BRASIL , Sudeste , Homem , de 26 a 35 anos , Portuguese , English , Música , Esportes , Amor
Outro -
Magia Gifs - O melhor site de GIFs!

Meu Humor



PERFIL
Nome:Nilceu Francisco

Aniversário:11 de julho

Cidade:Campinas-SP

Gosto:Boas amizades, Viver, Conquistar, Amar

Hobby:Compor

Filmes:Aprecio a todos os gêneros

Músicas:Dance, Românticas... Preferidas :Folhas de outono; As rosas não falam, Palavras lindas...

GREVE DOS PROFESSORES EM SP

SOM
Tema do filme " Ao mestre com carinho"


ALUNOS, EX-ALUNOS DE DIVERSAS ESCOLAS ONDE TRABALHO OU TRABALHEI.

MEUS OUTROS BLOGS

PAPAIS


FOLCLORE


OLIMPÍADAS BRASIL LÁ


CÂMERA OCULTA


O UÓ DO BOROGODÓ


MAMÃES


PAIXÃO POR CRISTO


BIG & BLOG


TÔ COM A MACACA


ENVIE CARINHOS


LOVE STORIESS


BLOG NILCEU


GARGALHADAS


RECANTO SANTISTA


BLOG POLÍTICA


PROSAMOROSA


BLOG ADULTO


FOTOLOG DA FAMA


FOTOBLOG SENSUAL


NATAL DOS SONHOS-Pesquisa


BLOG NEWCEU- Pesquisa


BLOG PAN-PAN - Pesquisa


BLOG FOLCLORE - Pesquisa


CAUSOS & FOLIAS - Pesquisa


BYE, BYE, tristeza - Pesquisa


ESPORTES & SPORTS - Pesquisa


HOME

LINKS

Aulas
ANPED
APEOESP
APRENDIZ UOL
Banco Brasil
BANCO ITAÚ
BANESPA
BLOGGER
BOL
BRADESCO
CAIXA FEDERAL
CENP - EDUNET
Como estudar
CONCURSOS
CPP
CURIOSIDADES
D.E. Leste
D.E. Oeste
Downloads Livros
ENEM
FATOS
Folclore
G1 Notícias
Gifs Best
GLOBO
Imprensa Oficial
Lição Casa
Ling Estrangeira
Literat e Gramát
Livros-Downloads
Ministério Fazenda
MEC
Nossa Caixa
PEGADINHAS
Portal MEC
Prefeitura Cps
PUCCAMP
Revista Profs
Secretaria Educação
TERRA
UNICAMP
UOL
USP
YAHOO
Manual Profs
Sonhos
Extra/Globo
EducarCrescer
EAD


Votação

Dê uma nota para meu blog OBRAS DE ARTE ALEIJADINHO, ANITA MALFATI, PORTINARI, MICHELANGÊLO, TARSILA DO AMARAL


INDIQUE

Indique esse Blog PESQUISE ARQUIVOS

25/08/2013 a 31/08/2013

11/08/2013 a 17/08/2013

21/07/2013 a 27/07/2013

23/06/2013 a 29/06/2013

21/04/2013 a 27/04/2013

14/04/2013 a 20/04/2013

07/04/2013 a 13/04/2013

11/11/2012 a 17/11/2012

04/11/2012 a 10/11/2012

14/10/2012 a 20/10/2012

01/07/2012 a 07/07/2012

29/04/2012 a 05/05/2012

22/04/2012 a 28/04/2012

26/02/2012 a 03/03/2012

29/01/2012 a 04/02/2012

08/01/2012 a 14/01/2012

01/01/2012 a 07/01/2012

18/12/2011 a 24/12/2011

27/11/2011 a 03/12/2011

20/11/2011 a 26/11/2011

13/11/2011 a 19/11/2011

23/10/2011 a 29/10/2011

09/10/2011 a 15/10/2011

18/09/2011 a 24/09/2011

11/09/2011 a 17/09/2011

04/09/2011 a 10/09/2011

14/08/2011 a 20/08/2011

07/08/2011 a 13/08/2011

10/07/2011 a 16/07/2011

26/06/2011 a 02/07/2011

05/06/2011 a 11/06/2011

29/05/2011 a 04/06/2011

08/05/2011 a 14/05/2011

24/04/2011 a 30/04/2011

10/04/2011 a 16/04/2011

13/03/2011 a 19/03/2011

27/02/2011 a 05/03/2011

20/02/2011 a 26/02/2011

06/02/2011 a 12/02/2011

16/01/2011 a 22/01/2011

26/12/2010 a 01/01/2011

19/12/2010 a 25/12/2010

05/12/2010 a 11/12/2010

07/11/2010 a 13/11/2010

17/10/2010 a 23/10/2010

10/10/2010 a 16/10/2010

03/10/2010 a 09/10/2010

12/09/2010 a 18/09/2010

05/09/2010 a 11/09/2010

29/08/2010 a 04/09/2010

22/08/2010 a 28/08/2010

15/08/2010 a 21/08/2010

08/08/2010 a 14/08/2010

04/07/2010 a 10/07/2010

20/06/2010 a 26/06/2010

13/06/2010 a 19/06/2010

23/05/2010 a 29/05/2010

16/05/2010 a 22/05/2010

02/05/2010 a 08/05/2010

25/04/2010 a 01/05/2010

11/04/2010 a 17/04/2010

04/04/2010 a 10/04/2010

28/03/2010 a 03/04/2010

21/03/2010 a 27/03/2010

14/03/2010 a 20/03/2010

07/03/2010 a 13/03/2010

28/02/2010 a 06/03/2010

21/02/2010 a 27/02/2010

07/02/2010 a 13/02/2010

31/01/2010 a 06/02/2010

24/01/2010 a 30/01/2010

17/01/2010 a 23/01/2010

10/01/2010 a 16/01/2010

27/12/2009 a 02/01/2010

20/12/2009 a 26/12/2009

13/12/2009 a 19/12/2009

29/11/2009 a 05/12/2009

22/11/2009 a 28/11/2009

15/11/2009 a 21/11/2009

08/11/2009 a 14/11/2009

01/11/2009 a 07/11/2009

25/10/2009 a 31/10/2009

18/10/2009 a 24/10/2009

11/10/2009 a 17/10/2009

04/10/2009 a 10/10/2009

27/09/2009 a 03/10/2009

20/09/2009 a 26/09/2009

13/09/2009 a 19/09/2009

06/09/2009 a 12/09/2009

23/08/2009 a 29/08/2009

09/08/2009 a 15/08/2009

02/08/2009 a 08/08/2009

26/07/2009 a 01/08/2009

19/07/2009 a 25/07/2009

12/07/2009 a 18/07/2009

05/07/2009 a 11/07/2009

28/06/2009 a 04/07/2009

21/06/2009 a 27/06/2009

14/06/2009 a 20/06/2009

07/06/2009 a 13/06/2009

31/05/2009 a 06/06/2009

24/05/2009 a 30/05/2009

17/05/2009 a 23/05/2009

10/05/2009 a 16/05/2009

03/05/2009 a 09/05/2009

26/04/2009 a 02/05/2009

19/04/2009 a 25/04/2009

12/04/2009 a 18/04/2009

05/04/2009 a 11/04/2009

29/03/2009 a 04/04/2009

22/03/2009 a 28/03/2009

15/03/2009 a 21/03/2009

08/03/2009 a 14/03/2009

01/03/2009 a 07/03/2009

22/02/2009 a 28/02/2009

08/02/2009 a 14/02/2009

01/02/2009 a 07/02/2009

25/01/2009 a 31/01/2009

18/01/2009 a 24/01/2009

11/01/2009 a 17/01/2009

04/01/2009 a 10/01/2009

28/12/2008 a 03/01/2009

21/12/2008 a 27/12/2008

14/12/2008 a 20/12/2008

07/12/2008 a 13/12/2008

30/11/2008 a 06/12/2008

23/11/2008 a 29/11/2008

16/11/2008 a 22/11/2008

09/11/2008 a 15/11/2008

02/11/2008 a 08/11/2008

26/10/2008 a 01/11/2008

19/10/2008 a 25/10/2008

12/10/2008 a 18/10/2008

05/10/2008 a 11/10/2008

28/09/2008 a 04/10/2008

14/09/2008 a 20/09/2008

07/09/2008 a 13/09/2008

31/08/2008 a 06/09/2008

24/08/2008 a 30/08/2008

17/08/2008 a 23/08/2008

10/08/2008 a 16/08/2008

03/08/2008 a 09/08/2008

27/07/2008 a 02/08/2008

20/07/2008 a 26/07/2008

13/07/2008 a 19/07/2008

06/07/2008 a 12/07/2008

29/06/2008 a 05/07/2008

22/06/2008 a 28/06/2008

15/06/2008 a 21/06/2008

08/06/2008 a 14/06/2008

01/06/2008 a 07/06/2008

25/05/2008 a 31/05/2008

18/05/2008 a 24/05/2008

11/05/2008 a 17/05/2008

04/05/2008 a 10/05/2008

27/04/2008 a 03/05/2008

20/04/2008 a 26/04/2008

13/04/2008 a 19/04/2008

06/04/2008 a 12/04/2008

30/03/2008 a 05/04/2008

23/03/2008 a 29/03/2008

16/03/2008 a 22/03/2008

09/03/2008 a 15/03/2008

02/03/2008 a 08/03/2008

24/02/2008 a 01/03/2008

17/02/2008 a 23/02/2008

10/02/2008 a 16/02/2008

03/02/2008 a 09/02/2008

27/01/2008 a 02/02/2008

20/01/2008 a 26/01/2008

13/01/2008 a 19/01/2008

06/01/2008 a 12/01/2008

30/12/2007 a 05/01/2008

23/12/2007 a 29/12/2007

16/12/2007 a 22/12/2007

09/12/2007 a 15/12/2007

02/12/2007 a 08/12/2007

25/11/2007 a 01/12/2007

18/11/2007 a 24/11/2007

11/11/2007 a 17/11/2007

04/11/2007 a 10/11/2007

28/10/2007 a 03/11/2007

21/10/2007 a 27/10/2007

14/10/2007 a 20/10/2007

07/10/2007 a 13/10/2007

30/09/2007 a 06/10/2007

23/09/2007 a 29/09/2007

16/09/2007 a 22/09/2007

09/09/2007 a 15/09/2007

02/09/2007 a 08/09/2007

26/08/2007 a 01/09/2007

19/08/2007 a 25/08/2007

12/08/2007 a 18/08/2007

05/08/2007 a 11/08/2007

29/07/2007 a 04/08/2007

22/07/2007 a 28/07/2007

15/07/2007 a 21/07/2007

08/07/2007 a 14/07/2007

01/07/2007 a 07/07/2007

24/06/2007 a 30/06/2007

17/06/2007 a 23/06/2007

10/06/2007 a 16/06/2007

03/06/2007 a 09/06/2007

27/05/2007 a 02/06/2007

20/05/2007 a 26/05/2007

13/05/2007 a 19/05/2007

06/05/2007 a 12/05/2007

29/04/2007 a 05/05/2007

22/04/2007 a 28/04/2007

15/04/2007 a 21/04/2007

08/04/2007 a 14/04/2007

01/04/2007 a 07/04/2007

25/03/2007 a 31/03/2007

18/03/2007 a 24/03/2007

11/03/2007 a 17/03/2007

04/03/2007 a 10/03/2007

25/02/2007 a 03/03/2007

18/02/2007 a 24/02/2007

11/02/2007 a 17/02/2007

04/02/2007 a 10/02/2007

28/01/2007 a 03/02/2007

21/01/2007 a 27/01/2007

07/01/2007 a 13/01/2007

31/12/2006 a 06/01/2007

24/12/2006 a 30/12/2006

17/12/2006 a 23/12/2006

10/12/2006 a 16/12/2006

03/12/2006 a 09/12/2006

26/11/2006 a 02/12/2006

19/11/2006 a 25/11/2006

12/11/2006 a 18/11/2006

05/11/2006 a 11/11/2006

29/10/2006 a 04/11/2006

22/10/2006 a 28/10/2006

15/10/2006 a 21/10/2006

08/10/2006 a 14/10/2006

01/10/2006 a 07/10/2006

24/09/2006 a 30/09/2006

10/09/2006 a 16/09/2006

03/09/2006 a 09/09/2006

27/08/2006 a 02/09/2006

20/08/2006 a 26/08/2006

13/08/2006 a 19/08/2006

06/08/2006 a 12/08/2006

30/07/2006 a 05/08/2006

16/07/2006 a 22/07/2006

09/07/2006 a 15/07/2006

02/07/2006 a 08/07/2006

25/06/2006 a 01/07/2006

18/06/2006 a 24/06/2006

04/06/2006 a 10/06/2006

28/05/2006 a 03/06/2006

21/05/2006 a 27/05/2006

14/05/2006 a 20/05/2006

30/04/2006 a 06/05/2006

23/04/2006 a 29/04/2006

16/04/2006 a 22/04/2006

02/04/2006 a 08/04/2006

19/03/2006 a 25/03/2006

12/03/2006 a 18/03/2006

05/03/2006 a 11/03/2006

19/02/2006 a 25/02/2006

12/02/2006 a 18/02/2006

05/02/2006 a 11/02/2006

29/01/2006 a 04/02/2006

22/01/2006 a 28/01/2006

15/01/2006 a 21/01/2006

08/01/2006 a 14/01/2006

01/01/2006 a 07/01/2006

25/12/2005 a 31/12/2005

18/12/2005 a 24/12/2005

11/12/2005 a 17/12/2005

04/12/2005 a 10/12/2005

27/11/2005 a 03/12/2005

20/11/2005 a 26/11/2005

13/11/2005 a 19/11/2005

06/11/2005 a 12/11/2005

30/10/2005 a 05/11/2005

23/10/2005 a 29/10/2005

16/10/2005 a 22/10/2005

09/10/2005 a 15/10/2005

02/10/2005 a 08/10/2005

25/09/2005 a 01/10/2005

18/09/2005 a 24/09/2005

11/09/2005 a 17/09/2005

04/09/2005 a 10/09/2005

28/08/2005 a 03/09/2005

21/08/2005 a 27/08/2005

14/08/2005 a 20/08/2005

07/08/2005 a 13/08/2005


Créditos




Menina de 13 anos morre após aula de educação física no RS

Garota foi socorrida, mas não resistiu; aulas foram suspensas.
Escola não teria sido informada que menina tinha problemas de saúde.

 

Aulas foram suspensas após morte de aluna de 13 anos (Foto: Lauro Alves/Diário de Santa Maria/Ag. RBS)

Uma aluna de 13 anos morreu após passar mal em uma aula de educação física, nesta sexta-feira (20), em Santa Maria (RS). A menina passou mal após fazer exercícios na quadra de esportes da escola estadual em que estudava.

A adolescente foi levada primeiro para uma unidade de saúde e, depois, para o pronto-atendimento municipal, mas já estava com parada cardíaca. A equipe médica tentou reanimá-la, mas a adolescente não resistiu.

O corpo da garota foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML). As aulas na escola foram suspensas.  

A Secretaria de Educação do Rio Grande do Sul informou  que a escola não tinha conhecimento de que a menina tinha qualquer problema de saúde e socorreu a adolescente antes do óbito. Segundo a Secretaria, a princípio a escola não cometeu irregularidades. Caso seja comprava negligência por parte da escola, será aberta uma sindicância.

Do G1, em São Paulo, com informações da RBSTV

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




IDESP DIVULGA  NOTAS

 

 

As notas da educação pública de São Paulo estão todas abaixo de 4, em uma escala que vai de 0 a 10. Os dados do Idesp (Índice de Desenvolvimento da Educação de São Paulo) foram divulgados nesta quarta-feira (18) pela Secretaria de Estado da Educação e avaliam a qualidade do ensino no Estado.

Consulte o resultado do Idesp por escola

No entanto o indicador mostra também que todas as etapas de ensino apresentaram alguma melhoria no índice no último ano. De 1ª a 4ª série, o indicador passou a 3,25 em 2008 (era de 3,23 no ano anterior). No segundo ciclo do fundamental (5ª a 8ª série), o Idesp saltou de 2,54 para a 2,60.

E no ensino médio, etapa de ensino em que 84,4% das instituições alcançaram o esperado, o índice chegou a 1,95 - em 2007 ele era de 1,41. Os planos da secretaria são que o ensino médio atinja nota 5; o ensino fundamental de 5ª a 8ª, nota 6; e, de 1ª a 4ª série, nota 7.
"Em educação nao existe milagre. Tudo é de médio e longo prazo. Não é possivel imaginar que em um ano as escolas se transformem em escolas de primeiro mundo, com desempenho da Finlândia. Isso não existe", disse a secretária Maria Helena Guimaraes de Castro.



O Idesp está ligado ao programa de bonificação dos profissionais da educação do Estado de São Paulo. Todas as escolas têm metas a serem alcançadas para receber as gratificações.

Metas

O ensino fundamental de 1ª a 4ª série, segundo os dados fornecidos pela secretaria, foi a etapa que mostrou melhoria de desempenho mais frágil. Apenas 40,5% das escolas cumpriram ou superaram a meta de melhoria da nota. Outros 10,5% melhoraram a qualidade mas não atingiram os objetivos traçados pelo Estado. Ao todo, 49% se mantiveram estagnadas ou tiveram queda na qualidade do ensino.

De 5ª a 8ª série do ensino fundamental, 44,8% das escolas alcançaram ou bateram os objetivos da pasta. Outros 11% das instituições tiveram melhorias inferiores ao que era esperado. O restante (44,2%), ou se manteve estável ou piorou.

No ensino médio, 84,4% das instituições alcançaram o esperado pelo governo. Em 2007, o Idesp foi 1,41. Entre as escolas, 3,8% apresentaram melhora de notas.

Algum avanço

A Secretaria de Estado da Educação informou que 71,4% das escolas estaduais alcançaram metas do Idesp e que, no total, 80,8% tiveram melhorias na qualidade de ensino. Esse percentual, no entanto, diz respeito a todas as instituições que apresentaram algum ciclo de ensino que atingiu os objetivos. Não foi dito se a totalidade do ensino dessas escolas melhorou

Ou seja, se um colégio que oferece ensino fundamental e médio só teve melhoria no indicador para o ensino médio, por exemplo, ele está contabilizado dentro dos 80,8%. Questionada sobre quantas escolas cumpriram todas as metas, a secretária afirmou não possuir a informação.

Segundo a secretária, dentre as 379 escolas com os piores Idesps em 2007, 93,9% conseguiram melhorar a nota. "A secretaria ralizou um monitoramento permanente nessas escolas", disse ela.

Para ela, o ponto de destaque na divulgação foi a melhoria do desempenho do ensino médio. A pasta atribui o fato a três fatores: à melhor adequação idade/série dos alunos: 74% dos estudantes de 15 a 17 anos de São Paulo estão no ensino médio; à tendência de diminuição de matrículas no curso noturno; e à alteração na grade curricular para implantar revisão de conteúdo durante 6h semanais no 3º ano do ensino médio.

Qual foi a melhoria?

O Idesp leva em conta o desempenho de estudantes de 4ª e 8ª série do ensino fundamental e do 3º ano do ensino médio em avaliações de português e de matemática e fluxo escolar (taxa de aprovação e progressão nos estudos).

Nos dados divulgados nesta quarta-feira (18) não é possível verificar em qual das áreas houve melhora de desempenho das escolas. A secretaria informou que os dados do Saresp (Sistema de Avaliação de Rendimento Escolar do Estado de São Paulo), utilizados no cálculo do Idesp serão publicados apenas em abril.

As escolas que atingiram as metas premiarão os professores com bônus. A quantia que cada docente receberá, será conhecida na próxima semana.

Dois Paraguais

A secretária afirmou que os erros contidos nas apostilas de geografia de 6ª série, que traziam um mapa com mais de um Paraguai, aconteceram por falha na impressão. "Isso ocorre muito em jornais, que toda a semana publicam mapas errados", disse.

A Fundação Vanzolini, responsável pela revisão e impressão do material, afirmou que recolherá os livros com problemas e que arcará com os custos. "Não sei dizer hoje quanto tempo vai demorar", afirmou Maria Helena.

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




Atriz sente na pele cotidiano do professor: "As cenas de humilhação me emprestam mais dor do que o normal"

 


Antes de interpretar a bem-intencionada professora Berê, em "Caminho das Índias", a atriz Silvia Buarque fez uma peregrinação por escolas do Rio de Janeiro. Primeiro, para descobrir o gestual do professor, depois, para sentir um pouco o drama que sua personagem tem de enfrentar: o dia-a-dia da sala de aula, muitas vezes permeado por desrespeito de estudantes e das famílias.

 
Silvia Buarque interpreta a professora Berê, na novela das oito, "Caminho das Índias"
 
 
"O que percebi, nas escolas que visitei, é que os professores são uma classe que está engasgada", conta a atriz. Até agora, as cenas mais difíceis de fazer foram as conversas com os pais de Zeca, César (Antonio Calloni) e Ilana (Ana Beatriz Nogueira), que afirmaram à Berê que a remuneração da professora não pagava o tênis do filho. "Fiquei magoada com tudo aquilo. As cenas de humilhação me emprestam mais dor do que o normal", afirmou Silvia em entrevista por telefone realizada na última semana. Confira:

UOL Educação - Como foi sua preparação para interpretar a professora Berê?
Silvia Buarque - Fui direto para a sala de aula. Primeiro, pelo básico, para ver a movimentação, entender o quanto o professor fica parado, o quanto anda e fala com os alunos, pegar os truques físicos - como o de uma professora que sentava na mesa. Depois foquei no comportamento do adolescente.

UOL Educação - A quais escolas você foi?
Silvia - Fui a três escolas diferentes. A primeira foi a que estudei, o Ceat (Centro Educacional Anísio Teixeira), que é uma escola moderna, superliberal. Lá foi onde assisti a mais aulas. Depois, fui ao Pedro 2°, que é pública e tradicional. Os alunos fazem concurso para entrar. E, por último, fui ao Ciep (Centro Integrado de Educação Pública) da Rocinha, que também foi muito interessante. Lá fiquei em uma aula noturna.

UOL Educação - Os alunos não reconheceram você?
Silvia - No Ciep da Rocinha começaram a me reconhecer no final e foi ficando chato. Mas não levei aparato de TV. Então, acho que consegui ver aulas de verdade. Ficava no fundo da sala. Tinha alguns momentos que até sentia algum exibicionismo dos estudantes.

UOL Educação - E como foi a conversa com os professores?
Silvia - O que percebi, nas escolas que visitei, é que os professores são uma classe que está engasgada. Eles vinham sempre me perguntar como era o tipo de escola que a novela ia mostrar. E também contavam histórias sobre os salários e sobre violência na classe. Uma professora de geografia me contou que o aluno a tinha ameaçado.

 

UOL Educação - Você já teve retorno dos professores sobre o seu trabalho?
Silvia - Tive um retorno de duas professoras do Ciep, elogiando. Elas foram bem carinhosas. Tenho tido um retorno positivo e o tema está incomodando bastante.


 
Sala de aula de Zeca e da professora Berê na novela "Caminho das Índias"

UOL Educação - Na sala de aula, você viu alunos como o Zeca (interpretado por Duda Nagle), que causam transtornos?
Silvia - Vi turmas legais, de jovens interessados. Mas também via professor falando e alunos de costas. E isso não acontece só na sala de aula. São valores, princípios. Acho que esta é uma geração sem limites, assoberbada de informação e não são crianças, de modo geral, educadas para respeitar os mais velhos, os mestres. Por outro lado, também li que a escola não se adaptou aos novos tempos. Talvez a escola não esteja conseguindo alcançar esses jovens.

UOL Educação - Quais eram as maiores reclamações dos professores que você ouviu?
Silvia - Eles reclamavam muito do celular na sala de aula. Houve gente que me contou ter perdido o controle de berrar muito na sala de aula ou de ter de abandonar a turma.

UOL Educação - Você leva para a Berê a sua experiência de aluna?
Silvia - Fui uma aluna até bagunceira, de uma escola experimental. E eu gostava muito de alguns professores. Até escolhi que a Berê desse aula de português por causa de duas professoras que tive.

UOL Educação - Você tem visto que pais e professores estão debatendo a novela no blog de Glória Perez?
Silvia - Tenho lido e vi as discussões antes de a novela estrear. Achei que ia ficar magoada com a crítica dos pais. Mas hoje adoro quando leio absurdos. Os pais que defendem o Zeca estão vestindo uma carapuça incrível. A Berê é uma professora bem-intencionada - o que não quer dizer que todos os professores sejam. E o Zeca é um marginal - o que não é o caso de todos os alunos. Não é possível que um pai veja seu filho como o Zeca e ache normal.

UOL Educação - Interpretando, você já se sentiu como os professores?
Silvia - Já me peguei em uma situação interessante, de me irritar com os figurantes. Ator se diverte com o que faz, mas uma hora começaram a me sacanear. Então eu perdi a cabeça no meio do ensaio. Os atores estavam alegres e tinha muito texto para eu passar, estava nervosa. Sou uma atriz mais de teatro, me envolvo. Fiquei até culpada, mas em cinco minutos estava tudo bem [risos]. Não é fácil lidar com um grupo de adolescentes.

UOL Educação - Você acha que os pais exageram, às vezes?
Silvia - O que acontece é que o pai se aproxima do filho e coloca a criança como espelho. Se fala mal do filho, parece que está falando do próprio pai. Mas é preciso ver os defeitos dos filhos para se aliar com a escola. Por que um pai acha que um adolescente sabe mais do que um cara que se preparou, que estudou para dar aulas?

UOL Educação - A personagem vai conseguir se aproximar da turma?
Silvia - Acho que a Berê ainda vai sofrer muito. Tem muita coisa para acontecer. Tenho certeza que o alerta que a Glória [Perez, autora da novela] quer dar não é só sobre a educação. Mas também sobre o personagem Zeca, que já começou de um jeito radical.

UOL Educação - O que você espera da escola brasileira?
Silvia - Com certeza, não vou viver para ver a escola ideal nem a sociedade ideal. Cheguei à conclusão de que o pai tem de procurar uma escola com a qual tenha afinidade. Tenho uma filha e quero criá-la para que seja capaz de ficar uma hora ouvindo uma aula. Quero que ela goste da escola dela, eu gostava da minha e não era nada CDF. Mas também procuro uma escola que ouça cada aluno.

Simone Harnik
Em São Paulo

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




Classe média matricula filhos em escolas públicas em busca de diversidade sociocultural

 

 

Num país em que a maioria das famílias de classe média ou alta vê o ensino privado como única opção, uma parcela desse grupo foge à regra e matricula os filhos em escolas públicas. Muitos procuram algo que os colégios particulares, por serem pagos, são incapazes de proporcionar: um ambiente diversificado, onde convivem alunos de vários níveis socioculturais.

Foi esta a opção de Andréa Beltrão, atriz que interpretou uma professora no filme "Verônica", lançado neste ano.

Mãe de três filhos, ela diz que a escolha foi natural. "Eu estudei em escola pública. Minha mãe deu aula no Pedro 2º [colégio federal no Rio]. Por isso, quis para meus filhos uma escola em que o critério de entrada não fosse o dinheiro", diz.

Casos como o dos filhos de Andréa ainda são minoria nas famílias mais ricas.

Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios, do IBGE, tabulados pela Folha, mostram que em 2007 apenas 16% das crianças nas famílias de maior renda (mais de cinco salários mínimos per capita) estudavam em escolas públicas. Em 2001, eram 12%.

Como não abre mão da qualidade, esse movimento da classe média em direção à escola pública ainda é restrito aos poucos estabelecimentos estatais que conseguem manter alto padrão de aprendizagem.

É o caso da escola municipal Minas Gerais, no Rio, incluída em 2006 numa lista do Ministério da Educação e do Unicef de escolas públicas modelo. Além de atender crianças mais pobres, a escola atrai uma parcela da classe média, como o funcionário público Luiz Eduardo Ricon. Seus dois filhos, de nove e 14 anos, estudavam num colégio particular até o ano passado.

"O problema não era a mensalidade. Eu e minha mulher achávamos que o melhor para eles era estudar numa escola que fosse representativa da cidade em que vivem, pois, no futuro, vão trabalhar e conviver com todos, e não apenas com pessoas de classe média que pensam como eles", diz Ricon.

 

Ensino mais valorizado

 

Em São José dos Campos (SP), o professor Túlio Lopes Cunha conta uma história parecida. Suas duas filhas, de três e nove anos, estudam hoje na rede municipal da cidade. A mais velha, no entanto, veio de uma escola particular onde a mensalidade custava R$ 430.

"Levei em conta também a questão financeira, mas só matriculei minha filha mais velha nessa escola depois que vi que ela ficou bem acima da média", diz Cunha, citando o Ideb, índice do MEC que monitora a qualidade da educação pública e que mostrou que a escola Jacyra Baracho estava entre as 20 melhores de São Paulo.

Até o momento, ele diz que não teve motivos para arrependimento. "Minha filha se adaptou muito bem. Está se sentindo até mais acolhida. Pela minha experiência como professor, sei que muitos pais de escolas particulares acham que a educação se resume a pagar uma escola. Na rede pública, aprende-se a valorizar mais o ensino", afirma Cunha.

Outra vantagem adicional citada por pais que optaram pela rede pública é a mudança em hábitos de consumo.

"A pressão consumista diminui bastante, pois não existe tanto essa coisa de eles quererem usar na escola calça de marca ou tênis da moda", conta a engenheira Ana Cristina Nori, que tem um filho na escola municipal Minas Gerais e outro que estudou lá no ensino fundamental.

Nori diz não se abalar quando ouve o argumento de que seus filhos poderiam estar na rede particular, liberando a vaga para alunos mais pobres.

"Eu pago impostos e tenho os mesmos direitos que qualquer outro cidadão. Sempre estudei em escola pública e acho que, se a classe média não tivesse abandonado a escola pública quando ela começou a piorar, hoje, certamente, a situação do ensino não seria tão ruim."

Folha on-line

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




UNIVERSIDADE  DE LEME EXPULSA 2 POR TROTES VIOLENTOS

 

 

Depois de mais de um mês de sindicância administrativa, o Centro Universitário Anhanguera, de Leme (189 km de SP), expulsou dois alunos e suspendeu outros sete por 15 dias em razão das agressões e humilhações contra o calouro Bruno César Ferreira, 21, durante um trote nas proximidades da universidade, no dia 9 de fevereiro.

A sindicância foi instaurada no dia seguinte ao trote. De acordo com nota oficial divulgada nesta segunda-feira pela universidade, "durante o procedimento administrativo disciplinar, a Anhanguera ouviu testemunhas, vítimas e acusados, concedendo amplo direito de defesa aos envolvidos".

No dia 9 de fevereiro, alguns veteranos aplicaram trote em pelo menos 30 calouros. Todos tiveram de rolar em uma lona com fezes, esterco e restos de animais em decomposição.

Ferreira afirmou ter sofrido agressões e humilhações após passar pelo castigo escatológico. Ele denunciou o caso à polícia após ficar entre três e cinco horas hospitalizado e desacordado por causa do elevado consumo de álcool.

Segundo o inquérito da Polícia Civil, as agressões contra o calouro aconteceram após o trote da lona com fezes e o alto consumo de bebidas alcoólicas. Os dois expulsos foram indiciados sob acusação de lesão corporal e constrangimento ilegal.

Os dois veteranos, que não tiveram os nomes divulgados pela polícia nem pela universidade, negaram as acusações em depoimento à polícia no mês passado.

Na ocasião, disseram que amarraram o calouro em um poste porque ele estava "muito violento" durante o trote. Hoje eles não foram localizados. A universidade informou que, "anualmente, promove campanhas de trote solidário em todas as suas unidades, visando acolher os calouros e incentivar a cidadania."

"O Regimento Geral da Anhanguera prevê punição de suspensão para ofensa a qualquer membro do corpo administrativo, docente e discente, e desligamento para atos desonestos ou delitos sujeitos à ação penal incompatíveis à dignidade da instituição", diz a nota.

Ferreira afirmou hoje que iniciou há poucos dias o curso de medicina veterinária no campus da Anhanguera em Campinas. Ele disse que não pretende dar continuidade ao processo na Justiça.

"A justiça já foi feita. Sinceramente, não esperava que os dois fossem expulsos. Acredito que a universidade fez o que pôde, mas esperava que eles fossem apenas suspensos."
Ferreira disse ter registrado, após a conclusão do inquérito policial, um boletim de ocorrência em razão de ameaças recebidas via internet.

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




Livro de geografia da rede estadual de SP tem dois Paraguais

 

 

Um livro de geografia distribuído pelo governo paulista aos alunos da sexta série do ensino fundamental traz duas vezes o Paraguai no mapa da América do Sul e ainda inverte a localização do Uruguai e Paraguai. O erro repete-se também no livro do professor. Outra incorreção é a não-inclusão do Equador no mapa "Fronteiras Permeáveis". Sem isso, o aluno não tem informação para responder à seguinte questão, na página ao lado: "Quais são os países sul-americanos que não fazem fronteira com o Brasil?"

A Secretaria da Educação da gestão José Serra (PSDB) diz, em nota, que o erro é de responsabilidade da empresa que produziu o material e que as escolas já foram alertadas sobre a falha por meio do site. A Fundação Vanzolini, responsável pela edição, disse que o material foi produzido por professores indicados pela secretaria.

O material começou a ser distribuído na rede, mas não há informação se já chegou a a todas as escolas do Estado. A empresa diz que 1,55% dos livros distribuídos têm erros, mas a Folha localizou o problema em várias cidades.

Um professor de São José do Rio Preto disse que identificou a falha no mapa em sala de aula. O erro foi motivo de piada entre os alunos. Segundo ele, há erros em quase todos os cadernos, mas, geralmente, são de grafia, não de informação. Cingapura, por exemplo, foi grafado com "s". Mas o erro do mapa, diz, "é gravíssimo".

"Um horror e um erro gravíssimo", concorda Sonia Castellar, professora de metodologia do ensino em geografia do curso de pedagogia da USP (Universidade de São Paulo).

"Esse material do Estado não está passando por avaliação rigorosa", disse.

Um outro docente de geografia, de Franca, disse já ter notado erros em outras apostilas. Segundo ele, é comum haver exercícios no caderno do aluno que não se repetem no livro-manual do professor, e vice-versa, além de exercícios sem resposta no livro do docente.

Alertado pela Folha ontem, um professor de Ribeirão Preto questionou a direção de sua escola no início da tarde sobre o erro. No final do dia, recebeu por e-mail um aviso de que precisaria alterar o material.

Uma coordenadora pedagógica de uma escola estadual de Ribeirão Preto (interior do Estado) disse que o governo estadual orienta as escolas a periodicamente observar no site as erratas dos cadernos.

Ela diz que, além do mapa, detectou no site erratas no caderno do aluno de outras séries nas disciplinas de arte, história, geografia, inglês e matemática. Mas ela não quis mostrar à Folha esses outros erros.

Outro lado

Em nota, a Secretaria de Estado da Educação afirmou que já havia identificado os erros apontados no caderno e que já informou os professores de toda a rede, pelo site www.educacao.sp.gov.br. Mas a errata só pode ser consultada pela direção da escola, por meio de senha.

A secretaria disse que a falha partiu da Fundação Vanzolini, "que elaborou os mapas e o projeto gráfico". Diz ainda que o material não será trocado e que a orientação é que os professores informem seus alunos sobre a correção.

Sobre erratas em outras disciplinas, disse que o erro mais grave foi o do mapa e que o restante se restringe a erros de grafia ou gabarito. A secretaria não respondeu a outras perguntas, como o total de cadernos impressos.

A Fundação Vanzolini alega que o erro atingiu 1,55% dos cadernos e que todo o conteúdo do material é desenvolvido por professores indicados pela secretaria.

Folha on-line

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem