BRASIL , Sudeste , Homem , de 26 a 35 anos , Portuguese , English , Música , Esportes , Amor
Outro -
Magia Gifs - O melhor site de GIFs!

Meu Humor



PERFIL
Nome:Nilceu Francisco

Aniversário:11 de julho

Cidade:Campinas-SP

Gosto:Boas amizades, Viver, Conquistar, Amar

Hobby:Compor

Filmes:Aprecio a todos os gêneros

Músicas:Dance, Românticas... Preferidas :Folhas de outono; As rosas não falam, Palavras lindas...

GREVE DOS PROFESSORES EM SP

SOM
Tema do filme " Ao mestre com carinho"


ALUNOS, EX-ALUNOS DE DIVERSAS ESCOLAS ONDE TRABALHO OU TRABALHEI.

MEUS OUTROS BLOGS

PAPAIS


FOLCLORE


OLIMPÍADAS BRASIL LÁ


CÂMERA OCULTA


O UÓ DO BOROGODÓ


MAMÃES


PAIXÃO POR CRISTO


BIG & BLOG


TÔ COM A MACACA


ENVIE CARINHOS


LOVE STORIESS


BLOG NILCEU


GARGALHADAS


RECANTO SANTISTA


BLOG POLÍTICA


PROSAMOROSA


BLOG ADULTO


FOTOLOG DA FAMA


FOTOBLOG SENSUAL


NATAL DOS SONHOS-Pesquisa


BLOG NEWCEU- Pesquisa


BLOG PAN-PAN - Pesquisa


BLOG FOLCLORE - Pesquisa


CAUSOS & FOLIAS - Pesquisa


BYE, BYE, tristeza - Pesquisa


ESPORTES & SPORTS - Pesquisa


HOME

LINKS

Aulas
ANPED
APEOESP
APRENDIZ UOL
Banco Brasil
BANCO ITAÚ
BANESPA
BLOGGER
BOL
BRADESCO
CAIXA FEDERAL
CENP - EDUNET
Como estudar
CONCURSOS
CPP
CURIOSIDADES
D.E. Leste
D.E. Oeste
Downloads Livros
ENEM
FATOS
Folclore
G1 Notícias
Gifs Best
GLOBO
Imprensa Oficial
Lição Casa
Ling Estrangeira
Literat e Gramát
Livros-Downloads
Ministério Fazenda
MEC
Nossa Caixa
PEGADINHAS
Portal MEC
Prefeitura Cps
PUCCAMP
Revista Profs
Secretaria Educação
TERRA
UNICAMP
UOL
USP
YAHOO
Manual Profs
Sonhos
Extra/Globo
EducarCrescer
EAD


Votação

Dê uma nota para meu blog OBRAS DE ARTE ALEIJADINHO, ANITA MALFATI, PORTINARI, MICHELANGÊLO, TARSILA DO AMARAL


INDIQUE

Indique esse Blog PESQUISE ARQUIVOS

25/08/2013 a 31/08/2013

11/08/2013 a 17/08/2013

21/07/2013 a 27/07/2013

23/06/2013 a 29/06/2013

21/04/2013 a 27/04/2013

14/04/2013 a 20/04/2013

07/04/2013 a 13/04/2013

11/11/2012 a 17/11/2012

04/11/2012 a 10/11/2012

14/10/2012 a 20/10/2012

01/07/2012 a 07/07/2012

29/04/2012 a 05/05/2012

22/04/2012 a 28/04/2012

26/02/2012 a 03/03/2012

29/01/2012 a 04/02/2012

08/01/2012 a 14/01/2012

01/01/2012 a 07/01/2012

18/12/2011 a 24/12/2011

27/11/2011 a 03/12/2011

20/11/2011 a 26/11/2011

13/11/2011 a 19/11/2011

23/10/2011 a 29/10/2011

09/10/2011 a 15/10/2011

18/09/2011 a 24/09/2011

11/09/2011 a 17/09/2011

04/09/2011 a 10/09/2011

14/08/2011 a 20/08/2011

07/08/2011 a 13/08/2011

10/07/2011 a 16/07/2011

26/06/2011 a 02/07/2011

05/06/2011 a 11/06/2011

29/05/2011 a 04/06/2011

08/05/2011 a 14/05/2011

24/04/2011 a 30/04/2011

10/04/2011 a 16/04/2011

13/03/2011 a 19/03/2011

27/02/2011 a 05/03/2011

20/02/2011 a 26/02/2011

06/02/2011 a 12/02/2011

16/01/2011 a 22/01/2011

26/12/2010 a 01/01/2011

19/12/2010 a 25/12/2010

05/12/2010 a 11/12/2010

07/11/2010 a 13/11/2010

17/10/2010 a 23/10/2010

10/10/2010 a 16/10/2010

03/10/2010 a 09/10/2010

12/09/2010 a 18/09/2010

05/09/2010 a 11/09/2010

29/08/2010 a 04/09/2010

22/08/2010 a 28/08/2010

15/08/2010 a 21/08/2010

08/08/2010 a 14/08/2010

04/07/2010 a 10/07/2010

20/06/2010 a 26/06/2010

13/06/2010 a 19/06/2010

23/05/2010 a 29/05/2010

16/05/2010 a 22/05/2010

02/05/2010 a 08/05/2010

25/04/2010 a 01/05/2010

11/04/2010 a 17/04/2010

04/04/2010 a 10/04/2010

28/03/2010 a 03/04/2010

21/03/2010 a 27/03/2010

14/03/2010 a 20/03/2010

07/03/2010 a 13/03/2010

28/02/2010 a 06/03/2010

21/02/2010 a 27/02/2010

07/02/2010 a 13/02/2010

31/01/2010 a 06/02/2010

24/01/2010 a 30/01/2010

17/01/2010 a 23/01/2010

10/01/2010 a 16/01/2010

27/12/2009 a 02/01/2010

20/12/2009 a 26/12/2009

13/12/2009 a 19/12/2009

29/11/2009 a 05/12/2009

22/11/2009 a 28/11/2009

15/11/2009 a 21/11/2009

08/11/2009 a 14/11/2009

01/11/2009 a 07/11/2009

25/10/2009 a 31/10/2009

18/10/2009 a 24/10/2009

11/10/2009 a 17/10/2009

04/10/2009 a 10/10/2009

27/09/2009 a 03/10/2009

20/09/2009 a 26/09/2009

13/09/2009 a 19/09/2009

06/09/2009 a 12/09/2009

23/08/2009 a 29/08/2009

09/08/2009 a 15/08/2009

02/08/2009 a 08/08/2009

26/07/2009 a 01/08/2009

19/07/2009 a 25/07/2009

12/07/2009 a 18/07/2009

05/07/2009 a 11/07/2009

28/06/2009 a 04/07/2009

21/06/2009 a 27/06/2009

14/06/2009 a 20/06/2009

07/06/2009 a 13/06/2009

31/05/2009 a 06/06/2009

24/05/2009 a 30/05/2009

17/05/2009 a 23/05/2009

10/05/2009 a 16/05/2009

03/05/2009 a 09/05/2009

26/04/2009 a 02/05/2009

19/04/2009 a 25/04/2009

12/04/2009 a 18/04/2009

05/04/2009 a 11/04/2009

29/03/2009 a 04/04/2009

22/03/2009 a 28/03/2009

15/03/2009 a 21/03/2009

08/03/2009 a 14/03/2009

01/03/2009 a 07/03/2009

22/02/2009 a 28/02/2009

08/02/2009 a 14/02/2009

01/02/2009 a 07/02/2009

25/01/2009 a 31/01/2009

18/01/2009 a 24/01/2009

11/01/2009 a 17/01/2009

04/01/2009 a 10/01/2009

28/12/2008 a 03/01/2009

21/12/2008 a 27/12/2008

14/12/2008 a 20/12/2008

07/12/2008 a 13/12/2008

30/11/2008 a 06/12/2008

23/11/2008 a 29/11/2008

16/11/2008 a 22/11/2008

09/11/2008 a 15/11/2008

02/11/2008 a 08/11/2008

26/10/2008 a 01/11/2008

19/10/2008 a 25/10/2008

12/10/2008 a 18/10/2008

05/10/2008 a 11/10/2008

28/09/2008 a 04/10/2008

14/09/2008 a 20/09/2008

07/09/2008 a 13/09/2008

31/08/2008 a 06/09/2008

24/08/2008 a 30/08/2008

17/08/2008 a 23/08/2008

10/08/2008 a 16/08/2008

03/08/2008 a 09/08/2008

27/07/2008 a 02/08/2008

20/07/2008 a 26/07/2008

13/07/2008 a 19/07/2008

06/07/2008 a 12/07/2008

29/06/2008 a 05/07/2008

22/06/2008 a 28/06/2008

15/06/2008 a 21/06/2008

08/06/2008 a 14/06/2008

01/06/2008 a 07/06/2008

25/05/2008 a 31/05/2008

18/05/2008 a 24/05/2008

11/05/2008 a 17/05/2008

04/05/2008 a 10/05/2008

27/04/2008 a 03/05/2008

20/04/2008 a 26/04/2008

13/04/2008 a 19/04/2008

06/04/2008 a 12/04/2008

30/03/2008 a 05/04/2008

23/03/2008 a 29/03/2008

16/03/2008 a 22/03/2008

09/03/2008 a 15/03/2008

02/03/2008 a 08/03/2008

24/02/2008 a 01/03/2008

17/02/2008 a 23/02/2008

10/02/2008 a 16/02/2008

03/02/2008 a 09/02/2008

27/01/2008 a 02/02/2008

20/01/2008 a 26/01/2008

13/01/2008 a 19/01/2008

06/01/2008 a 12/01/2008

30/12/2007 a 05/01/2008

23/12/2007 a 29/12/2007

16/12/2007 a 22/12/2007

09/12/2007 a 15/12/2007

02/12/2007 a 08/12/2007

25/11/2007 a 01/12/2007

18/11/2007 a 24/11/2007

11/11/2007 a 17/11/2007

04/11/2007 a 10/11/2007

28/10/2007 a 03/11/2007

21/10/2007 a 27/10/2007

14/10/2007 a 20/10/2007

07/10/2007 a 13/10/2007

30/09/2007 a 06/10/2007

23/09/2007 a 29/09/2007

16/09/2007 a 22/09/2007

09/09/2007 a 15/09/2007

02/09/2007 a 08/09/2007

26/08/2007 a 01/09/2007

19/08/2007 a 25/08/2007

12/08/2007 a 18/08/2007

05/08/2007 a 11/08/2007

29/07/2007 a 04/08/2007

22/07/2007 a 28/07/2007

15/07/2007 a 21/07/2007

08/07/2007 a 14/07/2007

01/07/2007 a 07/07/2007

24/06/2007 a 30/06/2007

17/06/2007 a 23/06/2007

10/06/2007 a 16/06/2007

03/06/2007 a 09/06/2007

27/05/2007 a 02/06/2007

20/05/2007 a 26/05/2007

13/05/2007 a 19/05/2007

06/05/2007 a 12/05/2007

29/04/2007 a 05/05/2007

22/04/2007 a 28/04/2007

15/04/2007 a 21/04/2007

08/04/2007 a 14/04/2007

01/04/2007 a 07/04/2007

25/03/2007 a 31/03/2007

18/03/2007 a 24/03/2007

11/03/2007 a 17/03/2007

04/03/2007 a 10/03/2007

25/02/2007 a 03/03/2007

18/02/2007 a 24/02/2007

11/02/2007 a 17/02/2007

04/02/2007 a 10/02/2007

28/01/2007 a 03/02/2007

21/01/2007 a 27/01/2007

07/01/2007 a 13/01/2007

31/12/2006 a 06/01/2007

24/12/2006 a 30/12/2006

17/12/2006 a 23/12/2006

10/12/2006 a 16/12/2006

03/12/2006 a 09/12/2006

26/11/2006 a 02/12/2006

19/11/2006 a 25/11/2006

12/11/2006 a 18/11/2006

05/11/2006 a 11/11/2006

29/10/2006 a 04/11/2006

22/10/2006 a 28/10/2006

15/10/2006 a 21/10/2006

08/10/2006 a 14/10/2006

01/10/2006 a 07/10/2006

24/09/2006 a 30/09/2006

10/09/2006 a 16/09/2006

03/09/2006 a 09/09/2006

27/08/2006 a 02/09/2006

20/08/2006 a 26/08/2006

13/08/2006 a 19/08/2006

06/08/2006 a 12/08/2006

30/07/2006 a 05/08/2006

16/07/2006 a 22/07/2006

09/07/2006 a 15/07/2006

02/07/2006 a 08/07/2006

25/06/2006 a 01/07/2006

18/06/2006 a 24/06/2006

04/06/2006 a 10/06/2006

28/05/2006 a 03/06/2006

21/05/2006 a 27/05/2006

14/05/2006 a 20/05/2006

30/04/2006 a 06/05/2006

23/04/2006 a 29/04/2006

16/04/2006 a 22/04/2006

02/04/2006 a 08/04/2006

19/03/2006 a 25/03/2006

12/03/2006 a 18/03/2006

05/03/2006 a 11/03/2006

19/02/2006 a 25/02/2006

12/02/2006 a 18/02/2006

05/02/2006 a 11/02/2006

29/01/2006 a 04/02/2006

22/01/2006 a 28/01/2006

15/01/2006 a 21/01/2006

08/01/2006 a 14/01/2006

01/01/2006 a 07/01/2006

25/12/2005 a 31/12/2005

18/12/2005 a 24/12/2005

11/12/2005 a 17/12/2005

04/12/2005 a 10/12/2005

27/11/2005 a 03/12/2005

20/11/2005 a 26/11/2005

13/11/2005 a 19/11/2005

06/11/2005 a 12/11/2005

30/10/2005 a 05/11/2005

23/10/2005 a 29/10/2005

16/10/2005 a 22/10/2005

09/10/2005 a 15/10/2005

02/10/2005 a 08/10/2005

25/09/2005 a 01/10/2005

18/09/2005 a 24/09/2005

11/09/2005 a 17/09/2005

04/09/2005 a 10/09/2005

28/08/2005 a 03/09/2005

21/08/2005 a 27/08/2005

14/08/2005 a 20/08/2005

07/08/2005 a 13/08/2005


Créditos




GLOSSÁRIO ACADÊMICO

Glossário acadêmico


O que é graduação, bacharelado, licenciatura, pós-graduação, mestrado, doutorado, período de integralização

Graduação: bacharelado e licenciatura
Os cursos de graduação constituem a primeira etapa da formação no ensino superior e possibilitam a obtenção de títulos de bacharel e licenciado. A Unicamp oferece ainda cursos tecnológicos voltados à formação de mão-de-obra superior e qualificada para atender a necessidades de mercados de trabalho específicos.

O bacharelado, tradicionalmente, prepara o profissional para os setores industrial, comercial e de serviços, onde ele vai aplicar conhecimento em atividades específicas. Em praticamente todas as áreas de atividades – Exatas e Tecnológicas, Humanas, Artes e Biológicas – pode-se obter o título de bacharel.

A licenciatura forma docentes para o ensino fundamental a partir da 5a série e para o ensino médio. São os casos dos professores de Matemática, História, Geografia, etc. Para lecionar da 1a à 4a séries do ensino fundamental a formação em nível superior ocorre no curso de Pedagogia. Tanto bacharéis como licenciados podem cursar pós-graduação e, se for o caso, seguir carreira acadêmica.

Pós-graduação: mestrado e doutorado
Após concluir a graduação, o formado tem a oportunidade de continuar seus estudos nos cursos de pós-graduação, desde que se submeta aos processos de seleção adotados pelas respectivas unidades. A Unicamp oferece cursos de mestrado e de doutorado, que têm como objetivo desenvolver e aprofundar a formação adquirida na graduação.

Para o mestrado o aluno precisa desenvolver uma dissertação sobre um tema escolhido. Pode ser a opção inicial de quem deseja se dedicar à carreira acadêmica, mas também é procurado para melhorar a qualificação profissional.
O doutorado está tradicionalmente voltado à carreira acadêmica. O título de doutor é obtido após a elaboração e aprovação de uma tese.

Período de Integralização
Corresponde ao tempo que a coordenação do curso recomenda para sua conclusão.

Disciplinas eletivas
Garantem a flexibilização do currículo
Os cursos de graduação da Unicamp oferecem inúmeras oportunidades de aprimoramento. A grade curricular abre a possibilidade de o aluno escolher matérias que gostaria de estudar, além daquelas consideradas obrigatórias, para completar sua formação. São as disciplinas eletivas.

Como isso funciona? Em um elenco de matérias previamente relacionadas (e geralmente oferecidas por várias unidades) o aluno elege as que mais o interessam e cumpre o número de créditos necessários para graduar-se. Exemplo: para o bacharelado em Engenharia de Computação, o aluno, além de matérias obrigatórias, deverá estudar outras que deve escolher em uma relação de disciplinas eletivas sugeridas pelo curso, como estudo comparativo de linguagens de programação, ética e legislação profissional ou que abordem educação musical, meio ambiente e trabalhos comunitários. Essa flexibilidade do currículo proporciona uma formação mais generalista e, ao mesmo tempo, rica no seu conteúdo específico.

Iniciação científica
Porta de entrada para a pesquisa
A inserção na iniciação científica ocorre quando o aluno demonstra interesse pela pesquisa. Após a concordância de um professor-orientador, é elaborado um projeto visando à obtenção de bolsa. Nada impede, porém, a atuação voluntária em pesquisas de docentes. Os trabalhos de conclusão de curso também são outra oportunidade para exercitar a investigação científica na graduação.

As bolsas de iniciação científica vêm do Conselho Nacional de Pesquisas (CNPq), através do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (Pibic), da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e da própria Unicamp, por meio das bolsas do Serviço de Apoio ao Estudante (SAE). "Pesquisar é importante mesmo para quem não pretende seguir a carreira acadêmica e proporciona uma formação universitária verdadeiramente completa.

Por isso, é fundamental que o aluno da graduação, em algum momento de sua trajetória pelo curso, faça algum tipo de investigação científica. Ele não precisa fazer grandes descobertas, basta participar do processo de obtenção do conhecimento, compreender como se chega a uma verdade científica. Isso é válido para qualquer atividade profissional", observa o pró-reitor de pesquisa, prof. Fernando Ferreira Costa.

Fonte: UNICAMP

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




Unicamp: Vestibular 2006

Unicamp: Calendário Vestibular 2006

Agosto
D S T Q Q S S
  1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31      
             
mm
Setembro
D S T Q Q S S
        1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30
             
mm
Outubro
D S T Q Q S S
            1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30 31          
         
29/08 a 07/10/2005   Inscrições, venda do Manual e pagamento da taxa. Obs: Candidatos com necessidades especiais devem obrigatoriamente entrar em contato com a Comvest.

26/09 a 07/10

  Período para candidatos com necessidades especiais entregarem documentos/comprovantes de sua necessidade específica. Dias úteis, das 8:30 às 17:30.

20/11  Prova  da 1ª fase

20/12 Lista  dos convocados  e Locais  de exame  da  2ª fase

15 a 18/01/2006   Provas  da  2ª fase

23 a 26/01/2006  Provas de Aptidão

09/02 Primeira  chamada e Lista de espera

14/02 Matrícula da 1ª chamada.

 

 

 

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




Unicamp

Unicamp: Lista de Livros

Os textos serão exigidos para os vestibulares de 2004, 2005 e 2006 Além da leitura dessas obras, a Universidade espera que o candidato tenha experiência de leitura de poemas em língua portuguesa. Os textos curtos (poesia), eventualmente utilizados na elaboração de algumas questões, deverão ser transcritos na própria prova.

LITERATURA PORTUGUESA
Gil Vicente, O velho da horta
Camilo Castelo Branco, A Brasileira de Prazins
Antonio Lobo Antunes, Os cus de Judas

LITERATURA BRASILEIRA
José de Alencar, O demônio familiar
Alcântara Machado, Brás, Bexiga e Barra Funda
Graciliano Ramos, Angústia
Machado de Assis, Várias Histórias
Nelson Rodrigues, Vestido de noiva
Guimarães Rosa, Manuelzão e Miguilim

Para o Vestibular 2007 essa lista será modificada. A lista será unificada com a Fuvest.

 

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




PUC- Campinas

PUC- Campinas

A Coordenação de Ingresso Discente da PUC-Campinas

divulga o calendário do Vestibular para 2006

As coordenações de vestibular das principais Universidades do país, dentre elas a PUC-Campinas, divulgaram simultaneamente as datas de seus Processos Seletivos para 2006. O calendário anunciado por cada uma das instituições (PUC-Campinas, Unicamp, Fuvest, Unesp, UFSCar, Unifesp, ITA e PUC-SP) é fruto de um trabalho integrado entre as universidades para evitar a coincidência de datas no próximo vestibular.

Calendário do Vestibular PUC-Campinas – 2006

  • 01 de setembro a 10 de outubro de 2005 - Período de Inscrições;
  • 26 de novembro de 2005 - Prova de Habilidade em Linguagem Arquitetônica;
  • 02 e 03 de dezembro de 2005 - Provas (Específica e Geral);
  • 17 de dezembro de 2005 - Divulgação dos Resultados;
  • 20 a 22 de dezembro de 2005 - Matrícula dos Convocados.

 

A Coordenadoria do Ingresso Discente, responsável pela organização do processo seletivo da PUC-Campinas, informa os livros selecionados para a prova de Literatura Brasileira:

As inscrições para o Vestibular 2006 da PUC-Campinas acontecem de 01 de setembro a 10 de outubro de 2005 e as provas Específica e Geral ocorrerão nos dias 02 e 03 de dezembro de 2005.

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




USP E AS COTAS

USP E AS COTAS

USP frustra as expectativas pelas cotas

A USP não adotará o sistema que ela classifica como simples reserva de vagas, apesar de movimentos sociais terem visto na criação de um mestrado da Faculdade de Direito um indício de que a universidade iria implementar as cotas tanto na graduação quanto na pós-graduação. É o que afirma a pró-reitora de pós-graduação, Suely Vilela, integrante do Conselho Universitário (órgão máximo da instituição).

Nesse mestrado, em direitos humanos, um terço das cadeiras será destinado a negros, indígenas, deficientes físicos ou candidatos com dificuldade socioeconômica. É a primeira vez que a universidade adota esse método.

"A reserva de vagas que não considera o mérito acadêmico não será introduzida na USP", disse a pró-reitora. A universidade entende que o sistema pode diminuir a qualidade do ensino.

Para Vilela, nem mesmo o sistema adotado no novo mestrado pode ser chamado de cotas, pois os beneficiados terão de passar pelas mesmas avaliações que os demais --as provas de língua estrangeira e de conhecimentos específicos são eliminatórias. Já para o jurista Fábio Comparato, um dos coordenadores do curso, ele pode ser chamado de cotas.

"Falta reflexão à diretoria da USP", afirmou o coordenador da ONG Educafro, frei Davi Santos. "Não vamos nos contentar com migalhas", disse o coordenador do MSU (Movimento dos Sem Universidade), Sérgio Custódio. Apesar das críticas à USP, os dois elogiaram o sistema do mestrado.

Há também reclamação quanto aos R$ 150 da inscrição e sobre a prova de língua estrangeira, que exige 70% de acerto.

O presidente da comissão de pós-graduação da Faculdade de Direito, Ignácio Maria Poveda Velasco, afirma que haverá cerca de 30 isenções da taxa e que o conhecimento em língua estrangeira é necessário, pois há literatura de outros países no programa. As inscrições vão até 5 de agosto.

FOLHA DE S.PAULO


 

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




CURSO SEM MATÉRIA: PARTE II

CURSO SEM MATÉRIA: PARTE II

Universidade federal cria curso

sem matéria : PARTE  II

Soluções

Com o formato, a Unifesp pretende sanar problemas que ela identificou em cursos tradicionais, como a falta de conexão entre as disciplinas e a concentração de matérias básicas no começo do programa, separando-as dos conhecimentos práticos. Nos cursos de saúde, a instituição detectou uma outra dificuldade: a prioridade na questão biológica, deixando de ver os problemas de forma global --por isso o eixo social.

Comissões com especialistas da Unifesp trabalharam durante um ano e meio na elaboração do currículo. "Em um primeiro momento, a proposta assustou aqui", disse o diretor acadêmico do novo campus, Nildo Alves Batista, sobre os conselhos que definem as ações da instituição.

Segundo Batista, o modelo não foi inspirado em nenhuma outra universidade. "Pegamos apenas alguns conceitos", afirmou ele, que dirige o Centro de Desenvolvimento do Ensino Superior em Saúde da Unifesp.

"Essa interdisciplinaridade é uma tendência", diz Sonia Penin, pró-reitora de graduação da USP (Universidade de São Paulo). "A proposta é excelente. Precisamos buscar alternativas como essa."

"É uma proposta inovadora. Depois, é preciso um estudo dos seus resultados", afirma Antônio Chizzotti, professor da pós-graduação em currículo da PUC (Pontifícia Universidade Católica) de São Paulo. "O ensino de uma forma progressiva, sistemática, vem sendo atacado."

Já para o vestibulando de fisioterapia Pedro Henrique Safaki, 19, a nova fórmula gerou insegurança. "Gostaria que fosse mais voltado para a minha carreira", afirmou. "Mas não me assusta não. Vou prestar para esse curso."

O vestibular para os cursos da Baixada Santista será o mesmo do campus da capital. As inscrições começam em 19 de setembro. Como na seleção para este ano, 10% das vagas serão reservadas a negros, pardos ou indígenas provenientes do ensino médio público.


 

 

 

 

 

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




CURSO SEM MATÉRIA: PARTE I

CURSO SEM MATÉRIA: PARTE I

Universidade federal cria curso

sem matéria : parte  I

FÁBIO TAKAHASHI
da Folha de S.Paulo

Uma das principais universidades do país, a Unifesp criou cursos com uma proposta inédita, em que não haverá disciplinas. No lugar delas serão aplicados quatro blocos de ensino. O projeto será implementado no novo campus da instituição federal, em Santos (litoral sul de São Paulo).

Um curso tradicional de fisioterapia tem cerca de 40 matérias. No currículo da Unifesp, as disciplinas foram unidas, formando quatro blocos, os eixos.

Com isso, as discussões serão temáticas. Por exemplo, no bloco de enfoque social, a aula pode abordar questões de filosofia. A aula seguinte pode ser do grupo de conteúdo prático, com um fisioterapeuta. Mas a Unifesp ainda vai definir a divisão de temas.

A lógica será a mesma para os outros cursos oferecidos --educação física, terapia ocupacional, nutrição e psicologia. As carreiras começarão a funcionar em 2006.

A intenção é que as matérias tradicionais se complementem. As discussões sempre envolverão conhecimentos em mais de uma área --em decorrência disso, algumas aulas poderão ser dadas por mais de um professor.

Os blocos de ensino foram divididos assim: o primeiro abordará questões biológicas, como genética e anatomia; o segundo, questões sociais, como antropologia e psicologia; o terceiro, a forma de trabalho em uma equipe com diferentes profissionais de saúde; e o quarto focará as atividades específicas de cada um dos cursos.

Os eixos temáticos permanecerão os mesmos até o final do curso. O que mudará será a distribuição da carga entre eles, aumentando gradativamente o quarto bloco, que foca cada carreira --é este que atenderá às exigências mínimas da legislação vigente.

 

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




ARCADISMO

ARCADISMO


ARCADISMO (ou NEOCLASSICISMO)

Características

1. Arte ligada ao Iluminismo. Oposição ao absolutismo despótico e ao poder (barroco) da Igreja.

2. Afirmação orgulhosa da racionalidade. Razão = Verdade = Simplicidade e clareza.

3. Culto da simplicidade. Como se atinge a mesma? Através da imitação (não no sentido de cópia, mas no de seguir modelos já estabelecidos).

4. Imitação dos clássicos. Em especial, Virgílio e Teócrito, clássicos pastoris.

5. Imitação da natureza campestre, isto é, da ordem e do equilíbrio que essa natureza apresenta, o que dá a mesma um caráter de paraíso perdido. Dois elementos decorrem da aproximação do árcade da natureza campestre:

a) Bucolismo: adequação do homem à harmonia e serenidade da
natureza.
b) Pastoralismo: celebração da vida pastoril, vista como um eterno
idílio entre pastores e pastoras.

6. Ausência de subjetividade. O autor não expressa o seu próprio eu, adotando uma forma pastoril (Cláudio Manuel da Costa é Glauceste Satúrnio, Tomás Antônio Gonzaga é Dirceu, Basílio da Gama é Termindo Sipílio, etc.)

7. Amor galante. O amor é entendido como um conjunto de fórmulas convencionais.

Arcadismo no Brasil

· Decorrência da atividade mineradora e da urbanização que dela resultou.

· Criação de Academias e Arcádias onde os letrados procuravam fugir da indiferença do meio.

· Instituição em caráter regular de um sistema literário: autores - obras escritas dentro de uma tendência comum - público leitor permanente.

· Relação com a Inconfidência Mineira. Tomás Antônio Gonzaga foi degredado e Cláudio Manuel da Costa se suicidou na prisão.

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




CARREIRA: PSICOLOGIA

CARREIRA: PSICOLOGIA

Chances, longe dos consultórios

Quem não se lembra da “convocação” de uma psicóloga para se juntar à equipe do Brasil assim que o técnico Wanderlei Luxemburgo assumiu o cargo de treinador da seleção brasileira, em 1998? Psicologia esportiva é um dos campos de atuação em alta desse profissional que estuda os comportamentos, os aspectos ambientais e culturais que interferem na formação das pessoas, seus processos mentais e emocionais. “A psicologia vem se firmando como um recurso importante para o bem-estar das pessoas”, analisa o presidente do Conselho Regional de Psicologia do Estado de Minas Gerais e Espírito Santo, Roberto Chateaubriand.

Um alerta para quem quer atender por conta própria, quando botar a mão no diploma: sobram consultórios de psicologia nos grandes centros. Uma pesquisa recente do Conselho Regional de Psicologia abrangendo os Estados de São Paulo, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul indicou que 54% dos profissionais formados atuam dessa forma. Em seguida, vem a área escolar, de orientação psicopedagógica, com 18% de participação – professores, alunos e pais recebem orientação sobre dificuldades com a aprendizagem. Na área organizacional, que abriga 13% dos psicólogos, o trabalho está relacionado à aplicação de testes para ingresso em empresas, treinamento, capacitação e avaliação de pessoal. É uma das áreas que mais tem contratado no país. As empresas de maior porte têm equipes próprias e as menores lançam mão dos serviços de consultores ou da contratação de terceiros.

Essas três áreas – clínica, escolar e organizacional – são tradicionalmente os campos de atuação do psicólogo e, conseqüentemente, as áreas para as quais os cursos universitários estão mais voltados. Hoje, porém, as perspectivas de trabalho vêm se expandindo. A psicologia jurídica (varas de família, juizado de menores) cresceu nos últimos anos por causa dos processos de adoção, violência contra menores e devido também à disputa pela guarda dos filhos na separação de casais. Outro tipo de serviço em expansão é o voltado para os idosos, presos e menores, conhecido como psicologia social. Até agências de publicidade vêm recrutando psicólogos – sua função é coordenar pesquisas com o público sobre a imagem do produto. Na carreira de magistério, o profissional pode dar aulas de psicologia para alunos de nível médio e cursos técnicos.

Em todas as áreas, porém, o trabalho do psicólogo é cada vez mais multidisciplinar. “Numa empresa, o psicólogo não pode mais pensar no recrutamento apenas sob a sua perspectiva. Precisa estar integrado com economistas, administradores e até técnicos específicos que solicitam o candidato”, acrescenta Chateaubriand. Na escola, por exemplo, o psicólogo pode trabalhar ao lado do fonaudiólogo ou do pedagogo. Em um hospital, integra uma equipe médica. Em uma penitenciária ou em instituições para menores, vai estar junto de sociólogos, antropólogos e assistentes sociais.

No início do curso, as disciplinas estudadas são psicologia social, do desenvolvimento e da personalidade. Mas o aluno estuda também fisiologia, neurologia, sociologia e estatística. Em geral, depois dos dois primeiros anos, pode-se escolher entre as matérias optativas que definem a área de atuação. Nos primeiros anos, os profissionais costumam cobrar entre R$ 40 e R$ 50 a hora da consulta.

Duração média do curso: quatro anos para o bacharelado, mais um para se formar psicólogo

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




CARREIRA: NUTRIÇÃO

CARREIRA: NUTRIÇÃO

No compasso da vida moderna

Cenas comuns, hoje, no Brasil: na entrada do restaurante de uma fábrica de peças para automóveis estão afixados dois menus – um baixo em gorduras e açúcares para quem está em dieta; outro com mais calorias e mesmo assim devidamente balanceado em carboidratos, proteínas e gorduras. Em uma academia de São Paulo, os clientes marcam horário para obter orientações sobre uma alimentação saudável e, ao mesmo tempo, que os ajude a emagrecer. Nos dois casos, o personagem principal das histórias é o nutricionista, profissional da área de saúde que se encarrega de ajustar hábitos alimentares às necessidades específicas individuais ou de determinados grupos.

Como aumenta a consciência da importância dos cuidados com a alimentação, os nutricionistas ampliam seu mercado de trabalho. Até mesmo os hospitais – tradicionais campos de atuação – têm aumentado a incorporação desse profissional a seus quadros de funcionários. “A nutrição tem interface com muitas áreas e a cada dia se descobre uma novidade”, conta a presidente da Associação Mineira de Nutrição, Jussara Passos. “Há dez anos, por exemplo, ninguém relacionava essa ciência ao esporte.” Hoje, essa é uma das áreas mais procuradas pelos recém-formados, que precisam ter aptidão para bioquímica e fisiologia se quiserem se dar bem nesse setor.

As atividades do nutricionista são exercidas também por formados em biologia e medicina com especialização em nutrologia. Mas, mesmo bastante concorrido, o mercado de Nutrição é amplo e vem incorporando aspectos da vida moderna aos desafios profissionais. Em Alagoas, por exemplo, 16,29% das crianças são subnutridas. Porém, a obesidade infantil cresce a uma velocidade assustadora. Acrescente-se a isso o aumento de doenças cujas causas podem estar relacionadas a fatores dietéticos. Evitar doenças provocadas pela desnutrição e hábitos alimentares incorretos está, portanto, na pauta dos nutricionistas.

Por causa de fregueses mais exigentes, empresas de alimentação têm usado o nutricionista para coordenar pesquisas de produtos e testar receitas, promover degustações e avaliação sensorial. “Essa é a atuação em marketing, uma das mais promissoras”, diz a presidente da Associação Brasileira de Nutrição (ABN), Albaneide Peixinho. Outras tarefas que podem ser desempenhadas em indústrias alimentícias envolvem a supervisão e a gerência do processo de produção de alimentos como comprar e armazenar a matéria-prima ou produtos acabados, além da observação rigorosa dos procedimentos higiênicos.

A área da nutrição clínica também está crescendo bastante, segundo Albaneide. O trabalho é feito em conjunto com médicos – em geral pediatras ou endocrinologistas – que encaminham pacientes ao nutricionista. Sua incumbência é prescrever dietas, adaptando a alimentação a cada tratamento. O nutricionista tem capacitação para participar de programas de saúde pública – seja orientando a população sobre a melhor maneira de aproveitar os alimentos, ou em programas de merenda escolar, alimentação em creches etc.

A Associação Brasileira de Nutrição e o Ministério da Saúde estão elaborando, desde 1997, um projeto para a avaliação da formação dos nutricionistas. O curso inclui disciplinas básicas – bioquímica, biologia, patologia – e profissionalizantes – de bramatologia e tecnologia de alimentos até nutrição clínica, social passando por técnicas de higiene.
As aulas práticas acontecem não apenas em laboratórios, mas também em cozinhas experimentais.

Duração média do curso: quatro anos

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




CARREIRA: MEDICINA

CARREIRA: MEDICINA

O médico da família está de volta

Tradição difícil de quebrar, este continua sendo um dos cursos mais disputados. Na Universidade de Brasília ou na Unesp, em Botucatu (SP), havia mais de cem candidatos por vaga no último vestibular.

Depois de vencer esse primeiro desafio, a coisa não fica mais fácil. São seis anos de estudos, mais dois de residência. E, quando o médico finalmente sai à procura de emprego, se depara com o seguinte quadro: metade dos médicos brasileiros tem entre três e quatro empregos, incluindo consultório próprio, segundo uma pesquisa realizada pela Fundação Oswaldo Cruz e Escola Nacional de Saúde Pública, em 1996.
“Há excesso de médicos no país, embora a distribuição seja desigual”, avalia o presidente da Comissão de Publicidade Médica do Conselho Regional de Medicina do Estado de Minas Gerais, Sérgio Moreira da Costa. “Em algumas capitais brasileiras, chega-se a ter um médico para cada grupo de 250 habitantes, enquanto a proporção ideal é de um para mil, segundo a Organização Mundial de Saúde”, acrescenta Costa.

Por que, então, a procura se mantém em alta? A pesquisa da Fiocruz aponta a existência de uma linhagem médica: 48% dos médicos têm parentes diretos que também são doutores. Dificilmente você vai encontrar um que não fale do desgaste físico e mental que a profissão provoca, ao mesmo tempo em que discorre sobre o prazer de exercê-la. Sua responsabilidade, como conhecedor das funções de cada órgão do corpo humano, é diagnosticar doenças e escolher o melhor procedimento para combatê-las. Prevenir também faz parte de suas tarefas, principalmente se for especialista na área de saúde pública.

Mas essa é apenas uma das especialidades que o profissional pode escolher entre mais de 65 opções reconhecidas pelo Conselho Federal de Medicina – hematologia (sangue), pediatria (crianças), cardiologia (coração), oncologia (câncer), tisiologia (tuberculose) etc. O aumento da expectativa de vida da população tem valorizado especialistas em males relacionados à terceira idade – geriatras (doenças do envelhecimento), reumatologistas (cartilagens e articulações) e nefrologistas (rins).

Ao mesmo tempo em que crescem as especializações, porém, aumenta o reconhecimento da necessidade de médicos generalistas, como os antigos clínicos de família, capazes de fazer diagnósticos observando os pacientes, sem exagerar nos exames laboratórios – dados da Sociedade Brasileira de Clínica Médica indicam que 70% dos exames feitos em São Paulo não acusam nenhuma anormalidade. Depois de quase ter desaparecido na última década, a figura do clínico geral está ressurgindo especialmente em programas de saúde estatais.

Na década dos 80, houve um boom de escolas de Medicina – nem sempre instituições com infra-estrutura adequada. Tanto que o Conselho Federal de Medicina e outros órgãos do setor estudam a criação de um órgão equivalente à OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), que faria um exame de classe para validar o exercício da profissão.

Os dois primeiros anos de Medicina são básicos, com disciplinas como biologia, fisiologia etc. As matérias clínicas começam a partir do terceiro ano, quando o estudante também começa o atendimento ambulatorial. No quarto e quinto anos, há estágios e plantões na própria faculdade – se esta tiver um hospital-escola, o que é um bom indício de qualidade – ou em centros de saúde. Depois, virão os dois anos de residência, não obrigatórios, mas importantes para a formação. “A cada ano, apenas a metade dos 8 mil formandos consegue fazer residência”, diz Costa. Os estudos não terminam por aí. Mais que em qualquer outra profissão, a Medicina exige alto grau de atualização. Uma pesquisa da Fundação Oswaldo Cruz e da Escola Nacional de Saúde Pública indicou que os salários iniciais da categoria estão em torno de R$ 2,3 mil.

Duração média do curso: seis anos, mais dois a cinco anos de especialização.

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




CARREIRA: FISIOTERAPIA

CARREIRA: FISIOTERAPIA

As LER aumentam a demanda

Todas as quartas-feiras, os funcionários que trabalham nos caixas de uma grande rede de supermercados em São Paulo têm encontro marcado no salão de confraternização da empresa. Às 8 horas, uma fisioterapeuta os espera com colchonetes e diversos outros apetrechos para fazer alongamento e exercícios preventivos contra as lesões por esforços repetitivos (LER), típicas dos digitadores. Quem imaginaria, alguns anos atrás, que o fisioterapeuta teria um emprego desse tipo?

“Infelizmente, a acentuação das doenças provocadas por movimentos repetitivos representa hoje uma grande demanda no trabalho do fisioterapeuta”, diz Rui Gardat, presidente do Conselho Federal de Fisioperapia e Terapia Ocupacional. “Empresas e instituições governamentais utilizam o fisioterapeuta tanto na prevenção quanto no tratamento dos trabalhadores”, acrescenta.

A Fisioterapia é um exemplo de carreira que se adaptou rapidamente às mudanças da vida moderna. Há menos de uma década, sua função era primordialmente ajudar na reabilitação de doentes, idosos e crianças com problemas neurológicos. Hoje, caminha cada vez mais para a prevenção de doenças e para a melhoria da qualidade de vida. Por isso, não estranhe se encontrar um fisioterapeuta ajudando gestantes a aprender a contrair e relaxar os músculos durante o parto – outra novidade na fisioterapia. Ou então trabalhando com reeducação postural global (RPG) em grupos de idosos ou mesmo em empresas.

O esporte é outro segmento com boas oportunidades porque atletas e equipes estão buscando o trabalho do fisioterapeuta principalmente para manutenção da forma física e longevidade da atividade profissional. O atendimento domiciliar tem aumentado, mas em geral o fisioterapeuta trabalha em hospitais, clínicas, postos de saúde, creches, universidades, academias e clubes. “Mas o trabalho liberal, em consultório próprio, é a melhor opção”, defende Gardat. A área estética também tem atraído profissionais. Marcas de cirurgia e de lipoaspiração podem ser amenizadas com exercícios aplicados por fisioterapeutas.

No setor público, a fisioterapia não evolui tanto e o profissional continua desvalorizado. “Os programas de saúde pública não contemplam adequadamente a população e normalmente trazem assistências equivocadas e ineficientes tanto no aspecto preventivo quanto na reabilitação”, explica Gardat.

O fisioterapeuta precisa conhecer o ser humano de maneira global – aspectos físico, psíquico e social – pois deve estar atento à saúde do seu paciente integralmente. Esse profissional desenvolve tratamentos que unem recursos como água, calor, técnicas de movimento e massagens para tratar cada problema, estimulando o paciente.
Ao mesmo tempo em que o campo de atuação de fisioterapia se ampliou, o número de escolas também. Portanto, a concorrência por um posto de trabalho vai aumentar. “A formação das faculdades é adequada e 20% da grade curricular deve ser desenvolvida em hospitais, clínicas especializadas e ambulatórios públicos ou das universidades”, diz Gardat. Em geral, o curso é integral e inclui disciplinas como anatomia, biologia, fisiologia, histologia, formologia, psicologia, entre outras. A formação específica traz massoterapia (massagens), termoterapia (calor e frio) e a cinesioterapia (movimentos). No último ano, há estágio obrigatório em clínica ou hospital. O salário médio inicial está em trono de R$ 800.

Duração média do curso: quatro anos

 

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




FARMÁCIA E BIOQUÍMICA

FARMÁCIA E BIOQUÍMICA

Além das drogarias

Como a maioria dos profissionais da área de saúde do novo milênio, o farmacêutico também persegue a melhoria da qualidade de vida. Tem a seu favor a onda de novos conhecimentos científicos, além dos sofisticados equipamentos que a tecnologia criou. Seu campo de atuação é amplo e há muito tempo não se restringe mais aos balcões de drogarias, embora essa área ainda empregue vários profissionais – ou porque são os próprios patrões ou em obediência à lei que obriga as farmácias a ter um farmacêutico responsável.

Hoje é possível encontrar farmacêuticos atuando na indústria de alimentos, onde cuidam para que não haja microrganismos em produtos como tomates enlatados, leite condensado etc. Na indústria farmacêutica seu papel poderá ser o de controlar a qualidade da produção dos medicamentos ou ainda o de realizar pesquisas no departamento científico de grandes laboratórios em busca de novos princípios ativos ou novas formas de aplicação de medicamentos. Boas oportunidades também existem na indústria de cosméticos, onde se encarregará da formulação do produto, atuando junto a profissionais de diversas áreas.

A flora brasileira é um campo quase inesgotável a ser investigado pelo farmacêutico. Ele pode atuar, ainda, no estudo e no desenvolvimento de terapias como homeopatia e fitoterapia, e em programas que visem promover a saúde da comunidade – como saneamento básico, imunizações, educação em saúde e controle de natalidade. “O farmacêutico deve estar apto a assessorar as equipes de saúde nas questões ligadas a medicamentos”, diz Norberto Reci, vice-presidente do Conselho Federal de Farmácia.

O mercado brasileiro tem grandes diferenças regionais. O Sudeste, por exemplo, está saturado nos segmentos de análises clínicas e toxicológico, áreas mais procuradas pelos recém-formados. São as áreas em que o profissional desenvolve e aplica exames de laboratório. Já nas Regiões Nordeste e Centro-Oeste, ainda há mercado para essa área. Ajudar a desvendar crimes analisando evidências deixadas no local (como fios de cabelo) também é tarefa de farmacêuticos, mas a demanda por profissionais nesse segmento quase não existe.

A polêmica sobre os medicamentos genéricos colocou na ordem do dia o papel do farmacêutico, sem falar no escândalo dos remédios falsificados, em 1998. “O grande desafio do profissional de farmácia é ocupar os espaços e levar a discussão sobre os medicamentos para o âmbito da política nacional de assistência farmacêutica dentro do Sistema Único de Saúde (SUS), assegurando o acesso a medicamentos com eqüidade e universalidade”, defende Reci.

Algumas faculdades exigem que os candidatos ao vestibular escolham previamente entre as habilitações de farmácia e bioquímica. A maioria, no entanto, oferece ao aluno a possibilidade de, após o quarto ano – quando ele já adquiriu o grau de bacharel em farmácia –, fazer mais dois semestres e assim se habilitar em bioquímica. Na formação básica estudam-se disciplinas como química orgânica e inorgânica, físico-química, parasitologia, microbiologia e anatomia humana. Na parte profissionalizante, toxicologia, microbiologia clínica, cosmetologia, qualidade de alimentos, entre outras. Os recém-formados ganham, em média, R$ 800.

Duração média do curso: quatro anos

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




CARREIRA: ENFERMAGEM

CARREIRA: ENFERMAGEM

Atendimento em domicílio

Na Inglaterra e em outros países europeus, a enfermeira obstétrica é responsável pelo nascimento dos bebês. O médico entra em sala apenas quando há alguma dificuldade no parto. No Brasil, pode acontecer a mesma coisa. Recentemente, o Ministério da Saúde autorizou os enfermeiros a realizar partos normais no Sistema Único de Saúde (SUS). O que gerou uma nova e promissora alternativa de trabalho para esses profissionais. Para se ter idéia, em São Paulo apenas 1% dos 22 mil enfermeiros tem essa habilitação.

Outra prática, consolidada na Europa e em outros países desenvolvidos que ganha cada vez mais adesões no Brasil, é o atendimento domiciliar de pacientes em fase de recuperação. Esse recurso diminui o risco de infecção hospitalar e acaba sendo mais barato do que o tratamento em hospital, além de contribuir, em muitos casos, para acelerar o restabelecimento do paciente.

De qualquer modo, a Enfermagem é uma profissão com amplo campo de atuação. Se o assunto for o gerenciamento de hospitais, o enfermeiro poderá auxiliar nas atividades de planejamento, execução e supervisão de serviços, além de coordenar equipes de enfermagem e auxiliares. Se se tratar de saúde pública, a função do enfermeiro será a de orientar a comunidade sobre hábitos de higiene, planejamento familiar, pré-natal, aplicação de vacinas. O Programa de Municipalização da Saúde do governo federal reforça essa área com a proposta de criação de 14 mil vagas de Enfermagem em todo o país, até o ano 2002 – a idéia é alocar um enfermeiro na equipe de agentes de saúde que dará atendimento direto às famílias. Esse seria o enfermeiro generalista. Ou seja, o profissional que tem atuação global.

Em contrapartida, observa-se também uma tendência à especialização: além da enfermagem obstétrica, há a pediátrica (tratamento de crianças e recém-nascidos), a psiquiátrica (auxílio a pacientes com distúrbios psicológicos), médico-cirúrgica (assistência ao médico e ao paciente antes, durante e depois da cirurgia), entre outras. A enfermagem que cuida de idosos, doentes ou não (geriátrica), tem se expandido devido ao crescimento da expectativa de vida dos brasileiros. O setor público concentra cerca de 70% das vagas em hospitais, secretarias e centros de saúde.

Uma profissão marcada pela presença feminina – 90% dos profissionais no Brasil são mulheres –, a Enfermagem enfrenta o desafio de disputar o mercado com pessoal pouco qualificado como auxiliares (formam-se em cursos de onze meses), técnicos (2º grau profissionalizante) e atendentes (formam-se na prática). “A lei que regulamenta a profissão diz que cabe ao enfermeiro todos os cuidados de enfermagem de maior complexidade técnica e que exijam conhecimentos de base científica e capacidade de tomar decisões imediatas”, explica Gilberto Linhares Teixeira, presidente do Conselho Federal de Enfermagem. Já houve épocas mais difíceis. Hoje os enfermeiros conquistaram muito espaço. “Exemplo disso é a sua participação na elaboração, execução e avaliação dos planos assistenciais de saúde”, diz Teixeira.

O curso oferece disciplinas básicas como anatomia, microbiologia e bioquímica no primeiro ano. Em muitas faculdades, já se começa a atender pacientes e a cuidar da enfermaria a partir do segundo ano. Aulas práticas incluem procedimentos de emergência, instrumentação, administração da enfermaria. O salário inicial médio desse profissional gira em torno de R$ 1,2 mil.

Duração média do curso: quatro anos

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




CARREIRA: EDUCAÇÃO FÍSICA

CARREIRA: EDUCAÇÃO FÍSICA

O culto ao corpo permanece

Carlos Ribeiro, de 5 anos, faz natação três vezes por semana. Sua mãe o leva à escola e aproveita para ter aulas de hidroginástica. Você conhece casos como esse? A cada dia aumenta a conscientização de que combater o sedentarismo é importante tanto para as crianças quanto para os adultos. O culto ao corpo, que explodiu nos anos 80 no Brasil e no mundo, resistiu ao modismo e não só permanece como vem se expandindo. É cada vez maior o número de pessoas que praticam exercícios com regularidade para corrigir a postura, melhorar a capacidade cardiorrespiratória, aumentar a flexibilidade e descarregar as tensões de um dia-a-dia estressante.

Como se vê, o mercado está em alta para o educador físico, profissional que detém o conhecimento para se ter boa forma, sabe como planejar programas de exercícios e definir o que é mais adequado para uma pessoa ou para um grupo. Ele é capaz de orientar posturas corporais, calcular a intensidade e a freqüência de cada série de exercícios, aprimorando o condicionamento físico e o desempenho, de atletas ou não.

A figura do personal trainner – instrutor físico particular – está se popularizando. Antes restrita a artistas, empresários e pessoas de alto poder aquisitivo, o personal trainner está se tornando acessível também à classe média, por causa da redução do preço da hora-aula, resultante do aumento do número desses profissionais. A demanda cresce, principalmente nos grandes centros. “O mercado hoje absorve tanto o profissional com formação específica em aeróbica, dança, ginástica olímpica, quanto o generalista”, ressalta o presidente do Conselho Regional de Educação Física dos Estados de Minas Gerais, Paraná e Região Centro-Oeste, Cláudio Augusto Bosch. Esse profissional pode atuar também em clubes, spas, academias. “O Hospital das Clínicas da USP contrata educadores físicos”, exemplifica Bosch. Em geral, nesses locais o profissional orienta grupos especiais como idosos, cardíacos, deficientes.

Outro segmento promissor é o de lazer e entretenimento. Hotéis, resorts e centros recreativos sabem que pouco adianta a infra-estrutura – quadras, piscinas, sala de musculação – sem um profissional apto a orientar as atividades. O turismo ecológico – como montanhismo e exploração de cavernas – é um setor que também tem contratado profissionais da área. E dar aulas em escolas de ensino médio e fundamental – tradicional campo de atuação dos educadores físicos – é mais uma alternativa.

A regulamentação da profissão de bacharel em Educação Física, em 1998, livra esses profissionais de disputar vagas com curiosos que exerciam a profissão mesmo sem ter formação adequada. O educador físico precisa de uma formação sólida sobre as atividades biológicas e psicológicas do ser humano e de uma boa didática para ensinar os exercícios de uma maneira criativa e estimulante. No curso de Educação Física, os alunos estudam o funcionamento do corpo humano em aulas de anatomia, biologia, fisiologia, bioquímica. As aulas práticas incluem condicionamento físico, recreação e movimento. O salário inicial da categoria está em torno de R$ 1,2 mil.

Duração média do curso: quatro anos

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




BARROCO

BARROCO : RESUMO


III - BARROCO

Surgimento: Europa, meados do século XVI - Brasil, início do século XVII. (Lembrar que, no Brasil, a literatura barroca acaba no século XVII, junto com o declínio da sociedade açucareira baiana. Contudo, na arquitetura e nas artes plásticas, o estilo barroco atingirá o seu apogeu apenas nos séculos XVIII e início do XIX, em Minas Gerais.)

Variações barrocas: cultismo (exagero e rebuscamento formal) e conceptismo (exagero no plano das idéias) são manifestações de excesso da literatura barroca.

Características:

1) Arte da Contra-Reforma, expressando a crise do Renascimento, com a destruição da harmonia social aristocrática-burguesa através das guerras religiosas. Os jesuítas que surgem, neste período, combatem os protestantes e espalham pelo mundo católico a sua implacável ideologia teocêntrica.

2) Conflito entre corpo e alma. Dividido entre os prazeres renascentistas e o fervor religioso, o homem barroco oscila entre:

· a celebração do corpo, da vida terrena, do gozo mundano e do pecado;
· os cuidados com a alma visando à graça divina e à salvação para a vida eterna.

3) Temática do desengano (o desconcerto do mundo): a vida é breve, a vida é sonho, viver é ir morrendo aos poucos. Aguda consciência da efemeridade da existência e da passagem do tempo.

4) Linguagem ornamental, complexa, entendida como jogo verbal, cheia de antíteses, inversões, metáforas, alegorias, paradoxos, ausência de clareza. É um estilo complicado que traduz os conflitos interiores do homem barroco.

Autores barrocos:

1) Gregório de Matos (Boca do Inferno)

Poesia religiosa - Apresenta uma imagem quase que exclusiva: o homem ajoelhado diante de Deus, implorando perdão para os pecados cometidos.

Poesia amorosa - Tem uma dimensão elevada ("d"), muitas vezes associada à noção de brevidade da existência, e uma dimensão obscena, onde a explosão dos sentidos (em versos crus e repletos de palavrões) representa um protesto contra os valores morais da época.

Poesia satírica - Ironia corrosiva e caricatural contra todos os setores da vida colonial baiana: senhores de engenho, clero, juízes, advogados, militares, fidalgos, escravos, pobres livres, índios, mulatos, mamelucos, etc. Com seu olhar ressentido de senhor decadente, Gregório de Matos vê na realidade apenas corrupção, negociata, oportunismo, mentira, desonra, imoralidade, completa inversão de valores. A poesia satírica, portanto, para ele é vingança contra o mundo.

2) Padre Antônio Vieira

Os Sermões

· Utilização contínuas de passagens da Bíblia e de todos os recursos da oratória jesuítica para convencer os fiéis de sua mensagem, mesmo quando trata de temas cotidianos.

· Ataca os vícios (corrupção, violência, arrogância, etc.) e defende as virtudes cristãs (religiosidade, caridade, modéstia, etc.)

· Combate os hereges, os indiferentes à religião e os católicos desleixados em relação à Igreja.

· Defende abertamente os índios. Mantém-se ambíguo frente aos escravos negros: ora tenta justificar a escravidão, ora condena veementemente seus malefícios éticos e sociais.

· Exalta os valores que nortearam a construção do grande império português. E julga (de forma messiânica) que este império deveria ser reconstruído no Brasil.

· Propõe o retorno dos cristãos novos (judeus) a territórios lusos como forma de Portugal escapar da decadência onde naufragara desde meados do século XVI.

· Apresenta uma linguagem de tendência conceptista, de notável elaboração, grande riqueza de idéias e imagens espetaculares. Fernando Pessoa o chamaria de "Imperador da Língua Portuguesa".

 

Editado por NilceuProf

Haloscan

Zip Net


Enviar esta mensagem




Leitura obrigatória

Leitura obrigatória MINAS GERAIS

Cefet-MG   Vestibular 2005

  • Tremor de Terra - Luiz Vilela;
  • O Coronel e o Lobisomem - José Cândido de Carvalho (para os cursos de Engenharia Industrial Elétrica, Engenharia Industrial Mecânica, Engenharia de Produção Civil, Tecnologia em Radiologia)
  • O Homem - Aluísio Azevedo (para o curso superior de Tecnologia em Normalização e Qualidade Industrial)

    Ufop - Vestibular 2005

  • Desmundo - Ana Miranda;
  • O Demônio Familiar - José de Alencar;

      História do Brasil - Murilo Mendes

    PUC-Minas - Vestibular 2005

  • A Casa do Girassol Vermelho - Murilo Rubião;
  • Beira Mar - Pedro Nava;
  • Série Melhores Poemas - Manuel Bandeira

    Os obrigatórios no PARANÁ:

    UEL - Vestibular 2005 e 2006

  • "Os Lusíadas" - Luís Vaz de Camões (Somente os seguintes episódios: "O velho do Restelo" [IV 90-104] e "Gigante Adamastor" [V 37- 60]);
  • "A moreninha" - Joaquim Manuel de Macedo
  • "O juiz de paz na roça" - Martins Pena
  • "Quincas Borba" - Machado de Assis
  • "Macunaíma" - Mário de Andrade
  • "Recordações do escrivão Isaías Caminha" - Lima Barreto;
  • "Primeiras estórias" - João Guimarães Rosa (Somente os seguintes contos: "A terceira margem do rio"; "Sorôco, sua mãe, sua filha"; "Famigerado"; "Os irmãos Dagobé"; e "Fatalidade");
  • "São Bernardo" - Graciliano Ramos
  • "Laços de família" - Clarice Lispector
  • "O vampiro de Curitiba" - Dalton Trevisan

  • Editado por NilceuProf

    Haloscan

    Zip Net


    Enviar esta mensagem




    Leitura obrigatória

    Leitura obrigatória

    Vestibular  no ESPIRITO SANTO

    Ufes - Vestibular 2005

  • Marília de Dirceu - Tomás Antônio Gonzaga;
  • Lucíola - José de Alencar;
  • Contos ("A Igreja do Diabo", "Missa do Galo", "Pai contra mãe", "Teoria do Medalhão", "A causa secreta", "Noite de Almirante", "A Cartomante") - Machado de Assis;
  • Alguma poesia - Carlos Drumond de Andrade;
  • São Bernardo - Graciliano Ramos;
  • Vestido de noiva - Nelson Rodrigues;
  • "A hora e a vez de Augusto Matraga" - João Guimarães Rosa;
  • Feliz ano novo - Rubem Fonseca;
  • A hora da estrela - Clarice Lispector;
  • A teus pés - Ana Cristina César;
  • A parte que nos toca - Literatura brasileira feita no Espírito Santo (antologia)
  •  UFG - Vestibular 2005  GOIÁS

  • Contos - Machado de Assis
  • Pomba enamorada ou uma história de amor - Lygia Fagundes Telles;
  • Dois irmãos - Milton Hatoum;
  • Espumas Flutuantes - Castro Alves;
  • Cantares - Hilda Hilst;
  • Mongólia - Bernardo Carvalho;
  • Perau - Carlos Fernando F. de Magalhães;
  • Pão cozido debaixo da brasa - Miguel Jorge
  • Editado por NilceuProf

    Haloscan

    Zip Net


    Enviar esta mensagem




    O lado brutal da conquista

    O LADO BRUTAL DA CONQUISTA

    LEITURA SUPLEMENTAR

     

    Havia de tudo entre os indígenas da América: astrônomos e canibais, engenheiros e selvagens da Idade da Pedra. Mas nenhuma das culturas nativas conhecia o ferro ou o arado, nem o vidro, nem a pólvora. A civilização que se abateu sobre estas terras vivia a explosão criadora do Renascimento: a América aparecia como uma invenção a mais, incorporada à da pólvora, da imprensa, do papel e da bússola. o desnível de desenvolvimento entre ambos os mundos explica a relativa facilidade com que sucumbiram as civilizações nativas. Fernando Cortez desembarcou em Vera Cruz acompanhado por apenas 100 marinheiros e 508 soldados; trazia 16 cavalos, 10 canhões de bronze e alguns arcabuzes, mosquetões e pistolas. Isso lhes bastou. E, no entanto, a capital dos astecas, Tenochtitlán, era na época cinco vezes maior que Madri e duplicava a população de Sevilha, a maior das cidades Espanholas. Francisco Pizarro, por seu lado, entrou em Cajamarca com 180 soldados, 37 cavalos e encontrou um exército de 100 mil índios.

    Os indígenas foram também derrotados pelo assombro. O imperador Moctezuma recebeu em seu palácio as primeiras notícias: um morro grande andava movendo-se pelo mar. Outros mensageiros chegaram depois. Os estrangeiros traziam "veados que os carregavam tão alto como nos tetos". Por toda a parte os seus corpos estavam vestidos, "somente apareciam suas caras. São brancas como se fossem de cal". Moctezuma acreditou que era o deus Quetzalcóalt que voltava.(...) Os deuses vingativos que regressavam para acertar contas com seus povos traziam armaduras e cotas de malha, brilhantes capacetes que devolviam os dardos e as pedras; suas armas lançavam raios mortíferos e obscureciam a atmosfera com fumos irrespiráveis. Os conquistadores praticavam também, com refinamento e sabedoria, a técnica da traição e da intriga. Souberam aliar-se aos tlaxcaltecas contra Moctezuma e explorar com proveito a divisão do império incaico entre dois irmãos inimigos. Mas outros fatores trabalhavam objetivamente para a vitória dos invasores. Os cavalos e as bactérias, por exemplo.

    Os cavalos, como os camelos, haviam sido originários da América, porém tinham se extinguido nestas terras. Introduzidos na Europa por ginetes árabes, prestaram imensa utilidade militar e econômica. Quando reapareceram na América através da conquista, contribuíram para dar forças mágicas aos invasores. Atahualpa viu chegar os primeiros soldados espanhóis, montados em briosos cavalos ornamentados e que corriam num rastro de pó com seus cascos velozes; presa de pânico, o inca caiu de costas no chão. O cacique Tecum, à frente dos maias, degolou com a sua lança o cavalo de Pedro de Alvarado, convencido de que o mesmo formava parte do conquistador: Alvarado se levantou e o matou. Poucos cavalos, cobertos de arreios de guerra, dispersavam as massas indígenas e semeavam o terror e a morte.

    As bactérias e os vírus foram, contudo, os aliados mais eficientes. Os europeus traziam consigo, como pragas bíblicas, a varíola e o tétano, várias enfermidades pulmonares, intestinais e venéreas, o tracoma, o tifo, a lepra, a febre amarela, as cáries que apodreciam as bocas. A varíola foi a primeira a aparecer. "Não seria um castigo sobrenatural aquela epidemia desconhecida e repugnante que acendia a febre a decompunha as carnes?" Os índios morriam como moscas; seus organismos não opunham defesas ante as novas enfermidades. Aqueles que sobreviviam ficavam debilitados e inúteis. O antropólogo brasileiro Darcy Ribeiro estima que mais da metade da população aborígene da América morreu contaminada logo ao primeiro contato os homens brancos.

    EDUARDO GALEANO - As veias abertas da América Latina

    Editado por NilceuProf

    Haloscan

    Zip Net


    Enviar esta mensagem




    José de Anchieta

    JOSÉ DE ANCHIETA

    Boa parte da literatura escrita pelos padres possui uma dimensão meramente informativa. Enviam aos superiores notícias da obra catequética e dos problemas da ordem. Simultaneamente, surgem os primeiros religiosos dispostos a elaborar uma tosca literatura, destinada à conversão dos indígenas. Avulta então o nome de José de Anchieta. Dotado de sólida formação religiosa e com senso artístico acima do comum, ele criará simultaneamente:

    • Uma produção refinada: poemas e monólogos em latim que parecem destinadas a satisfazer suas necessidades espirituais mais profundas;
    • Uma produção didática - hinos, canções e especialmente autos*, que visavam infundir o pensamento cristão nos índios.

    Os autos

    Interessa-nos hoje, sobretudo, a obra teatral de Anchieta. Nela, o autor intenta conciliar os valores católicos com os símbolos primitivos dos habitantes da terra e com os aspectos da nova realidade americana.

    Os elementos sagrados do catolicismo europeu ligam-se aos mitos indígenas, sem que isso signifique uma contradição maior, pois as idéias que triunfam nos espetáculos são evidentemente as do padre. As crendices e superstições dos nativos acabam vinculadas ao pecado e seu poderoso agente, Satanás.

    Neste confronto perpétuo entre o bem e o mal, o primeiro é defendido por santos e anjos, os quais expressam o cristianismo e subjugam o segundo, constituído por deuses e pajés dos nativos, misturados com os demônios da tradição católica. Desta forma, os índios (sobremodo os curumins) percebem que os seus valores são falsos e corruptos e aceitam de melhor grado os princípios cristãos.

    Do ponto de vista da encenação dos autos, - conforme depoimentos de época - a liberdade formal salta aos olhos: o teatro anchietano pressupõe o lúdico, o jogo coreográfico, a cor, o som. É algo arrebatador, de enorme fascínio visual. Dirige-se mais aos sentidos do que à razão, apelando para a consciência mítica dos nativos. Santos e demônios duelam; desencadeiam-se milagres e apocalipses; alternam-se elementos históricos e fictícios, religiosos e profanos; pequenos sermões musicados irrompem no meio das cenas. Perante essa festa para as emoções e o coração, o indígena vacila em suas crenças.

    Alegrem-se os nossos filhos
    Por Deus os ter libertado
    Guaixará vá para o inferno
    Guaixará, Aimbiré, Saravaia
    Vão para o inferno.

    Os autos anchietanos contribuem para deculturar os índios, que assim perdem a sua identidade. Desajustados ante a nova ordem social e psicológica, irão se ver, como disse José Guilherme Merquior, "dolorosamente arrancados à cultura materna e dolorosamente desarmados ante a bruta realidade da experiência colonial."

    O papel de Anchieta em nossa literatura

    O crítico Afrânio Coutinho sustenta que a literatura teria nascido, no Brasil, pelas mãos dos jesuítas. Assim, José de Anchieta seria o nosso primeiro escritor. Tal argumentação é refutada pela maioria dos estudiosos, pois o padre possui uma visão de mundo tipicamente européia. Por isso, os elementos culturais indígenas presentes em seu teatro são destruídos - dentro da ação dramática - com pleno apoio do autor que se serve deles apenas para reafirmar um sistema de idéias alheio ao universo dos próprios índios.

    Além disso, a sua obra teatral não tem seguidores. Não inicia qualquer tradição no gênero dramático brasileiro. Não deixa nenhum rastro. A originalidade de Anchieta consiste na criação de objetos culturais com fins religiosos para um público que jamais teria acesso à produção estética dos homens brancos. Fora essa circunstância, sua importância no panorama da literatura nacional é insignificante.

    * Auto: forma teatral oriunda da Idade Média e caracterizada por sua liberdade em relação às leis clássicas do teatro, que exigiam unidade de ação, tempo e espaço. Compõe-se de uma multiplicidade quase estática de quadros e cenas.

    Editado por NilceuProf

    Haloscan

    Zip Net


    Enviar esta mensagem




    Os soldados de Cristo no Brasil

     


    Os Soldados de Cristo no Brasil

    Os primeiros jesuítas desembarcam no Brasil em 1549, juntamente com o governador Tomé de Sousa. Além do trabalho catequético, vão criar os primeiros colégios no país: Bahia (15 ); São Paulo (1554); Rio de Janeiro (1568) e Olinda (1576). Iniciam desta forma um domínio absoluto sobre o sistema educacional, - interrompido por sua expulsão de Portugal e demais colônias em 17 - de sorte que todas as manifestações culturais da sociedade brasileira, nos três primeiros séculos nascem sob a órbita do jesuitismo.

    Já o seu trabalho com os índios até hoje gera discussões. De um lado, os admiradores; de outro, os detratores. Todos (a seu modo) com razão. Os que defendem os jesuítas alegam:

    • A denúncia contínua dos massacres cometidos contra os nativos.
    • A resistência contra a escravidão indígena levada a cabo pelos colonos.
    • A luta para organizar os índios em aldeamentos e missões, dulcificando a sua vida, numa espécie de sociedade comunista cristã primitiva.
    • A transmissão da fé católica aos indígenas garante a estes um lugar no mundo ( e no além-mundo), já que o contato com os brancos traz a morte de seus deuses e de sua cultura, deixando-os numa terrível orfandade que só o catolicismo preenche.

    Por seu turno, os inimigos dos jesuítas argumentam com idéias antagônicas:

    • A implacável destruição de valores culturais dos indígenas como a poligamia, a antropofagia e a nudez.
    • A impugnação das crenças das tribos, apontadas como mentirosas e demoníacas.
    • A substituição da vida nômade pela vida de aldeamentos, onde os índios se tornam presas mais fáceis dos bandeirantes e capitães de mato.
    • A adoção de uma religiosidade que não podem compreender e que domestica seus instintos de defesa.

    Independentemente de tais posicionamentos, o trabalho de catequese dos jesuítas acaba se realizando. Também a incansável luta contra a escravidão dos índios torna-se a marca registrada dos discípulos de Loyola, a um ponto que os colonos manifestarão ódio visceral aos padres da Companhia de Jesus.

    O que se pode afirmar hoje é que - apesar de todos os erros - a ação jesuítica acabou produzindo uma ideologia protetora das comunidades indígenas e impedindo a destruição completa dos antigos habitantes da terra.

    Editado por NilceuProf

    Haloscan

    Zip Net


    Enviar esta mensagem




    Literatura Jesuítica

    LITERATURA JESUÍTICA

    Os impérios ibéricos contêm em sua expansão uma profunda ambigüidade. Ao espírito capitalista-mercantil associam um forte ideal religioso, definido por Darcy Ribeiro como salvacionista. Dezenas de padres acompanham as expedições a fim de converter os gentios.

    O racionalismo capitalista, dando aos negócios autonomia frente à religião, não triunfará por completo em Portugal e Espanha. Nesses países, a burguesia comercial e financeira (normalmente judaica) se vê impedida de impor a sua visão leiga de mundo. Pelo contrário, desde 1536, em Lisboa, funciona o Tribunal do Santo Ofício da Inquisição, perseguindo judeus, protestantes, bruxas e demais "hereges".

    Contrária à Ciência, às Artes e tudo aquilo que representasse liberdade de expressão e de idéias, a Inquisição estabelece o terror nos países católicos, estimulando a delação, promovendo a tortura e o assassinato dos inimigos, admitindo apenas o pensamento único e celebrando um bárbaro retorno ao mundo medieval. A ordem dos dominicanos sobressai-se na tarefa de satanizar e punir os rebeldes, servindo de grande inquisidora na guerra santa contra o Mal.

    O resultado desse sombrio processo de opressão não é apenas o retrocesso científico, mas a desgraça econômica que se abaterá sobre a Península Ibérica em função do expurgo das forças modernizadoras, representadas pela burguesia judaica. Sem uma classe empresarial audaciosa e empreendedora, Portugal e Espanha afundam, já no fim do século XVI, numa decadência secular. Enquanto isso, os judeus expulsos transferem-se majoritariamente para os Países Baixos. Lá iriam exercer papel decisivo na transformação da Holanda em grande potência mundial.


    A Contra-Reforma e os jesuítas

    A Contra-Reforma - desencadeada pelo papa Paulo III, no célebre Concílio de Trento de 1545 - intensifica o combate contra os protestantes, ao mesmo tempo que amplia a missão evangelizadora dos padres em terras americanas.

    A mais importante entre as ordens religiosas dedicadas à conversão dos gentios é a jesuítica. Fundada alguns anos antes da Contra-Reforma por Ignácio de Loyola, a Companhia de Jesus sempre primou pelo alto nível intelectual, pelo ardor místico, pela disciplina e pela fé inquebrantável de seus componentes. Caberia a ela o papel de ponta-de-lança da irradiação do catolicismo. Desde a década de 1540, os Soldados de Cristo (jesuítas), como apóstolos sem medo e sem mácula, se lançarão a mundos desconhecidos, no intuito de apontar aos povos de outros continentes as excelências do catolicismo.

    Editado por NilceuProf

    Haloscan

    Zip Net


    Enviar esta mensagem




    O canibalismo dos tupinambás

    O canibalismo dos tupinambás

    Esquartejamento de inimigo dos tupinambás, conforme Theodore de Bry

    Obviamente também a antropofagia é um dos temas predominantes da obra, sendo mostrada com uma riqueza de detalhes em muito superior à obra de Hans Staden. Observe-se esta cena, ocorrida logo após a morte do prisioneiro:

    Em seguida, as mulheres, sobretudo as velhas, que são mais gulosas de carne humana e anseiam pela morte dos prisioneiros, chegam com água fervendo, esfregam e escaldam o corpo a fim de arrancar-lhe a epiderme; e o tornam tão branco como na mão dos cozinheiros os leitões que vão para o forno. Logo depois o dono da vítima e alguns ajudantes abrem o corpo e o esquartejam com tal rapidez que não faria melhor um açougueiro ao esquartejar um carneiro.

    E então - incrível crueldade - assim como os nossos caçadores jogam a carniça aos cães para torná-los mais ferozes, esses selvagens pegam os filhos, uns após outros, e lhes esfregam o corpo, os braços e as pernas com o sangue inimigo a fim de torná-los mais valentes.

    Em seguida, todas as partes do corpo, inclusive as tripas depois de bem lavadas, são colocadas no moquém, (ver ilustração), em torno do qual as mulheres, principalmente as velhas gulosas, se reúnem para recolher a gordura que escorre pelas varas dessas grandes e altas grelhas de madeira. Em seguida exortam os homens a procederem de modo que elas tenham sempre tais petiscos e lambem os dedos e dizem iguatu, o que quer dizer "está muito bom!"

    Tais exemplos de crueldade dos índios para com seus inimigos são, contudo, abrandados pelo relativismo moral que Léry estabelece:

    É útil, entretanto, que ao ler sobre semelhantes barbaridades, os leitores não se esqueçam do que se pratica entre nós. Em boa e sã consciência acho que excedem em crueldade aos selvagens os nossos usurários (agiotas) que, sugando o sangue e o tutano, comem vivos órfãos, viúvas e outras criaturas miseráveis, que prefeririam sem dúvida morrer de uma vez a definhar assim lentamente.

    A visão abrangente e humanista do viajante francês leva-o não apenas compreender o nativo, mas também a apreciar a terra brasileira como um paraíso terreal:

    Por isso, quando a imagem desse novo mundo, que Deus me permitiu ver, se apresenta a meus olhos, quando revejo assim a bondade do ar, a abundância de animais, a variedade de aves, a formosura das árvores e das plantas, a excelência das frutas e, em geral, as riquezas que embelezam essa terra do Brasil, logo me acode a exclamação do profeta no salmo 104: "Senhor Deus, como tuas diversas obras são maravilhosas em todo o universo! ..."


    OUTROS VIAJANTES

    Ainda dentro de uma linha de exaltação da terra, ao lado de registros realistas dos primeiros esforços de colonização, encontramos a História da Província de Santa Cruz, de Pero de Magalhães Gadavo (1576), Tratado descritivo do Brasil, de Gabriel Soares de Souza e Tratados da terra e gente do Brasil, de Fernão Cardim.

    Editado por NilceuProf

    Haloscan

    Zip Net


    Enviar esta mensagem




    Viagem à terra do Brasil

     

    VIAGEM À TERRA DO BRASIL

    Igualmente centrado no cotidiano da vida indígena, o livro do calvinista francês Jean de Léry, Viagem à terra do Brasil, revela uma percepção histórica mais apurada dos costumes nativos pelo fato do autor ser um homem culto, de formação humanista e, portanto, aberto às diferenças entre as civilizações.

    Léry permanece no país durante um ano(1557), como enviado do líder religioso Calvino, para servir a Villegagnon, fundador de uma colônia francesa na futura cidade do Rio de Janeiro. Ali tem a oportunidade de conviver (em liberdade) com os tupinambás, fazendo uma série de anotações interessantíssimas a respeito de sua existência.

    Movido por um espírito universalista, encara com simpatia os índios, relativizando moralmente certos hábitos que na Europa passavam por bárbaros. Essa compreensão revela-se, por exemplo, na análise da nudez feminina:

    Quero responder aos que dizem que a convivência com esses selvagens nus, principalmente entre as mulheres, incita à lascívia e à luxúria. Direi que (...) a nudez grosseira das mulheres é muito menos atraente do que comumente imaginam. Os atavios, cabelos encrespados, golas de rendas, anquinhas, sobre-saias e outras bagatelas que as mulheres de cá (européias) se enfeitam e de que jamais se fartam, são causas de males incomparavelmente maiores do que a nudez habitual das índias.

    Além de detalhar um significativo conjunto de costumes religiosos, medicinais, sociais (casamentos, funerais, educação dos filhos, etc.) e de mostrar certas práticas desconhecidas na época, entre os quais a preparação e o uso do cauim e do fumo, o viajante francês descreve com minúcias o ímpeto guerreiro dos homens tropicais, vendo as batalhas entre as tribos de forma quase poética.

     

     

    Editado por NilceuProf

    Haloscan

    Zip Net


    Enviar esta mensagem




    A Antropofagia

    A antropofagia


    Banquete antropofágico, de Theodore de Bry, extraído do livro de Hans Staden

    Enquanto homens, mulheres e crianças fazem sinais para indicar a forma que o devorariam, o aventureiro alemão imagina como poderia fugir de seu destino. Ao mesmo tempo, observa com enorme curiosidade os costumes dos índios. Nos dias e meses seguintes alternará a observação meticulosa com tentativas de escapar do ritual antropofágico, ao qual está condenado. Sabedor, por fim, de que havia um navio francês nas imediações, ele convence o chefe - a quem fora presenteado - a levá-lo até lá. Usando de muita persuasão, astúcia e presentes, Staden livra-se de seus captores e acaba sendo resgatado pelos franceses.

    A antropofagia é o motivo principal de seu livro, talvez até pelo interesse que o assunto despertava na Europa. Porém, tanto no texto principal quanto num relatório que acrescenta como arremate das Viagens, ele apresenta vivas descrições dos costumes indígenas: onde e como moram, como acendem o fogo, a maneira que cozinham e o que comem, seus utensílios, sua destreza no manejo do arco e flecha e de outros instrumentos, como preparam a bebida e com ela se embriagam, no que acreditam, suas formas de guerrear, etc.

    Além disso, mostra aos leitores europeus os animais da terra, as árvores, a vegetação, pintando um quadro intenso e colorido da realidade brasileira de então, transformando o seu livro num notável êxito editorial do século XVI.

    Vejamos como ele descreve a execução e a devoração de um inimigo pelos tupinambás:

    Quando trazem para casa um inimigo, batem-lhe as mulheres e as crianças primeiro. A seguir colam-lhe ao corpo penas cinzentas, raspam-lhe as sobrancelhas, dançam em seu redor e amarram-no bem. Dão-lhe então uma mulher para servi-lo. Se tem dele um filho, criam-no até grande e o matam e o comem quando lhes vem à cabeça.

    Dão de comer bem ao prisioneiro. Conservam-no por algum tempo e então se preparam. (...) Assim que está tudo preparado, determinam o tempo em que ele deve morrer e convidam os selvagens de outras aldeias para que venham assistir. Enchem de bebidas todas as vasilhas. Logo que estão reunidos todos os que vieram de fora, o chefe da choça diz: "Vinde agora e ajudai a comer o vosso inimigo". (...)

    Quando principiam a beber, levam consigo o prisioneiro que bebe com eles. Acabada a bebida, descansam no outro dia e fazem para o inimigo uma pequena cabana no local em que deve morrer. Aí passa a noite, sendo bem vigiado. (...)

    O guerreiro que vai matar o prisioneiro diz para o mesmo: "Sim aqui estou eu, quero te matar, pois tua gente também matou e comeu muitos dos meus amigos". Responde-lhe o prisioneiro: "Quando estiver morto, terei ainda muitos amigos que saberão me vingar". Depois, ele é golpeado na nuca, de modo que lhe saltem os miolos, e de imediato as mulheres arrastam o morto para o fogo, raspam-lhe toda a pele, tornando-o totalmente branco e tapando-lhe o ânus com uma madeira, a fim de que nada dele se escape.

    Depois de esfolado, um homem o pega e lhe corta as pernas acima dos joelhos e os braços junto ao corpo. Vêm então quatro mulheres que apanham quatro pedaços, correndo com eles em torno das cabanas, fazendo grande alarido, em sinal de alegria. (Costume indígena já referido em outra página por Staden) Separam após as costas, junto com as nádegas, da parte dianteira. Repartem isso entre eles. As vísceras são dadas às mulheres. Fervem-nas e com o caldo fazem uma papa rala que se chama mingau que elas e as crianças sorvem. Comem também a carne da cabeça. As crianças comem os miolos, a língua e tudo o que podem aproveitar.

    Quando tudo foi partilhado, voltam para casa, levando cada um o seu quinhão.

    Editado por NilceuProf

    Haloscan

    Zip Net


    Enviar esta mensagem




    Relatos

     RELATOS DE VIAJANTES


    Moquém indígena, conforme Jean de Léry

    Durante todo o século XVI, o Brasil desperta grande fascínio entre os europeus. Além dos colonos portugueses e dos invasores franceses, outros europeus visitam a terra recém conquistada. Move-os a cobiça, o desejo de aventuras, a curiosidade sexual ou o ideário religioso. Alguns entre eles resolvem registrar suas andanças pelos trópicos e esses relatos obtêm êxito na Europa, onde alimentam a imaginação de leitores excitados pelos descobrimentos.

    Dois desses viajantes escrevem textos definitivos sobre a vida cotidiana e os costumes dos tupinambás que dominavam uma expressiva faixa litorânea do Brasil: o alemão Hans Staden e o francês Jean de Léry.

    DUAS VIAGENS AO BRASIL

    Sob este nome, Hans Staden publica na Alemanha, em 1557, um livro no qual descreve as suas aventuras em território brasileiro, especialmente os nove meses e meio em que esteve prisioneiro dos nativos. Em busca de aventuras (e dinheiro, provavelmente) o autor vai de Bremen para Lisboa e daí parte para o Brasil como artilheiro de uma nau portuguesa. A chegada dá-se em Pernambuco e logo está metido em batalhas contra índios inimigos. Esta primeira viagem encerra-se em seguida porque a caravela retorna à Europa.

    A segunda viagem é a mais emocionante: Hans Staden participa de uma expedição que alcança a ilha de Santa Catarina, permanecendo no local por cerca de dois anos. Dirige-se então - sempre pelo mar e com outros marinheiros portugueses - a São Vicente, no litoral paulista. Ali, numa caçada, será feito prisioneiro pelos tupinambás. Levado à aldeia indígena, é obrigado a gritar para as mulheres, em língua tupi: "Estou chegando, eu, a vossa comida".

    Editado por NilceuProf

    Haloscan

    Zip Net


    Enviar esta mensagem




    O ideal salvacionista

     

    O ideal salvacionista

    A profunda religiosidade portuguesa - que é um dos móveis da conquista - mostra-se na possibilidade de conversão dos primitivos habitantes, admitida por Caminha e sugerida ao destinatário da Carta, o rei D. Manuel.

    E segundo o que a mim e a todos pareceu, esta gente, não lhes falece outra coisa para ser toda cristã do que nos entenderem (...) E bem creio que, se Vossa Alteza aqui mandar quem entre eles mais devagar ande, que todos serão tornados e convertidos ao desejo de Vossa Alteza. E por isso, se alguém vier, não deixe logo de vir clérigo para os batizar; porque então terão mais conhecimento de nossa fé, pelos dois degredados que aqui entre eles ficam, os quais hoje também comungaram.


    A visão do paraíso

    Como diz o crítico Sílvio Castro "o europeu, através da Carta, toma conhecimento da existência de um novo mundo. Concreto. Imediato. Rico de cores, calor, árvores, frutos, pássaros, cantos, frescura. A terra é ampla, imensa na linha do horizonte. O céu é limpo, os portos, seguros." A imagem é a do paraíso terral, como se percebe no final do texto de Caminha:

    Essa terra, Senhor, parece-me que, da ponta que mais contra o sul vimos, até a outra ponta que contra o norte vem, que nós deste ponto temos vista, será tamanha que haverá nela bem vinte ou vinte e cinco léguas de costa. Tem, ao longo do mar, em algumas partes, grandes barreiras, umas vermelhas, e outras brancas; e a terra por cima é toda chã e muito cheia de grandes arvoredos. De ponta a ponta é tudo praia redonda, muito chã e muito formosa.

    Pelo sertão nos pareceu, vista do mar, muito grande, porque, a estender os olhos, não podíamos ver senão terra e arvoredos - terra que nos parecia muito extensa.

    Até agora não podemos saber se há ouro ou prata nela, ou outra coisa de metal, ou ferro; nem o vimos. Contudo a terra em si é de muito bons ares, frescos e temperados como os de Entre Douro e Minho, porque neste tempo de agora os achávamos como de lá.

    As águas são muitas; infinitas. Em tal maneira é graciosa que, querendo-a aproveitar, dar-se-á nela tudo; por causa das águas que tem!

    Porém, o melhor fruto que dela se pode tirar parece-me que será salvar esta gente. E esta deve ser a principal semente que Vossa Alteza nela deve lançar.

     

    Editado por NilceuProf

    Haloscan

    Zip Net


    Enviar esta mensagem




    A nudez das índias

     

    A nudez das índias

    A imagem mais desconcertante para os marinheiros lusos é a da nudez das índias. Vindos de um mundo onde o corpo era censurado e reprimido, de acordo com as convicções medievais, eles não escondem o assombro diante do que vêem. Caminha traduz esse sentimento, mas com seu particular espírito renascentista, procura ver os corpos femininos desnudos dentro do quadro cultural da sociedade indígena:

    Ali andavam entre eles três ou quatro moças, muito novas e muitos gentis, com cabelos muito pretos e compridos, caídos pelas espáduas, e suas vergonhas tão altas e tão cerradinhas e tão limpas das cabeleiras que, de as muito bem olharmos, não tínhamos nenhuma vergonha. (...)

    E uma daquelas moças era toda tingida, de baixo a cima, daquela tintura; e certamente era tão bem feita e tão redonda, e sua vergonha - que ela não tinha - tão graciosa que, a muitas mulheres de nossa terra, vendo-lhes tais feições, provocaria vergonha por não terem as suas como a dela. (...)

    Entre todos estes que hoje vieram não veio mais que uma mulher moça, a qual esteve sempre à missa e a quem deram um pano para que se cobrisse; e o puseram em volta dela. Todavia, ao sentar-se, não se lembrava de o estender muito para se cobrir. Assim, Senhor, a inocência desta gente é tal que a de Adão não seria maior, com respeito ao pudor.


    A mistura de danças e música

    Um dos momentos mais curiosos da Carta é quando índios misturam suas danças com a música européia de um gaiteiro:

    E do outro lado do rio andavam muitos deles dançando e folgando, uns diante dos outros, sem se tomarem pelas mãos. E faziam-no bem. Passou-se então, para além do rio, Diogo Dias, que fora tesoureiro da Casa Real em Sacavém, o qual é homem gracioso e de prazer; e levou consigo um gaiteiro nosso com sua gaita. Logo meteu-se com eles a dançar, tomando-os pelas mãos; e eles folgavam e riam, e o acompanhavam muito bem ao som da gaita. Depois de dançarem, fez-lhe ali, andando no chão, muitas voltas ligeiras e o salto mortal, de que eles se espantavam muito e riam e folgavam.

     

    Editado por NilceuProf

    Haloscan

    Zip Net


    Enviar esta mensagem




    Literatura Informativa

    LITERATURA INFORMATIVA

    As primeiras manifestações literárias sobre a América estão delimitadas pelo seu caráter informativo. Expressam, sem maiores intenções artísticas, os contatos do europeu com o novo mundo. São documentos a respeito das condições gerais da terra conquistada. Neles se descrevem os problemas, as prováveis riquezas, as lutas de dominação, a paisagem física e humana, etc. As cartas de Hernán Cortez sobre a conquista do México são o exemplo mais famoso desse tipo de literatura.

    A princípio, a visão européia é idílica. Dentro da tradição utópica do Renascimento, a América surge como o paraíso perdido, local de maravilhas e abundâncias. O país de Eldorado seduz a imaginação e os nativos aparecem sob tintas favoráveis. Porém, na segunda metade do século XVI, à medida que os índios começam a se opor aos desígnios imperiais, iniciando a guerra contra os invasores, a visão rósea transforma-se. A natureza continua exuberante - na ótica colonizadora - mas os habitantes da terra são pintados como seres boçais e animalescos.


    A CARTA DE PERO VAZ DE CAMINHA

    Entre os testemunhos deixados pelos portugueses no século XVI, sobre o Brasil, o mais importante é a Carta do escrivão Pero Vaz de Caminha, companheiro de viagem do almirante Cabral, em 1500. O texto tem um notável valor histórico - por ser o primeiro registro escrito sobre a realidade local - mas vale ainda mais pela agudeza com que Caminha revela a paisagem física e humana daquilo que ele julga ser uma imensa ilha.

    Verdadeiro homem do Renascimento, o escrivão da frota lusa transforma a Carta num monumento de curiosidade antropológica e de abertura intelectual à diversidade. O crítico Sílvio Castro aponta alguns dos aspectos mais significativos do texto:

    - A atenção objetiva pelos detalhes.
    - A simplicidade no narrar os acontecimentos.
    - A disposição humanista de tentar entender os nativos.
    - A capacidade constante de maravilhar-se.

    Vejamos como ele descreve o primeiro contato com os índios:

    A feição deles é parda, algo avermelhada; de bons rostos e bons narizes. Em geral são bem feitos. Andam nus, sem cobertura alguma. Não fazem o menor caso de cobrir ou mostrar suas vergonhas, e nisso são tão inocentes como quando mostram o rosto. Ambos traziam o lábio de baixo furado e metido nele um osso branco, do comprimento de uma mão travessa* e da grossura de um fuso de algodão. (...)

    Os cabelos deles são corredios. E andam tosquiados, de tosquia alta (...) Quando eles vieram a bordo o Capitão (Cabral) estava sentado em uma cadeira, bem vestido, com um colar muito grande no pescoço e tendo aos pés, por estrado, um tapete. E eles entraram sem qualquer sinal de cortesia ou de desejo de dirigir-se ao Capitão ou a qualquer outra pessoa presente, em especial. Todavia, um deles fixou o olhar no colar do Capitão e começou a acenar para a terra, como querendo dizer que ali havia ouro. (...) Mostraram-lhes um papagaio pardo que o Capitão traz consigo: pegaram-no logo com a mão e acenavam para a terra, como a dizer que ali os havia. Mostraram-lhes um carneiro: não fizeram caso dele; uma galinha: quase tiveram medo dela - não lhe queriam tocar, para logo depois pegá-la, com grande espanto nos olhos.

    Deram-lhe de comer: pão e peixe cozido, confeitos, bolos, mel e figos passados. Não quiseram comer quase nada de tudo aquilo. E se provaram alguma coisa, logo a cuspiam com nojo. Trouxeram-lhes vinho numa taça, mas apenas haviam provado o sabor, imediatamente demonstraram não gostar e não mais quiseram.

    Editado por NilceuProf

    Haloscan

    Zip Net


    Enviar esta mensagem




    Literatura dos Conquistadores

     

    A Literatura dos Conquistadores




    Dança dos índios tapuias, tela de Albert Eckout

    O fim das guerras dentro dos territórios ibéricos - Portugal e Espanha - , a centralização política em torno de um Estado forte, as inovações da tecnologia marítima, o papel economicamente empreendedor de uma burguesia de origem judaica e a espetacular audácia de milhares de homens garantem a portugueses e espanhóis a primazia na grande expansão européia, iniciada no século XV e consolidada no século XVI.

    Em nenhuma outra época houve movimento expansionista tão abrangente e avassalador. À conquista comercial dos países asiáticos e africanos soma-se a conquista direta do continente americano. Está se abrindo um processo civilizatório que durará mais de quinhentos anos, sob domínio ocidental, e que modificará radicalmente a face do mundo.

    Trata-se de uma façanha épica sem precedentes. Um país como Portugal, que tinha apenas um milhão de habitantes, estende o seu domínio por vastos territórios. Nada parece deter essas frágeis caravelas e seus marinheiros que enfrentam calmarias, fome, sede, monstros marinhos, gigantes, sereias, e súbitos buracos, localizados nos confins do oceano para tragar as embarcações. Anima tais homens o espírito mercantilista - desejo de ouro, especiarias e quaisquer outros produtos que gerassem lucro. Por ele, todos os medos serão superados e todas as aventuras se tornarão possíveis. Em Mar português, Fernando Pessoa traduz essa admirável vocação de seu povo para as grandes navegações:

    Ó mar salgado, quanto do teu sal
    São lágrimas de Portugal!
    Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
    Quantos filhos em vão rezaram!
    Quantas noivas ficaram por casar
    Para que fosses nosso, ó mar!
    Valeu a pena? Tudo vale a pena
    Se a alma não é pequena.
    Quem quer passar além do Bojador*
    Tem que passar além da dor.(...)

    * Bojador: Cabo na África que foi durante muito tempo o limite geográfico das navegações européias. Em 1434, foi ultrapassado pelo português Gil Eanes.


    O encontro com os nativos

    Civilizações díspares povoam as terras "descobertas" por portugueses e espanhóis. No lado hispânico, astecas, maias e incas apresentam surpreendentes níveis de organização social e de conhecimento científico e tecnológico. No lado luso, ao contrário, os nativos vivem na Idade da Pedra e costumam praticar o canibalismo.

    Em regra geral, todos recebem os brancos com hospitalidade e oferendas, sem se dar conta da destruição que os aguarda. Uma destruição que não foi programada, mas que acontecerá tanto pela superioridade bélica dos europeus e as doenças que trazem quanto pela inocência dos indígenas. Entre estes, os que conseguirem escapar das doenças, da escravidão e dos arcabuzes, serão submetidos a um poderoso processo de deculturação, ou seja, perderão os seus valores culturais e, com isso, a sua identidade histórica, deixando de ser "índios" sem alcançar a condição de homens brancos.

    A ocidentalização da América será feita, portanto, a ferro e fogo, num processo doloroso para os primitivos donos do território. Do ponto de vista histórico, este processo era dramaticamente inevitável, dada a ânsia imperialista dos países europeus e a incapacidade indígena de autodefesa.

     

    Editado por NilceuProf

    Haloscan

    Zip Net


    Enviar esta mensagem




    Listas de livros obrigatórios

    Os livros que você deve ler para cada vestibular

     SÃO PAULO

    Fuvest - Vestibular 2005

  • "Poemas completos de Alberto Caeiro" – (heterônimo de Fernando Pessoa);
  • "Memórias de um sargento de Milícias" - Manuel Antônio de Almeida;
  • "O primo Basílio" - Eça de Queirós;
  • "Memórias póstumas de Brás Cubas" - Machado de Assis;
  • "Macunaíma" - Mário de Andrade;
  • "Libertinagem" - Manuel Bandeira;
  • "Sagarana" - João Guimarães Rosa;
  • "A hora da estrela" - Clarice Lispector

    Unicamp - Vestibular 2004 a 2006

  • "O Velho da Horta" - Gil Vicente
  • "A Brasileira de Prazins" - Camilo Castelo Branco
  • "Os Cus de Judas" - Antonio Lobo Antunes
  • "O Demônio Familiar" - José de Alencar
  • "Brás, Bexiga e Barra Funda" - Antonio de Alcântara Machado;
  • "Angústia" - Graciliano Ramos
  • "Manuelzão e Miguilim" - Guimarães Rosa
  • "Várias Histórias" - Machado de Assis
  • "Vestido de Noiva" - Nelson Rodrigues

    Observação importante: a responsabilidade destas informações é de cada universidade que divulga a leitura obrigatória. As instituições que não constam nesta lista, em qualquer Estado, serão incluídas conforme o calendário de cada faculdade. Redação Terra

  • Editado por NilceuProf

    Haloscan

    Zip Net


    Enviar esta mensagem




    Espanhol no Ensino Médio

     

    Espanhol será disciplina obrigatória no ensino médio brasileiro
    por: Julia Reis
    08/08/2005 


     O ensino da língua espanhola será obrigatório em todas as escolas brasileiras, sejam elas públicas ou particulares. Assim determina a lei sancionada pelo Presidente Luiz Inácio Lula da Silva na última sexta-feira (05).

    Segundo o texto, a disciplina deverá ser inclusa gradativamente em todos os currículos de ensino médio durante os próximos cinco anos.

    Obrigatória ou optativa
    A nova lei especifica o artigo 36 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), que prevê a inclusão de uma língua estrangeira obrigatória nas escolas, escolhida pela comunidade, e de outra, optativa.

    A disciplina escolhida pelo público da instituição de ensino como obrigatória exige a presença do aluno nas aulas. No caso da optativa, o estudante pode escolher cursar a disciplina, ou não.

    Se a língua escolhida pela comunidade for diferente do espanhol, no caso do inglês ou do francês, por exemplo, a segunda língua a ser oferecida (optativa) terá de ser, obrigatoriamente, o espanhol.

    O ministro da Educação, Fernando Haddad, disse após a cerimônia que o inglês não é língua obrigatória nas escolas, mas "pela situação que se encontra o mundo e a ciência", tem sido a escolha prioritária das comunidades.

    Privados e públicos
    Segundo a determinação da lei, os colégios públicos deverão oferecer o espanhol em centros de ensino de língua, dentro do horário normal dos alunos.

    A rede privada de ensino, por sua vez, pode incluir a disciplina nas salas de aula, em horário normal, ou em centros de estudos de língua moderna, por meio de convênio com outra instituição.

    Professores
    De acordo com estimativas apontadas por Fernando Haddad, para efetivar o ensino de espanhol, 12 mil professores deverão ser formados e capacitados nos próximos anos.

    Um levantamento da Secretaria de Educação Básica indicou que, somente para implantar as aulas nas mais de 1.300 escolas dos estados que fazem fronteira com nações onde a língua é oficial, serão necessários mais de 1.411 professores, que devem ter carga horária de 20 horas semanais, em média.

    O governo brasileiro discute com a Espanha a possibilidade de converter parte da dívida brasileira junto ao país (cerca de US$ 25 milhões) em recursos para a formação e capacitação de professores de espanhol. "Há uma agenda combinada com os países da América Latina e com a Espanha no sentido de uma aproximação cultural", disse Haddad.

    Os conselhos estaduais de educação serão responsáveis por viabilizar as aulas da língua estrangeira de acordo com as condições e peculiaridades locais, assim como estabelecer normas. A Secretaria de Educação Básica e o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, vinculados ao Ministério da Educação, estão examinando a produção de material didático para apoiar os sistemas públicos de ensino médio na implantação da língua espanhola.

    O projeto foi apresentado em 2000 pelo Deputado Átila Lira (PSDB/PI) e foi aprovado pelo Congresso Nacional no dia 07 de julho.

    De acordo com dados preliminares do Censo Escolar de 2004, cerca de nove milhões de alunos estão matriculados no ensino médio atualmente. Deste total, oito milhões cursam escolas públicas e um milhão está na rede privada.

    Editado por NilceuProf

    Haloscan

    Zip Net


    Enviar esta mensagem




    Espanhol no Ensino Médio

    Espanhol no Ensino Médio

    Espanhol será disciplina obrigatória no ensino médio brasileiro
    por: Julia Reis
    08/08/2005 


     O ensino da língua espanhola será obrigatório em todas as escolas brasileiras, sejam elas públicas ou particulares. Assim determina a lei sancionada pelo Presidente Luiz Inácio Lula da Silva na última sexta-feira (05).

    Segundo o texto, a disciplina deverá ser inclusa gradativamente em todos os currículos de ensino médio durante os próximos cinco anos.

    Obrigatória ou optativa
    A nova lei especifica o artigo 36 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), que prevê a inclusão de uma língua estrangeira obrigatória nas escolas, escolhida pela comunidade, e de outra, optativa.

    A disciplina escolhida pelo público da instituição de ensino como obrigatória exige a presença do aluno nas aulas. No caso da optativa, o estudante pode escolher cursar a disciplina, ou não.

    Se a língua escolhida pela comunidade for diferente do espanhol, no caso do inglês ou do francês, por exemplo, a segunda língua a ser oferecida (optativa) terá de ser, obrigatoriamente, o espanhol.

    O ministro da Educação, Fernando Haddad, disse após a cerimônia que o inglês não é língua obrigatória nas escolas, mas "pela situação que se encontra o mundo e a ciência", tem sido a escolha prioritária das comunidades.

    Privados e públicos
    Segundo a determinação da lei, os colégios públicos deverão oferecer o espanhol em centros de ensino de língua, dentro do horário normal dos alunos.

    A rede privada de ensino, por sua vez, pode incluir a disciplina nas salas de aula, em horário normal, ou em centros de estudos de língua moderna, por meio de convênio com outra instituição.

    Professores
    De acordo com estimativas apontadas por Fernando Haddad, para efetivar o ensino de espanhol, 12 mil professores deverão ser formados e capacitados nos próximos anos.

    Um levantamento da Secretaria de Educação Básica indicou que, somente para implantar as aulas nas mais de 1.300 escolas dos estados que fazem fronteira com nações onde a língua é oficial, serão necessários mais de 1.411 professores, que devem ter carga horária de 20 horas semanais, em média.

    O governo brasileiro discute com a Espanha a possibilidade de converter parte da dívida brasileira junto ao país (cerca de US$ 25 milhões) em recursos para a formação e capacitação de professores de espanhol. "Há uma agenda combinada com os países da América Latina e com a Espanha no sentido de uma aproximação cultural", disse Haddad.

    Os conselhos estaduais de educação serão responsáveis por viabilizar as aulas da língua estrangeira de acordo com as condições e peculiaridades locais, assim como estabelecer normas. A Secretaria de Educação Básica e o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, vinculados ao Ministério da Educação, estão examinando a produção de material didático para apoiar os sistemas públicos de ensino médio na implantação da língua espanhola.

    O projeto foi apresentado em 2000 pelo Deputado Átila Lira (PSDB/PI) e foi aprovado pelo Congresso Nacional no dia 07 de julho.

    De acordo com dados preliminares do Censo Escolar de 2004, cerca de nove milhões de alunos estão matriculados no ensino médio atualmente. Deste total, oito milhões cursam escolas públicas e um milhão está na rede privada.

    Editado por NilceuProf

    Haloscan

    Zip Net


    Enviar esta mensagem




    Carreira: Ciências Biológicas

    Carreira: Ciências Biológicas

    A ciência do século XXI

    Desde que os cientistas aprenderam a ler os códigos do DNA – ácido desoxirribonucléico – a vida mudou para todos os organismos. Por meio da manipulação de genes, clonam-se animais, criam-se plantas e grãos mais resistentes a pragas e pesticidas e parece que a cura de doenças como o câncer está mais próxima. Biólogos brasileiros que participam, com outros cientistas de 250 laboratórios, do Projeto Genoma – para o mapeamento de todos os genes da espécie humana até 2025 – atestam o grau de desenvolvimento que essa ciência atingiu no Brasil. É verdade, nem todos os biólogos integrarão projetos de ponta como o Genoma. A maioria hoje trabalha no magistério. Mas os especialistas estão otimistas quanto ao futuro da profissão.

    “Há um grande número de profissionais concentrado nas grandes cidades. O mercado, porém, vem se expandindo principalmente nas áreas ambientais e de biotecnologia”, diz o diretor do Conselho Regional de Biologia do Estado de Minas Gerais, Paulo Emílio Guimarães Filho. De fato, o aumento da inseminação artificial, de soluções para doenças genéticas e dos avanços na área de transplante de órgãos – que incluem a obtenção de tecidos para transplante a partir de multiplicação celular – indicam que a biotecnologia é o campo com melhor perspectiva de atuação. O biólogo com essa formação tem emprego na indústria farmacêutica, em centros de pesquisa e em hospitais.

    A área ambiental, também apontada por Guimarães como promissora, vem necessitando cada vez mais de profissionais, graças à preocupação mundial com a preservação do meio ambiente. Alguns produtos exportados para a Europa precisam do certificado de qualidade total em preservação ambiental. No Brasil, a lei exige a elaboração de relatórios de impacto ambiental, por exemplo, para a construção de hidrovias ou para a exploração de minas. Aí entra o trabalho de assessoria ou gerenciamento de projetos, que pode ser feito pelo biólogo especializado em ecologia. Muitas vezes, esse profissional prefere atuar abrindo uma empresa de consultoria ambiental, em falta no país, principalmente nas Regiões Norte e Centro-Oeste.

    Alinhadas com biotecnologia e ecologia, estão as tradicionais áreas de estudo dos biólogos: identificação de fósseis animais e vegetais (paleontologia), investigação do funcionamento das células (citologia), estudo de parasitas (parasitologia), das propriedades físicas dos seres (biofísica), da organização dos animais (zoologia) e da flora (botânica). As reações químicas dos seres vivos formam o campo de estudo da bioquímica, enquanto a microbiologia e a imunologia se ocupam dos processos internos de defesa e dos efeitos dos microorganismos. Dentro dessas áreas, há um vasto campo de atuação. O biólogo pode trabalhar em laboratórios de análises clínicas, na indústria (alimentícia, de fertilizantes e de extração de vegetal, entre outras), em jardins botânicos, reservas ambientais, estações de tratamento de água e esgoto, entidades de reflorestamento e ONGs. A maioria, no entanto, vai para a área educacional, lecionando no ensino médio e fundamental ou atuando em pesquisa.


    Além de biologia, biofísica, matemática, química, zoologia, botânica, há também informática e estatística. A opção entre licenciatura – que habilita para o ensino médio e fundamental – e bacharelado é feita no quarto ano, no caso da faculdade oferecer as duas habilitações. Os salários iniciais ficam entre seis e oito salários mínimos.

    Duração média do curso: quatro anos

    Editado por NilceuProf

    Haloscan

    Zip Net


    Enviar esta mensagem




    Carreira: Medicina veterinária

    Carreira: Medicina veterinária

    O caminho é o campo

    Tratar de poodles e gatinhos siameses não é a única opção profissional do médico veterinário. Mesmo porque o segmento de animais domésticos é um dos mais saturados, no campo de atuação da veterinária. Quem pretende seguir esta carreira deve lembrar que esse profissional também está intimamente relacionado com a economia do país, pois controla a saúde dos animais de corte e de leite para a produção pecuária. O benefício dessa atuação é duplo: de um lado, o consumidor recebe um alimento rico em proteínas e aminoácidos e, de outro, o produtor pecuário aumenta a rentabilidade do seu negócio.

    Nas fazendas, o veterinário cuida da higiene, da alimentação e das condições de abrigo dos animais. Até algum tempo atrás, as mulheres que optavam por esse caminho enfrentavam dificuldades em função do preconceito do público com que lidavam (capatazes e peões de fazenda de baixa formação). Hoje as “doutoras” são mais bem aceitas pela comunidade de trabalhadores rurais.

    A reprodução e o controle de zoonoses – doenças transmissíveis ao homem, como raiva, toxoplasmose e leptospirose – e das doenças infecto-contagiosas capazes de contaminar criações inteiras são atribuições importantes do veterinário. Por isso, ele deve estar sempre atualizado sobre a indústria farmacêutica e conhecer as últimas novidades em tecnologia. Na indústria, não há matéria-prima de origem animal que se transforme em um produto sem ter passado pelo crivo de um veterinário. É ele quem faz o controle sanitário da carne, do frango, do leite e verifica as condições de armazenamento e temperatura dos freezers, nos frigoríficos e nos supermercados.

    A Medicina Veterinária é um curso tradicional em quase todas as universidades federais e estaduais do país. Nos últimos oito anos, aumentou o número de escolas privadas, muitas delas ainda em fase de implantação de laboratórios e formação do corpo docente.

    No mercado de trabalho, são boas as perspectivas na área de insumos agropecuários, especialmente em tecnologia e desenvolvimento de vacinas, vermífugos e mesmo no gerenciamento de produtos e vendas. Frigoríficos, cooperativas de criadores, indústrias de ração e empresas de processamento de carnes de aves, porco e boi são mercados sempre abertos para o veterinário.

    Os salários deixam a desejar. Segundo Ronald Leite Rios, presidente do Sindicato dos Médicos Veterinários de São Paulo, os profissionais que assumem tarefas com responsabilidade técnica em empresas são obrigados, muitas vezes, a ter mais de um emprego para reforçar o orçamento. Já as clínicas para animais de pequeno e médio porte atingiram grau alto de saturação, em especial nos grandes centros.
    Os salários de quem está começando variam de
    R$ 350 (60 horas/mês) a R$ 1,1 mil (220 horas/mês).

    Duração média do curso: quatro anos

    Editado por NilceuProf

    Haloscan

    Zip Net


    Enviar esta mensagem




    Carreira: Agronomia

    Carreira: Agronomia

    Muitas oportunidades

    Segundo maior ambiente natural do país desde a década dos 70, o cerrado brasileiro foi transformado em área natural de pastagem e vem sendo palco de grandes projetos agropecuários. Com eficientes técnicas de adubação, os especialistas conseguiram superar os problemas do solo, que era pobre em nutrientes e infértil. Esse é apenas um exemplo do resultado do trabalho de bons profissionais da área deAgronomia, que devem dominar técnicas adequadas de manejo ambiental capazes de recuperar os recursos naturais e preservar o ecossistema.

    Antenado com as tendências de modernização e desenvolvimento rural, o agrônomo contribui para aumentar a produtividade do solo e dos animais leiteiros, conseguindo reduzir os custos do produtor rural. “Aperfeiçoamento constante deve ser a meta do bom profissional”, ensina Luís Alberto Bourreau, diretor da Associação dos Engenheiros Agrônomos. “Só assim ele poderá ajudar o produtor em todas as etapas do trabalho no campo, da escolha da cultura à fertilização e preparação do solo, do plantio à colheita.”

    Outra frente de atuação que tem empregado muitos profissionais é a quimirrigação ou uso múltiplo da rede de irrigação. Essa técnica consiste na contenção e no desvio da água para irrigação, que é utilizada para transportar insumos, fertilizantes, herbicidas, inseticidas e pesticidas até a plantação. Ao reduzir o número de operações necessárias para a aplicação desses produtos, economiza-se tempo,
    mão-de-obra e uso de equipamentos.

    As diversas faculdades de Agronomia distribuídas pelo país formam grande quantidade de profissionais. Mas nem por isso o mercado de trabalho está saturado. A área é abrangente e oferece boas chances de colocação em vários segmentos. A zootecnia, por exemplo, precisa de gente especializada em cuidados e instalações adequadas para os animais. O setor de produção vegetal emprega profissionais capacitados na prevenção de pragas e doenças em culturas como soja, milho, feijão, café, cacau e cana-de-açúcar, mas que também saibam utilizar insumos e implementos agrícolas, como tratores, adubadeiras e todo o maquinário essencial para preparação do solo, irrigação e colheita.

    Biotecnologia e melhoramento genético são campos em alta. Nunca se falou tanto em clonagem, transferência de genes, produção de transgênicos (grãos modificados geneticamente), desenvolvimento de mudas in vitro, aprimoramento de espécies exóticas e uso de técnicas modernas, como a ressonância magnética, por exemplo, que avalia o teor de umidade e de óleo dos grãos. Há boas oportunidades, ainda, em empresas de fitotecnia, que produzem sementes e mudas. Ou na assessoria a produtores rurais – nesse segmento, se saem melhor os profissionais com formação que lhes permita gerenciar questões administrativas e econômicas, desde o planejamento de distribuição e transporte, passando pelo beneficiamento e industrialização até a venda da safra. As ONGS (organizações não-governamentais) buscam especialistas em silvicultura, para a criação de projetos de reflorestamento e preservação ambiental.

    Menos promissor é o setor de implementos agrícolas, por conta da atual política governamental, que oferece poucos incentivos fiscais para a compra de equipamentos. Mas, se as indústrias estão enxugando seus quadros, também não podem abrir mão de especialistas, o que faz crescer a tendência de terceirização de serviços de consultoria. O salário inicial do agrônomo gira em torno de nove salários mínimos.

    Duração média do curso: cinco anos

    Editado por NilceuProf

    Haloscan

    Zip Net


    Enviar esta mensagem




    Análise: A hora da estrela

    Análise do livro A Hora da Estrela

    Clarice Lispector

    Do Stockler Vestibulares

    Clarice Lispector reúne em "A Hora da Estrela" três abordagens fundamentais: filosófica, social e estética.

    Pela perspectiva filosófica, enfoca os limites e alcances do conhecimento do mundo mediante a palavra e a consciência, através das quais o ser humano se diferencia dos outros seres; em relação ao social, investiga os impasses criados pela separação dos indivíduos em diferentes grupos, destacando o escritor e o nordestino. Quanto à estética, investiga o ato da criação e da originalidade.

    A narrativa se estrutura a partir de um narrador-personagem que fala de si mesmo e de um narrador onisciente que conta a história de Macabéa.

    Há trechos na obra de Clarice que parafraseiam ou lembram grandes autores da fase realista e modernista. Observe os fragmentos a seguir:

  • I - "E só minto na hora exata da mentira. Mas quando escrevo não minto." (Fernando Pessoa)
  • II - "Mas voltemos a hoje. Porque, como se sabe, hoje é hoje. Não estão me entendendo e eu ouço escuro que estão rindo de mim em risos rápidos e ríspidos de velhos."(Machado de Assis)

    "É coisa muito séria e muito alegre: sua vida vai mudar completamente!"
  • III - "Por Deus! Eu me dou melhor com os bichos do que com gente." (Graciliano Ramos)
  • IV - "Experimentei quase tudo, inclusive a paixão e o seu desespero. E agora só quereria ter o que eu tivesse sido e não fui." (Manuel Bandeira)

    "A Hora da Estrela" apresenta treze títulos que se desdobram na primeira página do livro:

    A Hora da Estrela
    A culpa é minha
    ou
    A Hora da Estrela
    ou
    Ela que se arranje
    ou
    O direito ao grito
    Quanto ao futuro
    ou
    Lamento de um blue
    ou
    Ele não sabe gritar
    ou
    Uma sensação de perda
    ou
    Assovio no vento escuro
    ou
    Não posso fazer nada
    ou
    Registro dos fatos antecedentes
    ou
    História lacrimogênica de cordel
    ou
    Saída discreta pela porta dos fundos


    Todos aparecem ao longo da narrativa, durante o processo de criação. Reúnem narrador, escritor e criação. É importante observar que apenas o 5o título é acompanhado por ponto final. Isto acontece porque a história a ser narrada contém segredos(um deles pode ser lido como o que é o mistério da morte?) e também é a frase que Macabéa pronunciou antes de morrer.

    A Hora da Estrela representa o momento epifânico de Macabéa: a hora da morte. É irônica porque só no momento da morte é que Macabéa alcança a grandeza do ser. Já a autora atinge a epifania ao concluir a obra. É a epifanização do tormento de escrever.

    O narrador também é personagem principal porque ao desenvolver a narrativa, mostrando-nos Macabéa, busca a própria identidade. Moldara Macabéa sobre o seu próprio destino e solidão, e morre com ela. Ao mesmo tempo ele é um disfarce do "eu" da escritora.

    A escritora e o narrador tecem críticas a respeito do ato de falar, expressar-se, escrever, ler, interpretar. Usando as personagens Macabéa e Olímpico. Macabéa possui um vocabulário restrito, cultura por flashes, baseada na memorização acrítica. Olímpico não tem consciência crítica para interrogar o código lingüístico e aproximar-se das palavras sem conhecer o seu conceito.

    A obra de Clarice Lispector pertence à Terceira Geração Modernista. Há o trabalho com o fluxo de consciência, com a linguagem; transita pelo plano metafísico (indagações existenciais), pelo inconsciente, pela auto-análise com projeções da filosofia existencialista.
  •  

    Editado por NilceuProf

    Haloscan

    Zip Net


    Enviar esta mensagem




    Resumo: A hora da estrela

    Resumo:

    A Hora da Estrela
    Clarice Lispector

    Do Stockler Vestibulares*
    Rodrigo S.M., o narrador, constitui um dos personagens centrais de "A Hora da Estrela", de Clarice Lispector. Ao mesmo tempo em que cria e narra a vida de Macabéa, identifica-se com ela, mesmo quando a agride. Dessa forma, você já deve ter percebido que o texto é metalingüístico: um autor - narrador que fala de sua própria obra e busca nela e com ela conhecer-se e reconhecer-se.

    Macabéa é alagoana, virgem, ignorante, tem dezenove anos e diz-se "datilógrafa". Veio para o Rio de Janeiro com uma tia que cuidara dela desde os dois anos de idade. Quando a tia morre, Macabéa muda-se para um quarto que divide com quatro moças que trabalhavam nas Lojas Americanas: Maria da Penha, Maria Aparecida, Maria José e Maria.

    Raimundo, o patrão de Macabéa, avisa-lhe que será despedida (Macabéa errava demais na datilo­grafia, ficará apenas com Glória (a colega de Macabéa na firma e que se considerava sensual e bonita). Macabéa gostava de ouvir a Rádio Relógio porque os locutores falavam "palavras diferentes" embora ela desconhecesse os significados e não soubesse o que fazer com as informações.

    Um dia em que chovia muito, Macabéa encontrou Olímpico de Jesus que se apresentou como Olímpico de Jesus Moreira Chaves, metalúrgico, paraibano. Os dois apresentam ruídos no processo de comunicação: ela por não saber e não ter o que dizer e ele por se sentir superior, principalmente em relação ao aspecto lingüístico, porém pouco sabia. Olímpico era ambicioso, era capaz de qualquer ato para ascender socialmente. Até que ele conhece Gória e resolve afastar-se de Macabéa.

    Com o rompimento, Macabéa compra um batom vermelho, pinta os lábios no banheiro da firma em busca da identidade desejada: a atriz Marilyn Monroe. Glória zomba da colega, contudo resolve convidá-la para um lanche em sua casa no domingo. Em seguida, indica-lhe um médico.

    O médico, que não gostava de trabalhar com pobres e para pobres, distrata Macabéa e ela, mesmo assim, agradece. Constata-se que Macabéa está com tuberculose.

    Quando ela volta a falar com Glória, esta indica-lhe uma cartomante: Madama Carlota. A cartomante mente para Macabéa que sai de lá convencida de que será outra, de que será feliz e de que encontrará seu príncipe. Ao dar um passo para atravessar a rua, ela é atropelada por um carro Mercedes Benz ouro. Esta é a hora da estrela onde ela será "tão grande como um cavalo morto": ferida de morte, a personagem vomita um pouco de sangue, mas queria ter vomitado "uma estrela de mil pontas". O narrador termina refletindo sobre a morte não só de Macabéa como a dele, mas "por enquanto é tempo de morangos. Sim".

    Editado por NilceuProf

    Haloscan

    Zip Net


    Enviar esta mensagem




    OS LUSÍADAS: RESUMO

    OS LUSÍADAS: RESUMO

    CANTO I

    Proposição: (estrofes 1 a 3) Intenção do poema: celebrar os feitos lusitanos, navegações e conquistas.

    Invocação (estrofes 4 e 5) às ninfas do Tejo (Tágides) para que dêem inspiração.

    Dedicatória (estrofes 6 a 18) ao rei D. Sebastião.

    Narração: a partir da estrofe 19. Concílio dos deuses sobre a ousada decisão dos portugueses: devem favorecê-los ou impedi-los? Júpiter é favorável; Baco, ferrenhamente contrário; também são a favor Marte e Vênus, esta nos Portugueses vendo a raça latina descendente de seu filho Enéias. Baco, derrotado na assembléia divina, põe em ação a sua hostilidade contra os lusos, procurando impedir que cheguem à sua Índia, e para isto se valendo da gente africana, que lhes arma ciladas.
     

    CANTO II

    Chegada a Mombaça, onde continuam as hostilidades de Baco na traição dos Mouros: os navegadores seriam sacrificados se acedessem ao pérfido convite do rei para desembarcarem. Vênus, porém, de novo os salva, intercedendo junto a Júpiter. Retrato de Vênus [36. "Os crespos fios d'ouro se esparziam / pelo colo (...)"]. Júpiter profetiza os gloriosos feitos lusíadas no Oriente (44 e ss.) e envia Mercúrio a Melinde, a fim de predispor os naturais desta cidade a bem acolherem os Portugueses, o que se cumpre. O rei de Melinde pede ao Gama lhe narre a história de Portugal.
     

    CANTO III

    Invocação à musa da eloqüência e da epopéia, Calíope, e logo a narração do Gama ("Entre a Zona que o Cancro senhoreia..."): geografia e história de Portugal (destaque para a batalha de Ourique, a guerra contra os mouros, a batalha do Salado e, sobretudo, o episódio de Inês de Castro "Que depois de ser morta foi Rainha" — 118-35).
     

    CANTO IV

    Prossegue a narração do Gama, com relevo para Nuno Álvares Pereira e as batalhas contra os castelhanos, sobretudo a de Aljubarrota (28. "Deu sinal a trombeta Castelhana, / Horrendo, fero, ingente e temeroso"), as conquistas na África, a batalha de Toro, o reinado de D. Manuel e seu sonho do domínio das Índias, a partida para o Oriente e as famosas imprecações do Velho do Restelo (95. "Ó glória de mandar! Ó vã cobiça"), 94-104, que em clímax inspirado encerram o canto.
     

    CANTO V

    Partida da expedição do Gama. A tromba marinha (19-23). Na Ilha de Santa Helena; aventura de Fernão Veloso. O gigante Adamastor (38-60). Conclusão da narração do Gama.
     

    CANTO VI

    Festas aos Lusos em Melinde e partida da frota para Calecute. Novas insídias de Baco, junto a Netuno, no fundo dos mares. Descrição do reino de Netuno (8-14). Fernão Veloso narra o episódio dos Doze de Inglaterra (42-69) para distrair a monotonia de bordo. Tempestade provocada pelo insidioso Baco (70 e ss.), com nova intervenção de Vênus (85 e ss.), que amaina o furor dos ventos. Chegada a Calecute (92), ação de graças do Gama (93-4) e elogio da verdadeira glória — a dos que enfrentam "trabalhos graves e temores", " tempestades e ondas cruas".
     

    CANTO VII

    Chegada à Índia. Elogio de Portugal pelo Poeta. Descrição da Índia. Encontro com o mouro Monçaide, que descreve a Índia (31-41). Portugueses recebidos pelo regente dos reinos — O Catual, o Samorim. Troca de gentilezas e informações. O Poeta novamente invoca as musas (78 e ss.) para, inspirado, prosseguir no canto.
     

    CANTO VIII

    Paulo da Gama, irmão de Vasco, narra ao Catual a história dos heróis portugueses (Luso, Ulisses, Viriato, Sertório, D. Henrique, Afonso Henriques, Egas Moniz, etc.). Baco insiste na perseguição, instigando em sonhos os chefes dos nativos. Hostilidades, retenção do Gama em terra, que só se liberta a poder de dinheiro (93-6): o poder corruptor do vil metal (96-9).
     

    CANTO IX

    Retenção de Álvaro e Diogo, portadores da "fazenda", mero pretexto para deterem-se os descobridores europeus. Por fim, libertados, recolhem às naus que preparam a volta à pátria. Vênus resolve premiar os heróis (18 e ss.) com prazeres divinos: a Ilha dos Amores (51-87) e seu simbolismo (88-95).
     

    CANTO X

    Banquete de Tétis aos Portuguêses, na Ilha dos Amores. Canta uma ninfa profecias de Proteu. Nova invocação do Poeta a Calíope (8-9), que permita condigna conclusão do poema. Relembrança das profecias da Ninfa; glórias futuras de Portugal no Oriente (10-73). Tétis mostra ao Gama a máquina do Mundo, como a viu Ptolomeu (76-142) — céus e terras, com destaque para a Ilha de São Tomé (109-19). Partida da Ilha dos Amores e regresso a Portugal. Desalento do Poeta (145. "No mais, Musa, no mais, que a Lira tenho / Destemperada, e a voz enrouquecida") por "cantar a gente surda e endurecida". Fala final a D. Sebastião e conclusão do poema .

    Editado por NilceuProf

    Haloscan

    Zip Net


    Enviar esta mensagem




    Resumo: Cinco minutos

    Resumo: Cinco minutos :

    José de Alencar

        

     

    O romancete de estréia era apenas uma "história curiosa", ocorrida

    há dois anos com o Autor anônimo do folhetim, e relatada à sua prima

    D. . ., interessada em saber os motivos Por que ele, jovem, rico, elegante,

    disputado pelas moças da sociedade do Rio de janeiro e, em matéria de

    conquistas um dos célebres "leões" dessa sociedade, desaparecera da Corte.

    Editado por NilceuProf

    Haloscan

    Zip Net


    Enviar esta mensagem




    Biografia: Casimiro de Abreu

    Biografia: Casimiro de Abreu

    Casimiro de Abreu (Casimiro José Marques de  Abreu), poeta, nasceu em Barra de São João, RJ, em 4 de janeiro de 1839, e faleceu em Nova Friburgo, RJ, em 18 de outubro de 1860. É o patrono da Cadeira nº 6 da Academia Brasileira de Letras, por escolha do fundador Teixeira de Melo.

    Era filho natural do abastado comerciante e fazendeiro português José Joaquim Marques Abreu e de Luísa Joaquina das Neves. O pai nunca residiu com a mãe de modo permanente, acentuando assim o caráter ilegal de uma origem que pode ter causado bastante humilhação ao poeta. Passou a infância sobretudo na propriedade materna, Fazenda da Prata, em Correntezas. Recebeu apenas instrução primária, estudando dos 11 aos 13 anos no Instituto Freeze, em Nova Friburgo (1849-1852), onde foi colega de Pedro Luís, seu grande amigo para o resto da vida. Em 52 foi para o Rio de Janeiro praticar o comércio, atividade que lhe desagradava, e a que se submeteu por vontade do pai, com o qual viajou para Portugal no ano seguinte. Em Lisboa iniciou a atividade literária, publicando um conto e escrevendo a maior parte de suas poesias, exaltando as belezas do Brasil e cantando, com inocente ternura e sensibilidade quase infantil, suas saudades do país. Lá compôs também o drama Camões e o Jau, representado no teatro D. Fernando (1856). Ele só tinha dezessete anos, e já colaborava na imprensa portuguesa, ao lado de Alexandre Herculano, Rebelo da Silva e outros. Não escrevia apenas versos. No mesmo ano de 1856, o jornal O Progresso imprimiu o folhetim Carolina, e na revista Ilustração Luso-Brasileira saíram os primeiros capítulos de Camila, recriação ficcional de uma visita ao Minho, terra de seu pai.

    Em 1857, voltou ao Rio, onde continuou residindo a pretexto de continuar os estudos comerciais. Animava-se em festas carnavalescas e bailes e freqüentava as rodas literárias, nas quais era bem relacionado. Colaborou em A Marmota, O Espelho, Revista Popular e no jornal Correio Mercantil, de Francisco Otaviano. Nesse jornal, trabalhavam dois moços igualmente brilhantes: o jornalista Manuel Antônio de Almeida e o revisor Machado de Assis, seus companheiros em rodas literárias. Publicou As primaveras em 1859. Em 60, morreu o pai, que sempre o amparou e custeou de bom grado as despesas da sua vida literária, apesar das queixas românticas feitas contra a imposição da carreira. A paixão absorvente que consagrou à poesia justifica a reação contra a visão limitada com que o velho Abreu procurava encaminhá-lo na vida prática.

    Doente de tuberculose, buscou alívio no clima de Nova Friburgo. Sem obter melhora, recolhe-se à fazenda de Indaiaçu, em São João, onde veio a falecer, seis meses depois do pai, faltando três meses para completar vinte e dois anos.

    Em As primaveras acham-se os temas prediletos do poeta e que o identificam como lírico-romântico: a nostalgia da infância, a saudade da terra natal, o gosto da natureza, a religiosidade ingênua, o pressentimento da morte, a exaltação da juventude, a devoção pela pátria e a idealização da mulher amada. A sua visão do mundo externo está condicionada estreitamente pelo universo do burguês brasileiro da época imperial, das chácaras e jardins. Trata de uma natureza onde se caça passarinho quando criança, onde se arma a rede para o devaneio ou se vai namorar quando rapaz.

    À simplicidade da matéria poética corresponde amaneiramento paralelo da forma. Casimiro de Abreu desdenha o verso branco e o soneto, prefere a estrofe regular, que melhor transmite a cadência da inspiração “doce e meiga” e o ritmo mais cantante. Colocado entre os poetas da segunda geração romântica, expressa, através de um estilo espontâneo, emoções simples e ingênuas. Estão ausentes na sua poesia a surda paixão carnal de Junqueira Freire, ou os desejos irritados, macerados, do insone Álvares de Azevedo. Ele pôde sublimar em lânguida ternura a sensualidade robusta, embora quase sempre bem disfarçada, dos seus poemas essencialmente diurnos, nos quais não se sente a tensão das vigílias. No poema “Violeta” configura a teoria do amor romântico, segundo a qual devem ficar subentendidos os aspectos sensuais mais diretos, devendo, ao contrário, ser manifestado com o maior brilho e delicadeza possível o que for idealização de conduta. O meu livro negro, em toda a sua obra, é o único momento de amargura violenta e rebeldia mais acentuada; noutros o drama apenas se infiltra, menos compacto. Em sua poesia, talvez exagerada no sentimentalismo e repleta de amor pela natureza, pela mãe e pela irmã, as emoções se sucedem sem violência, envolvidas num misto de saudade e de tristeza.

    Escreveu as seguintes obras: Camões e o Jau, teatro (1856); Carolina, romance (1856); Camila, romance inacabado (1856); A virgem loura Páginas do coração, prosa poética (1857); As primaveras (1859). Foram reunidas na Obras de Casimiro de Abreu, edição comemorativa do centenário do poeta; organização, apuração do texto, escorço biográfico e notas por Sousa da Silveira.

    Editado por NilceuProf

    Haloscan

    Zip Net


    Enviar esta mensagem




    Vygotsky: Biografia Parte II

    Vygotsky: Biografia Parte II

    A partir do momento que a criança descobre que tudo tem um nome, cada novo objeto que surge representa um problema que a criança resolve atribuindo-lhe um nome. Quando lhe falta a palavra para nomear este novo objeto, a criança recorre ao adulto. Esses significados básicos de palavras assim adquiridos funcionarão como embriões para a formação de novos e mais complexos conceitos. Pensamento, linguagem e desenvolvimento intelectual      

    De acordo com Vygotsky, todas as atividades cognitivas básicas do indivíduo ocorrem de acordo com sua história social e acabam se constituindo no produto do desenvolvimento histórico-social de sua comunidade (Luria, 1976). Portanto, as habilidades cognitivas e as formas de estruturar o pensamento do indivíduo não são determinadas por fatores congênitos. São, isto sim, resultado das atividades praticadas de acordo com os hábitos sociais da cultura em que o indivíduo se desenvolve. Conseqüentemente, a história da sociedade na qual a criança se desenvolve e a história pessoal desta criança são fatores cruciais que vão determinar sua forma de pensar. Neste processo de desenvolvimento cognitivo, a linguagem tem papel crucial na determinação de como a criança vai aprender a pensar, uma vez que formas avançadas de pensamento são transmitidas à criança através de palavras (Murray Thomas, 1993).      

    Para Vygotsky, um claro entendimento das relações entre pensamento e língua é necessário para que se entenda o processo de desenvolvimento intelectual. Linguagem não é apenas uma expressão do conhecimento adquirido pela criança. Existe uma inter-relação fundamental entre pensamento e linguagem, um proporcionando recursos ao outro. Desta forma a linguagem tem um papel essencial na formação do pensamento e do caráter do indivíduo. Zona de desenvolvimento próximo      

    Um dos princípios básicos da teoria de Vygotsky é o conceito de "zona de desenvolvimento próximo". Zona de desenvolvimento próximo representa a diferença entre a capacidade da criança de resolver problemas por si própria e a capacidade de resolvê-los com ajuda de alguém. Em outras palavras, teríamos uma "zona de desenvolvimento auto-suficiente" que abrange todas as funções e atividades que a criança consegue desempenhar por seus próprios meios, sem ajuda externa. Zona de desenvolvimento próximo, por sua vez, abrange todas as funções e atividades que a criança ou o aluno consegue desempenhar apenas se houver ajuda de alguém. Esta pessoa que intervém para orientar a criança pode ser tanto um adulto (pais, professor, responsável, instrutor de língua estrangeira) quanto um colega que já tenha desenvolvido a habilidade requerida.      

    Uma analogia interessante nos vem à mente quando pensamos em zona de desenvolvimento próximo. Em mecânica, quando regula-se o ponto de um motor a explosão, este deve ser ajustado ligeiramente à frente do momento de máxima compressão dentro do cilindro, para maximizar a potência e o desempenho.      

    A idéia de zona de desenvolvimento próximo é de grande relevância em todas as áreas educacionais. Uma implicação importante é a de que o aprendizado humano é de natureza social e é parte de um processo em que a criança desenvolve seu intelecto dentro da intelectualidade daqueles que a cercam (Vygotsky, 1978). De acordo com Vygotsky, uma característica essencial do aprendizado é que ele desperta vários processos de desenvolvimento internamente, os quais funcionam apenas quando a criança interage em seu ambiente de convívio. A influência de Vygotsky na teoria de Krashensobre aprendizado de línguas estrangeiras      

    O conceito de zona de desenvolvimento próximo tem clara semelhança com a hipótese input de Krashen, segundo a qual o aprendizado ideal ocorre quando o aluno recebe input lingüístico de nível imediatamente superior ao seu. Por exemplo, se o aluno estiver num estágio ‘i’, assimilação máxima ocorrerá se ele receber input inteligível correspondendo a um nível ‘i + 1’.      

    A hipótese acquisition-learning de Krashen também parece ter sido diretamente influenciada por Vygotsky. O conceito de acquisition delineado por Krashen mostra-se uma aplicação perfeita da teoria de desenvolvimento cognitivo como fruto da história da experiência social do indivíduo de Vygotsky.      

    O trabalho de Vygotsky ajuda a explicar o desenvolvimento cognitivo do ser humano e também serve como base das recentes tendências na lingüística aplicada em direção a metodologias de ensino de línguas estrangeiras menos planificadas e mais naturais e humanas, mais comunicativas e baseadas na experiência prática em ambientes multiculturais de convívio.

    Editado por NilceuProf

    Haloscan

    Zip Net


    Enviar esta mensagem




    Vygotsky: Biografia PARTE I

    Vygotsky: Biografia PARTE I

    Lev Semenovich Vygotsky (1896 – 1934) fez seus estudos na Universidade de Moscou para tornar-se professor de literatura. O objetivo de suas pesquisas iniciais foi criação artística. Foi só a partir de 1924 que sua carreira mudou drasticamente, passando Vygotsky a dedicar-se a psicologia evolutiva, educação e psicopatologia. A partir daí ele concentrou-se nessas área e produziu obras em ritmo intenso até sua morte prematura em 1934, devido a tuberculose. Devido a vários fatores, inclusive a tensão política entre os Estados Unidos e a União Soviética após a última guerra, o trabalho de Vygotsky permaneceu desconhecido a grande parte do mundo ocidental durante décadas. Quando a Guerra Fria acabou, este incrível patrimônio de conhecimento deixado por Vygotsky começou a ser revelado. O nome de Vygotsky hoje dificilmente deixa de aparecer em qualquer discussão séria sobre processos de aprendizado. Origens do pensamento e da língua de acordo com Vygotsky      

    Assim como no reino animal, para o ser humano pensamento e linguagem têm origens diferentes. Inicialmente o pensamento não é verbal e a linguagem não é intelectual. Suas trajetórias de desenvolvimento, entretanto, não são paralelas - elas cruzam-se. Em dado momento, a cerca de dois anos de idade, as curvas de desenvolvimento do pensamento e da linguagem, até então separadas, encontram-se para, a partir daí, dar início a uma nova forma de comportamento. É a partir deste ponto que o pensamento começa a se tornar verbal e a linguagem racional. Inicialmente a criança aparenta

    usar linguagem apenas para interação superficial em seu convívio, mas, a partir de certo ponto, esta linguagem penetra no subconsciente para se constituir na estrutura do pensamento da criança. O significado das palavras e a formação de conceitos... um problema deve surgir, que não possa ser solucionado a não ser que pela formação de um novo conceito (Vygotsky, 1962:55)    

      

     

    Editado por NilceuProf

    Haloscan

    Zip Net


    Enviar esta mensagem




    PABLO NERUDA - BIOGRAFIA

    PABLO NERUDA - BIOGRAFIA

    Sobre o Autor e sua Obra

    Pablo Neruda

    Pablo Neruda - Neftalí Ricardo Reyes Basualto - nasceu em Parral, no Chile, em 12 de julho de 1904. O nome Pablo Neruda, que adotara como escritor, tornou-se seu nome oficial em 1946.
    Cônsul do Chile na Espanha e no México, eleito senador em 1945, foi embaixador na França (1970). Suas poesias da primeira fase são inspiradas por uma angústia altamente romântica. Passou por uma fase surrealista. Tornou-se marxista e revolucionário, sendo, primeiramente, a voz angustiada da República Espanhola e, depois, das revoluções latino-americanas.
     
    Alternando a vida literária com a diplomática, Pablo Neruda era o embaixador chileno na França quando ocorreu o golpe de Estado que depôs o presidente Salvador Allende.  
    .
    Esteve no Brasil em diversas oportunidades, e, numa delas, declamou poemas seus perante grande massa popular concentrada no estádio do Pacaembu, em São Paulo.
    .
    Obras principais: A canção da festa (1921), Crepusculário (1923), Vinte poemas de amor e uma canção desesperada (1924), Tentativa do homem infinito (1925), Residência na terra [vol. I, 1931; vol.II, 1935; vol.III,1939, que inclui Espanha no coração (1936-1937)], Ode a Stalingrado (1942), Terceira residência (1947), Canto geral (1950), Odes elementares (1954), Navegações e retornos (1959), Canção de gesta (1960), ensaios (Memorial da ilha negra, 1964) e a peça teatral Esplendor e morte de Joaquín Murieta (1967).

    Em 1971, Neruda recebeu o Prêmio Nobel de Literatura e o Prêmio Lênin da Paz. Antes havia sido agraciado com o Prêmio Nacional de Literatura (1945).

     

    Editado por NilceuProf

    Haloscan

    Zip Net


    Enviar esta mensagem




    A farsa de Inês

    A Farsa de Inês Pereira

    Gil Vicente

     
    A Farsa de Inês Pereira é considerada a mais complexa peça de Gil Vicente. Ao apresentá-la, o teatrólogo português diz: "A seguinte farsa de folgar foi representada ao muito alto e mui poderoso rei D. João, o terceiro do nome em Portugal, no seu Convento de Tomar, na era do Senhor 1523. O seu argumento é que, porquanto duvidavam certos homens de bom saber, se o Autor fazia de si mesmo estas obras, ou se as furtava de outros autores, lhe deram este tema sobre que fizesse: é um exemplo comum que dizem:

    Mais vale asno que me leve que cavalo que me derrube.

    E sobre este motivo se fez esta farsa".

    A obra pode ser dividida em cinco partes: a primeira é um retrato da rotina na qual se insere a protagonista; a segunda reflete a situação da mulher na sociedade da época, cujos registros são dados pela mãe de Inês, pela própria Inês e por Lianor Vaz; a terceira mostra o comércio casamenteiro, representado pelos judeus comerciantes e pelo arranjo matrimonial-mercantil de Inês com Brás da Mata; a quarta considera o casamento, o despertar para a realidade, contrapondo-a ao sonho que embalava as fantasias da protagonista e, finalmente, a quinta parte reflete a realidade brutal da qual Inês, experiente e vivida, procura tirar proveito próprio. A peça apresenta uma situação concreta, com uma personagem bem delineada psicologicamente e um fio condutor melhor configurado que as produções anteriores de Gil Vicente.

    O enredo é simples: uma jovem sonhadora procura, por meio de um casamento com homem ioavisado que saiba tanger violala, fugir à rotina doméstica. Despreza a proposta de Pero Marques, filho de um camponês rico, homem tolo e ingênuo, e aceita se casar com Brás da Mata, escudeiro pelintra e pobretão. No entanto, os sonhos da heroína são logo desfeitos, porque o marido revela sua verdadeira personalidade, maltratando-a e explorando-a. Brás da Mata vai para a África e lá vem a falecer. Inês, ensinada pela dura experiência, toma consciência da realidade e aceita se casar com Pero Marques, seu primeiro pretendente. Depressa também a jovem aceita a corte de um falso ermitão. A farsa termina com o marido (cantado por ela como cuco, gamo e cervo, tradicionalmente concebidos como símbolos do homem traído) levando-a às costas (asno que me carregue) até a gruta em que vive o ermitão, para um encontro nada ingênuo.

    Editado por NilceuProf

    Haloscan

    Zip Net


    Enviar esta mensagem