordenar e supervisionar o trabalho, inclusive durante o período noturno, na tentativa de resolver o atraso na entrega do material. Cerca de 200 alunos da Escola de Formação de Soldados da Polícia Militar também foram escalados para auxiliar no processo logístico. Além deles, outras 150 pessoas foram mobilizadas pela Secretaria e se juntaram à força tarefa.

Na quarta-feira (04/11), em reunião convocada pelo secretário com a diretoria técnica do CAEd, nada foi mencionado pela empresa sobre problemas com o prazo de entrega do material, o que fez com que a Secretaria fosse pega de surpresa com o comunicado três dias depois. Mediante o ocorrido, a Secretaria tomará as medidas legais previstas no contrato.

Empresa vencedora da licitação para realização do Sarep este ano, o CAEd é um órgão integrante da Universidade Federal de Juiz de Fora, de Minas Gerais, que há muitos anos realiza a avaliação naquele Estado e tem ganhado outras licitações pelo Brasil afora, sendo bem conceituada no mercado.

Este ano, contudo, o Saresp exigiu uma logística maior em virtude da inclusão de novas disciplinas e adesão de alunos de escolas municipais e particulares. Ao todo, farão a avaliação este ano 2.474.817 estudantes, sendo 1.780.122 de escolas estaduais, 625.950 de escolas municipais e 68.745 de escolas particulares. Mais de 20 tipos de avaliações por série e disciplina foram preparadas como medida de segurança contra vazamento, o que prevê a impressão de cerca de 7 milhões de provas. A postergação em nada deverá afetar a qualidade da avaliação educacional do estado de São Paulo.

 

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




MOVIMENTO DE MULHERES  MARCA PROTESTO NA UNIBAN

 

 

Entidades ligadas ao movimento de mulheres prometem realizar hoje um ato contra o tumulto e a expulsão da estudante Geisy Arruda pela Universidade Bandeirante (Uniban). No texto da convocação, marcada para as 18 horas em frente ao câmpus de São Bernardo, onde ocorreu o episódio, o Movimento Feminista, Sindical e Estudantil afirma que "a vítima foi transformada em ré" e os "agressores ficaram impunes".

 

Na tarde de ontem, organizações não-governamentais (ONGs) se mobilizaram pela internet, circulando mais de um abaixo-assinado contra o ocorrido na Uniban. Um deles, que em três horas obteve mais de mil assinaturas, afirma que "a expulsão envergonha os subscritores desse manifesto e coloca em cheque os princípios basilares do Estado Democrático de Direito." O texto continua dizendo que "deve ser registrado que a opção da Uniban é fato isolado e contraria a todos nós".

 

A União Nacional dos Estudantes (UNE) também condenou a postura da Uniban. "Alguns dos alunos que a insultaram gritavam que queriam estuprá-la. Desde quando há justificativa para o estupro ou toleramos esse tipo de violência? Pasmem, essa história absurda teve um desfecho ainda mais esdrúxulo. A universidade termina por reproduzir lamentavelmente as contradições da sociedade, dando sinais de que vive na era das cavernas", diz nota da entidade. Nehemias Domingos de Melo, advogado de Geisy, disse que vai se reunir hoje com sua equipe para decidir quais medidas judiciais tomará.

 

Imprensa internacional

 

A expulsão de Geisy Arruda ganhou espaço nas agências internacionais de notícia e nas versões online de alguns dos principais jornais do mundo ontem. Com o título "Aluna brasileira é expulsa após usar minissaia", o New York Times online publicou duas reportagens narrando o caso. Uma delas, assinada pela agência de notícias Reuters, ironizou o fato de o episódio ter acontecido em um país conhecido pelos seus biquínis minúsculos e sua atitude liberal.

 

No site do britânico The Guardian, a reportagem, assinada pela agência de notícias Associated Press, ganhou um lugar de destaque, logo abaixo das reportagens sobre os jogos de futebol. O Daily Telegraph também deu espaço para o tema.

UOL

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




Justiça condena alunos a pagar R$ 10 mil por hostilizar professora no Orkut
Estudantes recorreram e aguardam decisão do Tribunal de Justiça.
Mas eles já tiveram de cumprir medidas socioeducativas em SP.


 
 

 

 


Viúva e mãe de dois filhos, uma professora de escola particular de classe média, localizada na Zona Leste de São Paulo, tenta obter na Justiça indenização contra três estudantes que, em 2005, criaram uma comunidade no Orkut para hostilizá-la. Os adolescentes foram obrigados pela Justiça a cumprir medidas socioeducativas, e seus pais foram condenados em primeira instância a pagar indenização de R$ 10 mil, mas recorreram. O Tribunal de Justiça ainda não se manifestou. Sobre a indenização pesam correção monetária e juros de até 1% ao mês.

 

"Eu sou uma professora chata, um pouco rígida, e não admitia o uso de MP3. Um dos autores da comunidade me desafiava, havia uma desavença", diz a professora. Ela conta que a comunidade intitulada "eu odeio a professora..." fazia um trocadilho com seu nome, transformando-o em um adjetivo negativo. Mensagens eróticas e termos chulos enviadas por alunos atrelavam o rigor da profissional em sala de aula à sua condição de viúva, "sem marido".

"Foi terrível. Estudantes e professores de outros colégios vizinhos ficaram sabendo. Eu passava na rua e diziam: 'é aquela', 'é aquela'", afirmou. A chateação também alcançou a filha da professora, que estudava no mesmo colégio e foi alvo de brincadeiras e ameaças.

A professora conta que foi avisada por uma aluna que o nome dela havia sido colocado em uma comunidade na internet. A filha dela, também adolescente, fez uma pesquisa e descobriu a comunidade. Ela imprimiu as páginas e avisou a direção da escola que imediatamente chamou todos para uma reunião e pediu explicações e desculpas. Na mesma tarde, a comunidade foi tirada do ar.

Desculpas

 

Segundo a professora, 16 estudantes que apareceram como membros da comunidade pediram desculpas e três deles mantiveram a postura anterior. "Quando foram convocados, esses três deram risada e disseram que o assunto ocorreu fora da escola e deveria ser resolvido fora da escola. Diante disso, a própria escola me orientou a processá-los. Fiz um boletim de ocorrência e entrei com a ação. Quando foram intimados, os alunos pediram desculpas e mandaram cartas", diz a professora.

De acordo com o advogado da vítima, José Borges de Morais Júnior, uma tentativa de conciliação terminou frustrada. O advogado pediu o pagamento de indenização de R$ 6 mil, mas os pais dos alunos fizeram uma contraproposta de R$ 1 mil.  Como a conciliação não prosperou, a Justiça deu a sentença de R$ 10 mil. Para a professora, os valores envolvidos são o que menos importa. "Como ocorre com a maioria dos brasileiros,a pessoa só se incomoda quando dói no bolso. O interesse maior é que eles sintam que eles têm direitos, mas também têm deveres. Tem de existir respeito com o outro" afirmou.

A professora manteve o emprego. Um dos estudantes formou-se no mesmo ano e outros dois pediram transferência. Segundo a professora, duas mães dos processados mantiveram silêncio, mas uma terceira chegou a dizer que ela, professora, estava agindo com exagero. Educadora há 25 anos, ela afirma que fenômenos como esse ocorrem porque a família está transferindo a responsabilidade de educar para a escola. "Os pais têm medo de educar e perder o filho. Existe muita liberdade e pouca responsabilidade", afirmou.

O advogado dos três adolescentes, Zacarias Romeu de Lima, disse ao G1 que a defesa mantém a argumentação de que a criação da comunidade pelos alunos foi uma reação à atitude da professora em sala de aula. "A ação dela desencadeou uma reação dos alunos", afirmou. Ainda de acordo com ele, os adolescentes se arrependeram e cumpriram medidas socioeducativas.

"Foram atitudes impensadas, de alguém que está em fase de formação, tanto que houve arrependimento deles. O importante é que se arrependeram e cumpriram a medida indicada pelo juiz da Vara da Infância e da Juventude. Eles nunca imaginavam que poderia chegar a essa fase", afirmou.
G1

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




Justiça condena alunos a pagar R$ 10 mil por hostilizar professora no Orkut
Estudantes recorreram e aguardam decisão do Tribunal de Justiça.
Mas eles já tiveram de cumprir medidas socioeducativas em SP.


 
 

 

 


Viúva e mãe de dois filhos, uma professora de escola particular de classe média, localizada na Zona Leste de São Paulo, tenta obter na Justiça indenização contra três estudantes que, em 2005, criaram uma comunidade no Orkut para hostilizá-la. Os adolescentes foram obrigados pela Justiça a cumprir medidas socioeducativas, e seus pais foram condenados em primeira instância a pagar indenização de R$ 10 mil, mas recorreram. O Tribunal de Justiça ainda não se manifestou. Sobre a indenização pesam correção monetária e juros de até 1% ao mês.

 

"Eu sou uma professora chata, um pouco rígida, e não admitia o uso de MP3. Um dos autores da comunidade me desafiava, havia uma desavença", diz a professora. Ela conta que a comunidade intitulada "eu odeio a professora..." fazia um trocadilho com seu nome, transformando-o em um adjetivo negativo. Mensagens eróticas e termos chulos enviadas por alunos atrelavam o rigor da profissional em sala de aula à sua condição de viúva, "sem marido".

"Foi terrível. Estudantes e professores de outros colégios vizinhos ficaram sabendo. Eu passava na rua e diziam: 'é aquela', 'é aquela'", afirmou. A chateação também alcançou a filha da professora, que estudava no mesmo colégio e foi alvo de brincadeiras e ameaças.

A professora conta que foi avisada por uma aluna que o nome dela havia sido colocado em uma comunidade na internet. A filha dela, também adolescente, fez uma pesquisa e descobriu a comunidade. Ela imprimiu as páginas e avisou a direção da escola que imediatamente chamou todos para uma reunião e pediu explicações e desculpas. Na mesma tarde, a comunidade foi tirada do ar.

Desculpas

 

Segundo a professora, 16 estudantes que apareceram como membros da comunidade pediram desculpas e três deles mantiveram a postura anterior. "Quando foram convocados, esses três deram risada e disseram que o assunto ocorreu fora da escola e deveria ser resolvido fora da escola. Diante disso, a própria escola me orientou a processá-los. Fiz um boletim de ocorrência e entrei com a ação. Quando foram intimados, os alunos pediram desculpas e mandaram cartas", diz a professora.

De acordo com o advogado da vítima, José Borges de Morais Júnior, uma tentativa de conciliação terminou frustrada. O advogado pediu o pagamento de indenização de R$ 6 mil, mas os pais dos alunos fizeram uma contraproposta de R$ 1 mil.  Como a conciliação não prosperou, a Justiça deu a sentença de R$ 10 mil. Para a professora, os valores envolvidos são o que menos importa. "Como ocorre com a maioria dos brasileiros,a pessoa só se incomoda quando dói no bolso. O interesse maior é que eles sintam que eles têm direitos, mas também têm deveres. Tem de existir respeito com o outro" afirmou.

A professora manteve o emprego. Um dos estudantes formou-se no mesmo ano e outros dois pediram transferência. Segundo a professora, duas mães dos processados mantiveram silêncio, mas uma terceira chegou a dizer que ela, professora, estava agindo com exagero. Educadora há 25 anos, ela afirma que fenômenos como esse ocorrem porque a família está transferindo a responsabilidade de educar para a escola. "Os pais têm medo de educar e perder o filho. Existe muita liberdade e pouca responsabilidade", afirmou.

O advogado dos três adolescentes, Zacarias Romeu de Lima, disse ao G1 que a defesa mantém a argumentação de que a criação da comunidade pelos alunos foi uma reação à atitude da professora em sala de aula. "A ação dela desencadeou uma reação dos alunos", afirmou. Ainda de acordo com ele, os adolescentes se arrependeram e cumpriram medidas socioeducativas.

"Foram atitudes impensadas, de alguém que está em fase de formação, tanto que houve arrependimento deles. O importante é que se arrependeram e cumpriram a medida indicada pelo juiz da Vara da Infância e da Juventude. Eles nunca imaginavam que poderia chegar a essa fase", afirmou.
G1

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




Uniban terá dez dias úteis para explicar expulsão de aluna ao MEC
Ministério da Educação abriu processo de supervisão sobre o caso.
Estudante foi humilhada por usar vestido curto na universidade.

 

 


A Universidade Bandeirante (Uniban) terá dez dias úteis para explicar ao Ministério da Educação a expulsão da estudante Geisy Villa Nova Arruda. No dia 22 de outubro, ela foi hostilizada por estudantes da universidade que fica em São Bernardo do Campo, no ABC, por estar de roupa curta e teve de sair escoltada pela Polícia Militar.

O MEC abriu um processo de supervisão para analisar a conduta da Uniban e verificar se Geisy teve direito à ampla defesa. O prazo de dez dias começa a valor no momento em que a universidade for notificada pelo ministério, o que deve ocorrer ainda nesta semana.

 

Em entrevista, a secretária Maria Paula Dallari Bucci já explicou que o ministério poderá advertir a Uniban. "Vamos analisar o que ocorreu e, em vista dos esclarecimentos da universidade, o MEC pode recomendar que a universidade se comporte como uma instituição de educação", disse.

Caso não consiga explicar os motivos que provocaram o desligamento da estudante, a universidade poderá sofrer sanções graves, como o descredenciamento. Nesse final de semana, a universidade publicou comunicado no qual justificou a expulsão. Geise teria desrespeitado "princípios éticos" da instituição, como a "moralidade e dignidade acadêmica".

O assessor jurídico da instituição, Décio Lencioni, também justificou a expulsão da estudante dizendo que ela provocou os alunos: "Não é a vestimenta. É a atitude da aluna Geisy, como, por exemplo, ao subir ter parado no meio do percurso e levantado a saia."

Segundo o defensor da jovem, o advogado Nehemias Domigos de Melo, a sindicância interna aberta pela faculdade não foi correta. "Isso é um procedimento legítimo, que visa identificar envolvidos na agressão. No caso, eles mudaram e transformaram a vítima em réu", afirmou ao G1 na manhã desta segunda-feira (9). Ele acrescentou que deve recorrer da decisão da faculdade.

 

 

UNE

 


No domingo (8), a União Nacional do Estudantes (UNE) divulgou comunicado repudiando a decisão da Uniban. "Essa história absurda teve um desfecho ainda mais esdrúxulo”, informou a união. Na nota, a entidade exige que “a matrícula da estudante seja mantida, que a universidade se retrate publicamente e que todos os agressores sejam julgados e condenados não somente pela instituição, a Uniban, mas também pela Justiça brasileira”.

 

Protesto no RS

 

No Rio Grande do Sul, o Diretório Central dos Estudantes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul marcou um protesto para a manhã desta segunda no qual pretende cobrar da reitoria da universidade uma posição oficial em relação à expulsão da estudante."Os integrantes do diretório vão pedir que a universidade cobre encaminhamentos do MEC para reintegrar a aluna", explicou o DCE em nota.

G1

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




Uniban anuncia expulsão de aluna hostilizada por usar minivestido
Geysi Arruda afirmou não ter sido notificada da decisão.
'Se for confirmado, algo tem de ser feito', disse.

 

 

 

A Universidade Bandeirante (Uniban) publicou anúncio nas edições deste domingo (8) de alguns dos principais jornais de São Paulo informando que a aluna do curso de turismo Geysi Villa Nova Arruda foi desligada “do quadro discente da instituição, em razão do flagrante desrespeito aos princípios éticos, à dignidade acadêmica e à moralidade”.

 

Contactado pela produção do Jornal das Dez, da Globo News, o assessor jurídico da Uniban, Décio Lecioni Machado, disse que o vestido curto que Geysi usava no dia da confusão não motivou a expulsão. Segundo ele, foram gestos e atitudes que a aluna já manifestava “há tempos” que provocaram o tumulto e, consequentemente, o desligamento da universidade. Apesar da afirmação, o assessor jurídico não quis entrar em detalhes sobre que tipo de gestos e atitudes seriam esses, suficientes para justificar a expulsão.

Por telefone, Geysi afirmou na noite deste sábado (7) que nem ela e nem seus advogados foram notificados da decisão da universidade até o momento. “Primeiro quero ter certeza que isso é verdade. Se isso for confirmado, alguma coisa tem de ser feita”, declarou. A Uniban informou que já tentou notificar a estudante, mas ainda não conseguiu. 

 

 


De acordo com o anúncio, a Uniban afirma que a decisão é "o resultado da sindicância no campus de São Bernardo do Campo sobre o episódio ocorrido no dia 22 de outubro, fartamente exibido na internet e divulgado pelos veículos de comunicação".

 

O informe publicitário diz que "foi apurado que a aluna tem frequentado as dependências da unidade em trajes inadequados, indicando uma postura incompatível com o ambiente da universidade e, apesar de alertada, não modificou seu comportamento".

 

Depois de elencar uma série de fatos relacionados ao ocorrido do dia 22, o informe considera que "foi constatado que a atitude provocativa da aluna buscou chamar a atenção para si por conta de gestos e modos de se expressar, o que resultou numa reação coletiva de defesa do ambiente escolar".

 

Além disso, diz que "a aluna demonstrou um comportamento instável, que oscilava entre a euforia e o desinteresse e estava acompanhada de dois advogados e uma estagiária vinculados a uma rede de televisão" em seu depoimento na sindicância.

 

Além de anunciar a expulsão de Geysi, a Uniban decidiu "suspender das atividades acadêmicas, temporariamente, os alunos envolvidos e devidamente identificados no incidente ocorrido no dia 22". No entanto, o anúncio não informa quantos alunos foram afastados e nem os seus nomes.

 

Geysi afirmou que está sem entender o que está acontecendo. "A faculdade não falou nada para mim e para os meus advogados. Estou lendo na internet e não estou acreditando", disse ao G1. Ela disse que participou da sindicância, das 14h às 20h, na quarta-feira (4) e que foi "bombardeada de perguntas". "Eles estavam mais preocupados com possíveis erros em relação ao que eu falava do que em apurar quem participou daquele xingamento todo. Eu saí de lá chorando", relatou.

 

Segundo ela, na sindicância teria ficado acordado que ela voltaria às aulas nesta segunda-feira (9). "Um segurança estaria me esperando na portaria e me levaria até a sala e eu não iria divulgar nada para a imprensa. Agora não sei mais o que pensar", contou.

 

Aos poucos, sua indignação foi crescendo com a notícia. Para ela, se os alunos ficarem impunes novas agressões deverão se repetir no campus da Uniban. "É um absurdo isso, é uma falta de respeito. É uma injustiça. Eles vão fazer de novo, de novo e de novo, assim como agrediram aquela moça e atacaram o carro dela, porque ninguém pune. Foi uma maldade o que fizeram. Alguém vai ter de fazer alguma coisa", finalizou, inconformada.

 

De acordo com assessor jurídico da Uniban, a decisão foi tomada depois que a universidade ouviu a opinião de alunos, professores e funcionários sobre a estudante.

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




DICAS  PARA ESCREVER  BOAS  DISSERTAÇÕES

 Dificuldades para escrever surgem naturalmente , mas aos poucos as ideias  ficam mais claras.

Para escrever um bom texto dissertativo atente-se para o seguinte, afinal , você vai emitir  a  sua opinião, defender uma tese, expor seu ponto de vista:

 

1º Faça o levantamento de muitas  ideias  sobre o assunto proposto, ou seja, escreva  frases, palavras soltas ,  sem preocupação com censura, sobre o tema em questão. Não use vocabulário difícil; quem vai ler e avaliar seu texto tem conhecimento do conteúdo e sabe se você está "enfeitando" ou não. Escreva palavras simples. Não encare o tema, de maneira  infantil ( quem vai entrar numa faculdade deve ter uma certa cultura );


2º Feito o  levantamento  , escolha as ideias  com as quais  você vai trabalhar , ou melhor, organize um roteiro : coloque em ordem qual ideia será desenvolvida em primeiro lugar, qual em segundo e assim por diante. Dessa  maneira você evita retroceder no seu ponto de vista;

 

3º  Reserve espaço para o título, pule duas  linhas para começar a Introdução;


4º Lembre-se que seu texto deve ter  estrutura : Introdução, Desenvolvimento e Conclusão;


5º Faça parágrafos ( observe que o espaço da margem até o início de cada parágrado deve ser o mesmo);


6º  A Intrudução é o início do seu texto e pode ser representada por uma frase declarativa , ou por uma interrogação, contestando uma citação ou ideia,  por uma definição rápida  sobre o tema  requisitado ou escolhido ( depende da situação) ,  citações, sequências interrogativas ( saiba que você vai respondê-las) , comparações de características históricas, geográficas ou  sociais . O PARÁGRADO INTRODUTÓRIO DEVE TER NO MÁXIMO 5 LINHAS.

 

 

7º Surge a dúvida: Como iniciar o texto ?
Alguns exemplos : Atualmente, Em 2009, No Brasil, Sabe-se que, É certo que , Talvez seja difícil dizer...., É de fundamental importãncia..., Fala-se com frequência que....,

 

8º Ainda sobre a  Intrudução : deixe claro o que você pretende desenvolver, argumentar, provar, explorar , responder . Não escreva um parágrafo extenso ( de 1 a 3   linhas,  no máximo ).  Por quê?!  Você corre o risco de misturar o início com o desenvolvimento e  não é necessário mais que isso seja qual for o assunto/tema .


9º Leia e releia o que você escreveu , faça as devidas correções, veja se os verbos estão no presente do indicativo ; e no seu texto dissertativo não pode haver personagem algum. Verifique se há palavras  repetidas,  gírias, vocábulos com rimas, clichês (frases conhecidas ), ortografia deficiente ;  efetue a correção. A faculdade exige a  norma culta, não espera que você  seja um escritor  , mas  o que  é certo .


10º  Capriche com a escrita : letra de médico e afins, não é recomendável. Escrever  com lápis, então, nem pensar, a  não ser que seja rascunho. Rasuras são abomináveis . Não altere sua caligrafia  ( uma  trecho com um tipo de letra e em outro,  diferente).  Seu texto deve ser claro (objetivo-nada pessoal)  e elegante.


11º  Seja coerente : não comece defendendo uma ideia e de repente , passar  para outra. EXS: A-  Se você considera uma madrasta como mãe, não pode criticá-la  porque chamou a criança de filho  ;B-  Se alguém reclama da falta de sorte, não pode falar que é azarado , se não joga.

 

12º   DESENVOLVIMENTO ( 2 ou 3 parágrafos não extensos):

 

É a redação propriamente dita. No desenvolvimento, você deve  discutir os argumentos apresentados na introdução. Em cada parágrafo, escreve-se sobre um argumento, PORTANTO, JAMAIS  DESENVOLVA DOIS ARGUMENTOS  NO MESMO PARÁGRAFO.

 

O  examinador de sua dissertação provavelmente é  uma pessoa culta, que lê bons jornais e revistas e tem bastante conhecimento geral, portanto não generalize!

 

É a parte mais importante em qualquer texto. É quando podemos nos aprofundar nas ideias que, por enquanto, foram apenas mencionadas na introdução. Os argumentos devem ser apresentados em função da ideia e organizados com clareza para não confundir o leitor.

Cuidado para que o texto não se torne inconsistente e imaturo por falta de informação da  sua parte. Para isso, é preciso que nos ilustremos, lendo revistas, jornais e livros; assistindo aos  noticiários na televisão; frequentando o maior número possível de produções culturais  ( teatro, “shows”, exposições  etc ) . Em qualquer uma dessas atividades, assuma uma posição crítica questionadora que resultará em análises objetivas e, conseqüentemente, em julgamentos coerentes. Evite radicalismos, ofensas pessoais, nacionalismos piegas e “achismos” (eu acho, eu penso, na minha opinião)

 


13º  CONCLUSÃO

Procure terminar a redação com conclusões consistentes, e não com evasivas.
Este parágrafo deve concluir toda a redação, e não apenas o argumento do último parágrafo do desenvolvimento.

LEMBRE-SE que a  conclusão deve ser elaborada em um parágrafo de aproximadamente cinco (05) linhas; só em um parágrafo, nunca mais do que um parágrafo.


Não conclua sua redação, JAMAIS , com as seguintes terminologias: concluindo, em resumo, nada mais havendo, poderia ter feito melhor, como o tempo foi curto, etc.
Termine-a, sim, com conclusões consistentes (e não com evasivas). Proponha algo para resolver as causas,problemas, situações que você  desenvolveu , ou  deixe uma sugestão .

OBSERVE:

 

É necessário que todos se conscientizem de que...
É imprescindível que a sociedade se conscientize de que...
É preciso que haja uma conscientização por parte dos cidadãos para que...
A melhor maneira de resolver as  questões é.....

 

 

Nilceu

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem