BRASIL , Sudeste , Homem , de 26 a 35 anos , Portuguese , English , Música , Esportes , Amor
Outro -
Magia Gifs - O melhor site de GIFs!

Meu Humor



PERFIL
Nome:Nilceu Francisco

Aniversário:11 de julho

Cidade:Campinas-SP

Gosto:Boas amizades, Viver, Conquistar, Amar

Hobby:Compor

Filmes:Aprecio a todos os gêneros

Músicas:Dance, Românticas... Preferidas :Folhas de outono; As rosas não falam, Palavras lindas...

GREVE DOS PROFESSORES EM SP

SOM
Tema do filme " Ao mestre com carinho"


ALUNOS, EX-ALUNOS DE DIVERSAS ESCOLAS ONDE TRABALHO OU TRABALHEI.

MEUS OUTROS BLOGS

PAPAIS


FOLCLORE


OLIMPÍADAS BRASIL LÁ


CÂMERA OCULTA


O UÓ DO BOROGODÓ


MAMÃES


PAIXÃO POR CRISTO


BIG & BLOG


TÔ COM A MACACA


ENVIE CARINHOS


LOVE STORIESS


BLOG NILCEU


GARGALHADAS


RECANTO SANTISTA


BLOG POLÍTICA


PROSAMOROSA


BLOG ADULTO


FOTOLOG DA FAMA


FOTOBLOG SENSUAL


NATAL DOS SONHOS-Pesquisa


BLOG NEWCEU- Pesquisa


BLOG PAN-PAN - Pesquisa


BLOG FOLCLORE - Pesquisa


CAUSOS & FOLIAS - Pesquisa


BYE, BYE, tristeza - Pesquisa


ESPORTES & SPORTS - Pesquisa


HOME

LINKS

Aulas
ANPED
APEOESP
APRENDIZ UOL
Banco Brasil
BANCO ITAÚ
BANESPA
BLOGGER
BOL
BRADESCO
CAIXA FEDERAL
CENP - EDUNET
Como estudar
CONCURSOS
CPP
CURIOSIDADES
D.E. Leste
D.E. Oeste
Downloads Livros
ENEM
FATOS
Folclore
G1 Notícias
Gifs Best
GLOBO
Imprensa Oficial
Lição Casa
Ling Estrangeira
Literat e Gramát
Livros-Downloads
Ministério Fazenda
MEC
Nossa Caixa
PEGADINHAS
Portal MEC
Prefeitura Cps
PUCCAMP
Revista Profs
Secretaria Educação
TERRA
UNICAMP
UOL
USP
YAHOO
Manual Profs
Sonhos
Extra/Globo
EducarCrescer
EAD


Votação

Dê uma nota para meu blog OBRAS DE ARTE ALEIJADINHO, ANITA MALFATI, PORTINARI, MICHELANGÊLO, TARSILA DO AMARAL


INDIQUE

Indique esse Blog PESQUISE ARQUIVOS

25/08/2013 a 31/08/2013

11/08/2013 a 17/08/2013

21/07/2013 a 27/07/2013

23/06/2013 a 29/06/2013

21/04/2013 a 27/04/2013

14/04/2013 a 20/04/2013

07/04/2013 a 13/04/2013

11/11/2012 a 17/11/2012

04/11/2012 a 10/11/2012

14/10/2012 a 20/10/2012

01/07/2012 a 07/07/2012

29/04/2012 a 05/05/2012

22/04/2012 a 28/04/2012

26/02/2012 a 03/03/2012

29/01/2012 a 04/02/2012

08/01/2012 a 14/01/2012

01/01/2012 a 07/01/2012

18/12/2011 a 24/12/2011

27/11/2011 a 03/12/2011

20/11/2011 a 26/11/2011

13/11/2011 a 19/11/2011

23/10/2011 a 29/10/2011

09/10/2011 a 15/10/2011

18/09/2011 a 24/09/2011

11/09/2011 a 17/09/2011

04/09/2011 a 10/09/2011

14/08/2011 a 20/08/2011

07/08/2011 a 13/08/2011

10/07/2011 a 16/07/2011

26/06/2011 a 02/07/2011

05/06/2011 a 11/06/2011

29/05/2011 a 04/06/2011

08/05/2011 a 14/05/2011

24/04/2011 a 30/04/2011

10/04/2011 a 16/04/2011

13/03/2011 a 19/03/2011

27/02/2011 a 05/03/2011

20/02/2011 a 26/02/2011

06/02/2011 a 12/02/2011

16/01/2011 a 22/01/2011

26/12/2010 a 01/01/2011

19/12/2010 a 25/12/2010

05/12/2010 a 11/12/2010

07/11/2010 a 13/11/2010

17/10/2010 a 23/10/2010

10/10/2010 a 16/10/2010

03/10/2010 a 09/10/2010

12/09/2010 a 18/09/2010

05/09/2010 a 11/09/2010

29/08/2010 a 04/09/2010

22/08/2010 a 28/08/2010

15/08/2010 a 21/08/2010

08/08/2010 a 14/08/2010

04/07/2010 a 10/07/2010

20/06/2010 a 26/06/2010

13/06/2010 a 19/06/2010

23/05/2010 a 29/05/2010

16/05/2010 a 22/05/2010

02/05/2010 a 08/05/2010

25/04/2010 a 01/05/2010

11/04/2010 a 17/04/2010

04/04/2010 a 10/04/2010

28/03/2010 a 03/04/2010

21/03/2010 a 27/03/2010

14/03/2010 a 20/03/2010

07/03/2010 a 13/03/2010

28/02/2010 a 06/03/2010

21/02/2010 a 27/02/2010

07/02/2010 a 13/02/2010

31/01/2010 a 06/02/2010

24/01/2010 a 30/01/2010

17/01/2010 a 23/01/2010

10/01/2010 a 16/01/2010

27/12/2009 a 02/01/2010

20/12/2009 a 26/12/2009

13/12/2009 a 19/12/2009

29/11/2009 a 05/12/2009

22/11/2009 a 28/11/2009

15/11/2009 a 21/11/2009

08/11/2009 a 14/11/2009

01/11/2009 a 07/11/2009

25/10/2009 a 31/10/2009

18/10/2009 a 24/10/2009

11/10/2009 a 17/10/2009

04/10/2009 a 10/10/2009

27/09/2009 a 03/10/2009

20/09/2009 a 26/09/2009

13/09/2009 a 19/09/2009

06/09/2009 a 12/09/2009

23/08/2009 a 29/08/2009

09/08/2009 a 15/08/2009

02/08/2009 a 08/08/2009

26/07/2009 a 01/08/2009

19/07/2009 a 25/07/2009

12/07/2009 a 18/07/2009

05/07/2009 a 11/07/2009

28/06/2009 a 04/07/2009

21/06/2009 a 27/06/2009

14/06/2009 a 20/06/2009

07/06/2009 a 13/06/2009

31/05/2009 a 06/06/2009

24/05/2009 a 30/05/2009

17/05/2009 a 23/05/2009

10/05/2009 a 16/05/2009

03/05/2009 a 09/05/2009

26/04/2009 a 02/05/2009

19/04/2009 a 25/04/2009

12/04/2009 a 18/04/2009

05/04/2009 a 11/04/2009

29/03/2009 a 04/04/2009

22/03/2009 a 28/03/2009

15/03/2009 a 21/03/2009

08/03/2009 a 14/03/2009

01/03/2009 a 07/03/2009

22/02/2009 a 28/02/2009

08/02/2009 a 14/02/2009

01/02/2009 a 07/02/2009

25/01/2009 a 31/01/2009

18/01/2009 a 24/01/2009

11/01/2009 a 17/01/2009

04/01/2009 a 10/01/2009

28/12/2008 a 03/01/2009

21/12/2008 a 27/12/2008

14/12/2008 a 20/12/2008

07/12/2008 a 13/12/2008

30/11/2008 a 06/12/2008

23/11/2008 a 29/11/2008

16/11/2008 a 22/11/2008

09/11/2008 a 15/11/2008

02/11/2008 a 08/11/2008

26/10/2008 a 01/11/2008

19/10/2008 a 25/10/2008

12/10/2008 a 18/10/2008

05/10/2008 a 11/10/2008

28/09/2008 a 04/10/2008

14/09/2008 a 20/09/2008

07/09/2008 a 13/09/2008

31/08/2008 a 06/09/2008

24/08/2008 a 30/08/2008

17/08/2008 a 23/08/2008

10/08/2008 a 16/08/2008

03/08/2008 a 09/08/2008

27/07/2008 a 02/08/2008

20/07/2008 a 26/07/2008

13/07/2008 a 19/07/2008

06/07/2008 a 12/07/2008

29/06/2008 a 05/07/2008

22/06/2008 a 28/06/2008

15/06/2008 a 21/06/2008

08/06/2008 a 14/06/2008

01/06/2008 a 07/06/2008

25/05/2008 a 31/05/2008

18/05/2008 a 24/05/2008

11/05/2008 a 17/05/2008

04/05/2008 a 10/05/2008

27/04/2008 a 03/05/2008

20/04/2008 a 26/04/2008

13/04/2008 a 19/04/2008

06/04/2008 a 12/04/2008

30/03/2008 a 05/04/2008

23/03/2008 a 29/03/2008

16/03/2008 a 22/03/2008

09/03/2008 a 15/03/2008

02/03/2008 a 08/03/2008

24/02/2008 a 01/03/2008

17/02/2008 a 23/02/2008

10/02/2008 a 16/02/2008

03/02/2008 a 09/02/2008

27/01/2008 a 02/02/2008

20/01/2008 a 26/01/2008

13/01/2008 a 19/01/2008

06/01/2008 a 12/01/2008

30/12/2007 a 05/01/2008

23/12/2007 a 29/12/2007

16/12/2007 a 22/12/2007

09/12/2007 a 15/12/2007

02/12/2007 a 08/12/2007

25/11/2007 a 01/12/2007

18/11/2007 a 24/11/2007

11/11/2007 a 17/11/2007

04/11/2007 a 10/11/2007

28/10/2007 a 03/11/2007

21/10/2007 a 27/10/2007

14/10/2007 a 20/10/2007

07/10/2007 a 13/10/2007

30/09/2007 a 06/10/2007

23/09/2007 a 29/09/2007

16/09/2007 a 22/09/2007

09/09/2007 a 15/09/2007

02/09/2007 a 08/09/2007

26/08/2007 a 01/09/2007

19/08/2007 a 25/08/2007

12/08/2007 a 18/08/2007

05/08/2007 a 11/08/2007

29/07/2007 a 04/08/2007

22/07/2007 a 28/07/2007

15/07/2007 a 21/07/2007

08/07/2007 a 14/07/2007

01/07/2007 a 07/07/2007

24/06/2007 a 30/06/2007

17/06/2007 a 23/06/2007

10/06/2007 a 16/06/2007

03/06/2007 a 09/06/2007

27/05/2007 a 02/06/2007

20/05/2007 a 26/05/2007

13/05/2007 a 19/05/2007

06/05/2007 a 12/05/2007

29/04/2007 a 05/05/2007

22/04/2007 a 28/04/2007

15/04/2007 a 21/04/2007

08/04/2007 a 14/04/2007

01/04/2007 a 07/04/2007

25/03/2007 a 31/03/2007

18/03/2007 a 24/03/2007

11/03/2007 a 17/03/2007

04/03/2007 a 10/03/2007

25/02/2007 a 03/03/2007

18/02/2007 a 24/02/2007

11/02/2007 a 17/02/2007

04/02/2007 a 10/02/2007

28/01/2007 a 03/02/2007

21/01/2007 a 27/01/2007

07/01/2007 a 13/01/2007

31/12/2006 a 06/01/2007

24/12/2006 a 30/12/2006

17/12/2006 a 23/12/2006

10/12/2006 a 16/12/2006

03/12/2006 a 09/12/2006

26/11/2006 a 02/12/2006

19/11/2006 a 25/11/2006

12/11/2006 a 18/11/2006

05/11/2006 a 11/11/2006

29/10/2006 a 04/11/2006

22/10/2006 a 28/10/2006

15/10/2006 a 21/10/2006

08/10/2006 a 14/10/2006

01/10/2006 a 07/10/2006

24/09/2006 a 30/09/2006

10/09/2006 a 16/09/2006

03/09/2006 a 09/09/2006

27/08/2006 a 02/09/2006

20/08/2006 a 26/08/2006

13/08/2006 a 19/08/2006

06/08/2006 a 12/08/2006

30/07/2006 a 05/08/2006

16/07/2006 a 22/07/2006

09/07/2006 a 15/07/2006

02/07/2006 a 08/07/2006

25/06/2006 a 01/07/2006

18/06/2006 a 24/06/2006

04/06/2006 a 10/06/2006

28/05/2006 a 03/06/2006

21/05/2006 a 27/05/2006

14/05/2006 a 20/05/2006

30/04/2006 a 06/05/2006

23/04/2006 a 29/04/2006

16/04/2006 a 22/04/2006

02/04/2006 a 08/04/2006

19/03/2006 a 25/03/2006

12/03/2006 a 18/03/2006

05/03/2006 a 11/03/2006

19/02/2006 a 25/02/2006

12/02/2006 a 18/02/2006

05/02/2006 a 11/02/2006

29/01/2006 a 04/02/2006

22/01/2006 a 28/01/2006

15/01/2006 a 21/01/2006

08/01/2006 a 14/01/2006

01/01/2006 a 07/01/2006

25/12/2005 a 31/12/2005

18/12/2005 a 24/12/2005

11/12/2005 a 17/12/2005

04/12/2005 a 10/12/2005

27/11/2005 a 03/12/2005

20/11/2005 a 26/11/2005

13/11/2005 a 19/11/2005

06/11/2005 a 12/11/2005

30/10/2005 a 05/11/2005

23/10/2005 a 29/10/2005

16/10/2005 a 22/10/2005

09/10/2005 a 15/10/2005

02/10/2005 a 08/10/2005

25/09/2005 a 01/10/2005

18/09/2005 a 24/09/2005

11/09/2005 a 17/09/2005

04/09/2005 a 10/09/2005

28/08/2005 a 03/09/2005

21/08/2005 a 27/08/2005

14/08/2005 a 20/08/2005

07/08/2005 a 13/08/2005


Créditos




Dicas para passar no vestibular sem cursinho

 


Entrar em faculdade pública sem cursinho parece impossível - e é quase. Em medicina da USP (Universidade de São Paulo), por exemplo, só 15% dos aprovados conseguiram. A fórmula de quem não quis (ou não pôde) pagar as aulas preparatórias é velha e conhecida, mas parece funcionar: tem de ter disciplina e organização nos estudos.

"Mesmo quem faz cursinho, dependendo da carreira que vai prestar, tem de estudar mais quatro ou cinco horas por dia em casa. Para passar sozinho, é necessário estar disposto a enfrentar uma carga de estudos ainda maior", diz o professor Carlos Bindi, do curso Etapa.
Para o carioca Guilherme Ribeiro, 20, cinco horas por dia, durante seis meses, foram suficientes. "Foquei nas disciplinas específicas, que tinham maior peso para economia", conta Ribeiro, que conseguiu entrar na Uerj (Universidade Estadual do Rio de Janeiro) direto do 3º ano do ensino médio.

Ele faz parte, ainda, de outra minoria estatística: estudou em
escola pública com nível de ensino superior ao das particulares, o Colégio Pedro II, no Rio.

"O conteúdo exigido pelos vestibulares é muito grande, talvez não teria conseguido se o colégio não tivesse me dado uma boa base", completa Ribeiro.

Telefone sem fio

Sem gastar dinheiro com mensalidades e apostilas, Diego Jorge da Silva, 19, desenvolveu uma tática para tirar dúvidas: pedia ajuda a um amigo que fazia cursinho, que repassava as perguntas para um professor.

Deu certo: Silva entrou em engenharia ambiental na Unesp (Universidade Estadual Paulista).

"Usava livros de uma biblioteca pública aqui de Sorocaba (SP). Não passei quando estava no terceiro colegial, mas não desisti. Um ano depois, veio a aprovação", disse da Silva.

Treino

Outra tática adotada pelos aprovados sem cursinho é treinar para as provas: simulados, provas anteriores disponíveis na Internet e questões resolvidas são boas ferramentas
"Um ano antes do vestibular para valer, prestei como treineiro. Também fazia simulados e resolvia provas antigas que baixava na Internet", diz Willian Santana de Barros, 21, que passou direto em medicina na Unicamp (Universidade Estadual de Campinas).

Além da maratona de cinco horas de estudos diárias em casa, Barros aproveitava a estrutura oferecida pela escola: "Freqüentava plantões de dúvidas, assistia a aulas preparatórias sobre as obras obrigatórias para o vestibular".

"Foi um ano de sacrifício, de dedicação aos livros, mas deu certo. Ver o nome na lista de aprovados dá uma sensação de recompensa", completa Barros.
UOL
 

 

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




Formado em supletivo tira notas mais altas do ITA

 

 
 
No ITA (Instituto Tecnológica de Aeronáutica), uma das instituições mais concorridas do país, entre os alunos com maiores notas está um estudante que, durante seis anos, não foi à escola. Gilberto Giuzio, 24, estudou sozinho e se formou no ensino médio com prova de supletivo.

No segundo ano de engenharia, as médias de Giuzio ficam entre 7,5 e 9,5 - o que, na instituição, é classifcado com os conceitos "bom" e "muito bom".

"Menos de 30% dos alunos têm essas notas", diz Tânia Rabelo, professora do ITA.

Antes do ITA, Giuzio passou um ano em cursinho com bolsa integral. "Comecei com desconto de 50%. Trabalhava em uma ótica para pagar o resto do curso, mas depois me deram isenção", conta Giuzio.

Freqüentou a escola só até a oitava série - "era rural, longe da cidade". Teve de abandonar os estudos entre os 13 e os 15 anos, devido à distância e ao trabalho na roça.

Retomou aos 16, quando fez a oitava série, e teve de parar novamente.

"Mas continuei estudando com livros emprestados. Não queria continuar trabalhando no campo, e sabia que estudando teria mais oportunidades", diz.

Inscreveu-se para exame de supletivo e ganhou, aos 18, diploma de ensino médio. Mudou-se para Campinas (SP), onde morava uma tia, para tentar estudar para o vestibular.

"Nao sou aquele aluno que estuda demais, mas se precisar ter foco, tenho", conta Giuzio.

O resultado: depois de um ano de estudos, passou em primeiro lugar nos vestibulares de USP (Universidade de São Paulo) e Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), em São Paulo, além de ser classificado para o IME (Instituto Militar de Engenharia), no Rio de Janeiro, e para o ITA.

Escolheu o instituto de São José dos Campos (SP), onde matriculou-se para a graduação em engenharia aeronáutica.

"Vou tentar mudar para engenharia de produção, e quero fazer carreira em indústria ou mercado financeiro. Na vida, temos de fazer escolhas, e já fiz as minhas", disse.
 
 
UOL/EDUCAÇÃO

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




ENTREVISTA COM A SESRETÁRIA DA EDUCAÇÃO

DO SP SOBRE BÔNUS, FALTAS, DECRETO

 

 

 

 

Um ano depois de ter assumido o cargo, a secretária estadual da educação, Maria Helena Guimarães de Castro, conseguirá enfim colocar em prática uma de suas primeiras idéias para a pasta – e talvez a mais inovadora. Na primeira semana de agosto, enviará para a Assembléia Legislativa o projeto de lei que cria um bônus em dinheiro para professores e funcionários das escolas públicas conforme o desempenho de seus alunos. Foram inúmeras as discussões com as secretarias da Fazenda, Planejamento, Gestão e com a Casa Civil nesse período, em que tiveram ainda de lidar com uma greve de professores que durou cerca de 20 dias.

 

"Chegou certa vez uma sugestão da área econômica para que quem não atingisse 50% das metas não ganhasse nada. Eu era contra, e ganhei. Tem de ser um incentivo para valorizar todo e qualquer esforço da escola. Se conseguiu melhorar 10%, isso tem, sim, de ser valorizado", disse a secretaria ao Estado, em entrevista concedida na sexta-feira, dia em que completava um ano no cargo.

 

Serão entre R$ 500 milhões e R$ 700 milhões para distribuir aos funcionários, que podem receber até o equivalente a três salários a mais. O bônus será concedido em fevereiro, quando poderão ser comparadas as notas em avaliações externas, como o Saresp, de 2008 e de 2007.

 

A porcentagem recebida será de acordo com a meta que já foi traçada pela secretaria para cada escola a partir do Índice de Desenvolvimento da Educação do Estado de São Paulo (Idesp). Esse indicador varia de 0 a 10 e leva em conta o desempenho dos estudantes nas provas e o fluxo escolar (quantidade de alunos em cada série com a idade correta).

 

Veja a seguir os principais trechos da entrevista, em que Maria Helena diz ainda que já esperava o movimento de greve neste primeiro ano como secretária.

 

Há um ano a senhora disse em entrevista ao 'Estado' que criaria o bônus para professores e funcionários e que ele levaria em conta desempenho dos alunos e elementos da gestão da escola. Como ficou está a lei do bônus?

 

Ela será enviada à Assembléia Legislativa no comecinho de agosto. Estamos fechando com Fazenda, Planejamento, Gestão e Casa Civil. Um dos pontos mais difíceis nesse processo de discussão foi definir o critério de gestão. Não conseguimos chegar a nenhum modelo viável. Como vou considerar a escola que gasta mais ou menos material de limpeza, água, luz, telefone? A situação das escolas é muito diferente.

 

De repente, ela tem um problema de vazamento de água e não consegue resolver. Agora temos um regime de atas para atender a manutenção de forma mais rápida, mas demorou oito meses para ficar pronto. Como vou penalizar se nós não conseguimos resolver o problema e a escola não consegue resolver sozinha? As vezes a escola têm um problema de instalação elétrica, o que faz com o gasto seja elevado. Mas não tínhamos nem atualizado o sistema de fiação da escolas.

 

O Estado teria responsabilidade nisso e não poderia então penalizar a escola com má gestão?

 

Claro. A mesma coisa com relação a material de consumo. As escolas são muito diferentes. Por exemplo, a escola gastou mais papel sulfite, mais tonner, mas será que isso não foi bom para os professores desenvolverem projetos? Enfim, depois de muita discussão chegamos a conclusão que ainda não temos um modelo de gestão que dê mais autonomia para a escola e que a gente possa cobrar maior eficiência. Devemos caminhar para isso, mas não da para de um dia para o outro dar autonomia e achar que ela vai resolver todos os problemas.

 

Como vai funcionar o bônus então?

 

A lei do bônus vai considerar o regime de metas por escola. As metas foram definidas, primeiro pela reformulação do Saresp, depois pelo Idesp. Ele foi bem recebido nas escolas, elas perceberam que as metas para cada ano não são inatingíveis. Deu muita tranqüilidade para as escolas saber que, na medida que elas diminuam a porcentagem de alunos abaixo do nível básico, elas facilmente atingirão as metas. Porque o que nos queremos é melhorar a qualidade com equidade. Cada escola tem sua meta, se a escola atingir 100% das metas, todos os funcionários da escola, em relação ao seu ponto de partida, terão 100% do bônus.

 

Mas como fazer com a questão do absenteísmo? Se um professor dessa escola tiver um numero de faltas acima das estabelecidas pela lei (12 faltas mais licenças), ele será penalizado. O critério vamos fechar semana que vem. Queremos estabelecer um número acima do qual o professor não terá direito a receber nada. Se ele tiver tido mais 20 faltas, por exemplo, vai receber zero de bônus, independente de toda a sua escola ter feito um ótimo trabalho.

 

Qual o valor que o professor e os outros funcionários vão receber?

 

Se atingir 10% da meta, todo mundo recebe o equivalente a 10%, 30% é 30% e por aí vai. Eu insisti muito nesse ponto. Chegou certa vez uma sugestão da área econômica para que quem não atingisse 50% das metas não ganhasse nada. Eu era contra, e ganhei. Tem de ser um incentivo para valorizar todo e qualquer esforço da escola. Se conseguiu melhorar 10%, isso tem, sim, de ser valorizado. O máximo que se pode receber são até quase três salários. E é exclusivo pelo desempenho. Eu não quero que a política de bônus se confunda com política salarial. O bônus será em fevereiro do ano que vem porque só teremos o Idesp 2008 para comparar com o de 2007 no fim de janeiro.

 

Uma escola que, por exemplo, passar anos sem evoluir, sem atingir meta alguma, será penalizada como foi feito em Nova York, onde que as piores podem ser fechadas?

 

Não. Ao contrário, estamos trabalhado um programa para as 380 escolas que tiveram pior desempenho no Saresp, elas estão sendo visitadas, estamos trabalhando para elas melhorarem sua infra-estrutura, com iluminação, salas arejadas. Também estamos vendo o quadro de pessoas, se falta servente, secretário etc. E trabalhando o pedagógico, pedindo para coordenadores darem um apoio diferenciado para essas escolas, acompanhando a implementação do currículo. Eu tenho certeza que elas vão melhorar.

 

A lei do piso salarial, que aumentou também o período em que o professor tem para atividades extra-classe e que vai tirar R$ 1,4 bilhão do orçamento da educação, pode comprometer o bônus?

 

Não temos de onde tirar dinheiro para cobrir esse problema das atividades extra-classe, que eu considero inconstitucional. Vamos ter que contratar mais professores ou aumentar a jornada dos atuais. Se essa lei de fato vingar, o que eu não acredito, não vamos poder mais incorporar mais nenhuma gratificação ou até teremos que cortar o bônus, não sei. Um 1,4 bilhão é muito dinheiro.

 

Como resolver o problema das bibliotecas das escolas que estão sempre trancadas e algumas até viram depósito?

 

Fizemos um levantamento e identificamos 500 salas de leitura fechadas por falta de funcionários. Estamos verificando a situação física, tem sala de leitura que a escola transformou em depósito, outras estão com infiltrações. Tem que abrir, mas primeiro precisa arrumar. Estamos comprando mobiliário, estantes, e obviamente, precisa ter gente. Faremos cursos de formação para os professores que já trabalham com isso e para outros que queiram. O problema aqui é sempre o tamanho, qualquer coisa que você vai fazer demora um tempo absurdo.

 

A senhora esperava enfrentar uma greve logo no primeiro ano?

 

Eu esperava, anunciei esta greve bem antes, quando saiu a lei do absenteísmo, em 28 de março (que limitava o numero de faltas). Eles (sindicatos) não tiveram coragem de ser contra naquele momento porque toda a mídia estava a favor. Mas tanto a lei do absenteísmo quanto o decreto são as primeiras mudanças estruturais que nós estamos fazendo na legislação. É exatamente ai que se dá um acirramento dos interesses organizados, que querem sempre manter a situação do jeito que está. Isso é clássico na ciência política.

 

Toda vez que você faz uma mudança que afeta a corporação, no caso, os professores, a resistência é forte. Porque eles podem ser contra o conceito de bônus, mas é uma política. Já aquilo que mexe na vida pessoal...O decreto mexeu com a rotatividade, algo que é cultura da rede, de andar pra cá e andar pra lá, algo inviável. Não adianta ter bônus, meta, avaliação, currículo, se você não mudar a estrutura de funcionamento do sistema. Em Minas, eles acabaram com isso em 1991. É uma característica da legislação daqui, da década de 60-70.

 

Quando será possível perceber as melhoras a partir do fim da rotatividade de professores?

 

Fizemos o decreto, ai teve greve e férias. Em outubro, os professores vão escolher para onde vão, o que era feito antes em janeiro. Vão escolher a escola já pensando que terão de ficar lá por 200 dias letivos. Não vão escolher para ocupar uma vaga de efetivo, depois mudar. Essa estrutura favorecia uma desorganização da escola.

 

Fonte: Estadão

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem