BRASIL , Sudeste , Homem , de 26 a 35 anos , Portuguese , English , Música , Esportes , Amor
Outro -
Magia Gifs - O melhor site de GIFs!

Meu Humor



PERFIL
Nome:Nilceu Francisco

Aniversário:11 de julho

Cidade:Campinas-SP

Gosto:Boas amizades, Viver, Conquistar, Amar

Hobby:Compor

Filmes:Aprecio a todos os gêneros

Músicas:Dance, Românticas... Preferidas :Folhas de outono; As rosas não falam, Palavras lindas...

GREVE DOS PROFESSORES EM SP

SOM
Tema do filme " Ao mestre com carinho"


ALUNOS, EX-ALUNOS DE DIVERSAS ESCOLAS ONDE TRABALHO OU TRABALHEI.

MEUS OUTROS BLOGS

PAPAIS


FOLCLORE


OLIMPÍADAS BRASIL LÁ


CÂMERA OCULTA


O UÓ DO BOROGODÓ


MAMÃES


PAIXÃO POR CRISTO


BIG & BLOG


TÔ COM A MACACA


ENVIE CARINHOS


LOVE STORIESS


BLOG NILCEU


GARGALHADAS


RECANTO SANTISTA


BLOG POLÍTICA


PROSAMOROSA


BLOG ADULTO


FOTOLOG DA FAMA


FOTOBLOG SENSUAL


NATAL DOS SONHOS-Pesquisa


BLOG NEWCEU- Pesquisa


BLOG PAN-PAN - Pesquisa


BLOG FOLCLORE - Pesquisa


CAUSOS & FOLIAS - Pesquisa


BYE, BYE, tristeza - Pesquisa


ESPORTES & SPORTS - Pesquisa


HOME

LINKS

Aulas
ANPED
APEOESP
APRENDIZ UOL
Banco Brasil
BANCO ITAÚ
BANESPA
BLOGGER
BOL
BRADESCO
CAIXA FEDERAL
CENP - EDUNET
Como estudar
CONCURSOS
CPP
CURIOSIDADES
D.E. Leste
D.E. Oeste
Downloads Livros
ENEM
FATOS
Folclore
G1 Notícias
Gifs Best
GLOBO
Imprensa Oficial
Lição Casa
Ling Estrangeira
Literat e Gramát
Livros-Downloads
Ministério Fazenda
MEC
Nossa Caixa
PEGADINHAS
Portal MEC
Prefeitura Cps
PUCCAMP
Revista Profs
Secretaria Educação
TERRA
UNICAMP
UOL
USP
YAHOO
Manual Profs
Sonhos
Extra/Globo
EducarCrescer
EAD


Votação

Dê uma nota para meu blog OBRAS DE ARTE ALEIJADINHO, ANITA MALFATI, PORTINARI, MICHELANGÊLO, TARSILA DO AMARAL


INDIQUE

Indique esse Blog PESQUISE ARQUIVOS

25/08/2013 a 31/08/2013

11/08/2013 a 17/08/2013

21/07/2013 a 27/07/2013

23/06/2013 a 29/06/2013

21/04/2013 a 27/04/2013

14/04/2013 a 20/04/2013

07/04/2013 a 13/04/2013

11/11/2012 a 17/11/2012

04/11/2012 a 10/11/2012

14/10/2012 a 20/10/2012

01/07/2012 a 07/07/2012

29/04/2012 a 05/05/2012

22/04/2012 a 28/04/2012

26/02/2012 a 03/03/2012

29/01/2012 a 04/02/2012

08/01/2012 a 14/01/2012

01/01/2012 a 07/01/2012

18/12/2011 a 24/12/2011

27/11/2011 a 03/12/2011

20/11/2011 a 26/11/2011

13/11/2011 a 19/11/2011

23/10/2011 a 29/10/2011

09/10/2011 a 15/10/2011

18/09/2011 a 24/09/2011

11/09/2011 a 17/09/2011

04/09/2011 a 10/09/2011

14/08/2011 a 20/08/2011

07/08/2011 a 13/08/2011

10/07/2011 a 16/07/2011

26/06/2011 a 02/07/2011

05/06/2011 a 11/06/2011

29/05/2011 a 04/06/2011

08/05/2011 a 14/05/2011

24/04/2011 a 30/04/2011

10/04/2011 a 16/04/2011

13/03/2011 a 19/03/2011

27/02/2011 a 05/03/2011

20/02/2011 a 26/02/2011

06/02/2011 a 12/02/2011

16/01/2011 a 22/01/2011

26/12/2010 a 01/01/2011

19/12/2010 a 25/12/2010

05/12/2010 a 11/12/2010

07/11/2010 a 13/11/2010

17/10/2010 a 23/10/2010

10/10/2010 a 16/10/2010

03/10/2010 a 09/10/2010

12/09/2010 a 18/09/2010

05/09/2010 a 11/09/2010

29/08/2010 a 04/09/2010

22/08/2010 a 28/08/2010

15/08/2010 a 21/08/2010

08/08/2010 a 14/08/2010

04/07/2010 a 10/07/2010

20/06/2010 a 26/06/2010

13/06/2010 a 19/06/2010

23/05/2010 a 29/05/2010

16/05/2010 a 22/05/2010

02/05/2010 a 08/05/2010

25/04/2010 a 01/05/2010

11/04/2010 a 17/04/2010

04/04/2010 a 10/04/2010

28/03/2010 a 03/04/2010

21/03/2010 a 27/03/2010

14/03/2010 a 20/03/2010

07/03/2010 a 13/03/2010

28/02/2010 a 06/03/2010

21/02/2010 a 27/02/2010

07/02/2010 a 13/02/2010

31/01/2010 a 06/02/2010

24/01/2010 a 30/01/2010

17/01/2010 a 23/01/2010

10/01/2010 a 16/01/2010

27/12/2009 a 02/01/2010

20/12/2009 a 26/12/2009

13/12/2009 a 19/12/2009

29/11/2009 a 05/12/2009

22/11/2009 a 28/11/2009

15/11/2009 a 21/11/2009

08/11/2009 a 14/11/2009

01/11/2009 a 07/11/2009

25/10/2009 a 31/10/2009

18/10/2009 a 24/10/2009

11/10/2009 a 17/10/2009

04/10/2009 a 10/10/2009

27/09/2009 a 03/10/2009

20/09/2009 a 26/09/2009

13/09/2009 a 19/09/2009

06/09/2009 a 12/09/2009

23/08/2009 a 29/08/2009

09/08/2009 a 15/08/2009

02/08/2009 a 08/08/2009

26/07/2009 a 01/08/2009

19/07/2009 a 25/07/2009

12/07/2009 a 18/07/2009

05/07/2009 a 11/07/2009

28/06/2009 a 04/07/2009

21/06/2009 a 27/06/2009

14/06/2009 a 20/06/2009

07/06/2009 a 13/06/2009

31/05/2009 a 06/06/2009

24/05/2009 a 30/05/2009

17/05/2009 a 23/05/2009

10/05/2009 a 16/05/2009

03/05/2009 a 09/05/2009

26/04/2009 a 02/05/2009

19/04/2009 a 25/04/2009

12/04/2009 a 18/04/2009

05/04/2009 a 11/04/2009

29/03/2009 a 04/04/2009

22/03/2009 a 28/03/2009

15/03/2009 a 21/03/2009

08/03/2009 a 14/03/2009

01/03/2009 a 07/03/2009

22/02/2009 a 28/02/2009

08/02/2009 a 14/02/2009

01/02/2009 a 07/02/2009

25/01/2009 a 31/01/2009

18/01/2009 a 24/01/2009

11/01/2009 a 17/01/2009

04/01/2009 a 10/01/2009

28/12/2008 a 03/01/2009

21/12/2008 a 27/12/2008

14/12/2008 a 20/12/2008

07/12/2008 a 13/12/2008

30/11/2008 a 06/12/2008

23/11/2008 a 29/11/2008

16/11/2008 a 22/11/2008

09/11/2008 a 15/11/2008

02/11/2008 a 08/11/2008

26/10/2008 a 01/11/2008

19/10/2008 a 25/10/2008

12/10/2008 a 18/10/2008

05/10/2008 a 11/10/2008

28/09/2008 a 04/10/2008

14/09/2008 a 20/09/2008

07/09/2008 a 13/09/2008

31/08/2008 a 06/09/2008

24/08/2008 a 30/08/2008

17/08/2008 a 23/08/2008

10/08/2008 a 16/08/2008

03/08/2008 a 09/08/2008

27/07/2008 a 02/08/2008

20/07/2008 a 26/07/2008

13/07/2008 a 19/07/2008

06/07/2008 a 12/07/2008

29/06/2008 a 05/07/2008

22/06/2008 a 28/06/2008

15/06/2008 a 21/06/2008

08/06/2008 a 14/06/2008

01/06/2008 a 07/06/2008

25/05/2008 a 31/05/2008

18/05/2008 a 24/05/2008

11/05/2008 a 17/05/2008

04/05/2008 a 10/05/2008

27/04/2008 a 03/05/2008

20/04/2008 a 26/04/2008

13/04/2008 a 19/04/2008

06/04/2008 a 12/04/2008

30/03/2008 a 05/04/2008

23/03/2008 a 29/03/2008

16/03/2008 a 22/03/2008

09/03/2008 a 15/03/2008

02/03/2008 a 08/03/2008

24/02/2008 a 01/03/2008

17/02/2008 a 23/02/2008

10/02/2008 a 16/02/2008

03/02/2008 a 09/02/2008

27/01/2008 a 02/02/2008

20/01/2008 a 26/01/2008

13/01/2008 a 19/01/2008

06/01/2008 a 12/01/2008

30/12/2007 a 05/01/2008

23/12/2007 a 29/12/2007

16/12/2007 a 22/12/2007

09/12/2007 a 15/12/2007

02/12/2007 a 08/12/2007

25/11/2007 a 01/12/2007

18/11/2007 a 24/11/2007

11/11/2007 a 17/11/2007

04/11/2007 a 10/11/2007

28/10/2007 a 03/11/2007

21/10/2007 a 27/10/2007

14/10/2007 a 20/10/2007

07/10/2007 a 13/10/2007

30/09/2007 a 06/10/2007

23/09/2007 a 29/09/2007

16/09/2007 a 22/09/2007

09/09/2007 a 15/09/2007

02/09/2007 a 08/09/2007

26/08/2007 a 01/09/2007

19/08/2007 a 25/08/2007

12/08/2007 a 18/08/2007

05/08/2007 a 11/08/2007

29/07/2007 a 04/08/2007

22/07/2007 a 28/07/2007

15/07/2007 a 21/07/2007

08/07/2007 a 14/07/2007

01/07/2007 a 07/07/2007

24/06/2007 a 30/06/2007

17/06/2007 a 23/06/2007

10/06/2007 a 16/06/2007

03/06/2007 a 09/06/2007

27/05/2007 a 02/06/2007

20/05/2007 a 26/05/2007

13/05/2007 a 19/05/2007

06/05/2007 a 12/05/2007

29/04/2007 a 05/05/2007

22/04/2007 a 28/04/2007

15/04/2007 a 21/04/2007

08/04/2007 a 14/04/2007

01/04/2007 a 07/04/2007

25/03/2007 a 31/03/2007

18/03/2007 a 24/03/2007

11/03/2007 a 17/03/2007

04/03/2007 a 10/03/2007

25/02/2007 a 03/03/2007

18/02/2007 a 24/02/2007

11/02/2007 a 17/02/2007

04/02/2007 a 10/02/2007

28/01/2007 a 03/02/2007

21/01/2007 a 27/01/2007

07/01/2007 a 13/01/2007

31/12/2006 a 06/01/2007

24/12/2006 a 30/12/2006

17/12/2006 a 23/12/2006

10/12/2006 a 16/12/2006

03/12/2006 a 09/12/2006

26/11/2006 a 02/12/2006

19/11/2006 a 25/11/2006

12/11/2006 a 18/11/2006

05/11/2006 a 11/11/2006

29/10/2006 a 04/11/2006

22/10/2006 a 28/10/2006

15/10/2006 a 21/10/2006

08/10/2006 a 14/10/2006

01/10/2006 a 07/10/2006

24/09/2006 a 30/09/2006

10/09/2006 a 16/09/2006

03/09/2006 a 09/09/2006

27/08/2006 a 02/09/2006

20/08/2006 a 26/08/2006

13/08/2006 a 19/08/2006

06/08/2006 a 12/08/2006

30/07/2006 a 05/08/2006

16/07/2006 a 22/07/2006

09/07/2006 a 15/07/2006

02/07/2006 a 08/07/2006

25/06/2006 a 01/07/2006

18/06/2006 a 24/06/2006

04/06/2006 a 10/06/2006

28/05/2006 a 03/06/2006

21/05/2006 a 27/05/2006

14/05/2006 a 20/05/2006

30/04/2006 a 06/05/2006

23/04/2006 a 29/04/2006

16/04/2006 a 22/04/2006

02/04/2006 a 08/04/2006

19/03/2006 a 25/03/2006

12/03/2006 a 18/03/2006

05/03/2006 a 11/03/2006

19/02/2006 a 25/02/2006

12/02/2006 a 18/02/2006

05/02/2006 a 11/02/2006

29/01/2006 a 04/02/2006

22/01/2006 a 28/01/2006

15/01/2006 a 21/01/2006

08/01/2006 a 14/01/2006

01/01/2006 a 07/01/2006

25/12/2005 a 31/12/2005

18/12/2005 a 24/12/2005

11/12/2005 a 17/12/2005

04/12/2005 a 10/12/2005

27/11/2005 a 03/12/2005

20/11/2005 a 26/11/2005

13/11/2005 a 19/11/2005

06/11/2005 a 12/11/2005

30/10/2005 a 05/11/2005

23/10/2005 a 29/10/2005

16/10/2005 a 22/10/2005

09/10/2005 a 15/10/2005

02/10/2005 a 08/10/2005

25/09/2005 a 01/10/2005

18/09/2005 a 24/09/2005

11/09/2005 a 17/09/2005

04/09/2005 a 10/09/2005

28/08/2005 a 03/09/2005

21/08/2005 a 27/08/2005

14/08/2005 a 20/08/2005

07/08/2005 a 13/08/2005


Créditos




Governo prioriza ensino básico em programa

 

Para ministro da Educação outros níveis de ensino estão interligados.

Idéia é condicionar repasse de verbas à melhoria dos índices de qualidade.
 

O Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE), apresentado nesta quinta-feira (15) pelo ministro Fernando Haddad a educadores, prioriza investimento e ações no ensino básico. Entre as medidas estão a criação de um índice para avaliar a qualidade de ensino nos estados e municípios, o estabelecimento de um piso salarial de R$ 800 para professores em todo o país e o aumento do prazo de pagamento do financiamento estudantil.

 

Os educadores devem mandar críticas ao ministério por e-mail para que sejam feitas possíveis modificações no plano. O ministro acredita que algumas das medidas poderão ser implementadas a partir de abril.

 

Para Haddad, a melhoria dos outros níveis de ensino depende da educação básica. Por isso o governo quer criar um índice para avaliar a qualidade do ensino. Desta forma, o repasse de recursos federais para estados e municípios ficará condicionado ao bom desempenho nessa avaliação.

"A nossa intenção inicial é atender os mil municípios que estão em situação mais dramática. O indicador está muito baixo e é até injustificável deixar as crianças na situação em que se encontram", disse Haddad.

 

 "Piores do mundo"

Outra prioridade é a alfabetização. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva admitiu no discurso que fez na abertura da reunião com os educadores que a política para esse setor foi insuficiente no primeiro mandato. Ele afirmou que o sistema educacional brasileiro está "entre os piores do mundo".

Por isso, o governo buscará acompanhar a alfabetização através da chamada “Provinha Brasil”. Ela será aplicada em alunos de seis a oito anos.

“Nós temos que garantir que as crianças, no máximo até oito anos, estejam todas alfabetizadas e que a partir dos dez anos tenham adquirido competências e habilidades próprias da idade. Isso é possível, há sistemas que comprovam que isso é uma possibilidade e precisamos disseminar as boas práticas no pais”, disse o ministro da Educação.

Além disso, o governo planeja pagar um benefício extra do Bolsa Família para jovens de 15 a 17 anos tendo como contrapartida a freqüência na escola. “A bolsa vai ser oferecida para o jovem de famílias situadas abaixo da linha de pobreza voltar à escola”, explicou o ministro.

 Financiamento estudantil

A proposta para o ensino superior é elevar para até dez anos o pagamento do financiamento estudantil e garantir até 100% da bolsa. O pagamento do empréstimo ficaria consignado em folha de pagamento a partir do primeiro emprego do jovem. Para o ensino médio, o governo quer implementar novos centros de educação profissional.

Sobre a proposta de ampliar o número de estudantes nas universidades federais, que o MEC já vinha discutindo com reitores, Haddad afirmou apenas que se conseguisse aumentar em 20% o orçamento das federais, seria possível "quase dobrar o número de alunos hoje matriculados", afirmou o ministro durante o evento, sem entrar em detalhes.

 Professores

Combinado com as medidas destinadas ao estudante, o governo vai propor um piso salarial dos professores de R$ 800 em todo o país. O ministro reconheceu que a implementação do plano é difícil e projeta para um horizonte de até dez anos a coleta dos resultados.

“A implementação desse plano não vai ser fácil. Provavelmente nos próximos anos o Brasil vai ainda ficar em lugares baixos em relação aos resultados da Prova Brasil, às comparações internacionais. O resultado disso só vai se ver em cinco, dez anos porque a educação não é uma questão de alguns meses”, afirmou Haddad.

 

 

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




TÃO LONGE, TÃO PERTO !

 

João Jardim
 

Para o diretor do documentário "Pro Dia Nascer Feliz", lançado em fevereiro, existe um enorme fosso entre as políticas públicas concebidas nos gabinetes e as realidades que encontrou nas escolas onde filmou

 

Tema raríssimo no cinema nacional, a escola é a protagonista do documentário "Pro Dia Nascer Feliz", de João Jardim. Não só ela, mas também os adolescentes que a freqüentam, em cidades grandes e pequenas, ricas e pobres, em estabelecimentos públicos e privados. O filme examina o cotidiano do ensino médio com uma riqueza que surpreende até mesmo quem conhece esse universo.
Não é uma amostragem científica, pondera Jardim, que privilegiou escolas capazes de mostrar contrastes entre aspectos positivos e negativos. Co-diretor (com Walter Carvalho) de "Janela da Alma", Jardim conversou com o jornalista Sérgio Rizzo sobre os procedimentos de filmagem, o universo dos adolescentes - ainda incompreendido pelos educadores, segundo ele - e o que viu em seus dois anos de imersão no sistema educacional brasileiro.

Como você chegou às escolas que aparecem no filme?

Um dos objetivos principais era que elas fossem medianas. Nem muito ruins, nem muito boas. Não queria fazer um filme-denúncia. Duas delas, a de Duque de Caxias (RJ) e a de Itaquaquecetuba (SP), receberam da Unesco o prêmio de escolas inovadoras em 2003. Então, fui olhar como elas seriam, para pesquisar, ainda sem pensar em filmá-las. Entrando lá, vi a contradição que eu buscava: tinham coisas boas e coisas ruins. Ao mesmo tempo, foram escolas que se abriram muito para o filme. As diretoras foram muito simpáticas à idéia. Isso era importante porque escola é um lugar muito fechado. Em outras, eu entrava e as pessoas diziam: "você pode vir aqui só de segunda e quinta?". Entendi que essa limitação poderia não permitir fazer o que eu queria. Fui vendo que ou o filme iria ganhar uma cara de denúncia, porque algumas escolas são muito ruins, ou que então eu não teria liberdade. Acabei voltando para as primeiras. O critério geral foi a receptividade que eu tinha na escola, e a possibilidade de a escola ter contrastes entre o bom e o ruim, para que o filme não tomasse um caráter de denúncia.

E como você se inseriu no cotidiano escolar?

Foi um processo muito longo dentro das escolas. Como moro no Rio de Janeiro, fui à de Caxias no mínimo dez vezes, em dois ou três dias seguidos, para entender, ver como funcionava, antes de filmar. Depois, filmei em várias etapas. Filmava um pouco, aí voltava três meses depois. Nesse ínterim, eu retornava sozinho à escola. Precisava ter mais intimidade. Esta é a grande diferença do trabalho: ele foi feito num período longo, depois de um longo período de maturação, e um longo período de intimidade com as pessoas. Isso permitiu uma relação com eles que foi muito proveitosa para o filme. "Ih, lá vem o João", diziam.

Da primeira visita até a última, quanto tempo se passou?

No mínimo, uns dois anos. Filmei uma etapa, fiz uma pré-montagem, vi os alunos que estavam rendendo mais e as histórias que estavam funcionando. Foi aí que o tema da família acabou saindo. Ia muito para fora da escola. A família e a droga são duas coisas que circundam a escola, e que seriam outros dois filmes. Por isso, esses temas ficam só tangenciando o documentário. A partir dessa primeira pré-montagem, fui definindo o foco e as pessoas.

 

Continue   lendo

       

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




SEGUE.....

 

 

Quantas horas de material foram captadas?

Cerca de 35 horas. A primeira etapa de filmagem teve umas 10 horas. Não pude usar algumas pessoas no filme porque não seria bom para elas. Não podia expô-las. Não queria estigmatizar ninguém.

Esses dois anos de imersão representaram descobertas? Você ficou surpreso com o que viu?

Foi muito difícil, não sob o ponto de vista da dificuldade de fazer, mas porque a realidade era muito sem saída. Eu não via solução. Eu via um monte de gente imersa em uma situação sem saída. Professores, alunos, diretores. Não é que o ambiente seja muito ruim. Não é isso. Os ambientes até são interessantes. Mas você não via as pessoas ganhando uma perspectiva de vida real. É como ir a uma fábrica de automóveis que fabrica carros que não andam. Imagine como seria isso: entrar na Volkswagen, aquele pessoal todo trabalhando, e quando chega no final o carro não anda. O que seria da fábrica? As pessoas que fazem a política de educação não têm noção de como é uma escola. O ministro da Educação tinha de passar uma semana dentro de uma escola de ensino médio na periferia de uma grande cidade. Só ficar lá, olhando. O Henrique Meirelles (presidente do Banco Central) tinha de fazer isso também. Mudava a política de juros em uma semana. Não adianta querer fazer o país melhorar se as pessoas não são instrumentalizadas para melhorar. Não adianta. É ridículo. Tem de investir primeiro nas pessoas. Perceber a distância entre o mundo real e as políticas públicas foi muito frustrante.

Como foi sua vida de estudante?

Classe média, escola particular. De certa maneira, minha vida de estudante foi muito igual à de todos. Como adolescente, você está inserido dentro de um contexto, o da escola, que é super importante para você, mas você só está pensando em você. A escola não consegue perceber isso. O adolescente é muito egocêntrico, voltado para a problemática que ele vive. Se você perguntar para alguém como foi sua vida de estudante, acho que ele vai lembrar mais das relações que teve na escola, das dificuldades, das perseguições, se era bom ou mau aluno, e o que isso representava para o grupo. Eu me lembro do meu cotidiano ali dentro no que diz respeito à minha relação com professores e alunos. Quase não me lembro da minha relação com o conteúdo. Do ponto de vista do adolescente, ele está procurando se inserir na perspectiva de um grupo, ser aceito por esse grupo, se afirmar perante esse grupo. Aprender vem depois disso.

Os professores que você conheceu têm idéia disso tudo?

Eles têm uma idéia intuitiva. O que mais me chocou foi não haver um conhecimento sistematizado sobre isso. Todo mundo sabe quais são as fases da adolescência. Mas como elas interferem dentro da escola, em alunos desinteressados e violentos? Pô, o homem já chegou à Lua. Como você não sabe por que o adolescente é violento dentro da sala de aula? Há razões óbvias para isso. O professor não pode achar que o aluno o está agredindo. O aluno está agredindo o que ele representa. Não pode se sentir ofendido porque o aluno xinga. Não é com o professor. É com a instituição, com a sociedade, porque o aluno tem raiva dos pais, por exemplo, e solta essa raiva no professor.

Como foi recebido pelos professores?

Com muita desconfiança. Variava de professor para professor. Mas todos eles apoiavam o trabalho. Tinham medo de que eu falasse mal deles. Que eu fosse fazer um trabalho que dissesse que o professor não ensina ou sei lá o quê. Não tenho certeza disso, mas me parece que o professor acha muito bom quando apontam os problemas ou as faltas dele, porque ele gostaria que melhorasse. E, de certa maneira, ele se sente incapaz de provocar essa mudança, porque o sistema é maior do que cada um deles, isoladamente. É difícil. Uma maçã podre corrompe o grupo. Vi isso acontecer. Tem uma escola com 10 professores; dois que não estão a fim corrompem o grupo. É como na sala de aula: se você é muito certinho, você sofre preconceito; se você é um professor muito "caxias", também sofre preconceito dos outros professores.

Você viu um cenário de antagonismo entre professores e alunos?

A primeira motivação para fazer o filme foi exatamente essa. Um cenário de antagonismo. Falta de comunicação. Falta de percepção do outro. O filme mostra que os adolescentes e os professores estão no mesmo mundo. O que existe na escola é o contrário: há o mundo dos professores e o mundo dos alunos. Com o filme, acho que eles passam a ver de outra maneira.

Você concorda com a idéia de que boa parte do professorado hoje representa um profissional que, no fundo, gostaria de estar longe da sala de aula?

Completamente. É um problema absolutamente real. É um beco sem saída. O cara está ali, enfrentando 40 alunos todo dia, e não existe outra perspectiva senão a de fazer alguma coisa que não seja estar ali. Isso precisaria ser repensado, com certeza.

Pensa em usar o material que ficou de fora?

Em princípio, não. O que funciona no filme é o diálogo de temas. Acho que o DVD talvez não tenha nenhum extra, porque não tem mais nada para desenvolver do que está ali. A não ser que houvesse um recurso para filmar o que aconteceu com eles. Mas também é tudo muito transitório ainda, tem de esperar mais tempo.

Não há material que se possa organizar sobre professores, por exemplo?

Não. Justamente o complicado é o depoimento do professor na expectativa de quem vai olhar para ele e do que vai pensar. Isso tem muito. O professor fala o que esperam que ele fale. Isso não tem muito valor, você já leu no jornal.

Pensa em tocar alguma das idéias que ficaram de fora em outro documentário?

Em princípio, não. Gostaria de fazer um filme de ficção.

O filme já foi exibido nas escolas que participaram?

Já exibi para as pessoas, no cinema. Usei um pouco a estratégia de dar a eles a dimensão de que eles fizeram um filme. No futuro, vou fazer exibições nas escolas, em abril ou maio, depois que passar a primeira fase de lançamento.

E o lançamento em DVD?

Vai depender da carreira nos cinemas. Se ela for mais longa, vai demorar mais. Eu gostaria que fosse ainda no primeiro semestre.

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




 

 

Chalita reage a críticas e ataca gestão Serra

Alvo no próprio PSDB, ex-secretário da Educação nega ter desmontado programas necessários para êxito da progressão continuada

Para ele, problemas ocorreram na implantação do programa e na falta de envolvimento das famílias com a escola

 

Alvo de críticas no próprio PSDB após a queda de São Paulo nos principais rankings de educação, o secretário do governo Geraldo Alckmin, Gabriel Chalita, disse que o mau desempenho ocorreu devido à má implementação da progressão continuada e pela falta de envolvimento das famílias. As declarações são uma resposta aos ataques de sua antecessora, Rose Neubauer (governo Mário Covas), responsável pela implantação da progressão, que reclamou que Chalita teria desmontado alguns dos projetos essenciais para o êxito do programa. O ex-secretário atacou o governo José Serra, que reduziu pela metade o projeto Escola da Família, que prevê abertura de escolas aos finais de semana -a secretária Maria Lúcia Vasconcelos não se pronunciou.  

FOLHA - Por que SP vai tão mal nos exames de qualidade de ensino?
GABRIEL CHALITA
- Ele reflete um pouco a realidade brasileira. Os Estados não estão bem. E não há um culpado para esse problema. A escola sozinha não resolve os problemas educacionais. Há muitas coisas em que a educação de São Paulo melhorou, e em outras, não. O índice de evasão caiu, a repetência caiu, havia longas filas para conseguir vaga. Isso não existe mais. Há índices ruins no Saeb? Há, como no Brasil todo.

FOLHA - Mas SP cai mais do que os outros Estados no Saeb.
CHALITA
- Se você pegar a minha gestão, não houve queda. De qualquer forma, não vou dizer que a educação seja a ideal. E há uma série de fatores que explicam isso. Há essa falta de envolvimento das famílias, a inclusão de alunos que estavam fora da escola e a implantação da progressão continuada.

FOLHA - O sr. fala em problemas das famílias, mas e a participação do governo no quadro negativo?
CHALITA
- Falta o Estado convencer a família de que ela faz parte do processo educativo. O segundo ponto é investir mais na formação de professores. Agora, o Brasil sofre um processo em que quando você tem a troca de um governante, quem entra pára o que outro fez. Você trunca o processo.

FOLHA - Neubauer acusa o sr. de ter desmontado projetos dela.
CHALITA
- Não parei nenhum processo da Rose. Não sei sobre o que ela se refere.

FOLHA - Ela citou o reforço semanal, a recuperação nas férias e a capacitação focada para professores.
CHALITA
- A recuperação continuou. Só acabou a das férias, porque não estava resolvendo, mas ampliamos a recuperação paralela [na semana]. Continuei os programas de formação e ampliei-os. Os recursos para isso cresceram mais ou menos dez vezes. A única crítica que eu poderia fazer à Rose foi a forma como foi implantada a progressão continuada. Você não desce isso goela abaixo do professor, precisa convencê-lo.

FOLHA - Essa má implantação explica os maus desempenhos de SP?
CHALITA
- Em parte. Como você impôs, o professor rejeitou a proposta e não educou como deveria. Mas o tempo vai mostrar que o projeto é interessante, como foi na Inglaterra, onde também houve resistência.

FOLHA - Educadores dizem que o governo não deu condições para uma boa recuperação.
CHALITA
- Aos poucos, você precisa reduzir o número de alunos em sala. É um processo.

FOLHA - Mas Alckmin vetou projeto aprovado pela Assembléia que limitava o número de alunos por sala.
CHALITA
- Você tem momentos. Primeiro, colocam-se todos os alunos na escola. Agora, aumenta-se a carga horária. Você não consegue fazer tudo ao mesmo tempo. Optamos por aumentar a carga. Criamos a Escola de Tempo Integral e aumentamos de quatro para seis horas a carga do ensino médio.

FOLHA - Como o sr. avalia o corte no Escola da Família?
CHALITA
- A gente tinha um problema de pichação, de violência, que era imenso. E caiu muito após o projeto. Como educador, e não falo em nome do Geraldo [Alckmin], a redução é um equívoco. Começa muito mal o governo Serra.

FOLHA - Parte do dinheiro economizado deverá servir para contratar um segundo professor para a primeira série.
CHALITA
- Nenhum país que deu certo na educação colocou dois professores em sala. Para que inventar? Imagine, dois professores em uma mesma sala, um vai atrapalhar o outro.
O Orçamento da secretaria hoje deve ser de R$ 11 bilhões. A Escola da Família tinha R$ 200 milhões. Não é possível que seja necessário diminuir um projeto desse para começar outro. O caminho está muito equivocado. E é uma pena que sejamos do mesmo partido.
Eu, como educador, elogio. Espero, por exemplo, que o Fernando Haddad continue como ministro [da Educação], porque eu sinto ali um técnico no ministério. Você precisa olhar com humildade para pessoas de outros partidos e elogiar. E olhar para pessoas do mesmo partido e dizer: "Que pena que pegou um programa que deu certo e vai truncá-lo".
Deve ser uma medida do governador, não dela [da secretária]. Não faço aqui uma crítica a ele. É uma visão de um educador, uma análise do programa, não das pessoas. [As medidas tomadas] são frustrantes. Até a diminuição dos ciclos para dois anos. Não acho que isso seja o mais importante. Mas eu sinto que é algo: "Preciso dar uma resposta imediata".

Folha  de SP

**A  culpa  de  todo  esse  fracasso é do PSDB, claro ; pois um elemento deles  faz  uma  besteira  e  os outros  assinam, confiirmam, aceitam, bloqueiam  CPIs, vereadores  e deputados  tucanos e pefelistas  aceitam tudo que vem de cima e que são ordenados  pelo governador  ;  e dá nissso. Agora  não adianta    reclamar!

Os mais prejudicados   somos  nós, que convivemos  com a  realidade no dia-a-dia e não nos consultam. Promovem  reportagens  em escolas  centrais, de fácil acesso, para que o povo pense que tudo está "a mil" ; e fazem de conta  que as outras Unidades  Escolares  não existem, tampouco, problemas  graves. E a imprensa ( maior parte  dela), faz papel de idiota ao acreditar   em Rose, Alckmin, Serra, Chalita e  cia.

N

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




PSDB culpa PSDB por crise na educação

 

Queda no desempenho das escolas de São Paulo nos exames gerou mal-estar no partido que comanda o Estado desde 95

O ex-ministro da Educação Paulo Renato Souza e Rose Neubauer, secretária estadual na gestão Mário Covas, apontam problemas




O péssimo desempenho da escola pública de São Paulo nos exames de qualidade de ensino gerou um mal-estar no PSDB -partido que comanda o Estado desde 1995- e críticas entre os seus principais expoentes para a área da educação.
Em entrevista exclusiva à Folha, o ex-ministro da Educação Paulo Renato Souza (gestão Fernando Henrique Cardoso) disse que houve má implantação da progressão continuada no Estado, programa instituído no período no qual Rose Neubauer foi secretária da Educação (gestão Mário Covas).
Rose Neubauer, por sua vez, criticou seu sucessor, Gabriel Chalita (gestão Geraldo Alckmin), dizendo que ele acabou com medidas de apoio que eram fundamentais ao projeto.
Procurado desde a segunda-feira da semana passada, Chalita não respondeu ao pedido de entrevista. Sua assessoria afirmou na sexta-feira que ele só poderá falar hoje, mesmo alertado de que as outras entrevistas seriam publicadas antes.
A progressão continuada foi implantada nas escolas estaduais paulistas em 1997 pela secretária Rose Neubauer e vigora desde então no Estado.
No sistema, as crianças do ensino fundamental não podem ser reprovadas ao final de cada ano letivo, mas apenas ao término de um ciclo, atualmente de quatro anos (ou seja, na quarta e na oitava séries).
A progressão continuada visa dar mais tempo de recuperação ao estudante com dificuldade antes da eventual reprovação.
Outra vantagem que o modelo traz, com a diminuição da repetência, é a redução da evasão dos alunos (estudos da área educacional apontam a reprovação como uma das principais causas de abandono).
Nesse ponto, a progressão obteve êxito: a porcentagem de alunos do ensino fundamental que abandonaram a escola diminuiu 58,3% (os números referem-se ao período de 1999 a 2004, disponível no banco de dados on-line do instituto de pesquisas do MEC). No país, o número diminuiu 30,8%.
Já nos resultados em exames de qualidade, porém, o Estado não obteve o mesmo êxito.
Reportagem da Folha na segunda-feira passada mostrou que nenhuma escola estadual teve média superior a 50 (em cem pontos) no Enem (Exame Nacional do Ensino Médio).
Outro levantamento, inédito, mostra que a rede estadual de São Paulo estava entre as melhores do país em 1995, mas caiu dez anos depois em todos os rankings possíveis (veja gráfico nesta página).
A tabulação tem como base o Saeb, exame do governo federal que avalia a quarta e a oitava séries do ensino fundamental e o terceiro ano do ensino médio.
Em língua portuguesa do terceiro ano, por exemplo, a rede estadual tinha a média mais alta em 1995, mas em 2005 foi apenas o oitavo melhor Estado.
"Há diversos fatores envolvidos, como a inclusão de crianças que estavam fora da escola. Mas certamente a forma como a progressão foi implementada prejudicou", diz o professor da Faculdade de Educação da USP José Augusto Dias.
"Como dar uma boa recuperação se as escolas estão superlotadas?", questiona o membro do Conselho Estadual de Educação Joaquim Pedro Villaça de Souza Campos.
Para tentar reverter os resultados negativos, a atual secretária da Educação, Maria Lucia Marcondes Carvalho Vasconcelos (gestão Serra), vai diminuir a duração dos ciclos de quatro para dois anos.
A intenção é que as dificuldades dos alunos sejam detectadas mais rapidamente e, se necessário, eles comecem a rever o conteúdo sem precisar esperar os quatro anos.
Para Paulo Renato, "a periodicidade não é tão importante quanto a escola se preparar para uma atitude diferente".

Folha de SP

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




FALTA  DE PROFESSORES  NO RIO DE  JANEIRO, DEIXA  30 MIL ALUNOS  SEM AULAS

 

O ano letivo ainda não começou para mais de 30 mil alunos da rede estadual do Rio de Janeiro, segundo levantamento do Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação (Sepe). Após quase um mês de início oficial das aulas, ainda faltam professores de todas as disciplinas em escolas de São Gonçalo, Niterói e na Baixada Fluminense.

» Leia mais notícias em O Dia

Pais, alunos e professores estão preocupados. De acordo com o Sepe, para suprir a demanda da Região Metropolitana 1 - que reúne Queimados, Nova Iguaçu, Nilópolis, Japeri e Mesquita, municípios da Baixada Fluminense - seria necessário chamar 4 mil docentes. No dia 26 de fevereiro, apenas 2 mil professores aprovados em concurso realizado em 2004 foram convocados.

Em São Gonçalo, 60% das 104 escolas de rede trabalham com número reduzido de docentes. Em Niterói, 35 das 61 escolas estaduais também sofrem com a falta de professores. A Secretaria Estadual de Educação informou que já liberou pagamento de 14 mil GLPs (horas extras) e está remanejando professores de 1ª a 4ª séries para a sala de aula. Licenças médicas também estão sendo revistas. O secretário Nelson Maculan estabeleceu prazo até o dia 20 para que o problema solucionado.

O Dia

 

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




Salários nas escolas de SP variam até 624%

 

Em alguns colégios privados da cidade, vencimentos no ensino fundamental superam o de professores de universidades

Segundo o sindicato de docentes, autor do levantamento, diferença tem relação direta com o público atendido


Os salários de professores da rede privada de São Paulo variam mais de 600% por escola, de acordo com um ranking feito pelo Sinpro-SP (Sindicato dos Professores de São Paulo) na educação básica e superior privada paulistana. O levantamento mostra também que há casos de professores de 5ª a 8ª série ganhando mais do que seus colegas em universidades.
Segundo o Sinpro, na educação infantil e de 1ª a 4ª série do ensino fundamental, os maiores salários são pagos pelo colégio Porto Seguro (Morumbi, zona sul), com R$ 4.151 por turno de 22 a 25 horas semanais.
Esse é um valor 624% superior aos R$ 573 recebidos pelos professores de educação infantil da Escola Floresta Encantada (Santana, zona norte) ou 548% maior do que os R$ 640 pagos aos mestres de cinco escolas (Rumo Certo, Meta Educacional, Nossa Senhora das Graças, Sena Miranda e Gonçalves Gallo).
A partir da 5ª série, os salários são calculados por hora-aula. Tanto de 5ª a 8ª quanto no ensino médio, os maiores são pagos pelo Colégio Santa Clara (Vila Madalena, zona oeste), com R$ 42,41. Os piores de 5ª a 8ª estão nas escolas 10 de Maio (Jardim São Bernardo, zona sul) e Grajaú (Grajaú, zona sul): R$ 7,57 por hora/aula. No ensino médio, o menor, segundo o Sinpro, é o dos professores do Cidade Canção (Parque das Árvores, zona sul): R$ 8,43.
O salário pago no colégio Santa Clara, de acordo com o sindicato, chega a ser mais do que o dobro do pago em instituições de ensino superior, como a Unisa (R$ 18,89 por hora/aula), a Faculdade Ítalo Brasileira (R$ 18,77), a Unib (R$ 15,68) e a Unip (R$ 13,38).

Clientela


Na avaliação do presidente do Sinpro, Luiz Antonio Barbagli, a variação de mais de 600% nos salários tem relação direta com o público atendido.
"Há muita variação entre as escolas particulares de São Paulo. Aquelas que atendem a um público de mais alta renda têm mais condições de cobrar uma mensalidade maior e, por conseqüência, pagar salários melhores para atrair bons profissionais. Há escolas situadas em bairros mais pobres, no entanto, que cobram mensalidades menores e pagam salários muito mais baixos", diz ele.
O mesmo argumento é usado por Barbagli para explicar por que algumas escolas de nível fundamental pagam salários maiores do que universidades.
"As escolas de elite atendem a uma clientela de alto poder aquisitivo, que tendem a entrar em universidades públicas. Muitas instituições privadas, no entanto, trabalham com um público diferente. De olho nos alunos de menor renda, cobram mensalidades muito mais baixas. Para justificar isso, pagam pouco ao professor e, às vezes, colocam mais de 100 alunos em sala de aula."

ANTÔNIO GOIS
DA SUCURSAL DO RIO

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem