BRASIL , Sudeste , Homem , de 26 a 35 anos , Portuguese , English , Música , Esportes , Amor
Outro -
Magia Gifs - O melhor site de GIFs!

Meu Humor



PERFIL
Nome:Nilceu Francisco

Aniversário:11 de julho

Cidade:Campinas-SP

Gosto:Boas amizades, Viver, Conquistar, Amar

Hobby:Compor

Filmes:Aprecio a todos os gêneros

Músicas:Dance, Românticas... Preferidas :Folhas de outono; As rosas não falam, Palavras lindas...

GREVE DOS PROFESSORES EM SP

SOM
Tema do filme " Ao mestre com carinho"


ALUNOS, EX-ALUNOS DE DIVERSAS ESCOLAS ONDE TRABALHO OU TRABALHEI.

MEUS OUTROS BLOGS

PAPAIS


FOLCLORE


OLIMPÍADAS BRASIL LÁ


CÂMERA OCULTA


O UÓ DO BOROGODÓ


MAMÃES


PAIXÃO POR CRISTO


BIG & BLOG


TÔ COM A MACACA


ENVIE CARINHOS


LOVE STORIESS


BLOG NILCEU


GARGALHADAS


RECANTO SANTISTA


BLOG POLÍTICA


PROSAMOROSA


BLOG ADULTO


FOTOLOG DA FAMA


FOTOBLOG SENSUAL


NATAL DOS SONHOS-Pesquisa


BLOG NEWCEU- Pesquisa


BLOG PAN-PAN - Pesquisa


BLOG FOLCLORE - Pesquisa


CAUSOS & FOLIAS - Pesquisa


BYE, BYE, tristeza - Pesquisa


ESPORTES & SPORTS - Pesquisa


HOME

LINKS

Aulas
ANPED
APEOESP
APRENDIZ UOL
Banco Brasil
BANCO ITAÚ
BANESPA
BLOGGER
BOL
BRADESCO
CAIXA FEDERAL
CENP - EDUNET
Como estudar
CONCURSOS
CPP
CURIOSIDADES
D.E. Leste
D.E. Oeste
Downloads Livros
ENEM
FATOS
Folclore
G1 Notícias
Gifs Best
GLOBO
Imprensa Oficial
Lição Casa
Ling Estrangeira
Literat e Gramát
Livros-Downloads
Ministério Fazenda
MEC
Nossa Caixa
PEGADINHAS
Portal MEC
Prefeitura Cps
PUCCAMP
Revista Profs
Secretaria Educação
TERRA
UNICAMP
UOL
USP
YAHOO
Manual Profs
Sonhos
Extra/Globo
EducarCrescer
EAD


Votação

Dê uma nota para meu blog OBRAS DE ARTE ALEIJADINHO, ANITA MALFATI, PORTINARI, MICHELANGÊLO, TARSILA DO AMARAL


INDIQUE

Indique esse Blog PESQUISE ARQUIVOS

25/08/2013 a 31/08/2013

11/08/2013 a 17/08/2013

21/07/2013 a 27/07/2013

23/06/2013 a 29/06/2013

21/04/2013 a 27/04/2013

14/04/2013 a 20/04/2013

07/04/2013 a 13/04/2013

11/11/2012 a 17/11/2012

04/11/2012 a 10/11/2012

14/10/2012 a 20/10/2012

01/07/2012 a 07/07/2012

29/04/2012 a 05/05/2012

22/04/2012 a 28/04/2012

26/02/2012 a 03/03/2012

29/01/2012 a 04/02/2012

08/01/2012 a 14/01/2012

01/01/2012 a 07/01/2012

18/12/2011 a 24/12/2011

27/11/2011 a 03/12/2011

20/11/2011 a 26/11/2011

13/11/2011 a 19/11/2011

23/10/2011 a 29/10/2011

09/10/2011 a 15/10/2011

18/09/2011 a 24/09/2011

11/09/2011 a 17/09/2011

04/09/2011 a 10/09/2011

14/08/2011 a 20/08/2011

07/08/2011 a 13/08/2011

10/07/2011 a 16/07/2011

26/06/2011 a 02/07/2011

05/06/2011 a 11/06/2011

29/05/2011 a 04/06/2011

08/05/2011 a 14/05/2011

24/04/2011 a 30/04/2011

10/04/2011 a 16/04/2011

13/03/2011 a 19/03/2011

27/02/2011 a 05/03/2011

20/02/2011 a 26/02/2011

06/02/2011 a 12/02/2011

16/01/2011 a 22/01/2011

26/12/2010 a 01/01/2011

19/12/2010 a 25/12/2010

05/12/2010 a 11/12/2010

07/11/2010 a 13/11/2010

17/10/2010 a 23/10/2010

10/10/2010 a 16/10/2010

03/10/2010 a 09/10/2010

12/09/2010 a 18/09/2010

05/09/2010 a 11/09/2010

29/08/2010 a 04/09/2010

22/08/2010 a 28/08/2010

15/08/2010 a 21/08/2010

08/08/2010 a 14/08/2010

04/07/2010 a 10/07/2010

20/06/2010 a 26/06/2010

13/06/2010 a 19/06/2010

23/05/2010 a 29/05/2010

16/05/2010 a 22/05/2010

02/05/2010 a 08/05/2010

25/04/2010 a 01/05/2010

11/04/2010 a 17/04/2010

04/04/2010 a 10/04/2010

28/03/2010 a 03/04/2010

21/03/2010 a 27/03/2010

14/03/2010 a 20/03/2010

07/03/2010 a 13/03/2010

28/02/2010 a 06/03/2010

21/02/2010 a 27/02/2010

07/02/2010 a 13/02/2010

31/01/2010 a 06/02/2010

24/01/2010 a 30/01/2010

17/01/2010 a 23/01/2010

10/01/2010 a 16/01/2010

27/12/2009 a 02/01/2010

20/12/2009 a 26/12/2009

13/12/2009 a 19/12/2009

29/11/2009 a 05/12/2009

22/11/2009 a 28/11/2009

15/11/2009 a 21/11/2009

08/11/2009 a 14/11/2009

01/11/2009 a 07/11/2009

25/10/2009 a 31/10/2009

18/10/2009 a 24/10/2009

11/10/2009 a 17/10/2009

04/10/2009 a 10/10/2009

27/09/2009 a 03/10/2009

20/09/2009 a 26/09/2009

13/09/2009 a 19/09/2009

06/09/2009 a 12/09/2009

23/08/2009 a 29/08/2009

09/08/2009 a 15/08/2009

02/08/2009 a 08/08/2009

26/07/2009 a 01/08/2009

19/07/2009 a 25/07/2009

12/07/2009 a 18/07/2009

05/07/2009 a 11/07/2009

28/06/2009 a 04/07/2009

21/06/2009 a 27/06/2009

14/06/2009 a 20/06/2009

07/06/2009 a 13/06/2009

31/05/2009 a 06/06/2009

24/05/2009 a 30/05/2009

17/05/2009 a 23/05/2009

10/05/2009 a 16/05/2009

03/05/2009 a 09/05/2009

26/04/2009 a 02/05/2009

19/04/2009 a 25/04/2009

12/04/2009 a 18/04/2009

05/04/2009 a 11/04/2009

29/03/2009 a 04/04/2009

22/03/2009 a 28/03/2009

15/03/2009 a 21/03/2009

08/03/2009 a 14/03/2009

01/03/2009 a 07/03/2009

22/02/2009 a 28/02/2009

08/02/2009 a 14/02/2009

01/02/2009 a 07/02/2009

25/01/2009 a 31/01/2009

18/01/2009 a 24/01/2009

11/01/2009 a 17/01/2009

04/01/2009 a 10/01/2009

28/12/2008 a 03/01/2009

21/12/2008 a 27/12/2008

14/12/2008 a 20/12/2008

07/12/2008 a 13/12/2008

30/11/2008 a 06/12/2008

23/11/2008 a 29/11/2008

16/11/2008 a 22/11/2008

09/11/2008 a 15/11/2008

02/11/2008 a 08/11/2008

26/10/2008 a 01/11/2008

19/10/2008 a 25/10/2008

12/10/2008 a 18/10/2008

05/10/2008 a 11/10/2008

28/09/2008 a 04/10/2008

14/09/2008 a 20/09/2008

07/09/2008 a 13/09/2008

31/08/2008 a 06/09/2008

24/08/2008 a 30/08/2008

17/08/2008 a 23/08/2008

10/08/2008 a 16/08/2008

03/08/2008 a 09/08/2008

27/07/2008 a 02/08/2008

20/07/2008 a 26/07/2008

13/07/2008 a 19/07/2008

06/07/2008 a 12/07/2008

29/06/2008 a 05/07/2008

22/06/2008 a 28/06/2008

15/06/2008 a 21/06/2008

08/06/2008 a 14/06/2008

01/06/2008 a 07/06/2008

25/05/2008 a 31/05/2008

18/05/2008 a 24/05/2008

11/05/2008 a 17/05/2008

04/05/2008 a 10/05/2008

27/04/2008 a 03/05/2008

20/04/2008 a 26/04/2008

13/04/2008 a 19/04/2008

06/04/2008 a 12/04/2008

30/03/2008 a 05/04/2008

23/03/2008 a 29/03/2008

16/03/2008 a 22/03/2008

09/03/2008 a 15/03/2008

02/03/2008 a 08/03/2008

24/02/2008 a 01/03/2008

17/02/2008 a 23/02/2008

10/02/2008 a 16/02/2008

03/02/2008 a 09/02/2008

27/01/2008 a 02/02/2008

20/01/2008 a 26/01/2008

13/01/2008 a 19/01/2008

06/01/2008 a 12/01/2008

30/12/2007 a 05/01/2008

23/12/2007 a 29/12/2007

16/12/2007 a 22/12/2007

09/12/2007 a 15/12/2007

02/12/2007 a 08/12/2007

25/11/2007 a 01/12/2007

18/11/2007 a 24/11/2007

11/11/2007 a 17/11/2007

04/11/2007 a 10/11/2007

28/10/2007 a 03/11/2007

21/10/2007 a 27/10/2007

14/10/2007 a 20/10/2007

07/10/2007 a 13/10/2007

30/09/2007 a 06/10/2007

23/09/2007 a 29/09/2007

16/09/2007 a 22/09/2007

09/09/2007 a 15/09/2007

02/09/2007 a 08/09/2007

26/08/2007 a 01/09/2007

19/08/2007 a 25/08/2007

12/08/2007 a 18/08/2007

05/08/2007 a 11/08/2007

29/07/2007 a 04/08/2007

22/07/2007 a 28/07/2007

15/07/2007 a 21/07/2007

08/07/2007 a 14/07/2007

01/07/2007 a 07/07/2007

24/06/2007 a 30/06/2007

17/06/2007 a 23/06/2007

10/06/2007 a 16/06/2007

03/06/2007 a 09/06/2007

27/05/2007 a 02/06/2007

20/05/2007 a 26/05/2007

13/05/2007 a 19/05/2007

06/05/2007 a 12/05/2007

29/04/2007 a 05/05/2007

22/04/2007 a 28/04/2007

15/04/2007 a 21/04/2007

08/04/2007 a 14/04/2007

01/04/2007 a 07/04/2007

25/03/2007 a 31/03/2007

18/03/2007 a 24/03/2007

11/03/2007 a 17/03/2007

04/03/2007 a 10/03/2007

25/02/2007 a 03/03/2007

18/02/2007 a 24/02/2007

11/02/2007 a 17/02/2007

04/02/2007 a 10/02/2007

28/01/2007 a 03/02/2007

21/01/2007 a 27/01/2007

07/01/2007 a 13/01/2007

31/12/2006 a 06/01/2007

24/12/2006 a 30/12/2006

17/12/2006 a 23/12/2006

10/12/2006 a 16/12/2006

03/12/2006 a 09/12/2006

26/11/2006 a 02/12/2006

19/11/2006 a 25/11/2006

12/11/2006 a 18/11/2006

05/11/2006 a 11/11/2006

29/10/2006 a 04/11/2006

22/10/2006 a 28/10/2006

15/10/2006 a 21/10/2006

08/10/2006 a 14/10/2006

01/10/2006 a 07/10/2006

24/09/2006 a 30/09/2006

10/09/2006 a 16/09/2006

03/09/2006 a 09/09/2006

27/08/2006 a 02/09/2006

20/08/2006 a 26/08/2006

13/08/2006 a 19/08/2006

06/08/2006 a 12/08/2006

30/07/2006 a 05/08/2006

16/07/2006 a 22/07/2006

09/07/2006 a 15/07/2006

02/07/2006 a 08/07/2006

25/06/2006 a 01/07/2006

18/06/2006 a 24/06/2006

04/06/2006 a 10/06/2006

28/05/2006 a 03/06/2006

21/05/2006 a 27/05/2006

14/05/2006 a 20/05/2006

30/04/2006 a 06/05/2006

23/04/2006 a 29/04/2006

16/04/2006 a 22/04/2006

02/04/2006 a 08/04/2006

19/03/2006 a 25/03/2006

12/03/2006 a 18/03/2006

05/03/2006 a 11/03/2006

19/02/2006 a 25/02/2006

12/02/2006 a 18/02/2006

05/02/2006 a 11/02/2006

29/01/2006 a 04/02/2006

22/01/2006 a 28/01/2006

15/01/2006 a 21/01/2006

08/01/2006 a 14/01/2006

01/01/2006 a 07/01/2006

25/12/2005 a 31/12/2005

18/12/2005 a 24/12/2005

11/12/2005 a 17/12/2005

04/12/2005 a 10/12/2005

27/11/2005 a 03/12/2005

20/11/2005 a 26/11/2005

13/11/2005 a 19/11/2005

06/11/2005 a 12/11/2005

30/10/2005 a 05/11/2005

23/10/2005 a 29/10/2005

16/10/2005 a 22/10/2005

09/10/2005 a 15/10/2005

02/10/2005 a 08/10/2005

25/09/2005 a 01/10/2005

18/09/2005 a 24/09/2005

11/09/2005 a 17/09/2005

04/09/2005 a 10/09/2005

28/08/2005 a 03/09/2005

21/08/2005 a 27/08/2005

14/08/2005 a 20/08/2005

07/08/2005 a 13/08/2005


Créditos




.

A Proclamação da República

A constituição
Em 24 de fevereiro de 1891, foi promulgada a primeira Constituição Republicana.

Elaborada e promulgada rapidamente, a nova Constituição do País determinava

que o primeiro presidente da República e o seu vice fossem eleitos pelo Congresso

Nacional. Ganharam a eleição o Marechal Deodoro para a presidência e o Mare-

chal Floriano Peixoto para a vice-presidência. Ambos de chapas diferentes, inici-

ando, dessa forma, uma prática que viria a se tornar comum: a de o presidente e

o vice serem de partidos opostos.

Presidente e ministros
A presidência da República coube ao Marechal Manuel Deodoro da Fonseca, ala-

goano, fundador do clube Militar, aclamado generalíssimo. O primeiro ministério

era composto de republicanos históricos, figuras que haviam participado ativamen-

te das lutas. Para a Justiça foi escolhido Campos Sales, líder republicano realista

de São Paulo; para o Interior, Aristides Lobo, republicano histórico substituído por

Cesário Alvim, primeiro governador provisório de Minas Gerais; para a Fazenda Rui

Barbosa, republicano recente; para a Guerra, o tenente-coronel Benjamin Constant

Botelho de Magalhães, substituído pelo marechal Floriano Peixoto; para a Marinha,

chefe-de-esquadra Eduardo Wandenkolk, com grande prestígio em sua arma; para

Relações Exteriores, Quintino Bocaiúva, da velha corrente republicana; para Agri-

cultura, Comércio e Obras Públicas, Demétrio Ribeiro, positivista gaúcho, substituído

depois por Francisco Glicério, político paulista. Mais tarde, seria criado o Ministério

da Instrução Pública, Correios e Telégrafos, de efêmera existência, que foi entregue

a Benjamin Constant.

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




.

.

A Proclamação da República

A República Velha ou Primeira República
Na História do Brasil, o período compreendido entre 1889 e 1930 é comumente

denominado de República Velha ou, também, Primeira República. Abrange desde

a proclamação até o movimento que depôs o presidente Washington Luís e pos-

sibilitou a ascensão de Getúlio Vargas.

Essa fase pode ser dividida em dois períodos. No primeiro, de 1889 até 1894, te-

mos a República da Espada, dominada pelos militares. O segundo é chamado de

República Oligárquica, onde, mesmo com um presidente militar, o governo era

controlado por civis. Estes representavam a aliança entre as várias oligarquias

agrárias, sob a hegemonia dos cafeicultores de São Paulo.

Quem ficou no poder?
Com a Proclamação da República uma elite de civis e militares assumiu o poder.

Porém, não era um grupo homogêneo: representava forças cujo antagonismo

deu origem a futuras disputas. O governo que se instalou provisoriamente pro-

curou conciliar os interesses de diferentes setores sociais, com o comando ema-

nando da caserna.

Nas Forças Armadas, o predomínio político era do Exército em relação à Marinha,

com as conseqüentes lutas pelo poder. No interior de cada arma os grupos tam-

bém se diferenciavam: faltava entre eles uma idéia definida sobre o regime que

substituiria a monarquia e sobre o papel dos militares nele. Hesitavam em entregar

o poder aos representantes do povo.

Os civis representavam principalmente a burguesia cafeeira paulista e a pequena e

média burguesia urbana. Entre eles estavam incluídas correntes industrializantes.

Dividiam-se entre republicanos históricos, positivistas, radicais, adesistas, que as-

sumiam posições opostas e participavam de maneira diferenciada do governo. Os

quadros dos partidos republicanos, nas antigas províncias, partiam-se em grupos

dissidentes. Desconfiavam do predomínio dos militares, que ocupavam espaços po-

líticos cada vez maiores.

O elemento popular ficou à margem das decisões políticas, devido à fragilidade das

classes médias e do proletariado. O republicano histórico Aristides Lobo chegou a

afirmar que o povo assistira bestializado à proclamação da república. Nada mais ló-

gico, posto que a população acompanhara uma nova composição das classes do-

minantes.

A formação do governo provisório demonstrava o caráter heterogêneo das forças

que conduziram o processo de estabelecimento da República e dos compromissos

assumidos. Mas desde aquele momento, era visível o predomínio do Exército e do

Partido Republicano Paulista.

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




.

.

A Proclamação da República

Quem foi o Marechal Deodoro?
Nascido em Alagoas, em 1827, combateu revoltas contra o Império e lutou nas

guerras do Prata e do Paraguai, alcançando o posto de marechal, em 1884. No

ano seguinte, foi nomeado comandante de armas do Rio Grande do Sul e lá mes-

mo se envolveu com os fatos que o colocariam, a sua revelia, na liderança do

movimento que acabou com o sistema monárquico. Em 1886, foi para o Rio de

Janeiro, assumindo a chefia da facção do Exército que era favorável à liberta

ção dos escravos.

Como presidente, sofreu violenta oposição do Congresso, que tentou vencer

articulando um golpe de Estado. Não contava, porém, com a resistência do

Exército, chefiada pelo vice-presidente, Marechal Floriano Peixoto e, em 1891,

cansado e desiludido, renunciou ao cargo com a seguinte frase: "Assino o de-

creto de alforria do último escravo do Brasil".

Qual o papel do governo provisório?
O governo provisório foi um governo de transição, encarregado de tomar as pro-

vidências para implantar o novo regime. Pela sua composição, demonstrava o de-

sejo de conciliar os interesses dos diversos grupos sociais que se uniram para

proclamar a república.

Era sua atribuição garantir a ordem, manter a paz e as liberdades públicas e di-

rigir a nação, até que os órgãos competentes viessem a escolher o governo de-

finitivo. Tranqüilizou as potências estrangeiras, anunciando que respeitaria os

compromissos nacionais internos e externos. Inaugurava-se, assim, o período

que chamamos de República Velha.

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




.

.

A Proclamação da República

Por que acabou a monarquia?
A derrubada da monarquia foi produto das suas próprias dificuldades em lidar

com as mudanças econômico-sociais ligadas à crise do escravismo e o início

de relações capitalistas. Outras adversidades eram: a falta de apoio de parte

das elites fundiárias, que se sentiram traídas pela abolição; as críticas da im-

prensa republicana e de uma parcela da intelectualidade urbana, além das

chamadas questões religiosa e militar, especialmente os conflitos envolvendo

militares.

Os monarquistas não reagiram à proclamação da República?
No dia seguinte à Proclamação, decretou-se o banimento da família real. Deu-se

a ela vinte e quatro horas para deixar o País. Depois, foram aprisionados aqueles

tidos como monarquistas perigosos, como o Visconde de Ouro Preto e seus filhos,

o senador Gaspar Silveira Martins, Ferreira Viana e outros. Alguns deles, mais

tarde, também foram banidos, acusados de financiar as rebeliões que se seguiram.

O Imperador D. Pedro II ainda tentou manter o sistema monárquico, ao sugerir a

formação de um ministério comandado por Silveira Martins, inimigo pessoal do ma-

rechal Deodoro. A decisão, porém, ocorreu-lhe tarde demais, não conseguindo im-

pedir que, já na manhã do dia 16 de novembro, o Diário Oficial publicasse a notícia

da Proclamação e também a do governo provisório na mudança do Regime.

Não houve resistência monarquista nos Estados. O governo provisório nomeou pes-

soas de confiança para substituir os presidentes das províncias. A tropa e grupos

republicanos asseguravam a transição para o novo governo. Na Bahia, houve pro-

posta de resistência e até de separação, que desapareceu com a notícia da partida

da família real. As posteriores adesões de monarquistas sepultaram a possibilidade

de reação nas províncias. Políticos da monarquia, como o conselheiro Antonio Prado,

 aconselhavam a aceitar o fato consumado.

O que pensava o Povo?
Quando a monarquia foi derrubada, o imperador e a Princesa Isabel gozavam de

imenso prestígio junto à população mais humilde, principalmente entre os ex-es-

cravos da cidade do Rio de Janeiro. A "República", no seu sentido etimológico como

"coisa pública", não estava presente na cabeça da maioria dos conspiradores.

Estes receavam uma participação popular. O lema positivista "Ordem e Progresso"

caracteriza a permanência de uma sociedade excludente e hierarquizada.

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




.

.

A Proclamação da República

Entenda este período da nossa história

Quando a República foi proclamada?
A República do Brasil foi proclamada 15 de novembro de 1889. A data marcou

o fim da monarquia brasileira. Um governo provisório foi estabelecido. No mesmo

dia 15, o decreto número um, redigido por Rui Barbosa, anunciava a escolha da

forma de República Federativa, com as antigas províncias constituindo, junta-

mente com a federação, os Estados Unidos do Brasil.

Quem proclamou a República?
A República do Brasil foi proclamada pelo marechal Deodoro da Fonseca. No dia

15 de novembro, o marechal entrou no Quartel-General do Exército (hoje Palácio

Duque de Caxias, sede do Comando Militar do Leste, no Rio de Janeiro), montado

num cavalo, e terminou com o último Gabinete da Monarquia, que se encontrava

em reunião naquele local.

Como se deu a proclamação da República?
O estabelecimento da República no Brasil não teve uma participação popular. A

conspiração que derrubou a monarquia ficou restrita a poucos republicanos. En-

tre eles estavam Rui Barbosa, deputado e jornalista, Aristides Lobo e Quintino

Bocaiúva, as maiores lideranças republicanas do Rio de Janeiro, Francisco Glicério,

proeminente chefe do Partido Republicano Paulista, e Benjamim Constant, esta-

dista, militar e professor.

Benjamim Constant começou a conspirar para a derrubada da monarquia no início

de novembro de 1889. No dia 11 do mesmo mês, Rui Barbosa, Aristides Lobo, Ben-

jamim Constant e Quintino Bocaiúva, entre outros, conseguiram a adesão do Ma-

rechal Deodoro da Fonseca, figura de maior prestígio do Exército que relutara em

participar do movimento devido à sua amizade com o imperador. Eles decidiram

que o golpe seria efetuado no dia 20 de novembro.

Diversos boatos foram espalhados pelos jovens oficiais, entre os quais o Major

Sólon Ribeiro. Circulava a notícia que o governo tinha ordenado a prisão dos en-

volvidos, em especial Deodoro e Benjamim Constant, transferido batalhões para

as províncias e, até mesmo, extinto o Exército, substituindo-o pela Guarda Naci-

onal. Essas especulações provocaram uma reação imediata.

Na manhã de 15 de novembro de 1889, Deodoro, à frente de um batalhão, mar-

chou para o Ministério da Guerra, depondo o Gabinete de Ouro Preto. Não houve

resistência. Os revoltosos conseguiram a adesão das tropas governistas. Deodo-

ro, que estava doente, retirou-se para a sua residência e os militares voltaram

aos quartéis. Alguns republicanos, entre os quais José do Patrocínio, preocupados

com a indefinição do movimento, dirigiram-se à Câmara de Vereadores do Rio de

Janeiro, proclamando a República. Patrocínio intitulou-se "proclamador civil da

República".

Quais os fatos que levaram à proclamação?
Existia um descompasso entre a monarquia escravista e uma boa parcela da

oficialidade jovem do Exército, abolicionista e republicana. Este abismo não foi

solucionado com a abolição da escravidão, em 13 de maio do mesmo ano. A pro-

paganda republicana também se tornava mais intensa através da imprensa e de

comícios buscando a adesão da população. As críticas contundentes aos mem-

bros da família imperial, em especial ao "decrépito" imperador Pedro II, visavam

evitar o estabelecimento de um Terceiro Reinado, sob a égide da Princesa Isabel

e do Conde d'Eu, seu marido de nacionalidade francesa. Criticava-se o Poder Mo-

derador, a vitaliciedade do Senado, a ausência de liberdade religiosa e a inexis-

tência de autonomia das províncias. Enfim, desejava-se uma descentralização ad-

ministrativa e política. O estabelecimento do último Gabinete do Império, liderado

pelo liberal Visconde de Ouro Preto, em junho de 1889, foi uma tentativa de imple-

mentar as reformas reivindicadas pelos setores oposicionistas, porém sem sucesso.

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




.

.

Greve leva universidade do Acre a adiar vestibular

A Universidade Federal do Acre (UFAC), em greve desde 15 de agosto, adiou seu vestibular

para o ano que vem. Segundo Isaque de Souza, delegado da associação dos docentes da

UFAC, a decisão está relacionada com a greve dos técnicos administrativos.

"É uma decisão que está relacionada com a greve dos técnicos administrativos

uma vez que a realização do vestibular envolve uma estrutura muito grande de

pessoal", afirmou. "Vale ressaltar que não foi uma decisão do movimento de greve".

Isaque de Souza disse ainda que os professores do Acre em greve ainda não discu-

tiram a reposição de aulas. "Tão logo o impasse seja resolvido, imediatamente ini-

ciará a discussão sobre o calendário do segundo semestre".

Os professores da Universidade Federal de Brasília (UnB), em greve desde 6 de se-

tembro, também não discutiram ainda a reposição das aulas. O presidente da As-

sociação dos Docentes da Universidade de Brasília, Rodrigo Dantas, afirmou que a

maior preocupação no momento é o atendimento das reivindicações dos professores.

"O movimento ainda não amadureceu uma posição em relação à questão do calen-

dário e do vestibular", diz.

A greve, que já dura mais de dois meses, atinge cerca de 40 universidades fede-

rais e mais de 60% dos professores, segundo dados Sindicato Nacional dos Docen-

tes das Instituições de Ensino Superior (Andes). A assessoria do Andes informou

que cada universidade é responsável pela realização do vestibular e reposição das

aulas.

Agência Brasil

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




.

.

Ensino básico terá duas avaliações este ano
Sexta, 04 de novembro de 2005, 15h18

O Ministério da Educação (MEC) modificou o sistema de avaliação do ensino

básico, que compreende os ensinos fundamental e médio. O antigo Sistema

Nacional de Avaliação da Educação Básica (Saeb) passa a se chamar Ava-

liação Nacional da Educação Básica. Além disso, haverá o Prova Brasil, que

vai examinar cada escola pública urbana com pelo menos 30 alunos nas

quartas e oitavas séries do ensino fundamental. As duas avaliações passam

a integrar o novo Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica.

Entenda a diferenças entre as duas avaliações do ensino básico; clique aqui

neste link!

http://educaterra.terra.com.br/educacao/

O Prova Brasil será aplicado em 43 mil escolas pública urbanas em 5.419 mu-

nicípios e avaliará 5 milhões de alunos de 4ª e 8ª séries do ensino fundamental.

Já a Avaliação Nacional da Educação Básica continuará sendo feita por amos-

tragem, com 400 mil alunos de 4ª e 8ª séries do ensino fundamental e da 3ª

série do ensino médio das escolas urbanas e rurais, tanto públicas como privadas.

Serão avaliadas 7 mil escolas, 7 mil diretores e 17 mil professores nos 26 estados

e no Distrito Federal.

A coordenadora-geral do Saeb, Luiza Uema, aponta que, com o novo sistema,

será possível fazer uma avaliação mais completa do ensino público brasileiro. "O di-

ferencial é que, nas avaliações anteriores, por serem por amostragem, nós obtínha-

mos resultados por unidade da federação", explica. Segundo ela, a partir de agora,

os resultados serão mais precisos, uma vez que vão ser avaliadas todas as escolas

 públicas urbanas com mais de 30 alunos nas 4ª e 8ª séries.

"Então, teremos condições de fornecer a gestores de cada unidades escolar que

entra nessa avaliação informações sobre o desempenho de seus alunos, as fragil-

idades dos seus alunos em leitura e matemática, não só para o gestor da unidade

escolar, mas para os gestores municipal, estadual e federal", ressalta a coorde-

nadora-geral.

Para Luiza Uema, a avaliação por unidade escolar permite conhecer de perto a

realidade do ensino público no país. "Sabemos que há escolas que, embora te-

nham a mesma infra-estrutura e corpo docente, têm desempenhos diferenciados.

" Segundo o MEC, o objetivo da avaliação não será apontar quais são as escolas

mais fracas, mas mostrar que aspectos fazem do desempenho dos alunos melho-

rar ou piorar.

Ambas as provas estão marcadas para este mês. A Avaliação Nacional da Edu-

cação Básica será aplicada entre os dias 7 e 11, e, o Prova Brasil, entre os dias

16 e 30. Nos dois exames os alunos farão provas de Língua Portuguesa, com

foco em leitura, e de Matemática.

De acordo com a coordenadora-geral, o custo total das avaliações será de R$ 59

milhões – R$ 55 milhões para o Prova Brasil e R$ 4 milhões para a Avaliação Naci-

onal da Educação Básica. A previsão é que os resultados dos exames sejam divul-

gados até maio.

Agência Brasil

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




.

Inscrições para o ProJovem terminam dia 15 de novembro
Sexta, 11 de novembro de 2005, 09h14

Terminam na próxima terça-feira (15) as inscrições para o Programa Na-

cional de Inclusão de Jovens (ProJovem). Quem tem de 18 a 24 anos de

idade, terminou a quarta série e não concluiu o ensino fundamental e não

trabalha com carteira profissional assinada pode se inscrever gratuita-

mente pelo telefone 0800-642-7777, diariamente, de 6 às 24 horas, inclu-

sive no sábado, domingo e feriado.

O ProJovem está implantado no Distrito Federal e nas 26 capitais dos es-

tados, mas nesta fase não serão aceitas inscrições para as cidades de

Belo Horizonte, Salvador, Recife e Macapá, que já atingiram o número de

vagas previstas.

Ao inscrever-se, o candidato deve fornecer identidade, nome da mãe e

endereço completo - se possível, com o CEP. O curso tem duração de um

ano e permitirá ao jovem concluir o ensino fundamental, aprender uma

profissão, desenvolver atividades de interesse comunitário e receber R$

100 por mês.

Agência Brasil

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




.

.

Número de matrículas do ensino básico cai 380 mil em relação a 2004
Sexta, 11 de novembro de 2005, 13h17

O número de matrículas em todos os níveis do ensino básico caiu 380 mil em

relação ao ano passado, segundo o Censo Escolar 2005.

De acordo com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio

 Teixeira (Inep), a redução no número de matrículas dos ensinos infantil, funda-

mental, médio, educação de jovens e adultos e profissional de nível técnico foi

causada pela queda da taxa de natalidade e pela diminuição dos índices de re-

petência.

Segundo a versão preliminar do relatório, o total geral de matrículas passou de

56.851.090 para 56.469.518. No ensino fundamental houve redução de 479.727

 matrículas da 1ª à 4ª série e de 171.242 da 5ª à 8ª. No ensino médio, esse nú-

mero chega a 137.037. As quedas mais expressivas do ensino fundamental foram

registradas nos estados da Bahia, Minas Gerais, Ceará, Rio Grande do Sul, Per-

nambuco, Paraná e Goiás. São Paulo registrou a maior queda no número de ma-

trículas do ensino médio.

Segundo o Inep, os índices de matrícula na educação básica vêm caindo ao longo

dos anos. Em 2000, a redução se deu nas primeiras séries do ensino fundamental.

Em 2003, foi verificada a tendência entre os alunos de 5ª à 8ª. Desde 2004, o nú-

mero de matrículas se estabilizou no ensino médio, mas, de acordo com a avalia-

ção do instituto, devem começar a cair a partir desse ano.

Até o dia 5 de dezembro, o Inep terá os dados do Censo Escolar consolidados, e

sua versão definitiva será publicada em 31 de dezembro junto com os coeficien-

tes de distribuição do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Funda-

mental e de Valorização do Magistério (Fundef).

Fonte: Inep

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem