BRASIL , Sudeste , Homem , de 26 a 35 anos , Portuguese , English , Música , Esportes , Amor
Outro -
Magia Gifs - O melhor site de GIFs!

Meu Humor



PERFIL
Nome:Nilceu Francisco

Aniversário:11 de julho

Cidade:Campinas-SP

Gosto:Boas amizades, Viver, Conquistar, Amar

Hobby:Compor

Filmes:Aprecio a todos os gêneros

Músicas:Dance, Românticas... Preferidas :Folhas de outono; As rosas não falam, Palavras lindas...

GREVE DOS PROFESSORES EM SP

SOM
Tema do filme " Ao mestre com carinho"


ALUNOS, EX-ALUNOS DE DIVERSAS ESCOLAS ONDE TRABALHO OU TRABALHEI.

MEUS OUTROS BLOGS

PAPAIS


FOLCLORE


OLIMPÍADAS BRASIL LÁ


CÂMERA OCULTA


O UÓ DO BOROGODÓ


MAMÃES


PAIXÃO POR CRISTO


BIG & BLOG


TÔ COM A MACACA


ENVIE CARINHOS


LOVE STORIESS


BLOG NILCEU


GARGALHADAS


RECANTO SANTISTA


BLOG POLÍTICA


PROSAMOROSA


BLOG ADULTO


FOTOLOG DA FAMA


FOTOBLOG SENSUAL


NATAL DOS SONHOS-Pesquisa


BLOG NEWCEU- Pesquisa


BLOG PAN-PAN - Pesquisa


BLOG FOLCLORE - Pesquisa


CAUSOS & FOLIAS - Pesquisa


BYE, BYE, tristeza - Pesquisa


ESPORTES & SPORTS - Pesquisa


HOME

LINKS

Aulas
ANPED
APEOESP
APRENDIZ UOL
Banco Brasil
BANCO ITAÚ
BANESPA
BLOGGER
BOL
BRADESCO
CAIXA FEDERAL
CENP - EDUNET
Como estudar
CONCURSOS
CPP
CURIOSIDADES
D.E. Leste
D.E. Oeste
Downloads Livros
ENEM
FATOS
Folclore
G1 Notícias
Gifs Best
GLOBO
Imprensa Oficial
Lição Casa
Ling Estrangeira
Literat e Gramát
Livros-Downloads
Ministério Fazenda
MEC
Nossa Caixa
PEGADINHAS
Portal MEC
Prefeitura Cps
PUCCAMP
Revista Profs
Secretaria Educação
TERRA
UNICAMP
UOL
USP
YAHOO
Manual Profs
Sonhos
Extra/Globo
EducarCrescer
EAD


Votação

Dê uma nota para meu blog OBRAS DE ARTE ALEIJADINHO, ANITA MALFATI, PORTINARI, MICHELANGÊLO, TARSILA DO AMARAL


INDIQUE

Indique esse Blog PESQUISE ARQUIVOS

25/08/2013 a 31/08/2013

11/08/2013 a 17/08/2013

21/07/2013 a 27/07/2013

23/06/2013 a 29/06/2013

21/04/2013 a 27/04/2013

14/04/2013 a 20/04/2013

07/04/2013 a 13/04/2013

11/11/2012 a 17/11/2012

04/11/2012 a 10/11/2012

14/10/2012 a 20/10/2012

01/07/2012 a 07/07/2012

29/04/2012 a 05/05/2012

22/04/2012 a 28/04/2012

26/02/2012 a 03/03/2012

29/01/2012 a 04/02/2012

08/01/2012 a 14/01/2012

01/01/2012 a 07/01/2012

18/12/2011 a 24/12/2011

27/11/2011 a 03/12/2011

20/11/2011 a 26/11/2011

13/11/2011 a 19/11/2011

23/10/2011 a 29/10/2011

09/10/2011 a 15/10/2011

18/09/2011 a 24/09/2011

11/09/2011 a 17/09/2011

04/09/2011 a 10/09/2011

14/08/2011 a 20/08/2011

07/08/2011 a 13/08/2011

10/07/2011 a 16/07/2011

26/06/2011 a 02/07/2011

05/06/2011 a 11/06/2011

29/05/2011 a 04/06/2011

08/05/2011 a 14/05/2011

24/04/2011 a 30/04/2011

10/04/2011 a 16/04/2011

13/03/2011 a 19/03/2011

27/02/2011 a 05/03/2011

20/02/2011 a 26/02/2011

06/02/2011 a 12/02/2011

16/01/2011 a 22/01/2011

26/12/2010 a 01/01/2011

19/12/2010 a 25/12/2010

05/12/2010 a 11/12/2010

07/11/2010 a 13/11/2010

17/10/2010 a 23/10/2010

10/10/2010 a 16/10/2010

03/10/2010 a 09/10/2010

12/09/2010 a 18/09/2010

05/09/2010 a 11/09/2010

29/08/2010 a 04/09/2010

22/08/2010 a 28/08/2010

15/08/2010 a 21/08/2010

08/08/2010 a 14/08/2010

04/07/2010 a 10/07/2010

20/06/2010 a 26/06/2010

13/06/2010 a 19/06/2010

23/05/2010 a 29/05/2010

16/05/2010 a 22/05/2010

02/05/2010 a 08/05/2010

25/04/2010 a 01/05/2010

11/04/2010 a 17/04/2010

04/04/2010 a 10/04/2010

28/03/2010 a 03/04/2010

21/03/2010 a 27/03/2010

14/03/2010 a 20/03/2010

07/03/2010 a 13/03/2010

28/02/2010 a 06/03/2010

21/02/2010 a 27/02/2010

07/02/2010 a 13/02/2010

31/01/2010 a 06/02/2010

24/01/2010 a 30/01/2010

17/01/2010 a 23/01/2010

10/01/2010 a 16/01/2010

27/12/2009 a 02/01/2010

20/12/2009 a 26/12/2009

13/12/2009 a 19/12/2009

29/11/2009 a 05/12/2009

22/11/2009 a 28/11/2009

15/11/2009 a 21/11/2009

08/11/2009 a 14/11/2009

01/11/2009 a 07/11/2009

25/10/2009 a 31/10/2009

18/10/2009 a 24/10/2009

11/10/2009 a 17/10/2009

04/10/2009 a 10/10/2009

27/09/2009 a 03/10/2009

20/09/2009 a 26/09/2009

13/09/2009 a 19/09/2009

06/09/2009 a 12/09/2009

23/08/2009 a 29/08/2009

09/08/2009 a 15/08/2009

02/08/2009 a 08/08/2009

26/07/2009 a 01/08/2009

19/07/2009 a 25/07/2009

12/07/2009 a 18/07/2009

05/07/2009 a 11/07/2009

28/06/2009 a 04/07/2009

21/06/2009 a 27/06/2009

14/06/2009 a 20/06/2009

07/06/2009 a 13/06/2009

31/05/2009 a 06/06/2009

24/05/2009 a 30/05/2009

17/05/2009 a 23/05/2009

10/05/2009 a 16/05/2009

03/05/2009 a 09/05/2009

26/04/2009 a 02/05/2009

19/04/2009 a 25/04/2009

12/04/2009 a 18/04/2009

05/04/2009 a 11/04/2009

29/03/2009 a 04/04/2009

22/03/2009 a 28/03/2009

15/03/2009 a 21/03/2009

08/03/2009 a 14/03/2009

01/03/2009 a 07/03/2009

22/02/2009 a 28/02/2009

08/02/2009 a 14/02/2009

01/02/2009 a 07/02/2009

25/01/2009 a 31/01/2009

18/01/2009 a 24/01/2009

11/01/2009 a 17/01/2009

04/01/2009 a 10/01/2009

28/12/2008 a 03/01/2009

21/12/2008 a 27/12/2008

14/12/2008 a 20/12/2008

07/12/2008 a 13/12/2008

30/11/2008 a 06/12/2008

23/11/2008 a 29/11/2008

16/11/2008 a 22/11/2008

09/11/2008 a 15/11/2008

02/11/2008 a 08/11/2008

26/10/2008 a 01/11/2008

19/10/2008 a 25/10/2008

12/10/2008 a 18/10/2008

05/10/2008 a 11/10/2008

28/09/2008 a 04/10/2008

14/09/2008 a 20/09/2008

07/09/2008 a 13/09/2008

31/08/2008 a 06/09/2008

24/08/2008 a 30/08/2008

17/08/2008 a 23/08/2008

10/08/2008 a 16/08/2008

03/08/2008 a 09/08/2008

27/07/2008 a 02/08/2008

20/07/2008 a 26/07/2008

13/07/2008 a 19/07/2008

06/07/2008 a 12/07/2008

29/06/2008 a 05/07/2008

22/06/2008 a 28/06/2008

15/06/2008 a 21/06/2008

08/06/2008 a 14/06/2008

01/06/2008 a 07/06/2008

25/05/2008 a 31/05/2008

18/05/2008 a 24/05/2008

11/05/2008 a 17/05/2008

04/05/2008 a 10/05/2008

27/04/2008 a 03/05/2008

20/04/2008 a 26/04/2008

13/04/2008 a 19/04/2008

06/04/2008 a 12/04/2008

30/03/2008 a 05/04/2008

23/03/2008 a 29/03/2008

16/03/2008 a 22/03/2008

09/03/2008 a 15/03/2008

02/03/2008 a 08/03/2008

24/02/2008 a 01/03/2008

17/02/2008 a 23/02/2008

10/02/2008 a 16/02/2008

03/02/2008 a 09/02/2008

27/01/2008 a 02/02/2008

20/01/2008 a 26/01/2008

13/01/2008 a 19/01/2008

06/01/2008 a 12/01/2008

30/12/2007 a 05/01/2008

23/12/2007 a 29/12/2007

16/12/2007 a 22/12/2007

09/12/2007 a 15/12/2007

02/12/2007 a 08/12/2007

25/11/2007 a 01/12/2007

18/11/2007 a 24/11/2007

11/11/2007 a 17/11/2007

04/11/2007 a 10/11/2007

28/10/2007 a 03/11/2007

21/10/2007 a 27/10/2007

14/10/2007 a 20/10/2007

07/10/2007 a 13/10/2007

30/09/2007 a 06/10/2007

23/09/2007 a 29/09/2007

16/09/2007 a 22/09/2007

09/09/2007 a 15/09/2007

02/09/2007 a 08/09/2007

26/08/2007 a 01/09/2007

19/08/2007 a 25/08/2007

12/08/2007 a 18/08/2007

05/08/2007 a 11/08/2007

29/07/2007 a 04/08/2007

22/07/2007 a 28/07/2007

15/07/2007 a 21/07/2007

08/07/2007 a 14/07/2007

01/07/2007 a 07/07/2007

24/06/2007 a 30/06/2007

17/06/2007 a 23/06/2007

10/06/2007 a 16/06/2007

03/06/2007 a 09/06/2007

27/05/2007 a 02/06/2007

20/05/2007 a 26/05/2007

13/05/2007 a 19/05/2007

06/05/2007 a 12/05/2007

29/04/2007 a 05/05/2007

22/04/2007 a 28/04/2007

15/04/2007 a 21/04/2007

08/04/2007 a 14/04/2007

01/04/2007 a 07/04/2007

25/03/2007 a 31/03/2007

18/03/2007 a 24/03/2007

11/03/2007 a 17/03/2007

04/03/2007 a 10/03/2007

25/02/2007 a 03/03/2007

18/02/2007 a 24/02/2007

11/02/2007 a 17/02/2007

04/02/2007 a 10/02/2007

28/01/2007 a 03/02/2007

21/01/2007 a 27/01/2007

07/01/2007 a 13/01/2007

31/12/2006 a 06/01/2007

24/12/2006 a 30/12/2006

17/12/2006 a 23/12/2006

10/12/2006 a 16/12/2006

03/12/2006 a 09/12/2006

26/11/2006 a 02/12/2006

19/11/2006 a 25/11/2006

12/11/2006 a 18/11/2006

05/11/2006 a 11/11/2006

29/10/2006 a 04/11/2006

22/10/2006 a 28/10/2006

15/10/2006 a 21/10/2006

08/10/2006 a 14/10/2006

01/10/2006 a 07/10/2006

24/09/2006 a 30/09/2006

10/09/2006 a 16/09/2006

03/09/2006 a 09/09/2006

27/08/2006 a 02/09/2006

20/08/2006 a 26/08/2006

13/08/2006 a 19/08/2006

06/08/2006 a 12/08/2006

30/07/2006 a 05/08/2006

16/07/2006 a 22/07/2006

09/07/2006 a 15/07/2006

02/07/2006 a 08/07/2006

25/06/2006 a 01/07/2006

18/06/2006 a 24/06/2006

04/06/2006 a 10/06/2006

28/05/2006 a 03/06/2006

21/05/2006 a 27/05/2006

14/05/2006 a 20/05/2006

30/04/2006 a 06/05/2006

23/04/2006 a 29/04/2006

16/04/2006 a 22/04/2006

02/04/2006 a 08/04/2006

19/03/2006 a 25/03/2006

12/03/2006 a 18/03/2006

05/03/2006 a 11/03/2006

19/02/2006 a 25/02/2006

12/02/2006 a 18/02/2006

05/02/2006 a 11/02/2006

29/01/2006 a 04/02/2006

22/01/2006 a 28/01/2006

15/01/2006 a 21/01/2006

08/01/2006 a 14/01/2006

01/01/2006 a 07/01/2006

25/12/2005 a 31/12/2005

18/12/2005 a 24/12/2005

11/12/2005 a 17/12/2005

04/12/2005 a 10/12/2005

27/11/2005 a 03/12/2005

20/11/2005 a 26/11/2005

13/11/2005 a 19/11/2005

06/11/2005 a 12/11/2005

30/10/2005 a 05/11/2005

23/10/2005 a 29/10/2005

16/10/2005 a 22/10/2005

09/10/2005 a 15/10/2005

02/10/2005 a 08/10/2005

25/09/2005 a 01/10/2005

18/09/2005 a 24/09/2005

11/09/2005 a 17/09/2005

04/09/2005 a 10/09/2005

28/08/2005 a 03/09/2005

21/08/2005 a 27/08/2005

14/08/2005 a 20/08/2005

07/08/2005 a 13/08/2005


Créditos




MANUAL DE CONDUTA  ESCOLAR

Normas Gerais

 

Introdução


A proteção integral da criança e do adolescente é uma obrigação que se impõe a
todos. Isso implica garantir um ambiente socialmente saudável, que propicie condições
indispensáveis para que homens e mulheres em fase de formação possam ampliar
seus horizontes, trabalhar suas aptidões e expressar seus interesses, tornandose
cidadãs e cidadãos aptos a participar – de maneira ativa, pacífica e produtiva – dos
diversos aspectos da vida social.
Esta busca do pleno desenvolvimento é um processo dinâmico, ao longo do qual,
com frequência, eclodem conflitos complexos que podem causar perplexidade e insegurança
aos jovens, uma vez que ainda não desenvolveram plenamente as habilidades
sociais indispensáveis para enfrentar tais situações. Não raro, surgem insatisfações
e frustrações decorrentes dessas experiências negativas, o que pode deflagrar
comportamentos indesejáveis –ou até mesmo inadmissíveis– em um ambiente escolar
apropriado para a construção de suas personalidades.
Nesse sentido, é parte fundamental do processo educativo garantir a observância
de regras saudáveis de convivência no ambiente escolar. Acatar o pacto social vigente
– representado pelo conjunto de normas de conduta estabelecido e socialmente
reconhecido – sustenta o delicado equilíbrio entre desejos, direitos e deveres individuais
e coletivos que permeia a convivência social e garante a sobrevivência de uma
sociedade democrática e de respeito à cidadania.
Na escola, como parte integrante da missão de educar, dirigentes, professores,
diretores, funcionários, pais e colaboradores devem esclarecer, divulgar e observar
as regras de comportamento e convivência, assim como encorajar os estudantes a
respeitarem diferenças e praticarem a tolerância. Este documento é um instrumento
de apoio a estes procedimentos na rede pública de ensino estadual, constituindo-se
em indispensável referencial comum a todas as escolas. Cabe a todos os integrantes
da comunidade escolar aperfeiçoá-lo e atualizá-lo permanentemente.
Cada estabelecimento de ensino deve adotar estas Normas Gerais de Conduta Escolar
como referência, porém medidas ou procedimentos adicionais, que não afrontem
o disposto nelas, podem ser adotados individualmente pelas escolas, havendo
aprovação do Conselho Escolar.


A. DIREITOS DOS ALUNOS


1. DIREITO À EDU CAÇÃO PÚBLICA GRATU ITA E DE QUALIDADE
As escolas públicas estaduais abrigam alunos e alunas de diferentes idades, níveis
de desenvolvimento psicossocial e estratos sociais, que devem receber do Estado
atenções adequadas às suas necessidades. Ter garantido o acesso à educação
gratuita e de qualidade, desde o Ensino Fundamental até a conclusão do Ensino
Médio, constitui um dos direitos básicos dos alunos.
Em consequência, todo aluno tem direito a:
1.1. Receber educação em uma escola limpa e segura. Alunos com deficiência,
que requeiram atenção especial, têm direito a recebê-la na forma adequada
às suas necessidades e igualmente gratuita;
1.2. Usufruir de ambiente de aprendizagem apropriado e incentivador, livre de
discriminação, constrangimentos ou intolerância;
1.3. Receber atenção e respeito de colegas, professores, funcionários e colaboradores
da escola, independentemente de idade, sexo, raça, cor, credo,
religião, origem social, nacionalidade, deficiências, estado civil, orientação
sexual ou crenças políticas;
1.4. Receber informações sobre as aulas, programas disponíveis na escola e
oportunidades de participar em projetos especiais;
1.5. Receber Boletim Escolar e demais informações sobre seu progresso educativo,
bem como participar de avaliações periódicas, de maneira informal ou
por instrumentos oficiais de avaliação de rendimento;
1.6. Ser notificado, com a devida antecedência, sobre a possibilidade de ser
encaminhado para programa de recuperação, em razão do aproveitamento
escolar;
1.7. Ser notificado sobre a possibilidade de recorrer em caso de reprovação escolar;
1.8. Ter garantida a confidencialidade das informações de caráter pessoal ou
acadêmicas registradas e armazenadas pelo sistema escolar, salvo em casos
de risco ao ambiente escolar ou em atendimento a requerimento de órgãos
oficiais competentes.

 

 

2. DIREITO À LIBERD ADE INDIVIDU AL E DE EXPRESSÃO


São igualmente garantidos ao aluno da escola pública estadual os seguintes direitos
individuais:
2.1. Organizar, promover e participar de grêmio estudantil ou entidade similar de
sua escola;
2.2. Participar da publicação de jornais ou boletins informativos escolares, desde
que produzidos com responsabilidade e métodos jornalísticos, que reflitam
a vida na escola ou expressem preocupações e pontos de vista dos alunos;
2.3. Promover a circulação de jornais, revistas ou literatura na escola, em qualquer
dos veículos de mídia disponíveis, desde que observados os parâmetros
definidos pela escola no tocante a horários, locais e formas de distribuição
ou divulgação. Fica proibida a veiculação de conteúdos difamatórios,
obscenos, preconceituosos, racistas, discriminatórios, comerciais, de cunho
partidário ou de organizações paramilitares, que promovam a apologia ao
crime ou a atos ilícitos ou estimulem a sua prática, ou cuja distribuição perturbe
o ambiente escolar, incite à desordem ou ameace a segurança ou os
direitos fundamentais do cidadão, conforme previsto na Constituição Federal,
na Lei Federal nº 8.069/90 (Estatuto da Criança e do Adolescente) e demais
previsões legais;
2.4. Afixar avisos no mural administrativo da escola, sempre acatando os regulamentos
estabelecidos por esta. Fica proibida a veiculação de conteúdos
difamatórios, obscenos, preconceituosos, racistas, discriminatórios, comerciais,
de cunho partidário ou de organizações paramilitares, que promovam
a apologia ao crime ou a atos ilícitos ou estimulem a sua prática, que perturbem
o ambiente escolar, incitem à desordem ou ameacem a segurança
ou os direitos fundamentais do cidadão, conforme previsto na Constituição
Federal, na Lei Federal nº 8.069/90 (Estatuto da Criança e do Adolescente) e
demais previsões legais;
2.5. Decidir sobre as vestimentas pessoais que portará, assim como sobre distintivos
ou adereços de uso estritamente pessoal, exceto nos casos em que
sua apresentação represente perigo a si ou aos demais, ou quando divulgar
idéias racistas, preconceituosas, difamatórias, obscenas ou cuja circulação
perturbe o ambiente escolar;
2.6. Ter assegurados o ingresso e a posse de materiais de uso pessoal na escola,
exceto nos casos em que representem perigo para si ou para os outros, ou
que perturbem o ambiente escolar.

 

3. DIREITO A TRATAMENTO JUSTO E CORDIAL


Cada aluno da escola pública estadual tem o direito de ser tratado de forma justa
e cordial por todos os integrantes da comunidade escolar, sendo assegurado a ele:
3.1. Ser informado pela direção da escola sobre as condutas consideradas apropriadas
e quais as que podem resultar em sanções disciplinares, para que
tome ciência das possíveis consequências de suas atitudes em seu rendimento
escolar e no exercício dos direitos previstos nestas Normas Gerais de
Conduta Escolar e demais regulamentos escolares;
3.2. Ser informado sobre procedimentos para recorrer de decisões administrativas
da direção da escola sobre seus direitos e responsabilidades, em conformidade
com o estabelecido neste documento e com a legislação pertinente;
3.3. Estar acompanhado por seus pais ou responsáveis em reuniões e audiências
que tratem de seus interesses quanto a desempenho escolar ou em
procedimentos administrativos que possam resultar em sua transferência
compulsória da escola.

 

B. DE VERES E RES PONSABILIDADES DOS ALUNOS

 

4. rela ção de deve res e resp onsabili dades
Cada aluno da escola pública estadual tem os seguintes deveres e responsabilidades:
4.1. Frequentar a escola regular e pontualmente, realizando os esforços necessários
para progredir nas diversas áreas de sua educação;
4.2. Estar preparado para as aulas e manter adequadamente livros e demais materiais
escolares de uso pessoal ou comum coletivo;
4.3. Observar as disposições vigentes sobre entrada e saída das classes e demais
dependências da escola;
4.4. Ser respeitoso e cortês para com colegas, diretores, professores, funcionários
e colaboradores da escola, independentemente de idade, sexo, raça,
cor, credo, religião, origem social, nacionalidade, condição física ou emocional,
deficiências, estado civil, orientação sexual ou crenças políticas;
10 | Normas Gerais de Conduta Escolar
4.5. Contribuir para a criação e manutenção de um ambiente de aprendizagem
colaborativo e seguro, que garanta o direito de todos os alunos de estudar e
aprender;
4.6. Abster-se de condutas que neguem, ameacem ou de alguma forma interfiram
negativamente no livre exercício dos direitos dos membros da comunidade
escolar;
4.7. Respeitar e cuidar dos prédios, equipamentos e símbolos escolares, ajudando
a preservá-los e respeitando a propriedade alheia, pública ou privada;
4.8. Compartilhar com a direção da escola informações sobre questões que possam
colocar em risco a saúde, a segurança e o bem-estar da comunidade
escolar;
4.9. Utilizar meios pacíficos na resolução de conflitos;
4.10. Reunir-se sempre de maneira pacífica e respeitando a decisão dos alunos
que não desejem participar da reunião;
4.11. Ajudar a manter o ambiente escolar livre de bebidas alcoólicas, drogas lícitas
e ilícitas, substâncias tóxicas e armas;
4.12. Manter pais ou responsáveis legais informados sobre os assuntos escolares,
sobretudo sobre o progresso nos estudos, os eventos sociais e educativos
previstos ou em andamento, e assegurar que recebam as comunicações a
eles encaminhadas pela equipe escolar, devolvendo-as à direção em tempo
hábil e com a devida ciência, sempre que for o caso.

C. CONDUTA EM AMBIENTE ESCOLAR

 

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




 C. CONDUTA EM AMBIENTE ESCOLAR

 

5. CONDUTAS QUE AFETAM O AMBIENTE ESCOLAR / FALTAS DISCIPLINARES


Além das condutas descritas a seguir, também são passíveis de apuração e aplicação
de medidas disciplinares as condutas que professores ou a direção escolar
considerem incompatíveis com a manutenção de um ambiente escolar sadio ou
inapropriadas ao ensino-aprendizagem, sempre considerando, na caracterização
da falta, a idade do aluno e a reincidência do ato.
5.1. Ausentar-se das aulas ou dos prédios escolares, sem prévia justificativa ou
autorização da direção ou dos professores da escola;
5.2. Ter acesso, circular ou permanecer em locais restritos do prédio escolar;
Normas Gerais de Conduta Escolar | 11
5.3. Utilizar, sem a devida autorização, computadores, aparelhos de fax, telefones
ou outros equipamentos e dispositivos eletrônicos de propriedade da
escola;
5.4. Utilizar, em salas de aula ou demais locais de aprendizado escolar, equipamentos
eletrônicos como telefones celulares, pagers, jogos portáteis, tocadores
de música ou outros dispositivos de comunicação e entretenimento
que perturbem o ambiente escolar ou prejudiquem o aprendizado;
5.5. Ocupar-se, durante a aula, de qualquer atividade que lhe seja alheia;
5.6. Comportar-se de maneira a perturbar o processo educativo, como, por
exemplo, fazendo barulho excessivo em classe, na biblioteca ou nos corredores
da escola;
5.7. Desrespeitar, desacatar ou afrontar diretores, professores, funcionários ou
colaboradores da escola;
5.8. Fumar cigarros, charutos ou cachimbos dentro da escola;
5.9. Comparecer à escola sob efeito de substâncias nocivas à saúde e à convivência
social;
5.10. Expor ou distribuir materiais dentro do estabelecimento escolar que violem
as normas ou políticas oficialmente definidas pela Secretaria Estadual da
Educação ou pela escola;
5.11. Exibir ou distribuir textos, literatura ou materiais difamatórios, racistas ou
preconceituosos, incluindo a exibição dos referidos materiais na internet;
5.12. Violar as políticas adotadas pela Secretaria Estadual da Educação no tocante
ao uso da internet na escola, acessando-a, por exemplo, para violação de
segurança ou privacidade, ou para acesso a conteúdo não permitido ou inadequado
para a idade e formação dos alunos;
5.13. Danificar ou adulterar registros e documentos escolares, através de qualquer
método, inclusive o uso de computadores ou outros meios eletrônicos;
5.14. Incorrer nas seguintes fraudes ou práticas ilícitas nas atividades escolares:
Comprar, vender, furtar, transportar ou distribuir • conteúdos totais ou parciais
de provas a serem realizadas ou suas respostas corretas;
• Substituir ou ser substituído por outro aluno na realização de provas ou
avaliações;
• Substituir seu nome ou demais dados pessoais quando realizar provas
ou avaliações escolares;Plagiar, ou seja, apropriar-se do trabalho de outro e utilizá-• lo como se fosse seu, sem dar o devido crédito e fazer menção ao autor, como no caso
de cópia de trabalhos de outros alunos ou de conteúdos divulgados pela
internet ou por qualquer outra fonte de conhecimento.
5.15. Danificar ou destruir equipamentos, materiais ou instalações escolares; escrever,
rabiscar ou produzir marcas em qualquer parede, vidraça, porta ou
quadra de esportes dos edifícios escolares;
5.16. Intimidar o ambiente escolar com bomba ou ameaça de bomba;
5.17. Ativar injustificadamente alarmes de incêndio ou qualquer outro dispositivo
de segurança da escola;
5.18. Empregar gestos ou expressões verbais que impliquem insultos ou ameaças
a terceiros, incluindo hostilidade ou intimidação mediante o uso de apelidos
racistas ou preconceituosos;
5.19. Emitir comentários ou insinuações de conotação sexual agressiva ou desrespeitosa,
ou apresentar qualquer conduta de natureza sexualmente ofensiva;
5.20. Estimular ou envolver-se em brigas, manifestar conduta agressiva ou promover
brincadeiras que impliquem risco de ferimentos, mesmo que leves,
em qualquer membro da comunidade escolar;
5.21. Produzir ou colaborar para o risco de lesões em integrantes da comunidade
escolar, resultantes de condutas imprudentes ou da utilização inadequada
de objetos cotidianos que podem causar danos físicos, como isqueiros, fivelas
de cinto, guarda-chuvas, braceletes etc.;
5.22. Comportar-se, no transporte escolar, de modo a representar risco de danos
ou lesões ao condutor, aos demais passageiros, ao veículo ou aos passantes,
como correr pelos corredores, atirar objetos pelas janelas, balançar o
veículo etc.;
5.23. Provocar ou forçar contato físico inapropriado ou não desejado dentro do
ambiente escolar;
5.24. Ameaçar, intimidar ou agredir fisicamente qualquer membro da comunidade
escolar;
5.25. Participar, estimular ou organizar incidente de violência grupal ou generalizada;
5.26. Apropriar-se de objetos que pertencem a outra pessoa, sem a devida autorização
ou sob ameaça;


5.27. Incentivar ou participar de atos de vandalismo que provoquem dano intencional
a equipamentos, materiais e instalações escolares ou a pertences da
equipe escolar, estudantes ou terceiros;
5.28. Consumir, portar, distribuir ou vender substâncias controladas, bebidas alcoólicas
ou outras drogas lícitas ou ilícitas no recinto escolar;
5.29. Portar, facilitar o ingresso ou utilizar qualquer tipo de arma, ainda que não
seja de fogo, no recinto escolar;
5.30. Apresentar qualquer conduta proibida pela legislação brasileira, sobretudo
que viole a Constituição Federal, o Estatuto da Criança e do Adolescente
(ECA) e o Código Penal.

6. MEDIDAS DISCIPLINARES

O não cumprimento dos deveres e a incidência em faltas disciplinares poderão
acarretar ao aluno as seguintes medidas disciplinares:
I Advertência verbal;
II Retirada do aluno de sala de aula ou atividade em curso e encaminhamento
à diretoria para orientação;
III Comunicação escrita dirigida aos pais ou responsáveis;
IV Suspensão temporária de participação em visitas ou demais programas extracurriculares;
V Suspensão por até 5 dias letivos;
VI Suspensão pelo período de 6 a 10 dias letivos;
VII Transferência compulsória para outro estabelecimento.

7. PROCEDIMENTOS

As medidas disciplinares deverão ser aplicadas ao aluno em função da gravidade
da falta, idade do aluno, grau de maturidade e histórico disciplinar, comunicandose
aos pais ou responsáveis.
As medidas previstas nos itens I e II serão aplicadas p • elo professor ou diretor;
• As medidas previstas nos itens III, IV e V serão aplicadas pelo diretor;
• As medidas previstas nos itens VI e VII serão aplicadas pelo Conselho Escolar.
As faltas descritas nos itens 5.23 a 5.30 deverão necessariamente ser submetidas
ao Conselho de Escola para apuração e aplicação de medida disciplinar, devendo a
unidade escolar informar à Secretaria Estadual da Educação sua ocorrência e a medida
disciplinar aplicada.

Em qualquer caso será garantido amplo direito de defesa, ao aluno e aos seus
responsáveis, cabendo pedido de revisão da medida aplicada e, quando for o caso,
recurso ao Conselho Escolar.
A aplicação das medidas disciplinares previstas não isenta os alunos ou seus responsáveis
do ressarcimento de danos materiais causados ao patrimônio escolar ou
da adoção de outras medidas judiciais cabíveis.

8. RECURSOS DISCIPLINARES ADICIONAIS


Para restaurar a harmonia e o adequado ambiente pedagógico, além das medidas
disciplinares descritas nestas Normas, professores, direção e o Conselho de Escola
podem utilizar, cumulativamente, os seguintes instrumentos de gestão da convivência
escolar:
8.1. Envolvimento de pais ou responsáveis no cotidiano escolar;
8.2. Orientações individuais ou em grupo para mediar situações de conflito;
8.3. Reuniões de orientação com pais ou responsáveis;
8.4. Encaminhamento a serviços de orientação em situações de abuso de drogas,
álcool ou similares;
8.5. Encaminhamento a serviços de orientação para casos de intimidação baseada
em preconceitos ou assédio;
8.6. Encaminhamento aos serviços de saúde adequados quando o aluno apresentar
distúrbios que estejam interferindo no processo de aprendizagem ou
no ambiente escolar;
8.7. Encaminhamento aos serviços de assistência social existentes, quando do
conhecimento de situação do aluno que demande tal assistência especializada;
8.8. Encaminhamento ao Conselho Tutelar em caso de abandono intelectual, moral
ou material por parte de pais ou responsáveis;
8.9. Comunicação às autoridades competentes, dos órgãos de segurança pública,
Poder Judiciário e Ministério Público, de crimes cometidos dentro das
dependências escolares.

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




PROVA PARA OS OFAS - ATRIBUIÇÃO 2010

(176 – São Paulo, 119 (200) Diário Oficial Poder Executivo - Seção I sábado, 24 de outubro de 2009)

 

DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA DOCENTES

EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÃO PARA PROVA

 

O Diretor do Departamento de Recursos Humanos da Secretaria de Estado da Educação, nos termos do Inciso II do artigo 2º da Lei Complementar 1.093, de 16 de julho de 2009 , Resolução SE - 68, de 01 de outubro de 2009 e Inciso V da Instrução Normativa - UCRH 2/2009, de 21 de setembro de 2009, torna pública a abertura de inscrições para a prova do Processo Seletivo Simplificado para Docentes admitidos nos termos da Lei Estadual nº 500/74 e Candidatos à contratação.

As provas do Processo Seletivo serão realizadas pela Fundação VUNESP, localizada a Rua Dona Germaine Burchard, nº 515 - Bairro Água Branca/Perdizes, São Paulo - SP - CEP 05062-002 - telefone (0xx11) 3874-6300.

 

I - DISPOSIÇÕES GERAIS

1. A participação no Processo Anual de Atribuição de Classes /Aulas 2010 compreenderá, obrigatoriamente, duas etapas :

 

1ª Etapa:- Inscrição para atribuição de classes / aulas de acordo com as disposições contidas na Portaria DRHU nº 72, de 13, publicada no DOE de 14/10/2009:

.

2ª Etapa:- Inscrição para realização de prova(s) relativas ao processo Seletivo Simplificado, via Internet, no endereço eletrônico da Fundação VUNESP - www.vunesp.com.br , no período de 03 a 20/11/2009, iniciando se no dia 3 de novembro de 2009 às 10h00 e encerrando-se impreterivelmente no dia 20 de novembro de 2009, às 16h00.

 

2. Serão utilizados para fins de inscrição, os dados constantes no Cadastro Funcional da Secretaria da Educação, cujas informações permanecerão inalteradas no Formulário de Inscrição.

 

3. Para inscrever-se, o candidato deverá acessar o endereço eletrônico da Fundação VUNESP - www.vunesp.com.br , através do “link” correlato ao Processo Seletivo Simplificado da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo, preencher a Ficha de Inscrição, on-line, e transmitir os dados pela Internet, conforme os procedimentos estabelecidos abaixo:

3.1 -o docente, ao realizar a sua inscrição, digitará o CPF e obterá o Formulário Personalizado contendo dados pessoais, devendo preencher os dados relativos a opção pelo campo de atuação/disciplina em que deseja realizar a(s) prova(s);

3.2- o candidato que não obtiver o Formulário de Inscrição personalizado, deverá preencher os dados solicitados, sendo de sua inteira responsabilidade as informações prestadas.

 

4. O docente/ candidato poderá se inscrever:

4.1 para o campo de atuação Classe e/ou,

4.2 para o campo de atuação Aulas, em até 2 (duas) áreas , sendo 1 (uma) disciplina por área:

4.2.1 Linguagens e Códigos (Língua Portuguesa, Inglês, Arte e Educação Física);

4.2.2 Ciências da Natureza e Matemática (Matemática, Ciências Físicas e Biológicas, Biologia, Física e Química);

4.2.3 Ciências Humanas (História, Geografia, Filosofia e Sociologia) e/ou;

4.3 para o campo de atuação Educação Especial.

 

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




5. O docente/candidato licenciado em Pedagogia, increverse- á para a prova, no campo de atuação Classe.

 

6. O docente que estiver na condição de readaptado ou afastado a qualquer título, deverá efetuar a sua inscrição, ficando obrigatoriamente classificado, na Diretoria de Ensino à qual estiver jurisdicionada a unidade sede de controle de freqüência.

 

7. A Fundação VUNESP e a Secretaria da Educação do Estado de São Paulo não se responsabilizam por solicitação de inscrição não recebida por motivos de inconsistência de dados, de ordem técnica dos computadores, falhas de comunicação, congestionamento das linhas de comunicação, bem como outros fatores de ordem técnica que impossibilitem a transferência de dados.

 

8. O descumprimento das instruções para inscrição implicará a não efetivação da mesma.

 

9. As informações prestadas no Formulário de Inscrição serão de inteira responsabilidade do docente/candidato, reservando- se à Secretaria da Educação, sem prejuízo das penas da lei, o direito de excluir do Processo Seletivo aquele que fornecer dados comprovadamente inverídicos ou falsos.

 

10. O candidato que deixar de realizar a prova, não constará da classificação e, conseqüentemente, não poderá participar do Processo de Atribuição de Aulas/2010.

 

II - INSCRIÇÃO DO CANDIDATO COM DEFICIÊNCIA

1. Ao candidato com deficiência, que pretenda fazer uso das prerrogativas facultadas no Inciso VIII do artigo 37 da Constituição Federal/88 e no disposto pela Lei Complementar nº 683/92, é assegurado o direito de inscrição no presente Processo Seletivo, desde que se observe:

1.1 no ato da inscrição para atribuição de classe/aulas, na Unidade Escolar ou Diretoria de Ensino, o docente/candidato deverá declarar-se com deficiência.

1.2 no Formulário de Inscrição para prova - via Internet, o candidato deverá declarar-se nesta condição, especificando o tipo e o grau da deficiência.

 

2. O candidato com deficiência deverá solicitar, na Ficha de Inscrição para a prova, se necessário, condições especiais para realizar a prova, conforme segue:

2.1 o candidato portador de deficiência visual, deverá indicar no Formulário de Inscrição, o tipo de provas especial de que necessitará: Ampliada ou Ledor;

2.1.1 ao candidato inscrito como Portador de Necessidade Especial “visual” (amblíope) que solicitar prova especial Ampliada será oferecida prova neste sistema, com tamanho de letra correspondente a corpo 24;

2.2 o atendimento às condições solicitadas ficará sujeito à análise de viabilidade e razoabilidade do pedido;

2.3 o candidato portador de deficiência ou o candidato que por motivo de saúde necessitar de atendimento especial, deverá encaminhar solicitação, via SEDEX ou AR (Aviso de Recebimento), por escrito, até o término das inscrições, com justificativa acompanhada de parecer emitido por especialista da área de sua deficiência ou problema de saúde, à Fundação VUNESP, Rua Dona Germaine Burchard, 515 - Bairro Água Branca / Perdizes - São Paulo - CEP 05002-062.

 

3. O candidato que não atender dentro do prazo previsto para a inscrição, aos dispositivos mencionados no item 1 e seus subitens não terá a condição especial atendida e não terá a prova preparada, estando impossibilitado de realizá-la em condições especiais e/ou será considerado não portador de necessidade especial, seja qual for o motivo alegado.

 

4. O candidato com deficiência que não realizar a inscrição conforme instruções contidas neste Edital, não poderá impetrar recurso em favor de sua condição.

(DOE 24/10/2009 EXECUTIVO I – PÁGINA 176)

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




Programa Valorização pelo Mérito é aprovado
na Assembleia (21-10-2009)

Projeto que permite aos professores quadruplicar o salário inicial vai mudar a história das remunerações do magistério no Brasil

 

Foi aprovado na madrugada desta quarta-feira (21), na Assembléia Legislativa, o Projeto de Lei Complementar (PLC) 29/2009 que cria o Programa de Valorização Pelo Mérito, que dá continuidade ao projeto de melhoria da qualidade da educação e da valorização do professor da rede estadual de São Paulo.  “Esta é uma revolução na carreira dos professores do Estado de São Paulo que haverá de repercutir em todo Brasil”, afirmou o secretário de Estado da Educação, Paulo Renato Souza.   

Sobre o Programa

Em 6 de outubro, o secretário Paulo Renato Souza esteve na Assembleia Legislativa para detalhar o então Projeto de Lei Complementar (PLC) 29/2009 em uma audiência pública com deputados e entidades de classe. À época, ele reiterou que o conceito do programa está alinhado à política educacional do Governo do Estado, iniciada em 2006 e que privilegia professores, diretores e supervisores de ensino, valorizando o profissional de toda a rede de acordo com seu esforço e dedicação.  

O Programa Valorização pelo Mérito conta com medidas que vão permitir aos professores quadruplicar o salário inicial da carreira desde que cumpram as regras de promoção e tenham notas mínimas em avaliações. A remuneração inicial para a jornada de 40 horas semanais, que hoje é de R$ 1.834,85, poderá chegar a R$ 6.270,78 ao longo da carreira, um aumento de 242%. Pelas regras atuais, a elevação máxima de salário é de 73%. “São Paulo dá um passo gigantesco para mudar a história das remunerações de professores no Brasil”, diz o secretário de Estado da Educação.

O Programa Valorização pelo Mérito traz grandes vantagens para os professores e para a sociedade. O s integrantes do magistério poderão ter importantes ganhos de remuneração ao longo de suas carreiras em função apenas de seu esforço e dedicação, valorizando o mérito. As novas regras da promoção tornarão as carreiras do magistério mais atrativas para bons alunos egressos do Ensino Médio.

Os salários de diretores de escola e supervisores de ensino também poderão crescer mais com as novas regras. A remuneração de diretor de escola poderá chegar a R$ 7.147,05, mais de três vezes o salário inicial, que é de R$ 2.321,09. Sem as mudanças, o salário final de diretor de escola seria de R$ 3.786,03. No caso dos supervisores, a remuneração poderá chegar a R$ 7.813,63, mais de três vezes o salário inicial de R$ 2.509,11. Além desses valores, os profissionais do magistério ainda vão acumular vantagens como auxílio por localização de exercício, auxílio transporte, sextas partes e quinquênios, e levarão todos os benefícios para as suas aposentadorias. As mudanças fazem parte de Projeto de Lei enviado pelo governador Serra à Assembleia Legislativa no dia 6 de agosto deste ano.

As novas regras da promoção também estimularão o constante aperfeiçoamento dos atuais integrantes do magistério. Por meio dos exames, a Secretaria da Educação poderá direcionar o aperfeiçoamento do magistério para as áreas onde as deficiências forem mais notórias. A vinculação da assiduidade à evolução da carreira fará diminuir o absenteísmo nas escolas, melhorando o resultado do aprendizado. E a gestão escolar vai melhorar com diretores e supervisores mais focados no resultado escolar. “O programa vai dar uma contribuição muito importante para que a educação pública de São Paulo tenha professores mais preparados e uma gestão escolar mais eficiente”, afirma Paulo Renato.

Além do programa de valorização, os profissionais continuarão se beneficiando do Bônus por Resultado, que paga até 2,9 salários extras por ano para as equipes que superarem as metas estabelecidas para cada escola. Com o novo programa, os valores pagos pelo bônus serão ainda maiores, pois os salários serão maiores. O Programa Valorização pelo Mérito dá sequência ao amplo programa desenvolvido pelo Governo do Estado para melhorar a qualidade da educação, com medidas como o Programa Ler e Escrever (voltado a acelerar a alfabetização de crianças da primeira à quarta séries), o São Paulo Faz Escola (com novo currículo e materiais específicos para alunos e professores) e diversas modalidades de recuperação de aprendizagem para alunos com dificuldades, entre outras ações.

O Programa de Valorização pelo Mérito é a segunda etapa do Programa + Qualidade na Escola, lançado em maio pelo Governo do Estado. Em sua primeira fase, o programa criou a Escola de Formação de Professores de São Paulo, mudou a forma de ingresso dos profissionais do magistério (instituindo o curso de formação como última etapa do processo seletivo), criou duas novas jornadas de trabalho (de 12 e 40 horas semanais), abriu 80 mil novas vagas para cargos efetivos do magistério e regulamentou a situação dos professores temporários, instituindo o exame como requisito para sua atuação nas aulas.

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




Programa de não-violência reduz conflitos nas escolas em 90%

 

 

Enquanto o Governo de São Paulo estabelece critérios punitivos e orienta professores sobre em quais ocasiões a polícia deve entrar na escola, um programa baseado na cultura de paz, introduzida em 2003 em 34 escolas de seis municípios da região de Araçatuba, no interior do Estado, reduziu em 90% os conflitos desde que foi totalmente incorporado por cinco dessas unidades.

O programa, chamado Educadores da Paz, baseado na construção de cultura de paz, conseguiu reduzir índices de suspensões temporárias e definitivas, melhorou o rendimento dos alunos e colocou em pelo menos cinco escolas, o diálogo como filosofia no tratamento de casos conflituosos.

Uma das escolas é a do conjunto Habitacional Ezequiel Barbosa, localizada numa das regiões mais carentes e violentas de Araçatuba. "Pelas regras do Manual de Proteção, teríamos de suspender temporariamente 10 alunos por semana, mas com o programa Educadores de Paz, que adotamos, suspendemos um ou dois alunos", explica a diretora Rosemeire Esteve Cavalaro.

O Manual indica que o aluno deve ser advertido três vezes verbalmente antes de ser punido com o afastamento temporário da escola. "Pelo programa, o aluno é advertido quatro vezes verbalmente e os pais são chamados para solucionar o problema, antes de decidirmos pelo afastamento", explica Rosemeire.

Em outra escola, a diretora decidiu não acatar o Manual e deixou de chamar a Polícia Militar para um estudante pego com uma porção de maconha. "A diretora sabia que era a primeira vez dele e se chamasse a PM ele seria humilhado e prejudicado ainda mais", contou a supervisora do Programa, Marisa Coltri Lélis. Segundo ela, depois que os diretores conversaram com os pais e direcionaram o garoto para o Proerd (Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência), da PM, o comportamento do estudante melhorou.

O programa, que é baseado em seis princípios do Manifesto 2000 e em quatro princípios do Relatório Delors (Jacque Delors), ambos adotados pela Unesco, tem sua base formada em técnicas do diálogo e em práticas restaurativas de resolução de conflitos e de concentração. "As reuniões quinzenais que são realizadas nas escolas com professores e diretores servem para formar educadores em cidadania, ética e valores universais, promovendo ações de construção de cultura de paz", conta Marisa. Segundo ela, a mediação de conflito é estabelecida através de uma relação de confiança entre educador e aluno. "Quando há essa relação, o conflito deixa de existir e a convivência se torna harmoniosa", diz.

Segundo ela, o programa começou a ser praticado em 2003 e até agora cinco escolas estão totalmente integradas a ele. "Nessas escolas, os conflitos diminuíram 90%", diz. "Nunca a punição sozinha deu efeito. O diálogo dá mais resultados", completa. Nas outras escolas, segundo Marisa, o programa ainda enfrenta resistência, muitas vezes por parte de diretores, que preferem medidas mais fáceis e rápidas, outra vezes por falta de empenho dos educadores.

Para o supervisor de Ensino de Araçatuba, Edison Marson, os manuais não se contrapõem ao programa. Pelo contrário, vieram a "turbinar" o programa. "Agora com as referências contidas nesses manuais, os diretores terão mais facilidade para aplicar o programa, pois ele terá mais segurança e perderá o medo de errar", diz.

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




Manuais escolares dedicam mais espaço para atos e punições

 

 

Embora orientem os professores sobre a legislação penal e estabeleçam ações de prevenção e de reparação, os manuais distribuídos para as escolas de São Paulo dedicam o maior espaço para tratar dos atos de indisciplinas e as respectivas punições. Mesmo assim, segundo a Secretaria de Educação, eles servem de referência e devem ser aplicados com bom senso pelos diretores das unidades.

O manual de "Normas Gerais de Conduta Escolar", é apresentado em forma de códigos de postura e numa linguagem imperativa. As normas determinam direitos, deveres e responsabilidades dos alunos e estabelecem situações de conduta consideradas prejudiciais ao ambiente escolar, além de apontar as faltas e as medidas disciplinares, quase todas punitivas. As medidas preventivas e restauradoras são apresentadas somente no último item, como os Recursos Disciplinares e Adicionais.

Já o "Manual de Proteção Escolar de Proteção Escolar e Promoção da Cidadania", que tem 80 páginas, 47 delas dedicadas a 100 perguntas, cujas respostas refletem situações de conflitos. Elas relatam os conceitos da paz e de violência, mostram a legislação penal para cada caso, mas, principalmente, orientam os educadores como resolver os conflitos e tomar medidas preventivas, reparadoras ou punitivas.

Segundo o secretário-adjunto de Educação do Estado, Guilherme Bueno de Camargo, o manual foi baseado em documento semelhante ao adotado no Distrito Federal. "Fizemos adequação para a nossa realidade", diz. Segundo ele, as perguntas foram colhidas de professores, dirigentes e servidores da rede paulista. "Elas representam as principais dúvidas que eles tinham com relação a estes temas", diz. Um capítulo inteiro e boa parte do conteúdo explicam os crimes de natureza sexual, como abuso e assédio.

Outra questão fala sobre a presença de jornalistas nas escolas, quando eles são permitidos e a necessidade de ser preservar a integridade dos menores, proibidos por lei de terem as fotos publicadas na mídia. Segundo o secretário-adjunto, a questão foi registrada devido à presença de falsos jornalistas nas escolas.

"Não queremos ferir a integridades dos nossos alunos e não há problemas em todos os jornalistas serem atendidos por nossa assessoria de imprensa", disse. Camargo ressaltou que os manuais servem como padrão de referência, mas não são medidas obrigatórias. "O bom senso dos educadores deve prevalecer e eles devem agir de acordo com as peculiaridades de cada escola", diz. "Além disso, as relações de conflitos devem ser mediadas antes com intervenções pedagógicas", diz.

O uso dos manuais pelos diretores de escolas também será avaliado. "Se algum diretor usar esses manuais para aplicar medidas esdrúxulas ou para perseguir alunos ou servidores serão chamados a explicar e vamos tomar as medidas para acabar com isso", disse Camargo.

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




ESCOLAS PAULISTAS ABREM AS PORTAS À

POLÍCIA PARA COMBATER VIOLÊNCIA

*Foi preciso chegar ao "fundo do poço"

 

 

Numa das ações para enfrentar a violência e a criminalidade dentro das unidades de ensino do Estado, o governo de São Paulo prevê que a polícia deve transpor os muros escolares para resolver conflitos internos. Dois manuais e um sistema de registro de ocorrência policial on line foram introduzidos nas escolas com objetivo de estabelecer um padrão de convivência e de prevenir, evitar e reparar danos no ambiente escolar.

Os dois manuais estabelecem como o aluno deve se comportar e em quais ocasiões a polícia deve ser chamada. Já o sistema, chamado de Registro de Ocorrências Escolares (ROE), permite ao Estado ter controle das ocorrências policiais registradas dentro da escola. As medidas fazem parte do Sistema de Proteção Escolar, lançado em junho deste ano pelo secretário estadual da Educação, Paulo Renato de Souza, como medida para combater a violência e a criminalidade nas escolas.

Os manuais "Normas Gerais de Conduta Escolar" e "Manual de Proteção Escolar e Promoção da Cidadania", que estão sendo aplicados nas 5,4 mil escolas da rede estadual de São Paulo, onde estudam 4,7 milhões de alunos, determinam padrões de conduta para os estudantes e ensinam os educadores a chamar e autorizar a entrada da polícia, a registrar boletins de ocorrência, a notificar as autoridades de menores e a avisar os pais dos estudantes envolvidos nos conflitos.

"O objetivo é implantar um padrão mínimo de convivência no ambiente escolar, nas escolas e no entorno delas e criar ferramentas e condições para que os educadores e professores possam agir com segurança em casos de conflitos", diz o secretário-adjunto da Educação, Guilherme Bueno de Camargo, com relação aos manuais.

As informações do ROE formarão um banco de dados que servirá de estatística para embasar ações posteriores de reparação de danos. O ROE, que está em funcionamento desde junho em todas as escolas estaduais, vai servir para o Estado ter o histórico das instituições para que, no futuro, equipes multidisciplinares possam ser enviadas para sanar os problemas nas unidades problemáticas. "Antes disso, só algumas escolas registravam e muitas nem registravam a presença da polícia quando era chamada", diz.

Com a implantação do sistema, toda escola deverá agora registrar os casos de atos infracionais ou contravencionais. Com isso, um adolescente fumando ou portando um 'baseado' ou outro que esteja 'fora de controle' por consumo de bebida alcoólica, serão exemplos de casos em que a polícia deve ser chamada.

"Nestes casos, o Estado deve agir de ofício, pois se trata de uma infração à legislação penal e, por isso, os diretores devem chamar a polícia e registrar boletim de ocorrência", explica Bueno de Camargo. "Mas os manuais também orientam para as medidas de prevenção e de tratamento desses alunos", ressalva Camargo.

Porém, os manuais e o ROE não evitaram que na semana passada uma criança de sete anos fosse levada por uma viatura da PM a uma Delegacia de Polícia de Campinas, embora o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) proíba essa prática. A criança estava agressiva com colegas e, segundo os professores, incontrolável, por isso, teria sido levada à repartição policial.

Posteriormente, descobriu-se que a menina faz uso de remédios controlados e é submetida à tratamento de distúrbio comportamental no hospital da Unicamp. A mãe da menina acredita que a filha tenha tido uma crise. A situação, no entanto, não foi para o ROE, mas o caso, segundo Camargo, está sendo acompanhado pela Secretaria de Educação, que deverá apurar o fato e responsabilizar os culpados. "Pode ter havido um equívoco, que se comprovado, o autor deverá ser orientado e sofrer as sanções", diz.

Em Araçatuba, interior do Estado, os manuais foram ignorados pela diretora de uma das escolas da periferia. "A diretora preferiu não fazer boletim de ocorrência, porque era a primeira vez que o menino era pego com maconha. Se o denunciasse, ela só iria prejudicá-lo ainda mais", contou uma supervisora da escola.

A diretora, que não quis ser identificada, preferiu chamar o Proerd (Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência) da PM, que não registrou o caso em BO, e passou a cuidar do estudante em ações junto com a família. Assim como no caso de Campinas, a situação não foi relatada no ROE.

Alguns supervisores receberam bem os manuais. "Antes dele, cada escola seguia um regimento interno, não havia algo que os indicasse um norte. Agora, os diretores dizem que terão mais segurança ao tomar qualquer medida", diz o supervisor de ensino Edison Marson, da região de Araçatuba, onde diretores de 34 escolas de sete municípios se reúnem nos dias 17 e 18 de novembro para adaptar os manuais às realidades de cada escola.

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




Câmara aprova nível superior para professor de ensino básico

 


O plenário da Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (21), um projeto de lei que exige nível superior, com licenciatura, dos professores que atuarão na educação básica (educação infantil e ensino fundamental e médio). A matéria, aprovada na forma de substitutivo, será enviada para votação no Senado.

Uma mudança no texto final incorporou destaque do PP que manteve a possibilidade de contratar professores com ensino médio para a educação infantil, onde comprovadamente não existirem formados em nível superior. A regra vale também para as quatro séries iniciais do ensino fundamental.

Originalmente, o substitutivo de Iran Barbosa (PT-SE), pela Comissão de Educação e Cultura, retirava do texto essa necessidade de comprovar a inexistência de formados em nível superior e não previa a possibilidade de contratação de professores com ensino médio para as primeiras séries do fundamental.

Foi retirado do texto final o dispositivo do projeto apensado que permitia ao Ministério da Educação estabelecer nota mínima no Exame Nacional do Ensino Médio como pré-requisito para ingresso em cursos de graduação para formação de docente.

Ajustes à Constituição

A medida aprovada é de autoria da deputada Ângela Amin (PP). No substitutivo, o deputado Iran Barbosa aproveitou ainda ajustes na Lei de Diretrizes e Bases da Educação necessários após a promulgação da Emenda 53. Um deles define a educação infantil como aquela ministrada até os cinco anos de idade, pois a partir do 6º ano, a criança passa a cursar o primeiro ano do ensino fundamental.

Outro ajuste, com alcance ampliado por emenda do deputado Alberto Fraga (DEM-DF), substitui a expressão "educandos portadores de necessidades especiais" pela expressão "educandos com deficiência" em vários trechos da LDB. A mudança adapta o texto ao termo internacionalmente usado.

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem