BRASIL , Sudeste , Homem , de 26 a 35 anos , Portuguese , English , Música , Esportes , Amor
Outro -
Magia Gifs - O melhor site de GIFs!

Meu Humor



PERFIL
Nome:Nilceu Francisco

Aniversário:11 de julho

Cidade:Campinas-SP

Gosto:Boas amizades, Viver, Conquistar, Amar

Hobby:Compor

Filmes:Aprecio a todos os gêneros

Músicas:Dance, Românticas... Preferidas :Folhas de outono; As rosas não falam, Palavras lindas...

GREVE DOS PROFESSORES EM SP

SOM
Tema do filme " Ao mestre com carinho"


ALUNOS, EX-ALUNOS DE DIVERSAS ESCOLAS ONDE TRABALHO OU TRABALHEI.

MEUS OUTROS BLOGS

PAPAIS


FOLCLORE


OLIMPÍADAS BRASIL LÁ


CÂMERA OCULTA


O UÓ DO BOROGODÓ


MAMÃES


PAIXÃO POR CRISTO


BIG & BLOG


TÔ COM A MACACA


ENVIE CARINHOS


LOVE STORIESS


BLOG NILCEU


GARGALHADAS


RECANTO SANTISTA


BLOG POLÍTICA


PROSAMOROSA


BLOG ADULTO


FOTOLOG DA FAMA


FOTOBLOG SENSUAL


NATAL DOS SONHOS-Pesquisa


BLOG NEWCEU- Pesquisa


BLOG PAN-PAN - Pesquisa


BLOG FOLCLORE - Pesquisa


CAUSOS & FOLIAS - Pesquisa


BYE, BYE, tristeza - Pesquisa


ESPORTES & SPORTS - Pesquisa


HOME

LINKS

Aulas
ANPED
APEOESP
APRENDIZ UOL
Banco Brasil
BANCO ITAÚ
BANESPA
BLOGGER
BOL
BRADESCO
CAIXA FEDERAL
CENP - EDUNET
Como estudar
CONCURSOS
CPP
CURIOSIDADES
D.E. Leste
D.E. Oeste
Downloads Livros
ENEM
FATOS
Folclore
G1 Notícias
Gifs Best
GLOBO
Imprensa Oficial
Lição Casa
Ling Estrangeira
Literat e Gramát
Livros-Downloads
Ministério Fazenda
MEC
Nossa Caixa
PEGADINHAS
Portal MEC
Prefeitura Cps
PUCCAMP
Revista Profs
Secretaria Educação
TERRA
UNICAMP
UOL
USP
YAHOO
Manual Profs
Sonhos
Extra/Globo
EducarCrescer
EAD


Votação

Dê uma nota para meu blog OBRAS DE ARTE ALEIJADINHO, ANITA MALFATI, PORTINARI, MICHELANGÊLO, TARSILA DO AMARAL


INDIQUE

Indique esse Blog PESQUISE ARQUIVOS

25/08/2013 a 31/08/2013

11/08/2013 a 17/08/2013

21/07/2013 a 27/07/2013

23/06/2013 a 29/06/2013

21/04/2013 a 27/04/2013

14/04/2013 a 20/04/2013

07/04/2013 a 13/04/2013

11/11/2012 a 17/11/2012

04/11/2012 a 10/11/2012

14/10/2012 a 20/10/2012

01/07/2012 a 07/07/2012

29/04/2012 a 05/05/2012

22/04/2012 a 28/04/2012

26/02/2012 a 03/03/2012

29/01/2012 a 04/02/2012

08/01/2012 a 14/01/2012

01/01/2012 a 07/01/2012

18/12/2011 a 24/12/2011

27/11/2011 a 03/12/2011

20/11/2011 a 26/11/2011

13/11/2011 a 19/11/2011

23/10/2011 a 29/10/2011

09/10/2011 a 15/10/2011

18/09/2011 a 24/09/2011

11/09/2011 a 17/09/2011

04/09/2011 a 10/09/2011

14/08/2011 a 20/08/2011

07/08/2011 a 13/08/2011

10/07/2011 a 16/07/2011

26/06/2011 a 02/07/2011

05/06/2011 a 11/06/2011

29/05/2011 a 04/06/2011

08/05/2011 a 14/05/2011

24/04/2011 a 30/04/2011

10/04/2011 a 16/04/2011

13/03/2011 a 19/03/2011

27/02/2011 a 05/03/2011

20/02/2011 a 26/02/2011

06/02/2011 a 12/02/2011

16/01/2011 a 22/01/2011

26/12/2010 a 01/01/2011

19/12/2010 a 25/12/2010

05/12/2010 a 11/12/2010

07/11/2010 a 13/11/2010

17/10/2010 a 23/10/2010

10/10/2010 a 16/10/2010

03/10/2010 a 09/10/2010

12/09/2010 a 18/09/2010

05/09/2010 a 11/09/2010

29/08/2010 a 04/09/2010

22/08/2010 a 28/08/2010

15/08/2010 a 21/08/2010

08/08/2010 a 14/08/2010

04/07/2010 a 10/07/2010

20/06/2010 a 26/06/2010

13/06/2010 a 19/06/2010

23/05/2010 a 29/05/2010

16/05/2010 a 22/05/2010

02/05/2010 a 08/05/2010

25/04/2010 a 01/05/2010

11/04/2010 a 17/04/2010

04/04/2010 a 10/04/2010

28/03/2010 a 03/04/2010

21/03/2010 a 27/03/2010

14/03/2010 a 20/03/2010

07/03/2010 a 13/03/2010

28/02/2010 a 06/03/2010

21/02/2010 a 27/02/2010

07/02/2010 a 13/02/2010

31/01/2010 a 06/02/2010

24/01/2010 a 30/01/2010

17/01/2010 a 23/01/2010

10/01/2010 a 16/01/2010

27/12/2009 a 02/01/2010

20/12/2009 a 26/12/2009

13/12/2009 a 19/12/2009

29/11/2009 a 05/12/2009

22/11/2009 a 28/11/2009

15/11/2009 a 21/11/2009

08/11/2009 a 14/11/2009

01/11/2009 a 07/11/2009

25/10/2009 a 31/10/2009

18/10/2009 a 24/10/2009

11/10/2009 a 17/10/2009

04/10/2009 a 10/10/2009

27/09/2009 a 03/10/2009

20/09/2009 a 26/09/2009

13/09/2009 a 19/09/2009

06/09/2009 a 12/09/2009

23/08/2009 a 29/08/2009

09/08/2009 a 15/08/2009

02/08/2009 a 08/08/2009

26/07/2009 a 01/08/2009

19/07/2009 a 25/07/2009

12/07/2009 a 18/07/2009

05/07/2009 a 11/07/2009

28/06/2009 a 04/07/2009

21/06/2009 a 27/06/2009

14/06/2009 a 20/06/2009

07/06/2009 a 13/06/2009

31/05/2009 a 06/06/2009

24/05/2009 a 30/05/2009

17/05/2009 a 23/05/2009

10/05/2009 a 16/05/2009

03/05/2009 a 09/05/2009

26/04/2009 a 02/05/2009

19/04/2009 a 25/04/2009

12/04/2009 a 18/04/2009

05/04/2009 a 11/04/2009

29/03/2009 a 04/04/2009

22/03/2009 a 28/03/2009

15/03/2009 a 21/03/2009

08/03/2009 a 14/03/2009

01/03/2009 a 07/03/2009

22/02/2009 a 28/02/2009

08/02/2009 a 14/02/2009

01/02/2009 a 07/02/2009

25/01/2009 a 31/01/2009

18/01/2009 a 24/01/2009

11/01/2009 a 17/01/2009

04/01/2009 a 10/01/2009

28/12/2008 a 03/01/2009

21/12/2008 a 27/12/2008

14/12/2008 a 20/12/2008

07/12/2008 a 13/12/2008

30/11/2008 a 06/12/2008

23/11/2008 a 29/11/2008

16/11/2008 a 22/11/2008

09/11/2008 a 15/11/2008

02/11/2008 a 08/11/2008

26/10/2008 a 01/11/2008

19/10/2008 a 25/10/2008

12/10/2008 a 18/10/2008

05/10/2008 a 11/10/2008

28/09/2008 a 04/10/2008

14/09/2008 a 20/09/2008

07/09/2008 a 13/09/2008

31/08/2008 a 06/09/2008

24/08/2008 a 30/08/2008

17/08/2008 a 23/08/2008

10/08/2008 a 16/08/2008

03/08/2008 a 09/08/2008

27/07/2008 a 02/08/2008

20/07/2008 a 26/07/2008

13/07/2008 a 19/07/2008

06/07/2008 a 12/07/2008

29/06/2008 a 05/07/2008

22/06/2008 a 28/06/2008

15/06/2008 a 21/06/2008

08/06/2008 a 14/06/2008

01/06/2008 a 07/06/2008

25/05/2008 a 31/05/2008

18/05/2008 a 24/05/2008

11/05/2008 a 17/05/2008

04/05/2008 a 10/05/2008

27/04/2008 a 03/05/2008

20/04/2008 a 26/04/2008

13/04/2008 a 19/04/2008

06/04/2008 a 12/04/2008

30/03/2008 a 05/04/2008

23/03/2008 a 29/03/2008

16/03/2008 a 22/03/2008

09/03/2008 a 15/03/2008

02/03/2008 a 08/03/2008

24/02/2008 a 01/03/2008

17/02/2008 a 23/02/2008

10/02/2008 a 16/02/2008

03/02/2008 a 09/02/2008

27/01/2008 a 02/02/2008

20/01/2008 a 26/01/2008

13/01/2008 a 19/01/2008

06/01/2008 a 12/01/2008

30/12/2007 a 05/01/2008

23/12/2007 a 29/12/2007

16/12/2007 a 22/12/2007

09/12/2007 a 15/12/2007

02/12/2007 a 08/12/2007

25/11/2007 a 01/12/2007

18/11/2007 a 24/11/2007

11/11/2007 a 17/11/2007

04/11/2007 a 10/11/2007

28/10/2007 a 03/11/2007

21/10/2007 a 27/10/2007

14/10/2007 a 20/10/2007

07/10/2007 a 13/10/2007

30/09/2007 a 06/10/2007

23/09/2007 a 29/09/2007

16/09/2007 a 22/09/2007

09/09/2007 a 15/09/2007

02/09/2007 a 08/09/2007

26/08/2007 a 01/09/2007

19/08/2007 a 25/08/2007

12/08/2007 a 18/08/2007

05/08/2007 a 11/08/2007

29/07/2007 a 04/08/2007

22/07/2007 a 28/07/2007

15/07/2007 a 21/07/2007

08/07/2007 a 14/07/2007

01/07/2007 a 07/07/2007

24/06/2007 a 30/06/2007

17/06/2007 a 23/06/2007

10/06/2007 a 16/06/2007

03/06/2007 a 09/06/2007

27/05/2007 a 02/06/2007

20/05/2007 a 26/05/2007

13/05/2007 a 19/05/2007

06/05/2007 a 12/05/2007

29/04/2007 a 05/05/2007

22/04/2007 a 28/04/2007

15/04/2007 a 21/04/2007

08/04/2007 a 14/04/2007

01/04/2007 a 07/04/2007

25/03/2007 a 31/03/2007

18/03/2007 a 24/03/2007

11/03/2007 a 17/03/2007

04/03/2007 a 10/03/2007

25/02/2007 a 03/03/2007

18/02/2007 a 24/02/2007

11/02/2007 a 17/02/2007

04/02/2007 a 10/02/2007

28/01/2007 a 03/02/2007

21/01/2007 a 27/01/2007

07/01/2007 a 13/01/2007

31/12/2006 a 06/01/2007

24/12/2006 a 30/12/2006

17/12/2006 a 23/12/2006

10/12/2006 a 16/12/2006

03/12/2006 a 09/12/2006

26/11/2006 a 02/12/2006

19/11/2006 a 25/11/2006

12/11/2006 a 18/11/2006

05/11/2006 a 11/11/2006

29/10/2006 a 04/11/2006

22/10/2006 a 28/10/2006

15/10/2006 a 21/10/2006

08/10/2006 a 14/10/2006

01/10/2006 a 07/10/2006

24/09/2006 a 30/09/2006

10/09/2006 a 16/09/2006

03/09/2006 a 09/09/2006

27/08/2006 a 02/09/2006

20/08/2006 a 26/08/2006

13/08/2006 a 19/08/2006

06/08/2006 a 12/08/2006

30/07/2006 a 05/08/2006

16/07/2006 a 22/07/2006

09/07/2006 a 15/07/2006

02/07/2006 a 08/07/2006

25/06/2006 a 01/07/2006

18/06/2006 a 24/06/2006

04/06/2006 a 10/06/2006

28/05/2006 a 03/06/2006

21/05/2006 a 27/05/2006

14/05/2006 a 20/05/2006

30/04/2006 a 06/05/2006

23/04/2006 a 29/04/2006

16/04/2006 a 22/04/2006

02/04/2006 a 08/04/2006

19/03/2006 a 25/03/2006

12/03/2006 a 18/03/2006

05/03/2006 a 11/03/2006

19/02/2006 a 25/02/2006

12/02/2006 a 18/02/2006

05/02/2006 a 11/02/2006

29/01/2006 a 04/02/2006

22/01/2006 a 28/01/2006

15/01/2006 a 21/01/2006

08/01/2006 a 14/01/2006

01/01/2006 a 07/01/2006

25/12/2005 a 31/12/2005

18/12/2005 a 24/12/2005

11/12/2005 a 17/12/2005

04/12/2005 a 10/12/2005

27/11/2005 a 03/12/2005

20/11/2005 a 26/11/2005

13/11/2005 a 19/11/2005

06/11/2005 a 12/11/2005

30/10/2005 a 05/11/2005

23/10/2005 a 29/10/2005

16/10/2005 a 22/10/2005

09/10/2005 a 15/10/2005

02/10/2005 a 08/10/2005

25/09/2005 a 01/10/2005

18/09/2005 a 24/09/2005

11/09/2005 a 17/09/2005

04/09/2005 a 10/09/2005

28/08/2005 a 03/09/2005

21/08/2005 a 27/08/2005

14/08/2005 a 20/08/2005

07/08/2005 a 13/08/2005


Créditos




SAIBA COMO FAZER UMA BOA REDAÇÃO

 

A redação nos grandes vestibulares pode eliminar muito candidato. Na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), por exemplo, ela já aparece na primeira fase e seleciona os estudantes com melhor expressão. Pensando nisso, a professora Maria Aparecida Custódio, do curso Objetivo, explicou no chat do G1 desta sexta-feira (26) o que é fundamental num texto. Confira as dicas principais para se dar bem na prova.

 


E vale o recado da professora: “Nunca se esqueça de fazer um rascunho da redação, resolver as questões da prova e, depois, voltar ao rascunho. Assim, você vai ter as idéias mais claras. E lembre-se de que a leitura é que faz um bom escritor”.

 Quais são os erros mais comuns nas redações de vestibular?

Os erros mais comuns são de inadequação ao tema. Por isso, o candidato deve ficar atento ao assunto cobrado. O tipo de texto também costuma ser confundido: normalmente é uma dissertação, mas há candidatos que fazem narração ou poesia. Por último, é preciso tomar cuidado com o uso da linguagem oral, que desqualifica o vestibulando.

 Depois do surgimento da internet a qualidade dos textos dos vestibulandos piorou ou melhorou?

Não piorou. O cursinho tem pesquisas que mostraram que o aluno que adquire o padrão culto na escola sabe separar a linguagem do cotidiano e a linguagem culta. Há quem use a linguagem informal e misture no vestibular, mas é raro.

 Existe algum tipo de técnica para melhorar a redação?

A leitura de textos diversificados pode ajudar. Valem textos de jornais, revistas, clássicos da literatura, tiras, gibis, filosofia, mitologia. Quanto maior o repertório cultural, maior a possibilidade de fazer uma redação diversificada. Além da leitura, vale fazer cópia dos editoriais de jornais. Eles são textos dissertativos e com eles você apreende a estrutura. Outra coisa importante é entrar no site da universidade para a qual você se inscreveu e ver os temas das redações de vestibulares anteriores.

 Que estruturas devem ser evitadas na redação?

Tudo o que foi consagrado pelo uso popular não é apropriado para o texto escolar. O clichê –como "colocar tudo em pratos limpos" ou "se melhorar, estraga"- facilitam a comunicação, porque economizam o tempo. Mas o vestibular requer um outro padrão de língua. Se o estudante usar o clichê, vai mostrar que tem vocabulário reduzido e enfraquece o texto.

 Citações podem ser usadas? Fazer analogias e comparações é correto?

Elas são um recurso legítimo e pertinente, desde que não forcem a barra. Muitos candidatos decoram citações de cientistas e pensadores e usam isso gratuitamente, o que é ruim. Mais de uma citação também deve ser evitada. As analogias funcionam bem quando permitem elucidar a questão. São recursos legítimos.

 Como ser inédito na prova sem correr riscos?

Muitas universidades buscam um tipo específico de originalidade na montagem das idéias, por exemplo. Também consideram os elementos que o candidato coloca como os de maior relevância no texto. A banca espera marcas de autoria e o vestibulando deve se envolver no texto com seu próprio repertório. Quando a banca pede um "olhar novo sobre o tema", o candidato deve recorrer à memória, e buscar o que tenha relação com o tema.

 Como descubro temas prováveis de aparecerem nas provas?

Você pode pesquisar a tendência do vestibular no site da universidade para a qual você se inscreveu. Isso pode dar uma idéia do formato ou estilo de prova, não do assunto. A Fuvest tem proposto temas abstratos, como amizade, por exemplo. Assim você pode treinar com aqueles temas mesmo, usados nos anos anteriores.

 Para um texto de 25 linhas quantos argumentos devemos usar?

Depende do tamanho da introdução e da conclusão. Se você gastar quatro ou cinco linhas em cada, deve explorar no máximo três argumentos, não mais do que isso. Não é possível listar uma série de argumentos sem se aprofundar em nada.

 Muita informação em um texto dissertativo pode prejudicar?

Com certeza. O que é avaliado não é a quantidade de informação que você tem sobre o assunto. O ideal é selecionar os melhores argumentos, mais úteis e apropriados ao projeto de texto.

 O uso de termos estrangeiros (do economês, do internetês) é aceitável numa redação?

Os termos estrangeiros devem ser evitados, caso já exista algum em português. Se não houver equivalente, recorra a eles, mas entre aspas. E terminologias muito específicas devem ser evitadas.

 Dissertar sobre um tema político sob uma ideologia compromete a redação?

Em um primeiro momento, todos os vestibulares afirmam que o candidato pode se posicionar como quiser, mas eles não são aceitam radicalismos. É preciso tomar cuidado com texto planfetário. Já caiu o neo-nazismo e neo-facismo no vestibular, e certamente, o texto que defendeu essas idéis foi eliminado por ir contra os direitos humanos.

 Colocar título nos textos é imprescindível? É verdade que muitos vestibulares descontam pontos de redações sem título?

O que se percebe é que muitos candidatos esquecem do título e tiram nota máxima. O título, de modo geral, não é tão importante. Mas pode acontecer de cobrarem título em alguns vestibulares.

 Em uma dissertação é necessário colocar o lado positivo e o negativo do assunto?

Não há essa obrigatoriedade. Se você resolver, no seu texto, falar dos dois aspectos, precisa ter um espaço para expôr o seu ponto de vista. Não se isente jamais. A sua forma de pensar é o que a banca examinadora quer conhecer.

 Como demonstrar erudição na redação e não parecer estar apenas floreando?

Não fazendo uso de vocabulário pomposo, artificial, arcaico. Use a linguagem de padrão culto, mas de um estudante recém saído do ensino médio. A erudição é mostrada com as fontes a que você recorre, como livros e filmes, por exemplo.

 Qual a melhor opção para escolher em uma prova de vestibular: narração ou dissertação?

A melhor opção é aquela que você treinou mais. Se você não tiver treinado bastante narração, por exemplo, não teste sua habilidade nessa hora.

 O que posso fazer para não ter um "branco" na hora de pensar o que vou escrever na redação?

O importante é ler atentamente o enunciado da banca. Você vai sublinhar as palavras-chave e, ao lado do texto do enunciado, vai escrever com suas palavras o que entendeu. Depois disso, perceba a relação entre os textos, para que você identifique qual é o tema.

 

É importante fazer um esboço ou rascunho antes de resolver as outras questões da prova, e aí, quando você volta para a redação, melhora o rascunho, lê o enunciado de novo, faz uma revisão da parte de estrutura e ortografia e passa o texto a limpo.

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




VANDALISMO EM ESCOLA

 

Alunos de uma escola em Ceilândia, cidade satélite de Brasília, destruíram carteiras da sala de aula. As imagens gravadas por um aluno foram parar na internet.

Por ano, o governo distrital gasta mais de R$ 13 milhões para recuperar colégios depredados.

A escola é um alvo constante de vandalismo. Só este ano o muro foi derrubado e reconstruído seis vezes. Mesmo assim, o caso mais recente chocou pais, alunos e professores.

O vídeo registra o momento em que um estudante comanda a destruição dentro da sala de aula. Ele arrasta e joga carteiras para o alto e ainda debocha: dançando na frente da câmera

A mãe de um estudante viu o vídeo divulgado na internet e alertou a direção do colégio.

Os alunos que participaram da filmagem foram identificados e transferidos, mas ainda podem responder por crime contra o patrimônio público e por incitação, com pena de até três anos e meio de prisão.

O secretário de educação do Distrito Federal diz que o governo gasta R$ 13 milhões por ano só para recuperar escolas depredadas. Ele quer convocar os alunos que destruíram e os pais deles para trabalhar na recuperação.

“Nós precisamos reconstruir aquela escola não somente com a ação do poder público, mas também com ajuda daqueles que foram responsáveis pelo estado em que a escola está” explica o secretário de educação do Distrito Federal, José Luiz Valente

Mas antes mesmo disso acontecer um grupo de alunos resolveu reagir. Eles já começaram a consertar a escola no grupo há alunos que também são pais de alunos e por isso ficaram duplamente indignados.

“Eu acho que ser adolescente não é destruir o que é beneficio para eles mesmos, né?” avalia a estudante e dona de casa Gislene de Souza.

“A gente vem para o colégio para quê? Para pensar no nosso futuro. Se o aluno vem para o colégio para bagunçar, para quebrar a cadeira, então no futuro ele vai ser o quê?” indaga a estudante e dona de casa Sueli de Oliveira Ferraz.

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




Como melhorar as notas na escola

 

O ano letivo está acabando. Época crítica para o estudante que não conseguiu boas notas até agora. Você é um deles? Então veja o que dizem os especialistas aos que correm o risco de ficar de recuperação.

Ian Ribeiro é um dos quarenta alunos particulares do professor Rodrigo Soares. “Eu estudava pouco. De vez em quando eu não entendia a matéria e deixava passar” conta Ian.

“O aluno precisa reconhecer que tem dificuldades e que precisa de ajuda” alerta o professor Rodrigo.

Ian precisa acertar 70% da última prova de matemática para escapar da recuperação. Nas aulas, muitos exercícios e explicações práticas para desvendar a geometria.

Caso o aluno tenha dificuldade, os pais também devem pedir ajuda às escolas onde os filhos estudam. Muitas oferecem aulas de reforço fora do horário sem cobrar nada ou fazem plantão de dúvidas com o professor.

Com a recuperação batendo na porta, veja algumas dicas:

- Estudar as matérias que foram dadas no dia
- Fazer e refazer os exercícios vistos em aula
- O ambiente de estudo deve ser confortável, mas não a ponto de dar sono
- Não atender o telefone
- Dar um intervalo de 15 minutos entre uma matéria ou outra, pode fazer um lanche
- Estudar três horas por dia, no máximo

A mãe Jane Correia da Silva fica de olho. “De vez em quando eu passo para dar uma olhada, desligo o som”. A filha Cristiane Fonseca estuda três horas de estudo pela manhã e duas à noite. A avó ajuda a conferir o que foi aprendido.

"Eu não vou tomar bomba, tem que pensar positivo” diz Cristiane.

Os pedagogos dizem que agora não adianta os pais ficarem num jogo de culpas e dizer: “eu te avisei” ou “deveria ter estudado mais”.

É hora de planejar o horário de estudos porque ainda dá tempo de recuperar a nota baixa.

Fonte: Jornal Hoje

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




Liberada consulta dos bolsistas do ProUni selecionados no Fies

 

Os 1.592 bolsistas do ProUni (Programa Universidade para Todos) selecionados para financiar 25% da mensalidade por meio do Fies (Programa de Financiamento Estudantil) já podem consultar o resultado pela Internet. Para ter acesso à consulta, o candidato deve informar o número do CPF e do cadastro no Fies.

As contratações começam nesta quarta-feira (24) e seguem até 14 de dezembro. O prazo final também vale para os estudantes selecionados no Fies que não têm bolsa do ProUni -- nesse caso, o percentual de financiamento é de 50% do valor da mensalidade.

Enquanto estiver estudando, o bolsista do ProUni arcará com os custos de apenas 25% do valor total da mensalidade e, depois de formado, iniciará o pagamento da parcela financiada. Se, por exemplo, a mensalidade for de R$ 400, a bolsa parcial do ProUni cobrirá a metade (R$ 200) e o Fies financiará 25% do total (R$ 100). O aluno pagará, então, R$ 100 por mês à instituição, durante o período em que estiver estudando.

O site da
Caixa Econômica Federal permite que, antes de iniciar a inscrição, o estudante faça uma simulação de como será o financiamento para verificar o valor do saldo devedor e das prestações que serão cobradas.

Selecionados
A lista dos estudantes não-bolsistas que
vão receber o financiamento foi divulgada na segunda-feira (22). No total, foram 71 mil selecionados nessa etapa, que terão até o dia 23 de novembro para realizar a entrevista na instituição de ensino onde estudam.

A taxa de juros do financiamento é de 6,5% ao ano. Para os alunos de licenciaturas, pedagogia, curso normal superior e cursos tecnológicos registrados no MEC (Ministério da Educação), a taxa é de 3,5% ao ano.

O Fies atende estudantes sem condições de pagar integralmente os custos de um curso superior. Já o ProUni concede bolsas de estudos integrais e parciais a estudantes de baixa renda em instituições privadas de educação superior.

ProUni


O calendário do ProUni ainda não foi definido, mas as inscrições do processo de 2008 estão previstas para começar na terceira semana de novembro. O número de bolsas concedidas também não está definido, segundo a assessoria do MEC (Ministério da Educação).

O prazo para adesão das faculdades particulares interessadas em participar do Prouni termina no dia 29 de outubro. As instituições devem informar o interesse em participar do programa ao MEC por meio do
site do Prouni.

No documento online a ser preenchido, as faculdades precisam informar o tipo de bolsa de estudo que pretendem conceder: integral e parcial, em cursos de graduação e seqüenciais de formação específica.

As instituições que já participam do programa devem preencher o termo aditivo, que é obrigatório, até o dia 1º de novembro.

Os dois procedimentos, tanto para adesão ou recadastramento, fazem parte do processo seletivo do ProUni para o 1º semestre de 2008. Somente após este processo, o MEC vai divulgar o número de bolsas que serão ofertadas.

 

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




CONGRESSOS E SEMINÁRIOS

 

Dispendiosas, avaliações não chegam às escolas

Julia Dietrich

 

 

Prova Brasil, Enem, Saeb e Pisa: siglas nacionais e internacionais que representam os diversos sistemas e índices de avaliação da qualidade da Educação brasileira. Todos revelam que o país está aquém da maioria das nações do globo. Mesmo com um custo alto para serem realizadas, as avaliações, segundo especialistas, chegaram para ficar. Porém, atualmente, os resultados se perdem em si mesmos e acabam não chegando às escolas e comunidades. 

Nessa perspectiva, a Semana de Educação Victor Civita realizou, em São Paulo (SP), um debate para discutir até que ponto as diversas evidências comprovadas pelas avaliações estão ditando as transformações na Educação.

Para a coordenadora do Departamento de Pesquisas Educacionais da Fundação Carlos Chagas, Bernadete Gatti, embora a intenção de fazer as avaliações seja a melhor possível, ela não enxerga muitos resultados positivos para as escolas. “Os números e índices são confusos e pouco se relacionam com o cotidiano da escola. Os professores e gestores, quando têm acesso a eles, não os entendem e não sabem o que fazer para melhorá-los”, observou.

Para ela, é necessário encontrar fórmulas, a partir das avaliações, que identifiquem o que precisa ser transformado. “A escola tem que entender o que deve fazer, pois senão, os resultados acabam perdidos em si mesmos”, avaliou, lembrando que outro problema é o fato dos alunos se sentirem desestimulados a fazerem as provas. “Como elas vêm de cima para baixo, as crianças não entendem direito porque estão sendo avaliadas”, ponderou.

Em contrapartida, o economista e professor da Universidade São Paulo (USP) e do Ibmec São Paulo, Naércio Menezes, analisou as avaliações como indicadores positivos e necessários para o avanço das políticas públicas de Educação. “A Educação é a variável mais importante para o crescimento econômico e redução da desigualdade econômica do país. Por isso, já estava na hora do Brasil começar a prestar atenção nela”, disse.

Como exemplo, ele citou os países vizinhos Argentina e México, que avançaram muito na redução das taxas de analfabetismo e na qualidade da Educação. “O Brasil, em compensação, só começou esse movimento a partir da década de 1980. Enquanto vários países da América Latina já colhem os frutos de seus investimentos, nós estamos vendo o tamanho da dificuldade e a necessidade cada vez maior de investirmos radicalmente na educação”, pontuou.

Para Menezes, é de fundamental importância criar redes de relações entre a comunidade, escola e governo na análise e solução dos problemas revelados nas avaliações. “É dever do Estado mostrar que a educação pública está ruim e precisa ser melhorada”, complementou.

A partir da análise dos dados dos exames nacionais e internacionais, o professor verificou que o que mais contribui para o mau desempenho do alunado é a baixa escolaridade da mãe. “A má remuneração do professor não tem relação com o desempenho ruim do estudante, porém, se houvessem incentivos para aqueles mestres e escolas que se destacassem e que os maus funcionários fossem afastados, certamente o ensino apresentaria melhoras significativas”, observou. Para ele, tampouco cursos de formação de professores foram identificados como possíveis soluções para auxiliar no desempenho estudantil.

Fórmula que deu certo

Como possível solução, o titular da cátedra em Ciência e Educação da Organização das Nações Unidas para Educação e Cultura (Unesco), Jean-Marie de Ketele, insistiu no exemplo de seu próprio país, a Bélgica. “Nós montamos uma avaliação a partir dos professores, na qual cada escola corrige suas próprias provas para que possam verificar o que está errado a partir das suas próprias interpretações e funcionamento”, disse.

Ketele contou que após os exames que são realizados no meio do ano escolar, todos os professores se reúnem em comissões regionais e pensam práticas conjuntas que são encaminhadas para o governo central e então novamente disseminadas. “A escola pode pensar como resolver seus problemas e recebe auxílio da universidade e governo nessa missão”, pontuou.

Ensino privado

O ensino particular brasileiro também não se livrou das críticas das avaliações internacionais, mostrando, segundo Menezes, que talvez a metodologia e a formação dos estudantes é que não esteja correta. Gatti concordou e complementou, perguntando qual seria o parâmetro de qualidade que buscam as avaliações. “É preciso lembrar que cada comunidade está inserida em um contexto específico”, disse.

Os Estados Unidos também não apresentaram bons resultados nas análises internacionais, mas desde 2005, quando o último censo de grande porte foi realizado, os governantes injetaram dinheiro em bonificações para escolas que mais avançassem. “O contexto da educação ruim não é exclusivo do Brasil, mas os outros países estão à frente para melhorar a situação e nós temos que recuperar o tempo perdido”, reconheceu Menezes.

Fonte  : Aqui

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




Todos professores estaduais terão salas com computador, TV, impressora e banda larga

Kit-Multimídia chegará até o fim do ano a todas as 5.500 escolas da Secretaria de Estado da Educação

Todos os professores da rede estadual de Educação terão até o fim deste ano acesso ilimitado a computador, impressora e internet, via banda larga de conexão. Mais: terão um televisor conectado a estes equipamentos. É o que garante a Secretaria de Estado da Educação, que irá instalar estes quatro itens em todas as salas de professores.

O objetivo da Secretaria é oferecer aos professores de escolas estaduais um mecanismo para aprimoramento profissional. Com computador, televisor e impressoras modernos, além de banda larga de acesso à internet, os profissionais poderão ser capacitados dentro do ambiente escolar, utilizar ferramentas modernas para aprimorar o ensino nas unidades estaduais.

A Secretaria mantém uma rede de treinamento para os professores, a Rede do Saber. A idéia é que a Rede seja acessada de dentro da sala do professor, evitando que saia para receber cursos de capacitação.

“O Kit-Multimídia é extremamente importante para o aprimoramento profissional dos professores. Todas escolas estaduais de Ensino Fundamental e Médio receberão os equipamentos, essenciais para que os educadores se atualizem”, afirma a secretária de Estado da Educação, Maria Helena Guimarães de Castro.

Até 2010 a Secretaria irá fornecer e-mails a todos os cerca de 250 mil professores da rede estadual, o que irá ampliar a comunicação dos educadores paulistas. Outros 35 mil funcionários também terão e-mails. A expectativa da Secretaria é que os endereços eletrônicos sejam nome.sobrenome@edunet.sp.gov.br . Atualmente os professores não contam com e-mail da rede de ensino paulista.

“Os professores paulistas precisam ter ferramentas para atualização. Quem ganha com isso é o aluno, com um aprendizado mais moderno e integrado ao seu dia-a-dia”, diz a secretária Maria Helena.

FONTE :  http://www.educacao.sp.gov.br/

 

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




Medicina registra disputa de 90 candidatos por vaga na Unifesp

 

Os inscritos em medicina na Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) terão este ano uma concorrência de 90,09 por vaga. As 110 vagas do curso serão disputadas por 9.910 candidatos no sistema universal. As mulheres são maioria na procura: 5.948 contra 3.962 homens. No sistema de cotas, a disputa é de 42,45 -- 467 inscritos para 11. Deste total, 275 são mulheres e 192, homens.

A segunda graduação mais disputada no sistema universal foi ciências biológicas, com 1.226 para 30 vagas (40,87 c/v). Neste curso, a maior procura também é do público feminino (915 contra 311 homens). Entre os cotistas, a concorrência é de 29,67 (89 estudantes para três vagas). São 68 mulheres e 21 homens para realizar a prova.

O curso de farmácia e bioquímica vem na seqüência, com a disputa de 21,67 pelas 45 vagas universais (foram 975 inscritos). Do total, 764 mulheres e 211 homens farão as provas.

Entre os cotistas, o terceiro mais procurado foi o de história (nortuno). São 95 inscritos para cinco vagas (19 c/v). Neste, a maioria é de homens: 61 contra 34 mulheres.

As duas graduações com menor procura foram filosofia noturno e vespertino, respectivamente. A concorrência é de 2,96 (133 candidatos) para o período da noite e de 3,00 (135 inscritos) para o período diurno. São 45 vagas para cada curso.

No ano passado, a concorrência foi semelhante. O mais procurado, medicina, teve 89,31 candidatos por vaga. Em seguida, veio o curso de ciências biológicas, com 50,13. O vestibular recebeu, para 2007, 22.267 inscrições. Desse total, 2.432 pessoas concorreram às vagas oferecidas pelo sistema de cotas.

Para 2008, estão inscritos 21.703 vestibulandos no processo seletivo, que oferece 1.203 vagas, divididas entre os cursos dos campi de São Paulo, Baixada Santista, Diadema, Guarulhos e São José dos Campos. O cartão de convocação dos candidatos, com informações sobre locais de prova, será enviado por correios até o dia 18 de novembro.

Provas da Unifesp

As provas serão aplicadas nas cidades paulistas de Bauru, Campinas, Diadema, Jundiaí, Guarulhos, Mogi das Cruzes, Presidente Prudente, Ribeirão Preto, Santo André, Santos, São Carlos, São José do Rio Preto, São José dos Campos, São Paulo, Sorocaba, além de Brasília.

As avaliações de conhecimentos gerais estão marcadas para 12/12; as de língua portuguesa, língua estrangeira e redação, 13/12; as de conhecimentos específicos, 14/12. Os candidatos devem estar nos locais de prova até as 13h, já que o vestibular será realizado entre as 14h e 18h.

Participantes do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) terão notas obrigatoriamente aproveitadas. Os estudantes devem informar o número do exame no formulário de inscrição.

A lista dos aprovados sairá em 31 de janeiro de 2008. Matrículas serão feitas no dia 12 de fevereiro. A segunda chamada está prevista para sair em 22 de fevereiro; e a terceira, em 29 de fevereiro.

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




Pesquisa: livros didáticos têm erros sobre a África

 

Um pesquisa realizada no Departamento de História da Universidade de Brasília (UnB) com base em livros didáticos sugere que o ensino da história da África e ainda está longe do ideal. Segundo as conclusões do estudo, os livros didáticos exercem papel importante na manutenção de um estereótipo de caos social e econômico predominante na África.

Durante dois anos, o historiador Anderson Oliva analisou capítulos específicos sobre a história da África anterior ao século XIX em manuais escolares destinados aos quatro últimos anos do ensino fundamental (5ª a 8ª séries). Das oito obras, quatro fazem parte da lista que o Ministério da Educação (MEC) indica para as escolas públicas e outros quatro são adotados por escolas privadas.

De acordo com Oliva, os principais problemas estão nas "simplificações e generalizações que recaem em erros". Com isso, segundo o pesquisador, mantêm-se as idéias e imagens sobre o continente e suas populações, além de reforçar a crença de que a África não possui relevância para a história da humanidade.

No levantamento, um dos problemas mais apontados é a divisão do continente ao sul do Saara em apenas dois grandes conjuntos de povos. "Séculos de história e centenas de grupos étnicos são identificados apenas como os bantos e os sudaneses", exemplifica.

A tese afirma que essa divisão erra ao utilizar unicamente o critério das línguas faladas na região em questão. "É como se tratássemos toda a América Latina como uma sociedade igual", compara o pesquisador. Para ele, uma alternativa a tal critério seria evidenciar as complexidades e diversidades da África Negra, como referências às centenas de grupos étnicos que podem ser encontrados ao longo dos séculos.

Visão "Eurocêntrica"

De acordo com o levantamento realizado por Oliva, entre os livros analisados, o número de páginas destinadas à história da África é significativamente menor que o de outros assuntos. Os capítulos que tratam de temas como Europa Medieval, Absolutismo Monárquico, Renascimento Cultural e Construção do Pensamento Moderno Ocidental ocupam entre 15 e 20 páginas e vasta bibliografia.

Já a história da África é, quase sempre, abordada em um único capítulo que varia de 10 a 15 páginas, e com uma literatura de apoio restrita, alerta Oliva. "Isso mostra que o ensino da disciplina ainda segue a visão 'eurocêntrica'."

Apesar de todos os livros analisados serem novos - foram editados entre 1998 e 2000 - a pesquisa identifica um distanciamento entre os conteúdos dos manuais e a recente produção historiográfica. Para o estudo, isso demonstra "continuidade dos olhares coloniais".

Oliva destaca ainda um outro problema: o fato de o Brasil ter poucos cientistas que estudam a história, a arte ou a literatura daquele continente.

Legislação

Oliva faz ainda ressalvas à funcionalidade da Lei 10.639/03, que tornou obrigatório o ensino da história da África e dos afro-brasileiros na educação básica. Segundo ele não foi implantada uma política específica para preparação de professores.

"Nem todas as universidades oferecem disciplinas sobre o tema em cursos de graduação para os professores. E algumas das que oferecem, não o fazem dentro do currículo obrigatório, apenas como disciplina optativa."

Onde o Brasil acerta

Em meio aos erros, algumas iniciativas foram elogiadas pelo historiador. Ele afirma que muitos autores de livros didáticos optaram por não utilizar imagens de negros escravos.

Outros ainda chamam a atenção dos alunos para as representações feitas dos africanos pelos europeus: a mudança da fisionomia dos africanos, de seus gestos, roupas e comportamentos, que recebem feições européias.

Ou ainda destacam aspectos dos padrões artísticos, sociais, políticos e as visões de mundo de algumas sociedades africanas, permitindo aos alunos criar uma intimidade maior com o continente.

E o pesquisador vê com otimismo os rumos desse segmento. De acordo com Oliva, editoras brasileiras têm se esforçado para fazer uma abordagem maior sobre o assunto. Já foram feitos livros paradidáticos, uma espécie de complemento aos livros que possuem falhas no tema. "É uma forma de preencher a lacuna de anos na educação, mas ainda não é o ideal", reconhece Oliva.

Outros países

Com o avanço da pesquisa, Oliva avaliou também os livros didáticos de Portugal e Angola. Devido à guerra civil que só acabou em 2002, o país africano sofre com o déficit na educação. Ele contabilizou cinco coleções de livros didáticos que tratam da história da África de forma geral e dos povos africanos com profundidade.

Já em Portugal existem 30 coleções de livros de história para o mesmo período escolar. Porém, nenhum capítulo é dedicado à história africana por mais importante que tenha sido a relação histórica e econômica da ex-metrópole européia com esses países.

Oliva lembra que cerca de 800 mil africanos migraram para Portugal, que possui uma população de 10 milhões de pessoas. Em seu estudo ele concluiu que normalmente apenas dois parágrafos citam a África. E para Oliva a abordagem é preconceituosa já que sempre sugere um título como "A presença portuguesa na África Negra".

"Os autores desses livros portugueses parecem considerar irrelevante a história de quase mil anos de um continente que manteve forte relação com o país europeu", afirma o pesquisador.

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem